SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (71) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (146) CLASSE MATERNAL (103) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (505) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (284) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (9) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (147) MODISMOS (2) Mundo (608) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (229) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (110) REVISTA CLASSE JUNIORES (242) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (185) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (389) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (592) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

31 maio 2012

PRE ADOLESCENTES - Lição 10: Luz para todos


2º Trim. 2012 - PRE ADOLESCENTES - Lição 10: Luz para todos

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRE ADOLESCENTES – CPAD
2º Trimestre 2012
Tema: As Parábolas de Jesus
Comentaristas: Damaris Ferreira da Costa, Telma Bueno, Verônica Araujo

LIÇÃO 10 – LUZ PARA TODOS

Texto bíblico   Marcos 4.21-25
Disse-lhes mais: Vem porventura a candeia para se meter debaixo do alqueire, ou debaixo da cama? não é antes para se colocar no velador?
Porque nada está encoberto senão para ser manifesto; e nada foi escondido senão para vir à luz.
Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça.
Também lhes disse: Atendei ao que ouvis. Com a medida com que medis vos medirão a vós, e ainda se vos acrescentará.
Pois ao que tem, ser-lhe-á dado; e ao que não tem, até aquilo que tem ser-lhe-á tirado.

Objetivos
Entender o simbolismo da palavra luz na Bíblia, assim desejar refletir essa luz.
Bem como testemunhar publicamente a sua fé em Cristo.

Introdução
A lição que estudaremos hoje se trata da parábola da Candeia, é uma das parábolas rápidas citadas pelo Senhor, contudo ela é de uma grande simbologia.
É uma parábola relacionada ao reino de Deus, aonde tem por propósito mostrar que é impossível esconder o brilho da luz, esta mesma luz de Cristo, deve sempre estar resplandecendo em nossas vidas. Afim de iluminar a todos quanto andam em trevas.


I – A Luz
Jesus usou nesta parábola um pequeno utensílio doméstico rústico usado para iluminação, com pavio abastecido a óleo. – A candeia
A candeia era a lâmpada dos tempos de Jesus. Na parábola, ela significa a luz de Deus que brilha por meio de quem realmente teve uma experiência pessoal com Jesus, e frutificou no seu caminho. Sua vida vai manifestar um brilho especial que sinaliza ao mundo ter-se descoberto o caminho da paz, da alegria e da fé, que as pessoas tanto procuram.

O papel da Palavra de Deus no coração do homem é justamente este: o de tirá-lo da senda tenebrosa do ódio e da amargura, para colocá-lo nas veredas de luz, que só o amor divino pode oferecer. Uma vez que a pessoa teve essa experiência, e vai crescendo mais e mais no conhecimento do Evangelho, a luz de Cristo no seu interior, na mesma proporção, vai brilhando cada vez mais, iluminando o caminho para aqueles que ainda se encontram nas trevas (Jo 1.4, 5; I Jo 1.5-7).
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens;
a luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela. (Jo 1.4,5)
Espiritualmente, milhões de pessoas vivem imersas em verdadeira escuridão espiritual. Por isso Jesus disse as palavras de João 8:12 
“Eu sou a luz do mundo”. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida.
a)      Uma vida é tomada por trevas enquanto dominada pelo pecado. Infelizmente há muitos que preferem continuar nas trevas porque não querem abandonar o pecado! Isto é claro em Jo 3:19-21: Este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram as trevas, e não a luz, porque as suas obras eram más. Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam manifestas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, para que se veja claramente que as suas obras são realizadas por intermédio de Deus.
b)      Quem vive em trevas está inserido no Reino das Trevas! Tal reino consiste numa região de morte, de dor... a Bíblia chama esta situação de “região da sombra da morte” Em Mt 4:16 lemos que Jesus é a Luz que veio nos livrar destas trevas terríveis! O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz.
c)      A Luz do Mundo, Jesus, transforma nossas vidas.  Tal transformação começa com a entrega de nossas vidas ao Seu domínio e prossegue. Uma das principais mudanças é realçada por João em I João 2:9-11 (este é um bom momento para você ministrar sobre perdão!). Quando a Luz do Mundo invade nossas vidas, ela passa a ser refletida através de nós (leia Mt 5:14,15).
( fonte: Pastor Paulo Petrizi)

II – Onde você deve brilhar?
O texto diz que a candeia não vem para ser deixada em um lugar qualquer da casa, e sim no velador, para iluminar a todos. Ela sempre se posicionava de forma estratégica para iluminar eficazmente a toda a casa. Ficava em lugares altos e não ocultos.
Jesus está dizendo que, aquele que teve uma experiência genuína com o Pai, também será por Ele posicionado em lugares estratégicos.
A pessoa que está crescendo em maturidade por causa da semente plantada no coração, será uma abençoadora de vidas.
Ela terá condições de beneficiar um número maior de pessoas, iluminado-as com a luz do Evangelho que emana do seu interior.
Quem nos posiciona em lugares altos é o próprio Senhor, que conhece o nosso coração e sabe que ele tem frutificado. O Seu desejo é de salvar o mundo perdido, e o fará por meio daqueles que forem fiéis na administração da semente bendita plantada no interior. Aquele que é fiel no pouco, sobre o muito será colocado (Mt 25.23).
Desta forma nossa luz deve brilhar em todos  os lugares, na escola, entre nossos amigos, no trabalho, na igreja, na rua aonde moramos.

III – Nada ficará escondido
Jesus disse que nada está encoberto, senão para vir à luz. Assim como uma semente permanece oculta por um certo tempo, após ter sido semeada na terra, permanece encoberta a Palavra plantada no coração. Como a semente que vem para fora no seu devido tempo, por causa do crescimento, assim acontece com a semente divina, quando começa a revelar-se ao mundo por meio do amadurecimento cristão.
Aquele que a tem recebido em seu coração, pela fé, mais cedo ou mais tarde, terá a alegria de ver sua manifestação aos homens, por meio de um fruto, por ela gerado na unção do Espírito Santo (Gl 5.22-23).

Para que a luz venha a manifestar-se, é necessário que a pessoa, canal da luz, seja uma boa ouvinte da Palavra (Dt 8.3 b).
O solo que frutificou na parábola do semeador representa a pessoa que, antes de tudo, ouviu a Palavra e a recebeu, para depois poder frutificar. Antes da frutificação vem o receber, e antes do receber, o ouvir.
Como temos ouvido a Mensagem Divina? Não falamos do ouvir com os ouvidos naturais, e sim com os do coração. Todos os resultados esperados no amanhã dependem como atentamos, de forma sensível e receptiva, ao que Deus está falando hoje.

Conclusão
O apóstolo Paulo ensinou em Col 1:13 que Jesus nos resgatou do império das trevas!. e que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado;
E este Reino é o reino da luz.

Colaboração para Portal Escola Dominical – Prof. Jair César S. Oliveira

JUVENIS - Lição 10: Chamado para Testemunhar de Cristo


2º trim. 2012 - JUVENIS - Lição 10: Chamado para Testemunhar de Cristo

JUVENIS – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: O sentido da vocação cristã
Comentaristas: Esdras Bento, Miriam Reiche, Telma Bueno e Vera Garcez.

LIÇÃO 10 - CHAMADO PARA TESTEMUNHAR DE CRISTO

ENFOQUE BIBLICO
“Bem aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos! Pois comerás do trabalho de tuas mãos, feliz serás, e te irá bem.” (Sl 128.1,2)

OBJETIVOS:
Explicar o significado do vocábulo testemunha.
Apresentar o significado das expressões “sal da terra” e “luz do mundo”.
Discutir com os alunos a importância de ser uma testemunha fiel a Cristo.

INTRODUÇÃO
Ser testemunha de Cristo é ser sal da terra, um verdadeiro representante de Cristo neste globo terrestre. A ordem é que testemunhamos até os confins da terra, viver em meio a uma sociedade corrompida como preservador da moral e da ética é ser luz numa sociedade corrompida sem participar da mesma.

EXPLICANDO O VOCABULO “TESTEMUNHA”
Testemunha é alguém que tem conhecimento de algo e demonstra-o; alguém que testifica em uma causa.” (Luiza J. Walker). Deus disse a uma nação toda no AT, “Vós sois as minhas testemunhas”. Enquanto que no NT, a ordem é para o individuo (At 1.8). Mas afinal o que é ser testemunha de Cristo? Em primeiro lugar, é preciso conhecê-lo pessoalmente, em segundo lugar temos que com a nossa vida demonstrar que o que falamos dele é real e em terceiro lugar devemos dizer tudo o que sabemos a respeito de Jesus. Bem para falar de Jesus é necessário que o conheçamos e saibamos que ele é real e o tenhamos como Senhor de nossas vidas.
Quando Jesus deu a ordem aos discípulos para que fossem testemunhas eles estavam preocupados em querer saber sobre os tempos e a restauração de Israel. No entanto foram designados a testemunharem, serem “marturos”, discípulos esses que não foram capazes de comparecerem no tribunal aonde Cristo fora condenado, nenhum teve a ousadia de defender o Mestre tão querido por eles. Agora em momentos diferente eles estão recebendo poder para defender a causa de Cristo, que fora crucificado e que ao terceiro dia ressuscitou. Eles viram Jesus com seus próprios olhos, presenciaram os milagres por ele realizados, caso fossem chamados para testemunharem sabiam do que estavam falando.
No grego a palavra testemunhar tem varias explicação como mostra dicionário VINE:
Autoptes – ver com os próprios olhos (Lc 1.2)
Epoptes – no sentido de supervisor – supervisionar (2Pe 1.16)
Marturion – testemunho, testemunha (At 4.33; 7.44)
Marturia – testemunha, evidência, testemunho, depoimento (Jo 3.32,33)
Martureõ – vb, testificar (Jo 2.25)
Epimartureõ – prestar testemunho de (1Pe 5.12)
Há ainda outras explicações no mesmo dicionário, nas paginas 1020 e 1021.


O SIGNIFICADO DA EXPRESSÃO “SAL DA TERRA”
Jesus disse: “vós sois o sal da terra” (Mt 5.13), uma linguagem figurada, que mostra a responsabilidade que o cristão tem diante deste mundo tão degenerado. A expressão é usada para que entendêssemos a nossa missão que em primeiro lugar é de preservar ou conservar, pois essa era a utilidade do sal nos dias de Jesus e durante muitos anos não existia os meios de conservação como os refrigeradores por exemplo. Ainda hoje a função do sal é não permitir que haja deterioração do produto. A igreja como sal é preservadora da moral da ética e enquanto ela aqui estiver o mundo ainda se manterá, mas logo a após a saída da igreja com certeza a podridão tomara conta de modo geral.

Em segundo lugar o sal produz sede, na verdade uma de nossa missão como sal da terra é produzir sede na multidão. O povo precisa da Palavra de Deus, mas um de seus símbolos é a água, quem não tem sal também não tem sede. O sal não aparece, age de modo invisível, não pode ser alem do necessário ele é visto antes do agir, mas quando esta em ação ele não é visto, quando na medida certa passa por despercebido apenas dando o sabor ao alimento, quando acima ou abaixo da medida todos reclamam.

O sal tem poder de fazer flutuar, experimente pegar um copo com água, coloque nele um ovo e põe sal, na medida em que o sal vai tomando proporção ele faz com que o ovo transborde. A ação do crente como sal da terra, faz com que o pecador saia do mundo de pecado e alcance a misericórdia de Deus. O sal como matéria viva, serve para preservar o que está morto, a carne com vida não precisa de sal. No antigo testamento todas as ofertas do sacrifício necessitavam de sal (Lv 2.13). No NT, o crente é considerado “sacrifício vivo”, logo precisa ser o sal (Rm 12.1; Cl 4.6). Jesus disse que o sal pode se tornar “insípido”, nesse caso perde a ação, uma das razões da falta do sabor ideal era a falta de ventania na época da formação. Bem um crente sem o vento do Espírito é uma vida sem poder (At 2.2; Ct 4.16), a falta de luz era outro problema para a formação de um bom sal. A água quando em tratamento o efeito químico da luz a fará transformar em um bom sal, isto prova que um crente sem a luz celestial jamais será bom sal.

O lugar da formação do sal é necessário calor adequado, para que não arruíne a formação do sal, uma igreja fria jamais terá bom sal. Quando o sal não tem valor adequado ele perde o seu sabor, em segundo lugar perde o seu valor e em terceiro lugar perde seu espaço (Mt 5.13). O crente como já vimos é o sal da terra, ou seja, é o preservador do globo terráqueo, é o instrumento de Deus na terra com objetivo de alcançar os homens com o Evangelho da Redenção. Portanto o sal precisa de uma formação adequada, não pode ser insípido.

O SIGNIFICADO DA EXPRESSÃO “LUZ DO MUNDO”
Certa vez solicitaram a Albert Einstein que dissesse qual a definição de “luz”. Ele então respondeu: “luz é à sombra de Deus...”. Em sentido figurado podemos dizer que “luz” significa esclarecer ou fazer algo compreensível. Luz é definida como uma gama de comprimentos de onda a que o olho humano é sensível. Composta de três elementos um visível e dois invisíveis e com uma velocidade de 299.792.458 m/s.
“Vós sois a luz do mundo” (Mt 5.14), a expressão terra está ligado literalmente ao globo terráqueo, o mundo físico, nesse caso ser o sal. Agora Jesus usa o vocábulo “luz” para brilhar no “mundo” referindo-se ao mundo social; à raça humana em geral. É grande a responsabilidade do crente, vivendo ele nos moldes deste mundo jamais será luz. A luz não é preconceituosa ela brilha sobre todos, sobre o criminoso assim como sobre o inocente. A missão do crente em ser luz para o mundo é proclamar o Evangelho a todos sem acepção de pessoas, sem preconceitos, independentemente de cultura, tribos, idade, sexo, cor, religião, profissão ou posição.
A luz não pode ser apenas um pavio seco que queima com rapidez, não faz muitos anos que a luz elétrica tem beneficiado a maioria das famílias brasileiras, muitos nem tem conhecimentos das famosas lamparinas que tinha que ser constantemente abastecida com azeite ou o querosene. Nos dias de Jesus não havia luz elétrica eram as lâmpadas abastecidas com azeite que traziam luz durante a noite. É interessante que as lamparinas ou lâmpadas variavam em seus modelos, mas o azeite era o mesmo. O cristão é comparado à luz do mundo, logo, Jesus está falando da responsabilidade que temos em brilhar, clarear o caminho dessa sociedade que vive em densas trevas. Não temos luz própria, mas o crente cheio do Espírito Santo é apenas um pavio encharcado com o óleo do Espírito que é aceso para transmitir o brilho de Cristo.

O dever de arder, brilhar, ter poder, luz da parte de Deus (Jo 5.35), não se pode imaginar um crente apagado, sem força para testemunhar de Cristo. Uma das características da luz é não se misturar, ela pode estar iluminando uma poça de lama ou um monte de lixo, mas a luz é incontaminavel, que responsabilidade tem o crente ser a luz do mundo sem se contaminar com suas obras infrutuosas (Lc 11.33-36). A luz é progressiva, primeiro veio à luz da lenha, depois foi desenvolvida a luz do óleo, mais tarde a luz de gás e com o avanço da ciência veio à luz incandescente, a elétrica a seguir a fluorescente que superou a todas. E à medida que a ciência se multiplica a luz continua a progredir, assim deve o crente também progredir diante de Deus, ter mais comunhão com o Criador e ser mais eficiente no papel de iluminar o caminho para a sociedade (Pv 4.18).

A intensidade da luz evita que as pestes que andam na escuridão atinjam o mundo (Sl 91.6), as doenças provenientes de umidades também desaparece, uma vez que a luz drena a umidade e enxuga os lugares alagados. O crente é benção de Deus para o mundo, embora alguns contribuam piorar as coisas aqui, falhando no papel de luz. Ninguém conseguira jamais pegar a luz, o sal ele pode pegar, mas a luz é misteriosa apenas é vista. Composta de três raios o visível chamado lumífero, os outros dois são invisíveis. A luz é mansa e é delicada, não danifica ao mesmo tempo em que brilha sobre algo solido e forte, brilha também sobre o delicado sem que haja prejuízo. Mostrando assim a sabedoria que o crente deve ter como pregador do Evangelho de Cristo. A luz ainda tem o papel de alertar ela esta nas bóias, nos faróis, nos sinais de trânsitos, qualquer negligencia aos seus apelos pode haver graves acidentes.


A IMPORTANCIA DE SER UMA TESTEMUNHA FIEL DE CRISTO
Todo crente está incluído nesse plano, ser testemunha de Cristo trata-se do elemento fundamental na evangelização. O poder não é dado a uma pessoa especifica na igreja é distribuído a todos, nem mesmo a fúria dos imperadores romanos foi capaz de calar aqueles discípulos que antes medrosos e cheio de falhas, mas que depois do enchimento de poder se tornaram imponentes e destemidos a ponto de desafiarem até a morte. As prisões, os açoites e os escárnios os levavam a oração para que fossem mais ousados (At 5.18-20). Eles eram testemunhas oculares do que Jesus havia feito no meio deles.

É importante notar que baseado nesse plano de Deus, no máximo uns setenta anos depois da fundação da igreja quase todos haviam morrido, no entanto a igreja agora tem como testemunha os que não andaram com Jesus e não podiam dizer as mesmas coisas com relação a isso. Bem eles não eram testemunhas oculares da vida, morte, ressurreição e ascensão de Jesus como os demais. Mas todo o verdadeiro cristão possui conhecimento pessoal de Cristo e pela fé em sua Palavra crê que ele nasceu de uma virgem se tornando homem, morreu na cruz do calvário, ao terceiro dia ressuscitou e subiu para estar com o Pai depois de tudo consumado.
Somos convidados a sermos testemunhas, “sereis minhas testemunhas”, a pessoa é  arrolada no processo com testemunha por uma razão; conhecimento dos fatos, ter visto ou conhecer a pessoa em julgamento. Todos fugiram no julgamento de Jesus diante dos tribunais, agora ele encheu-nos de poder e nos arrolou no processo com testemunhas, não podemos falhar. A história conta de alguns mártires (testemunhas), tal qual Perpetua, que é levada ao interrogatório e seu pai se faz presente desgostoso e com maior desejo de salvar a filha pediu que tivesse dó de seus cabelos brancos, e pensasse na honra de seu nome; que se lembrasse que ele havia sido um bom pai e que a amava acima dos demais filhos e que não podia viver sem ela. Em seguida beijou os seus pés as mãos, e chorou amargamente, propôs até lhe chamar de senhora ao invés de filha. A coragem de Perpetua  era inabalável e disse: “fique sabendo meu pai, que nós não podemos dispor de nós mesmos, mas que esse poder pertence a Deus”. Seu velho pai a visitou outras vezes, mas em vão, Perpetua foi enrolada em redes e lançada a uma vaca brava, os ferimentos não a mataram, teve o coração traspassado pela lança do algoz (Historia do Cristianismo. Pg 32,33)

Outro mártir ao ser interrogado instaram para que abandonassem a Cristo, ele então disse durante anos Cristo tem sido fiel a mim, porque o abandonaria agora? Resumindo não há como ficar quieto diante de tantos benefícios que Cristo nos tem feito. Há um galardão especial para aquele que for testemunha fiel (Lc 9.26).

CONCLUSÃO
Testemunhar de Cristo não é apenas falar dele ou sobre ele é viver o que ele nos ensinou. Os discípulos não eram os melhores, mas assim que receberam o poder, sentiram a necessidade de representar a Cristo em todos os momentos, não fugiam diante dos embates, lição importante para todos nós. Não há como ser testemunha sem que haja em nós o poder transformador de Cristo, portanto a mesma recomendação é valida (At 1.8).


BIBLIOGRAFIA
WALKER . Luisa J. – Evangelização Dinamica – Ed. Vida – agosto 1991
ANGLIN. W E Knight A. – Historia do Cristianismo – CPAD – 1986 - 3ª Edição
SILVA. Antonio Gilberto – Lições Biblicas - 1996 – CPAD – 4ª trimestre

Colaboração para Portal Escola Dominical - Pr Jair Rodrigues


fonte http://www.portalebd.org.br

JUNIORES - Lição 10: Um Herói sem nome


2º Trim. 2012 - JUNIORES - Lição 10: Um Herói sem nome

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JUNIORES – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: Heróis da Bíblia
Comentaristas: Damaris Ferreira da Costa & Luciana Alves de Sousa


LIÇÃO 10 – UM HERÓI SEM NOME


Texto Bíblico: João 6.1-11


Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma a conduzir seu aluno a conscientizar-se de que Deus se agrada quando compartilhamos o que possuímos com alguém que não tem. Que todos nós devemos ter um coração aberto para ajudar as outras pessoas.


Exercitando a Memória
“Quem é generoso progride na vida; quem ajuda será ajudado.”(Pv 11.25 – NTLH).

Generosidade se aplica também quando a pessoa que dá algo a alguém tem o suficiente para dividir ou não. Não se limita apenas em bens materiais. Generosos são as pessoas que se sentem bem em dividir um tesouro com mais pessoas porque isso as fará bem.


Crescendo no conhecimento
Depois disso, Jesus atravessou o lago da Galiléia, que também é chamado de Tiberíades.
Uma grande multidão o seguia porque eles tinham visto os milagres que Jesus tinha feito, curando os doentes.
E um menino que morava naquela região queria ir também para ver a Jesus.
Imaginemos um diálogo entre esse menino e sua mãe.
__  Mãe, eu gostaria de ver Jesus. Posso ir hoje? Disseram-me que Ele irá falar ao povo às margens do mar da Galiléia.
__ Mas meu filho, a multidão que se junta para ouvir esse homem, que dizem ser o Messias, o Filho de Deus, é muito grande. Você é muito novo para ir sozinho. Além disso, o sol está muito quente.
__ Ah, mãe, permita que eu vá, pois quero conhecer Jesus. Dizem que Ele conta histórias maravilhosas, cura os enfermos, cegos vêem, surdos ouvem, paralíticos andam e Ele a todos abençoa, principalmente as crianças. Por favor, eu prometo que tomo cuidado, procuro uma sombra. Faço qualquer coisa para ver e ouvir Jesus.
__ Então vá, meu filho, mas tome cuidado, pois dizem que é muita gente que segue esse homem. Ah! Vou preparar um lanche para você. Cinco pães e dois peixes. Pode ser que você se demore lá e, quando a fome apertar, você terá o que comer.
E o menino foi.

Jesus subiu um monte e sentou-se ali com os seus discípulos.
Jesus olhou em volta de si e viu que uma grande multidão estava chegando perto dele. Então disse a Filipe:
— Onde vamos comprar comida para toda esta gente?
Ele sabia muito bem o que ia fazer, mas disse isso para ver qual seria a resposta de Filipe.
Filipe respondeu assim:
 — Para cada pessoa poder receber um pouco de pão, nós precisaríamos gastar mais de duzentas moedas de prata.
Então um dos discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse:
 —  Está aqui um menino que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos. Mas o que é isso para tanta gente?
Jesus disse:
— Digam a todos que se sentem no chão. Então todos se sentaram. (Havia muita grama naquele lugar.) Estavam ali quase cinco mil homens.
Em seguida Jesus pegou os pães, deu graças a Deus e os repartiu com todos; e fez o mesmo com os peixes. E todos comeram à vontade.
Quando já estavam satisfeitos, ele disse aos discípulos:
 — Recolham os pedaços que sobraram a fim de que não se perca nada.
Eles ajuntaram os pedaços e encheram doze cestos com o que sobrou dos cinco pães.
E todos se admiraram daquele milagre que o Senhor fizera.


Aplicação da Lição
Prezado (a) enfatize aos pequenos que aquele menino que levara os pães e os peixes certamente ficou alegre de ter podido participar daquele surpreendente momento. Que se não fosse a sua generosidade, Jesus não poderia ter realizado este milagre. Todos nós podemos dispor de algo para auxiliar alguém, com certeza se assim fizermos Deus operará grandes coisas em nossas vidas e na vida das pessoas que ajudarmos.


Reproduza o desenho abaixo (galeria de imagens) para os pequenos descobrir as diferenças

Imagem: http://2.bp.blogspot.com

Fontes Consultadas:
·         Bíblia de Estudo de Aplicação Pessoal – Editora CPAD – edição 2003
·         Bíblia de Estudo Plenitude – SBB/1995 – Barueri/SP
·         Bíblia de Estudo Pentecostal – Editora CPAD – Edição 2002.
·         Bíblia Shedd – Editora Mundo Cristão – 2ª Edição
·         Bíblia de estudo da mulher – Editora Mundo Cristão/SBB – Edição 2003
·         Dicionário Vine – Editora CPAD – 3ª Edição 2003
·         365 Lições de vida extraídas de Personagens da Bíblia - Rio de Janeiro Editora CPAD


Colaboração para Portal Escola Dominical  – Profª. Jaciara da Silva



Galeria de imagens

fonte www.portalebd.org.

PRIMÁRIOS - Lição 10: Jesus, o amigo dos adoradores


2º Trim. 2012 - PRIMÁRIOS - Lição 10: Jesus, o amigo dos adoradores

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMÁRIOS – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: Jesus e seus amigos
Comentaristas: Laudicéia Barboza da Silva & Débora Ferreira da Costa


LIÇÃO 10 – JESUS, O AMIGO DOS ADORADORES


Texto Bíblico: João 12.1-8


Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma a conduzir os pequenos a conscientizar-se que Jesus é nosso melhor amigo, mas também é Deus, e precisamos adorá-Lo. Quando O adoramos estamos demonstrando o quanto nós O amamos.


Frase do dia
EU GOSTO DE DAR PRESENTE AO MEU AMIGO JESUS

Maria olhando para o Senhor Jesus ali em sua casa estava tão feliz, que decidiu demonstrar sua gratidão e amor por Ele. Maria estava bem consciente de Quem Ele era. Maria sempre deu a Ele sua melhor atenção, e então resolveu dar-lhe o que tinha de maior valor.         


Memória em Ação
“Dêem ao SENHOR a honra que Ele merece.”(1 Cro 16.29a – NTLH)

Além de seu coração, com que mais Maria adorou ao Senhor Jesus? Com nardo que é um ungüento de muita fragrância, obtido de uma planta da parte oriental da Índia. Para Maria era muito caro. Correspondia a 300 dias de trabalho (Jo 12.5).
Maria nos ensina que devemos dar o nosso melhor para o Senhor Jesus, e o que Ele deseja é que O adoremos com todo o nosso ser.


Explorando a Bíblia
Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi ao povoado de Betânia. Marta, Maria e Lázaro estavam muito agradecidos a Jesus. Lázaro havia morrido e Jesus o fez viver novamente, vocês se lembram?
Eles prepararam ali um grande jantar para Jesus. E vieram várias pessoas que também estavam agradecidas a Jesus e queriam demonstrar que O amavam.

Marta fez comidas maravilhosas e as servia com muita alegria. Lázaro dava toda atenção a Jesus, queria agradá-Lo, demonstrar que amava a Jesus e cria que Ele é o Salvador.

E Maria?
Maria resolveu:
__ Vou dar a Jesus o melhor que tenho.
Então Maria pegou um frasco cheio de um perfume muito caro, feito de nardo puro, muito caro, caríssimo que ela tinha guardado. Caminhou até onde Jesus estava assentando e ela derramou o perfume nos pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos; e toda a casa ficou perfumada.

Mas Judas Iscariotes, o discípulo que ia trair Jesus, disse:
— Este perfume vale mais de trezentas moedas de prata. Por que não foi vendido, e o dinheiro, dado aos pobres?
Judas disse isso, não porque tivesse pena dos pobres, mas porque era ladrão. Ele tomava conta da bolsa de dinheiro das ofertas e costumava roubar do que punham nela.
Então Jesus respondeu:
__ Deixe Maria em paz! Que ela fez isso para o dia do meu sepultamento. Ajudar os pobres é bom, mas os pobres estarão sempre com vocês, mas eu não estarei sempre com vocês. O que Maria fez me agradou muito, porque me ofereceu o melhor que tinha. E sabem o que mais? Em todos os lugares em que contarem aminha história as pessoas vão contar o que Maria fez hoje, e todos ficarão sabendo que ela me agradou oferecendo o seu melhor.

Maria ficou muito feliz, pois Jesus tinha entendido o que ela queria mostrar a Ele.

Prezado (a) enfatize aos pequenos que Jesus se agrada muito quando nossas ações demonstram que O amamos, que não temos um perfume caríssimo como Maria tinha, mas podemos oferecer a Ele o nosso coração, e que cada vez que obedecemos ao papai e a mamãe, não mentimos, não brigamos com nossos irmãozinhos e amiguinhos, essas boas ações são como perfume diante Dele, e O deixa muito feliz, pois vê que estamos agindo direito para agradá-Lo.


Oficina Criativa
Reproduza o desenho na galeria de imagens para os pequenos pintar

Fonte: http://www.riscosedesenhos.com.br


Fontes Consultadas:
·         Bíblia NTLH - SBB
·         Curso para Professor de EBD - Faculdade de Teologia e Ciências Humanas IBETEL – Pr. Vicente de Paula Leite
·         Allan Hart Jahsmann e Martim P. Simon  - Horinhas com Deus - Editora Sinodal
·         Bíblia Ilustrada Infantil – Editora Geografica


Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva 


JARDIM DA INFÂNCIA - Lição 10: Gosto da Escola Dominical


2º Trim. 2012 - JARDIM DA INFÂNCIA - Lição 10: Gosto da Escola Dominical

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JARDIM DE INFANCIA – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: Eu gosto da Igreja
Comentaristas: Verônica de Oliveira Araujo & Marta Doretto


LIÇÃO 10 – GOSTO DA ESCOLA DOMINICAL

Texto Bíblico      Neemias 8.1-12
Então todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés, que o Senhor tinha ordenado a Israel.
E Esdras, o sacerdote, trouxe a lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres, e de todos os que podiam ouvir com entendimento, no primeiro dia do sétimo mês.
E leu nela diante da praça que está fronteira à porta das águas, desde a alva até o meio-dia, na presença dos homens e das mulheres, e dos que podiam entender; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da lei.
Esdras, o escriba, ficava em pé sobre um estrado de madeira, que fizeram para esse fim e estavam em pé junto a ele, à sua direita, Matitias, Sema, Ananías, Urias, Hilquias e Maaséias; e à sua esquerda, Pedaías, Misael, Malquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mesulão.
E Esdras abriu o livro à vista de todo o povo (pois estava acima de todo o povo); e, abrindo-o ele, todo o povo se pôs em pé.
Então Esdras bendisse ao Senhor, o grande Deus; e todo povo, levantando as mãos, respondeu: Amém! amém! E, inclinando-se, adoraram ao Senhor, com os rostos em terra.
Também Jesuá, Bani, Serebias, Jamim, Acube; Sabetai, Hodias, Maaséias, Quelita, Azarias, Jozabade, Hanã, Pelaías e os levitas explicavam ao povo a lei; e o povo estava em pé no seu lugar.
Assim leram no livro, na lei de Deus, distintamente; e deram o sentido, de modo que se entendesse a leitura.
E Neemias, que era o governador, e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que ensinavam o povo, disseram a todo o povo: Este dia é consagrado ao Senhor vosso Deus; não pranteeis nem choreis. Pois todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei.
Disse-lhes mais: Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor. Portanto não vos entristeçais, pois a alegria do Senhor é a vossa força.
Os levitas, pois, fizeram calar todo o povo, dizendo: Calai-vos, porque este dia é santo; por isso não vos entristeçais.
 Então todo o povo se foi para comer e beber, e para enviar porções, e para fazer grande regozijo, porque tinha entendido as palavras que lhe foram referidas.




Objetivos
Concientizar os alunos da importância da Escola dominical bem como aprender a Palavra de Deus.



 A palavra é ....     Alegria
Segundo o dicionário palavra alegria é :
Forte impressão de prazer causada pela posse de um bem real ou imaginário: pular de alegria. / Júbilo, contentamento, gáudio. / Tudo que alegra e contenta: os filhos são a alegria dos pais. / Sucesso feliz. / Festa, divertimento. Antônimo de tristeza e descontentamento.

Mas em termos bíblicos  “alegria”  supera todas essas definições, pois a alegria de Deus, é algo que flui de nosso interior, e não vem apenas motivada por um acontecimento externo.

É com esta alegria que devemos vir a Casa de Deus, para aprendermos a sua Santa Palavra.



Aprendendo a Bíblia

A Escola Dominical tal como a temos hoje é uma instituição moderna, mas tem suas raízes aprofundadas na antiguidade do Antigo Testamento, nas prescrições dadas por Deus aos patriarcas e ao povo de Israel.

a)    Nos dias de Moisés
Examinado o Pentateuco, vemos que no princípio, entre o povo de Deus, eram os próprios pais os responsáveis pelo ensino da revelação divina no lar. O lar então, era de fato uma escola onde os filhos aprendiam a temer e amar a Deus (Dt 6.7; 11.18,19).
 Havia também reuniões públicas de que participavam homens, mulheres e crianças, aprendendo a lei divina (Dt 31.12, 13).

b)   Na época dos sacerdotes, reis e profetas de Israel
Os sacerdotes, além do culto divino, tinham o encargo do ensino da Lei (Dt 24.8; 1 Sm 12.23; 2 Cr 15.3; Jr 18.18).

c)   Durante o cativeiro babilônico
Nessa época, os judeus no exílio, privados do seu grandioso templo em Jerusalém, instituíram as sinagogas tão mencionadas no Novo Testamento. A sinagoga era usada com escola bíblica, casa de cultos e escola pública.

d)   No pós, cativeiro
O capítulo 8 do livro de Neemias dá um relato de como era a escola bíblica popular de então - ou como chamamos hoje: Escola Dominical. Esdras era o superintendente (NE 8.2); o livro texto era a bíblia (v.3); os alunos eram homens, mulheres e crianças (v.3; 12.43). Treze auxiliares ajudavam a Esdras na direção dos trabalhos (v.4) e outros treze serviam de professores ministrando o ensino (v. 7,8). Afirma o versículo 8 que os professores liam a palavra de Deus e explicavam o sentido para que o povo entendesse.
 O resultado desse movimento de ensino da Palavra foi a operação do Espírito Santo em profundidade no meio do povo, conforme atesta todo o capítulo 9 e os subsequentes do livro de Neemias.

e)   Nos dias de Jesus
 Jesus foi o grande Mestre, glorificando assim a missão de ensinar. Das 90 vezes que alguém se dirigiu a Cristo nos Evangelhos, 60 vezes Ele é chamado de mestre. Grande parte do ministério de Jesus foi ocupado com o ensino (Mt 4.23; 9.35; Lc 20,1). Sua última comissão a Igreja foi “IDE E ENSINAI” (MT 28.19,20). Sua ordem é clara.

Aonde e a quem Jesus ensinava?

Nas sinagogas (Mc 6.2)

Em casas particulares (Mc 2.1; Le 5.17)

No templo (Mc 12.35)

Nas aldeias (Mc 6.6)

As multidões (Mc 6.34)

A pequenos grupos e individualmente (Le 24.27; Jo capítulo 3 e 4)

O ministério de Jesus era tríplice: Ele pregava, ensinava e operava milagres.
Sendo este ministério outorgado a igreja (MT 28.19; Mc 16.15,18).
Os apóstolos também ensinavam (Mc 6.30b, At 5.21).

f)   Aplicação
 É evidente que se a Igreja de hoje cuidasse devidamente do ensino bíblico junto a crianças e novos convertidos, teríamos hoje uma igreja muito maior. A planta da parábola morreu, não porque o sol crestou-a, mas principalmente, porque não tinha raiz (MT 13.6).

g)   Nos dias da Igreja
Após a ascensão do Senhor, os apóstolos e discípulos continuavam a ensinar. A igreja dos dias primitivos dava muita importância a esse ministério (At 5.41,42).

h)    Apóstolo Paulo
Paulo, grande mestre, foi maravilhosamente usado por Deus nesse mister. Nos seus escritos há alimento, tanto para adultos como para criança de todas as idades. Ele e Barnabé, por exemplo, passaram um ano todo ensinando na igreja em Antioquia (At 11.26). Em Éfeso, ficou três anos ensinando (At 20.20,31). Em Corinto, ficou um ano e seis meses (At 18.11). Seus últimos dias em Roma foram ocupados com o ensino da Palavra (At 28.31).

Fase atual da Escola Dominical
 O movimento religioso que nos deu a Escola Dominical como a temos hoje, começou em 1780, na cidade de Gloucester, no sul da Inglaterra. O fundador foi o jornalista evangélico Roberl Raikes, de 44 anos, redator do Gloucester Journal. Raikes foi inspirado a fundar a Escola Dominical ao sentir compaixão pelas crianças de sua cidade, perambulando pelas ruas, entregues à delinqüência, pilhagem, ociosidade e ao vício, sem qualquer orientação espiritual.

De acordo com as diretrizes de Raikes, nas reuniões dominicais, além do ensino das Escrituras, era também ministrado às crianças rudimentos de linguagem, aritmética e instrução moral e cívica. Raikes enfrentou oposições. As igrejas da época encararam o surgimento da Escola Dominical como uma inovação e coisa desnecessária.


A Escola Dominical no Brasil
A Igreja Metodista trouxe a Escola Dominical para o Brasil. Em 1836, o Rev. Justin Spaulding organizou no Rio de Janeiro, entre estrangeiros, uma congregação com cerca de 40 pessoas e em junho abriu uma Escola Dominical com 30 alunos, dos quais alguns eram brasileiros, ensinados na sua própria língua.

Mas o espírito de Raikes, em criar um “instituto bíblico infantil”, somente surgiu dezenove anos mais tarde, através do casal de missionários escoceses independentes, Robert e Sarah Kalley. Eles são considerados os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram aquela que é considerada a primeira Escola Dominical em terras brasileiras. Sua audiência não foi grande: apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente para que seu trabalho florescesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Evangélica Fluminense, marco da Igrejas Evangélicas Congregacionais no Brasil.
(fonte: Wikipédia)



Historia bíblica
Como foi mencionado no texto acima, a escola dominical  que temos hoje é uma instituição moderna, mas  no antigo testamento, no livro de Neemias temos um relato que em muito se assemelha a Escola Dominical que temos hoje.

Então todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés, que o Senhor tinha ordenado a Israel.
E Esdras, o sacerdote, trouxe a lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres, e de todos os que podiam ouvir com entendimento, no primeiro dia do sétimo mês.

A continuação do texto afirma que o escriba Esdras  se colocou em cima de um estrado de madeira feito para este propósito, e ali perante todo o povo foi  lido o livro da Lei de Deus , assim tanto homens como mulheres puderam ouvir e  aprender a Palavra do Senhor.


Esdras ensina a Palavra ao Povo
Esdras foi um grande líder de Israel que se dedicou ao ensino da Palavra de Deus depois do cativeiro babilônico. Setenta anos de escravidão haviam passado. Morte, fome, opressão e desespero tomaram conta daqueles que foram arrancados de suas famílias e lançados fora da sua terra. Por intervenção divina, o povo voltou à sua terra. O cativeiro acabou. A liberdade é um fato consumado. Todavia, como o povo deveria viver nesse novo tempo? Quais valores eles deveriam abraçar?

É no meio desta crise que surgiu o grande líder Esdras. Neste capítulo 7, versículo 10, Esdras discorre sobre três propósitos do coração de um verdadeiro líder comprometido com Deus e com o seu povo:

1) Ele dispôs o seu coração para conhecer a Palavra de Deus – Ed 7.10

Esdras era um estudioso das Escrituras. Ele examinava minuciosamente a Palavra de Deus. Ele não gostava de superficialidade, antes amava a profundidade, onde as mais sublimes revelações emanavam do trono de Deus. O texto é claro, quando diz que Esdras tinha disposto o seu coração para conhecer a Palavra. Oh como precisamos de líderes que conheçam a Palavra de Deus e o Deus da Palavra.

Vivemos um tempo de grande apostasia, de surgimentos de várias heresias, que infelizmente, tem encontrado guarida no coração de muitos crentes. A cada dia, estamos vendo o povo correndo atrás de uma experiência nova, de um novo modismo, uma nova revelação. Muitas igrejas já abandonaram o estudo sistemático das Escrituras, sendo guiadas por sonhos, visões e revelações. Estamos vendo o surgimento de uma geração analfabeta de Bíblia. Quando falta o ensino fiel das Escrituras, o povo cai no erro, desviando-se das verdades da eterna Palavra de Deus.


2) Ele dispôs o seu coração para viver a Palavra de Deus – Ed 7.10

Esdras não era apenas um estudioso da Bíblia. Há inúmeros deles em nosso meio. Ele não era um teólogo de gabinete, que estava engessado em sua teologia. Ele vivia o que pregava. Sua vida era coerente. Ele não era um teórico. Sua vida era um exemplo e um paradigma para seus ouvintes.



O que vemos hoje, são teólogos que não tem paixão. Tem luz na mente, mas não tem fogo no coração. Tem fome de livros, mas não possuem fome por Deus. São cultos, mas são vazios. Discorrem com diáfana clareza em suas teologias, mas estão secos e duros como um poste. São profissionais da religião!

Há um abismo entre o que as pessoas falam e o que fazem. Há um hiato entre o que os líderes pregam e o que vivem. Há um divórcio entre a profissão de fé e a prática. Muitos são ortodoxos, mas não são ortopráticos. Não basta conhecer, é preciso viver.


3) Ele dispôs o seu coração para ensinar a Palavra de Deus – Ed 7.10

Perceba que Esdras segue uma linha de coerência. Primeiro, ele estuda a Palavra. Você não tem autoridade para ensinar aquilo que você não aprendeu e estudou. Depois, ele aplica essa Palavra à própria vida. Então, ele está apto para ensiná-la aos outros. Será que estamos seguindo estes passos?

Esdras não retém a verdade de Deus apenas para si. Ele não sonega ao povo as insondáveis riquezas da Palavra. Ele não é como o Mar Morto, que somente recebe, recebe, mas nunca dá! O coração deste homem, está transbordando a Palavra de Deus. Esdras dispôs o seu coração para ensinar a Palavra de Deus ao povo. É exatamente isso que precisamos: líderes que amem as Escrituras, amem o povo de Deus e busquem ensinar com profundidade e fidelidade todo o conselho de Deus.



Atividades:

Pinte o desenho, e leve a família pelo labirinto ate a Bíblia.
Imagem:http://2.bp.blogspot.com
 Click to open image!Click to open image!
Click to open image!Click t

Colaboração para Portal Escola Dominical – Prof. Jair César S. Oliveira

LIÇÃO 10, O GOVERNO DO ANTICRISTO -vídeos


LIÇÃO 10, O GOVERNO DO ANTICRISTO - 5 Partes de 15 minutos - 2º Trimestre de 2012
Os vídeos atuais sobre este assunto ficarão prontos até Quinta-Feira, se DEUS quiser.
Esses vídeos abaixo foram gravados para meu programa de TV - EBD NA TV, em 2009, e se referem à Licao7, 3º Trimestre de 2009 -
A chegada do Anticristo
 
  
 

LIÇÃO 10, O GOVERNO DO ANTICRISTO


LIÇÃO 10, O GOVERNO DO ANTICRISTO
Lições Bíblicas do 2º Trimestre de 2012 - CPAD - Jovens e Adultos
“As Sete Cartas do Apocalipse — A mensagem Final de CRISTO à Igreja”.
Comentários da revista da CPAD: Pr. Claudionor Correa de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
 
 
TEXTO ÁUREO 
"Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se tem feito anticristos; por onde conhecemos que é já a última hora" (1 Jo 2.18). 
 
 
VERDADE PRÁTICA 
O espírito do Anticristo já opera no mundo. Portanto, combatamo-lo com a Palavra de DEUS e com a divulgação do Evangelho de CRISTO até aos confins da terra.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - 1 Jo 2.18 A vinda do Anticristo
Terça - Ap 14.8 Babilônia: a sede do governo anticristão
Quarta - Ap 11.8 Jerusalém: a sede religiosa do Anticristo
Quinta - Ap 13. 3,4,14,15 Os dois grandes sinais do Anticristo
Sexta - Ap 20.4 Os mártires do Anticristo
Sábado - Ap 19.19-21 A destruição do Anticristo
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Apocalipse 13.1-9 
1 E eu pus-me sobre a areia do mar e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e, sobre os chifres, dez diademas, e, sobre as cabeças, um nome de blasfêmia. 2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés, como os de urso, e a sua boca, como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio.3 E vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta. 4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? 5 E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses. 6 E abriu a boca em blasfêmias contra DEUS, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. 7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda tribo, e língua, e nação. 8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. 9 Se alguém tem ouvidos, ouça.
(BEP - CPAD)
 
 
13.1 VI SUBIR DO MAR UMA BESTA. O capítulo 13 descreve o conflito entre o anticristo e DEUS e também o seu povo durante a tribulação. A besta que sobe do mar é o último grande governo mundial da história, e consiste em dez reinos sob o controle do anticristo (ver 17.12; Dn 2.40-45; 7.24,25; 11.36-45). O mar representa muitas nações (cf. 17.15). Satanás concede seu poder a esse governo e o usa contra DEUS e contra seu povo (v. 2). Ver 17.8-11, para a explicação dada pelo anjo a respeito da besta.
13.2 BESTA... SEMELHANTE AO LEOPARDO. A besta do versículo 2 é a mesma besta do versículo 1, que representa não somente o reino gentílico mundial dos tempos do fim, mas também o rei daquele reino. Esta besta é uma pessoa cruel como uma fera, que conseguirá o domínio político e religioso do mundo daqueles tempos (ver 17.13; Dn 7.4-6; 8.25; 9.27). É chamado o "homem do pecado", em 2 Ts 2.3,4 e o "anticristo", em 1 Jo 2.18 ("anti" quer dizer "em lugar de"; assim sendo, o anticristo afirmará ser o CRISTO verdadeiro, o Messias verdadeiro, Mt 24.24,25; 2 Ts 2.3,4). Ele fará uma aliança com a nação de Israel (Dn 9.27; ver o estudo O PERÍODO DO ANTICRISTO)
13.3 FERIDA DE MORTE. Aparecerá ao mundo que o anticristo foi mortalmente ferido e depois revificado pelo poder miraculoso de Satanás (vv. 2,14; cf. 2 Ts 2.9; ver Ap 17.8). Conclui-se que DEUS permitirá a Satanás, nesta ocasião, imitar o poder de CRISTO, podendo ser este seu principal meio de enganar a raça humana (cf. 2 Ts 2.9,10).
13.7 FAZER GUERRA AOS SANTOS. Durante a tribulação, o povo terá de escolher entre a nova, popular e fácil religião, ou crer em CRISTO e permanecer fiel.
(1) Quem permanecer fiel a DEUS e à sua Palavra será perseguido e talvez morto (ver 6.9; 7.9).
(2) Satanás vencê-los-á, não no sentido de destruir a sua fé, mas causando a morte de muitos (6.9-11). Durante "quarenta e dois meses" o anticristo perseguirá os santos (v. 5).
13.8 ADORARAM-NA TODOS. O anticristo se apresentará como se fosse DEUS com poder sobrenatural demoníaco (2 Ts 2.4,9). Isso levará o povo a adorá-lo. A religião do anticristo ensina a divinização da humanidade como está divulgando a Nova Era (Gn 3.5). Ao invés da verdade de que em CRISTO DEUS se tornou homem (Jo 1.14), o Anticristo propaga a mentira de que, nele mesmo a humanidade é parte de DEUS (2 Ts 2.4). Atualmente, a Nova Era já enfatiza claramente a doutrina do Anticristo, sem dúvida preparando as massas para a aceitação posterior e final dessa doutrina.
13.8 CORDEIRO QUE FOI MORTO DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO. A morte redentora de CRISTO, pela salvação da humanidade, foi determinada por DEUS desde o início da criação do mundo (ver 17.8; Gn 3.15; 1 Pe 1.18-20).
 

 
O PERÍODO DO ANTICRISTO (BEP - CPAD)
2Ts 2.3,4 “Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama DEUS ou se adora; de sorte que se assentará, como DEUS, no templo de DEUS, querendo parecer DEUS.”

Segundo a Bíblia, está para vir o Anticristo (cf. 1Jo 2.18); aquele que trama o derradeiro ataque furioso de Satanás contra CRISTO e os santos, pouco antes do tempo em que nosso Senhor JESUS CRISTO estabelecerá o seu reino na terra. As expressões que a Bíblia usa para o Anticristo são “o homem de pecado” e “o filho da perdição” (2.3). Outras expressões usadas na Bíblia são “a besta que sobe do mar” (Ap 13.1-10), a “besta de cor escarlate” (Ap 17.3) e “a besta” (Ap 17.8, 16; 19.19,20; 20.10).

SINAIS DA VINDA DO ANTICRISTO. Diferente do arrebatamento da igreja, a vinda do Anticristo não ocorrerá sem sinais precursores. Pelo menos três eventos deverão ocorrer antes dele surgir na terra: (1) o “mistério da injustiça” que já opera no mundo, deverá intensificar-se (2.7); (2) virá a “apostasia” (2.3); (3) “um que, agora, resiste”, deve ser afastado (2.7).
(1) O “mistério da injustiça”, i.e., a atividade secreta dos poderes do mal, ora evidente no mundo inteiro (ver 2.7), aumentará até alcançar seu ponto máximo na total zombaria e desprezo a qualquer padrão ou preceito bíblicos. Por causa do predomínio da iniqüidade, o amor de muitos esfriará (Mt 24.10-12; Lc 18.8). Mesmo assim, um remanescente fiel permanecerá leal à fé apostólica conforme revelada no NT (Mt 24.13; 25.10; Lc 18.7; ver Ap 2.7). Por meio desses fiéis, a igreja permanecerá batalhando e manejando a espada do ESPÍRITO até ser arrebatada (ver Ef 6.11).
(2) Ocorrerá a “apostasia” (gr. apostasia), que literalmente significa “desvio’’, “afastamento’’, “abandono’’ (2.3). Nos últimos dias, um grande número de pessoas da igreja apartar-se-á da verdade bíblica. (a) Tanto o apóstolo Paulo quanto CRISTO revelam um quadro difícil da condição de grande parte da igreja — moral, espiritual e doutrinariamente — à medida que a era presente chega ao seu fim (cf. Mt 24.5, 10-13, 24; 1Tm 4.1; 2Tm 4.3,4). Paulo, principalmente, ressalta que nos últimos dias elementos ímpios ingressarão nas igrejas em geral.(b) Essa “apostasia” dentro da igreja terá duas dimensões. (i) A apostasia teológica, que é o desvio de parte ou totalidade dos ensinos de CRISTO e dos apóstolos, ou a rejeição deles (1Tm 4.1; 2 Tm 4.3). Os falsos dirigentes apresentarão uma salvação fácil e uma graça divina sem valor, desprezando as exigências de CRISTO quanto ao arrependimento, à separação da imoralidade, e à lealdade a DEUS e seus padrões (2Pe 2.1-3,12-19). Os falsos evangelhos, voltados a interesses humanos, necessidades e alvos egoístas, gozarão de popularidade). (ii) A apostasia moral, que é o abandono da comunhão salvífica com CRISTO e o envolvimento com o pecado e a imoralidade. Esses apóstatas poderão até anunciar a sã doutrina bíblica, e mesmo assim nada terem com os padrões morais de DEUS (Is 29.13; Mt 23.25-28). Muitas igrejas permitirão quase tudo  para terem muitos membros, dinheiro, sucesso e prestígio (ver 1Tm 4.1). O evangelho da cruz, com o desafio de sofrer por CRISTO (Fp 1.29), de renunciar todo pecado (Rm 8.13), de sacrificar-se pelo reino de DEUS e de renunciar a si mesmo será algo raro (Mt 24.12; 2Tm 3.1-5; 4.3). (c) Tanto a história da igreja, como a apostasia predita para os últimos dias, advertem a todo crente a não pressupor que o progresso do reino de DEUS é infalível na sua continuidade, no decurso de todas as épocas e até o fim. Em determinado momento da história da igreja, a rebelião contra DEUS e sua Palavra assumirá proporções espantosas. No dia do Senhor, cairá a ira de DEUS contra os que rejeitarem a sua verdade (1Ts 5.2-9). (d) O triunfo final do reino de DEUS e sua justiça no mundo, portanto, depende não do aumento gradual da igreja professa, mas da intervenção final de DEUS, quando Ele se manifestará ao mundo com justo juízo (Ap 19—22; ver  2Ts 2.7,8; 1Tm 4.1; 2Pe 3.10-13; Jd).
(3) Um evento determinante deverá ocorrer antes do aparecimento do “homem do pecado” e do Dia do Senhor começar (2.2,3), que é a saída de alguém (2.7) ou de algo, que “detém”, resiste, ou refreia o “mistério da injustiça” e o “homem do pecado” (2.3-7). Quando o restringidor do “homem do pecado’’ for retirado, então poderá começar o Dia do Senhor (2.6,7).
(a) O que agora o detém é, sem dúvida, uma referência ao ESPÍRITO SANTO, pois somente Ele tem poder de deter a iniqüidade, o homem do pecado e Satanás (2.6). Esse que agora o detém ou resiste (2.7), leva no grego o artigo definido masculino e ao mesmo tempo o artigo definido neutro, em 2.6 (“o que o detém”). De modo semelhante, a palavra “ESPÍRITO” na língua grega pode levar pronome masculino ou neutro (ver Gn 6.3; Jo 16.8; Rm 8.13; ver Gl 5.17, sobre a obra do ESPÍRITO SANTO a restringir o pecado). (b) No começo dos sete anos de tribulação, o ESPÍRITO SANTO será “afastado” (v. 7). Isso não significa ser Ele tirado do mundo, mas que cessará sua influência restritiva à iniqüidade e ao surgimento do Anticristo. Todas as restrições contra o pecado serão removidas, e começará a rebelião inspirada por Satanás. O ESPÍRITO SANTO, todavia, agirá na terra durante a tribulação, convencendo pessoas dos seus pecados, convertendo-as a CRISTO e dando-lhes poder (Ap 7.9, 14; 11.1-11; 14.6,7).(c) Retirando-se o ESPÍRITO SANTO, cessará a inibição à aparição do “homem do pecado”, no cenário terreno (2.3,4). DEUS então liberará uma influência poderosa enganadora sobre todos os que se recusam a amar a verdade de DEUS (ver 2.11); os tais aceitarão as imposturas do homem do pecado, e a sociedade humana descerá a uma depravação jamais vista.(d) A ação do ESPÍRITO SANTO restringindo o pecado é levada a efeito em grande parte através da igreja, que é o templo do ESPÍRITO SANTO (1Co 3.16; 6.19). Por isso, muitos expositores da Bíblia acreditam que a saída do ESPÍRITO SANTO é uma clara indicação de que o arrebatamento dos santos ocorrerá nessa ocasião (1Ts 4.17). Noutras palavras, a volta de CRISTO, para levar a igreja e livrá-la da ira vindoura (1Ts 1.10), ocorrerá antes do início do Dia do Senhor e da manifestação do “homem do pecado”.(e) Entende-se, nos meios eruditos da Bíblia, que o restringente em 2.6 (no gênero neutro) refere-se ao ESPÍRITO SANTO e seu ministério de conter a iniqüidade, ao passo que em 2.7, “um que, agora” (no gênero masculino) refere-se aos crentes reunidos a CRISTO e tirados daqui, i.e., arrebatados ao encontro do Senhor nos ares, a fim de estarem sempre com Ele (1Ts 4.17).

AS ATIVIDADES DO ANTICRISTO. Ao começar o Dia do Senhor, “o iníquo” aparecerá neste mundo. Trata-se, no meios eruditos da Bíblia, de um governante mundial que fará aliança com Israel por sete anos, antes do fim da presente era (ver Dn 9.27).
(1) A verdadeira identificação do Anticristo será conhecida três anos e meio mais tarde, quando ele romper sua aliança com Israel, tornar-se governante mundial, declarar ser DEUS, profanar o templo de Jerusalém (ver o estudo A GRANDE TRIBULAÇÃO), proibir a adoração a DEUS (ver 2.4, 8,9) e assolar a terra de Israel (ver Dn 9.27; 11.36-45).
(2) O Anticristo declarará ser DEUS, e perseguirá severamente quem permanecer leal a CRISTO (Ap 11.6,7; 13.7, 15-18; ver Dn 7.8, 24,25). Exigirá adoração, certamente sediada num grande templo que será usado como centro de seus pronunciamentos (cf. Dn 7.8, 25; 8.4; 11.31, 36). O homem aspira tornar-se divino desde a criação (ver 2.8; Ap 13.8,12; ver também o estudo A GRANDE TRIBULAÇÃO).
(3) O “homem do pecado’’ fará mediante poder satânico, grandes sinais, maravilhas e milagres a fim de propagar o engano (2.9). “Prodígios de mentira” significa que seus milagres são sobrenaturais, parecendo autênticos, para enganar as pessoas e levá-los a crer na mentira. (a) Tais demonstrações possivelmente serão vistas no mundo inteiro, pela televisão. Milhões de pessoas ficarão impressionadas, enganadas por esse líder altamente convincente, por não darem a devida importância à Palavra de DEUS nem ter amor às suas verdades (2.9-12). (b) Tanto as palavras de Paulo (2.9), quanto as de JESUS (Mt 24.24) devem despertar os crentes para o fato de que nem todo milagre provém de DEUS. Aparentes “manifestações do ESPÍRITO” (1Co 12.7-10) ou fenômenos supostamente vindos da parte de DEUS devem ser provados à base da obediência a CRISTO e às Escrituras, por parte da pessoa atuante.

A DERROTA DO ANTICRISTO. No fim da tribulação, Satanás congregará muitas nações no Armagedom, sob o comando do Anticristo, e guerrearão contra DEUS e o seu povo numa batalha que envolverá o mundo inteiro (ver Dn 11.45; Ap 16.16). Quando isso ocorrer, CRISTO voltará e intervirá de modo sobrenatural, destruindo o Anticristo, seus exércitos e todos os que não obedecem ao evangelho (ver Ap 19.15-21). A seguir, CRISTO prenderá Satanás e estabelecerá seu reino na terra (20.1-6).
 
A GRANDE TRIBULAÇÃO (BEP - CPAD)
Mt 24.21. “Porque haverá, então, grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco haverá jamais.”

Começando com 24.15, JESUS trata de sinais especiais que ocorrerão durante a grande tribulação (as expressões “grande aflição”, de 24.21, e “grande tribulação”, de Ap 7.14, são idênticas no grego). Tais sinais indicam que o fim dos tempos está muito próximo (24.15-29). São sinais conducentes à, e indicadores da volta de CRISTO à terra, depois da tribulação (24.30,31; cf. Ap 19.11–20.4).
O maior desses sinais é “a abominação da desolação” (24.15), um fato específico e visível, que adverte os fiéis vivos durante a grande tribulação de que a vinda de CRISTO à terra está prestes a ocorrer. Esse sinal-evento, visível, relaciona-se primeiramente com a profanação do templo judaico daqueles dias em Jerusalém, pelo Anticristo (ver Dn 9.27; 1Jo 2.18; ver o estudo O PERÍODO DO ANTICRISTO). O Anticristo, também chamado o homem do pecado, colocará uma imagem dele mesmo no templo de DEUS, declarando ser ele mesmo DEUS (2Ts 2.3,4; Ap 13.14,15). Seguem-se fatos salientes a respeito desse evento crítico.
(1) A “abominação da desolação” marcará o início da etapa final da tribulação, que culmina com a volta de CRISTO à terra e o julgamento dos ímpios em Armagedom (24.21,29,30; ver Dn 9.27; Ap 19.11-21).
(2) Se os santos da tribulação atentarem para o fator tempo desse evento (“Quando, pois, virdes”, 24.15), poderão saber com bastante aproximação quando terminará a tribulação, época em que CRISTO voltará à terra (ver 24.33). O decurso de tempo entre esse evento e o fim dos tempos é mencionado quatro vezes nas Escrituras como sendo três anos e meio ou 1260 dias (ver Dn 9.25-27; Ap 11.1,2; 12.6; 13.5-7).
Por causa da grande expectativa da volta de CRISTO (24.33), os santos daqueles dias devem acautelar-se quanto a informes afirmando que CRISTO já voltou. Tais informes serão falsos (24.23-26). A “vinda do Filho do homem” depois da tribulação será visível e conhecida de todos os que viverem no mundo (24.27-30; Ap 1.7).
Outro sinal que ocorrerá, então, será o dos falsos profetas que, a serviço de Satanás, farão “grandes sinais e prodígios” (24.24).
(1) JESUS admoesta a todos os crentes a estarem especialmente alerta para discernir esses profetas, mestres e pregadores, que se declaram cristãos sendo falsos, porém apesar disso, operam milagres, curas, sinais e maravilhas e que demonstram ter grande sucesso nos seus ministérios. Ao mesmo tempo, torcerão e rejeitarão a verdade da Palavra de DEUS (ver 7.22; Gl 1.9; ver o estudo O PERÍODO DO ANTICRISTO).
(2) Noutra parte, as Escrituras admoestam os crentes a sempre testarem o espírito que atua nos mestres, líderes e pregadores (ver 1Jo 4.1). DEUS permite o engano acompanhado de milagres, a fim de testar os crentes no tocante ao seu amor por Ele e sua lealdade às Sagradas Escrituras (Dt 13.3). Serão dias difíceis, pois JESUS declara em 24.24, que naqueles últimos tempos o engano religioso será tão generalizado que será difícil até mesmo para “os escolhidos” (i.e., os crentes dedicados) discernirem entre a verdade e o erro (ver 1Tm 4.16; Tg 1.21).
(3) Quem entre o povo de DEUS não amar a verdade será enganado. Não terá mais oportunidade de crer na verdade do evangelho, depois do surgimento do Anticristo (ver 2Ts 2.11).
Finalmente, a “grande tribulação” será um período específico de terrível sofrimento e tribulação para todos que viverem na terra. Observe:
(1) Será de âmbito mundial (ver Ap 3.10). (2) Será o pior tempo de aflição e angústia que já ocorreu na história da humanidade (Dn 12.1; Mt 24.21). (3) Será um tempo terrível de sofrimento para os judeus (Jr 30.5-7). (4) O período será controlado pelo “homem do pecado” (i.e., o Anticristo; cf. Dn 9.27; Ap 13.12; ver o estudoO PERÍODO DO ANTICRISTO). (5) Os fiéis da igreja de CRISTO recebem a promessa de livramento e “escape” dos tempos da tribulação (ver Lc 21.36; 1Ts 5.8-10; Ap 3.10). (6) Durante o período da tribulação, muitos entre os judeus e gentios crerão em JESUS CRISTO e serão salvos (Dt 4.30,31; Os 5.15; Ap 7.9-17; 14.6,7). (7) Será um tempo de grande sofrimento e de perseguição pavorosa para todos quantos permanecerem fiéis a DEUS (Ap 12.17; 13.15). (8) Será um tempo de ira de DEUS e de juízo seu contra os ímpios (1Ts 5.1-11; Ap 6.16,17). (9) A declaração de JESUS de que aqueles dias serão abreviados (24.22) não pressupõe a redução dos três anos e meio, ou 1260 dias preditos. Pelo contrário, parece indicar que o período é tão terrível que se não fosse de curta duração a totalidade da raça humana seria destruída. (10) A grande tribulação terminará quando vier JESUS CRISTO em glória, com sua noiva (Ap 19.7,8,14), para efetuar o livramento dos fiéis remanescentes e o juízo e destruição dos ímpios (Ez 20.34-38; Mt 24.29-31; Lc 19.11-27; Ap 19.11-21). (11) Não devemos confundir essa fase da vinda de JESUS, no fim da grande tribulação, com a sua descida imprevista do céu, em 24.42-44 (ver notas sobre estes versículos, que tratam da vinda de JESUS, na sua fase do arrebatamento dos crentes), a qual ocorrerá num momento diferente do da sua volta final, no fim da tribulação. (12) O trecho principal das Escrituras que descreve a totalidade da tribulação de sete anos de duração é encontrado em Ap 6–18.
 
 
6º Agente: A 1ª Besta (Apocalipse - Versículo por Versículo Autor: Severino Pedro da Silva Editora: CPAD Ano: 2002)
 
1. “E EU pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia”. 
I. “...Uma Besta”. A palavra para “besta” neste capítulo não é a mesma usada no capítulo 4.6 e ss: (“zoon, o que vive”), mas, a palavra grega “therion”, que significa “uma fera”. Ela era usada na literatura grega e helenista para indicar animais “perigosos”. Usava-se também para indicar seres animalescos, de natureza sobrenatural, ou indivíduo de natureza bestial. No presente texto, João usa a palavra para descrever a “figura sombria do Anticristo”. Esta Besta será uma pessoa e não apenas uma personificação do mal, ela é chamada de “Besta”, porque do ponto de vista divino de observação é o que ela é. A passagem fala claramente de uma pessoa, pelo uso do pronome “ela” (13.4; 17.11; 19.20). “Em inglês, o pronome é “he”, usado somente para pessoas. Deve-se ter isto em mente para compreensão do significado do pensamento, pois em português, “ela” é usado tanto para pessoas animais ou coisas”.
1. Ele será o monstro mais hediondo que o mundo já conheceu; somos forçados a crer que ele tenha duas nacionalidades: uma romana e a outra judia. Sobre a primeira (Dn 2.44; 7.7 e ss; 8.9 e ss; 9.27; Ap 13.1 e ss); sobre a segunda (Dn 11.37, 38, 45; Mt 24.15; Mc 13.14; Jo 5.43; 2Ts 2.4; 1Jo 2.18; 2Jo v.7). Em figura de retórica ver At 22.28. Sobre sua raça ver Ez 21.25-27; 28.2 e ss; Dn 8.23-25; 9.27; Mt 12.43-45. Semelhantemente, ele exercerá suas atividades em duas capitais: (Roma – centro político) e (Jerusalém – centro religioso). Os rabinos judaicos ensinam que ele será da tribo de Dã: “Dã será (no futuro) serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda” (Gn 30.6; 49.17). Os místicos contemporâneos dizem que o Anticristo nasceu a 5 de fevereiro de 1962, na Palestina; foi para um dos países árabes. Atualmente se encontra em silêncio em Jerusalém. Não sabemos se isso é real, ou fictício, mas será uma coincidência curiosa que adicionando os números da data desse ano, temos 1 + 9 + 6 + 2 = 18, ou seja, três x6 ou 666. Não devemos duvidar se há ou não nisso significação especial, pois a Bíblia afirma que “...já o mistério da injustiça opera” (2Ts 2.7). “...ouvistes que vem o Anticristo... por onde conhecemos que é já a última hora” (1Jo 2.18).
2. “Em João (1 Epístola 2.18, 22 e 2 João v.7), fala do “Anticristo e de muitos anticristos”. O “Anticristo” (1Jo 2.18), a pessoa, deve ser discriminada dos “muitos anticristos” e do “espírito do Anticristo” (1Jo 4.3); o que caracteriza todos eles é a negação da encarnação do Verbo (a palavra), o Filho Eterno, JESUS, como o CRISTO (Mt 1.16; Jo 1.1), os “muitos anticristo” precedem e preparam o caminho para o Anticristo, que é a Besta que “subiu do mar”, ele será o último chefe político, como o falso profeta (a segunda Besta) de Ap 13.11 e ss; 16.13; 19.20 e 20.10, será o último chefe religioso. O termo exato, “anticristo”, limita-se, no Novo testamento, à primeira e à segunda Epístolas de João; mas o conceito é perfeitamente comum. Esse termo é usado no singular ou plural, nas passagens (1Jo 2.18, 22; 4.3 e 2Jo v.7). Seu nome demonstra que ele será a antítese do verdadeiro CRISTO: JESUS é o Justo, ele será o iníquo; JESUS, ao entrar no mundo disse: “Eis aqui venho, para fazer, ó DEUS, a tua vontade” (Hb 10.9), do Anticristo está escrito que ele fará conforme a sua vontade (Dn 11.36). O Senhor JESUS é o Filho de DEUS, ele será “o filho da perdição” (2Ts 2.3); seu governo será segundo a eficácia (energia, ou operação interna) de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira...”.
 
2. “E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio”. 
I. “...a besta que vi era semelhante...”. A pessoa aqui citada compreende também seu reino ou governo. O apóstolo João contempla agora esta grande visão, cerca de 651 anos da visão de Daniel 7. (Em Daniel 7 a ordem é inversa). Daniel olha para o futuro dos séculos e vê (Leão, Urso, Leopardo e Fera Terrível), João olha para o passado e vê (Besta, Leopardo, Urso e Leão). “O Anticristo sumariará todo o brilho da Grécia, todo o poder maciço e passado da Pérsia, todo o domínio absoluto real e autocrático da Babilônia que os gentios já conheceram”. Essa Besta combina características das primeiras três feras de Dn 7.2 e ss. A força e a brutalidade do império babilônico, medo e persa aparecem também no império romano. A vigilância felina do leopardo, o poder lento esmagador do urso e o rugido do leão, que eram características familiares para os pastores da Palestina.
 
3. “E vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta”. 
I. “...uma de suas cabeças (“como”) ferida de morte”. Aqui João vê como fato consumado uma forma revivificada do império romano, que desapareceu há séculos. Essa ferida mortal ou como diz o grego “ferida até a morte”, foi feita quando Odoacro, rei dos hérulos, apoderou-se de Roma, terminando assim o império. Nos dias atuais Roma existe, mas não o império. Durante o governo sombrio do “homem do pecado”, sua primeira grande maravilha será “curar” (através do poder do dragão) essa monarquia. Três vezes neste capítulo é referido esta “cura” (restauração) e de todas elas como significação especial (vs. 3, 12, 14).
1. O Novo Testamento ensina que temos um adversário espiritual em atividade neste mundo, a saber, Satanás. Ele dará todo o seu poder ao Anticristo, o filho da perdição (13.2); ele maravilhará o mundo com suas “mágicas” em vários aspectos:
(a) O leopardo representa o reino da Grécia e da Macedônia (Dn 7.6); rápido, veloz, conquistador e incansável. O Anticristo terá essas qualidades em grau supremo:
(b) Os pés de urso representam a Média e a Pérsia (Dn 7.5); dando as idéias de força, estabilidade e consolidação. As Escrituras falam de seus (“PÉS”) em várias conexões (Dn 2.33, 34, 41, 42; 7.7, 19, 23; 8.10, 13). Outras expressões com o mesmo sentido, são usadas no Novo Testamento, tais como: “pisada” (Lc 21.24); “pisarão” (Ap 11.2). Observe novamente a expressão (“SEUS PÉS”) nesta secção (13.2). Até o “MAPA GEOGRÁFICO” deste império é a “figura de um pé!”. O Anticristo também incorporará esses aspectos em seu poder:
(c) A boca de Leoa representa a monarquia do império da Babilônia (Dn 7.4); subentendendo ruína ameaçadora rugido de blasfêmia, perseguição e matança. O Anticristo será o possuidor supremo dessas qualidades:
(d) A Besta ou fera terrível (Dn 7.7); representa Roma imperial. Terrível, e espantosa e muito forte. O Anticristo será tudo isso e mais ainda; pois o “dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio”.
 
4. “E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? quem poderá batalhar contra ela?”. 
I. “...e adoraram a besta”. A autoridade da Besta e geograficamente extensa, é mundial: sobre cada tribo, povo, língua e nação. A exemplo dos antigos Césares, ela exigirá adoração universal. Há um pormenor a salientar no versículo 12 deste capítulo. Enquanto nos versículos 4 e 8 a adoração é aparentemente voluntária e espontânea, embora interesseira, no versículo doze parece haver intenção de coagir: observe bem a frase “faz com que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta”. Isso não é de admirar, pois além das força invisíveis do mal: o dragão lhe deu “o seu poder, e o seu trono, e grande poderio”, mas quatro coisas o ajudarão na sua popularidade: o número, a imagem, o nome e o sinal (13.17; 15.2). “O que significa tudo isso, no momento, é impossível dizer com certeza, onde estão estampados, as Escrituras claramente indicam”.
 
5. “E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses”. 
I. “...foi-lhe dada uma boca”. O presente versículo encontra seu paralelo, na passagem de (Dn 7.8), onde lemos: “Estando eu considerando as pontas, eis que dentre elas subiu outra ponta pequena (o Anticristo), diante da qual três das pontas primeiras forma arrancadas; e eis que nesta ponta havia olhos, como de homens e uma boca que falava grandiosamente”. Isso é dito porque, conforme já vimos, esse homem, apesar de possuir naturalmente grande inteligência e autoridade, não poderá ser explicado somente sobre bases humanas. Por seis vezes (número do homem) é dito que esse poder “lhe foi dado” (13.2, 5, 7, 14, 15). Esse poder será limitado pelo tempo, mas mesmo assim, durará “quarenta e dois meses”. Esta expressão e outras similares são termos técnicos freqüentemente empregados para descrever o período sombrio chamado de Grande Tribulação. Emprega-se também a frase “um tempo, tempos, e metade de um tempo” (Ap 12.14), como sendo igual a 42 meses e 1.260 dias (11.2, 3; 12.6, 14; 13.5). Expressões estas que denotam o período durante o qual a Cidade Santa foi calcada aos pés dos gentios, e as duas testemunhas profetizaram, a mulher esteve no deserto, e a Besta que subiu do mar ocupou o trono que herdou do dragão vermelho.
 
6. “E abriu a sua boca em blasfêmia contra DEUS, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu”. 
I. “...abriu a sua boca em blasfêmias”. O Anticristo blasfemará os “poderes do mundo superior”, ridicularizando sua própria existência. Apresentará suas próprias explicações acerca de todos os problemas difíceis do universo, e conseguirá enganar a maioria dos homens com seu aparente poder messiânico.
1. O tabernáculo de Jerusalém foi alvo das blasfêmias de Antíoco IV Epifânio. O tabernáculo dos céus será objeto das blasfêmias do Anticristo, durante seu período de existência na terra. durante sua vida terrena, o Filho de DEUS foi alvo cerrado das grandes blasfêmias dos rebeldes fariseus. Eles chegaram até blasfemar do infinito ESPÍRITO de DEUS, e assim ultrapassaram todos” os limites da Redenção” (Mt 12.31, 32). Os súditos da Besta, porém, blasfemarão não só da pessoa de DEUS, mas do seu nome, do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu.
 
7. “E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação”. 
I. “...foi-lhe permitido fazer guerra aos santos”. O versículo em foco, tem sua base literária nas palavras de Daniel (7.21), aludindo ao poder que Antíoco IV Epifânio teve de ferir e derrotar a nação de Israel. (Ver também nota expositivas em Ap 11.7, onde são usadas palavras similares, acerca da morte das duas testemunhas). Historicamente, conforme o vidente João encarava a questão, o Anticristo será a culminação desse poder satânico vindo do mundo exterior. Quando surgir no grande cenário mundial, o mundo inteiro sofrerá suas perseguições atrozes, e não apenas a Igreja (não a da graça) composta pelos mártires e assinalados durante a Grande Tribulação. Os santos serão vencidos, não no sentido espiritual, pois neste sentido serão “mais do que vencedores” (Rm 8.37), mas, sim, no sentido físico. Alguns deles morrerão à míngua, porquanto não poderão adquirir alimentos, medicamentos e outros meios de subsistência, já que não prestaram lealdade a Besta
8. “E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”. 
I. “...o livro da vida do Cordeiro”. O presente texto, faz referência ao “livro da vida”. Encontramos de novo a mesma idéia e expressão, em 21.27, sendo ali o mesmo significado do pensamento que temos aqui. “Naquela passagem, somente os que têm sue nomes registrados naquele livro terão a permissão de entrar na Nova Jerusalém. Portanto, essa referência pode ser presente ou escatológica, e a questão da vida eterna está envolvida no quadro”.
1. Desde a fundação do mundo. Essa expressão se acha fora do Apocalipse por seis vezes: (Mt 13.35; 25.34; Lc 11.50; Hb 4.3; 9.26; 1Pd 1.20). No Apocalipse, fora das duas passagens já mencionadas, ver 17.8. A expressão nos leva a entender que o nome de alguém é registrado no “Livro da Vida” devido à expiação de CRISTO. (Ver notas expositivas sobre isso, em Ap 3.5).
 
9. “Se alguém tem ouvidos, ouça”. 
I. “...se alguém tem ouvidos, ouça!”. Esta expressão “...se alguém tem ouvidos, ouça” ou “...quem tem ouvidos, ouça”, é freqüentemente usada nos Evangelhos; ela é peculiar e exclusiva aos lábios do Senhor JESUS (cf. Mt 13.9, 43; Mc 4.9). Ela também aparece em Ap 2.7, 11, 29 e 3.13, 22, nas quais são acrescentadas as palavras: ‘...o que o ESPÍRITO diz às igrejas”. Fora do Apocalipse achamo-la em Mt 13.9, 43, dentro das “parábolas do reino”. (Cf. também Mc 4.9, 23; 7.16; Lc 8.8; 14.35). Tal expressão chama a nossa atenção para a necessidade de darmos ouvidos à mensagem proferida e de agirmos de acordo com ela. O ouvir a palavra de DEUS traz ao homem grande segurança contra o pecado “que tão de perto” o rodeia.
 
 
APOCALIPSE 13:1-18 - (Estudos no Livro de APOCALIPSE - Hernandes Dias Lopes)
TEMA: O ANTICRISTO, O AGENTE DE SATANÁS
 
INTRODUÇÃO 
1. A pretensão do anticristo - Satanás, embora derrotado (Ap 12), ainda recebe permissão para perseguir a igreja com sua fúria mais terrível. Ele sempre quis imitar a DEUS. O dragão quis ser igual a DEUS, numa tentativa de imitar a DEUS Pai. A besta que surge da terra, o Anticristo tentará imitar JESUS CRISTO. Como o Filho encarnou-se, morreu e ressuscitou, o Anticristo - será uma espécie de encarnação de Satanás, que passará por uma experiência de morte e um simulacro da ressurreição. A besta que surge da terra, o falso profeta, levará os homens a adorarem a primeira besta, numa tentativa de imitar o ESPÍRITO SANTO que leva os homens a adorarem a CRISTO. A Grande Meretriz, a falsa igreja, é uma imitação da Mulher Celestial, da Noiva do Cordeiro, a igreja fiel.Onde quer que um poder civil despótico dê as mãos a alguma religião falsa, aí temos uma reprodução dessas duas bestas.
 
2. O tempo da aparição do anticristo - Embora o mistério da iniqüidade já esteja operando (2 Ts 2:7), o anticristo como pessoa que encarnará o poder dos reinos ímpios e também todo o poder de Satanás, emergirá no breve tempo do fim, visto na Bíblia de várias formas: a) A apostasia (2 Ts 2:3); b) A grande tribulação (Mt 24:21-22); c) A revelação do homem da iniqüidade (2 Ts 2:3); d) O pouco tempo de Satanás (Ap 20:3).
 
I. AS VÁRIAS FACETAS DO ANTICRISTO
1. O anticristo no Livro de Daniel
a) Dn 7:1-6,17-18 - O anticristo é representado inicialmente não como uma pessoa, mas como quatro reinos (leão, urso, leopardo e outro terrível) - Os impérios da Babilônia, Medo-Persa, Grego e Romano.
b) Dn 7:21,25 - 1) Antíoco Epifanes - profanou o templo quando o consagrou ao deus grego Zeus e mais tarde sacrificou porcos no altar do templo.
 
2. O anticristo no Ensino de JESUS
a) Mt 24:15-28 -1)0 anticristo é visto como o imperador romano Tito que no ano 70 d.C, destruiu a cidade de Jerusalém e o templo (v. 15-20), 2) O anticristo é visto como um personagem escatológico (v. 21-22). A profecia bíblica vai se cumprindo historicamente e avança para a sua consumação final.
 
3. O anticristo nas Cartas de João
a) Definição - A palavra "anticristo" = cristo substituto ou cristo rival. Ele será um adversário jurado de CRISTO.
b) 1 Jo 4:2-3 - O termo anticristo é usado em um sentido impessoal.
c) 1 Jo 2:22; 2 Jo 7 - João refere-se ao anticristo de forma pessoal. Mas João vê o anticristo como uma pessoa que já está presente, ou seja, como alguém que representa a um grupo de pessoas. Assim, o anticristo é um termo utilizado para descobrir uma quantidade de gente que sustenta uma heresia fatal.
d) 1 Jo 2:28 - João fala tanto do anticristo que virá e do anticristo que já está presente. Assim, João esperava um anticristo que viria no tempo do fim - Os anticristos são precursores do Anticristo.
e) Conclusão sobre o entendimento de João sobre o anticristo - Para João o anticristo sempre esteve presente nos seus precursores, mas ele se levantará no tempo do fim como expressão máxima da oposição a CRISTO e sua igreja.
 
4. O anticristo como o homem do pecado na teologia de Paulo - 2 Ts 2:1-12
a) Surgirá da grande apostasia (v. 3);
b) Será uma pessoa (v. 3);
c) Será objeto de adoração (v. 4);
d) Usará milagres falsos (v. 9);
e) Só pode ser revelado depois que aquilo e aquele que o detém for removido (v. 6,7);
f) Será totalmente derrotado por CRISTO (v. 8);
 
II. A DESCRIÇÃO DO ANTICRISTO - (Ap 13:1-18)
1. Sua ascensão se dará num tempo de muita turbulência - v. 1
• "Vi emergir do mar uma besta" (v. 1). O que significa isso? As águas do mar são multidões, as nações e os povos na sua turbulência político-social (Ap 17:5). As águas são símbolo das nações não regeneradas em sua agitação (Is 57:20). Antes do levantamento do anticristo, o mundo estará em desespero, num beco sem saída. Ele emerge desse caos. O pequeno chifre de Daniel, o homem de desolação citado por JESUS, o homem da iniqüidade citado por Paulo, o anticristo citado por João e a besta que emerge do mar são a mesma pessoa. Esse personagem encarnou-se na figura dos imperadores (Dominus et DEUS) e também em outros reis e reinos despóticos, mas se apresentará no fim como o anticristo escatológico. Ele com seu grande poder vai seduzir as pessoas e conquistar as nações.
a) Ele se levantará num contexto de grandes convulsões naturais - Terremotos, epidemias e fomes.
b) Ele aparecerá num tempo de grande convulsão social -Será um tempo de guerras e rumores de guerras, onde reinos se levantarão contra reinos. O mundo será um campo de guerra.
c) Ele surgirá num tempo de profunda inquietação religiosa - Ele brotará do ventre da grande apostasia. Os homens obedecerão ensinos de demônios. Os falsos mestres e os falsos cristos estarão sendo recebidos com entusiasmo. Nesse tempo haverá duas igrejas: a apóstata e a fiel.
d) Ele surgirá oferecendo solução aos problemas mundiais - O mundo estará seduzido pelo seu poder. Os homens estarão dizendo: "Paz, paz", quando lhes sobrevirá repentina destruição. O historiador Arnold Toynbee disse:
"O mundo está pronto para endeusar qualquer novo César que consiga dar à sociedade caótica unidade e paz". e) Ele surgirá num tempo de profunda desatenção à voz do juízo de DEUS (Mt 24:37-39) - Esse tempo será como nos dias de Noé.
 
2. Ele incorpora todo o poder, força e crueldade dos grandes impérios do passado (v.2)
a) Daniel viu quatro animais ferozes, representando quatro reinos - A força anticristã foi vista por Daniel como quatro reinos que dominaram o mundo (Babilônia, Medo-Persa, Grécia e Roma).
b) O Anticristo incorpora todo o poder dos impérios anticristãos - O anticristo é o braço de Satanás, enquanto o falso profeta é a mente de Satanás. Ele será um ser totalmente mau, prodigiosamente conquistador. Ele terá a ferocidade do leão, a força do urso e velocidade do leopardo. A besta que sobe do mar simboliza o poder perseguidor de Satanás incorporado em todas as nações e governos do mundo através de toda a história. Essa besta toma diferentes formas. No fim se manifestará na pessoa do homem da iniqüidade.
 
3. Ele agirá no poder de Satanás (v. 2-4; 2 Ts 2:9,10).
a) O anticristo vai manifestar-se com um grande milagre (v. 3) - Ele vai distinguir-se como uma pessoa sobrenatural, por um ato que será um simulacro da ressurreição. Esse fato é tão importante que João o registra três vezes (v. 3,12,14). Certamente não será uma genuína ressurreição dentre os mortos, mas será o simulacro da ressurreição, produzido por Satanás. O propósito dessa misteriosa transação será conceder a Satanás um corpo. Satanás governará em pessoa. O anticristo será uma espécie de encarnação de Satanás. O maioria dos estudiosos vê nessa figura a lenda do Nero redivivo. Nero se suicidou em 68 d.C, em um ano no meio de golpes surgiram 4 imperadores: Galba, Oto, Vitélio e finalmente Vespasiano. Depois surgiu a lenda de que Nero não tinha morrido, mas escapado para o oriente, e que voltaria em triunfo. No tempo de João, Domiciano foi chamado o segundo Nero.
b) O anticristo vai realizar grandes milagres (2 Ts 2:9,10) -"Ora o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios da mentira". Hoje vivemos numa sociedade ávida por milagres. As pessoas andam atrás de sinais e serão facilmente enganadas pelo anticristo.
c) O anticristo vai ditar e disseminar falsos ensinos (2 Ts 2:11) - Nesse tempo os homens não suportarão a sã doutrina (2 Tm 4:3), mas obedecerão a ensinos de demônios (1 Tm 4:11. As seitas heréticas. : misticismo e o sincretismo de muitas igrejas pavimentam o caminho para a chegada do anticristo.
d) O anticristo vai governar na força de Satanás (Ap 13:2) - "Deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade". Na verdade quem vai mandar é Satanás. Os governos subjugados por ele vão estar sujeitos a Satanás. Será o pouco tempo de Satanás. O período da grande tribulação. O governo do anticristo vai ser universal, pois o Satanás é o príncipe deste mundo. O mundo inteiro jaz no maligno. Aquele reino que Satanás ofereceu a CRISTO, o anticristo o aceitará. Ele vai dominar sobre as nações. "Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação" (Ap 13:7). O governo universal do anticristo será extremamente cruel e controlador (Ap 13:16,17). O seu poder será irresistível (Ap 13:4). A grande pergunta será: "Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela?"
e) O anticristo vai se tornar irresistível (v. 4) - Ele será singular e irresistível. Terá a aparência de um inimigo invencível. Contra DEUS e os santos que estão no céu vai blasfemar (v. 6). Contra a igreja que estará na terra, ele vai perseguir e matar (v. 7,15b).
 
4. Ele será objeto de adoração em toda a terra (Ap 13:3,4,8,12; 2 Ts 2:4)
a) A adoração ao anticristo é o mesmo que adoração a Satanás (v. 4) - Adoração é um tema central no livro de Apocalipse: a noiva está adorando o Cordeiro, e a igreja apóstata está adorando o dragão e o anticristo. O mundo está ensaiando essa adoração aberta ao anticristo. e Satanás. O Satanismo e o ocultismo estão em alta: As seitas esotéricas crescem. A Nova Era proclama a chegada de um novo tempo, em que o homem vai curvar-se diante do "Maitrea", o grande líder mundial. A adoração de ídolos é uma espécie de adoração de demônios (1 Co 10:19,20). A necromancia é uma adoração de demônios. O grande e último plano do anticristo é levar seus súditos a adorarem a Satanás (Ap 13:3,4). Esse será o período da grande apostasia. Nesse tempo os homens não suportarão a verdade de DEUS e obedecerão a ensinos de demônios. O Humanismo idolátrico - O endeusamento do homem e sua conseqüente veneração é uma prática satânica. Adoração ao homem e adoração a Satanás são a mesma coisa.
b) O anticristo fará forte oposição a toda adoração que não seja a ele mesmo (2 Ts 2:4) - Ele vai se opor e se levantar contra tudo que se chama DEUS, ou objeto de culto. Assim agiram os imperadores romanos que viam no culto ao imperador o elo de união e fidelidade dos súditos do império. Deixar de adorar o imperador era infidelidade ao Estado. O anticristo também se assentará no templo de DEUS, como DEUS, fazendo-se passar por DEUS. Ele vai usurpar a honra e a glória só devida a DEUS.
c) A adoração do anticristo será universal (Ap 13:8,16) -
Diz o apóstolo João que "adorá-lo-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no livro da vida do Cordeiro". Satanás vai tentar imitar DEUS também nesse aspecto. Ao saber que DEUS tem os seus selados, ele também selará os seus com a marca da besta (Ap 13:8, 16-18). Todas as classes sociais se acotovelarão para entrar nessa igreja apóstata e receber a marca da besta (13:16).
d) O anticristo perseguirá de forma cruel aqueles que se recusarem a adorá-lo (Ap 13:7,15) - Esse será um tempo de grande angústia (Jr 30:7; Dn 12:1; Mt 24:21-22). A igreja de CRISTO nesse tempo será uma igreja mártir (13:7,10). Mas os crentes fiéis vão vencer o diabo e o anticristo, preferindo morrer a apostatar (Ap 12:11).
 
5. Ele fará oposição aberta a DEUS e à igreja de CRISTO (Ap 13:6,7; 2 Ts 2:4)
a) O anticristo será um opositor consumado de DEUS (Dn 7:25; 11:36; 2 Ts 2:4; 1 Jo 2:2; Ap 13:6) - "Proferirá palavras contra o Altíssimo"; "contra o DEUS dos deuses, falará coisas incríveis". O apóstolo Paulo diz que ele "se opõe e se levanta contra tudo que se chama DEUS, ostentando-se como se fosse o próprio DEUS". João declara: "e abriu a sua boca em blasfêmias contra DEUS, para lhe difamar o nome". Diz ainda: "Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho". O anticristo vai usar todas as suas armas para ridicularizar o nome de DEUS. Ele vai fazer chacota com o nome do Altíssimo.
b) O anticristo fará violenta e esmagadora oposição contra a igreja (Dn 7:25; 7:21; Ap 12:11; 13:7) - "Ele magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e a lei; e os santos lhe serão entregues nas mãos". "Ele fará guerra contra os santos e prevalecerá contra eles". Mas, mediante a morte os santos o vencerão (Ap 12:11). João diz: "Foi-lhe dado também que pelejasse contra os santos e os vencesse" (13:7). O anticristo se levantará contra a igreja, contra o culto e contra toda expressão de fidelidade a DEUS. Esse será o ponto mais intenso da grande tribulação (Mt 24:15-22).
 
6. O anticristo será apoiado pela segunda besta, o falso profeta (Ap 13:11-18: 16:13; 19:20)
a) A segunda besta seduzirá o mundo inteiro a adorar a primeira besta (Ap 13:11-15) - Se a primeira besta é o braço de Satanás, a segunda é a mente de Satanás. Ela e o falso profeta. A primeira besta age no campo político, a segunda no campo religioso. O Falso Profeta vai preparar o terreno para o anticristo e vai preparar o mundo para adorá-lo.
1º. A primeira besta será conhecida pelo seu poder conquistador, pela sua força (v. 4). A segunda besta será conhecida pelo seu poder sobrenatural, de fazer grandes milagres (v. 13-16).
b) A segunda besta usará também a arma do controle para garantir a adoração da primeira besta (Ap 13:16-18) -Esse será um tempo de cerco, de perseguição, de controle, de vigilância, de monitoramento das pessoas, no aspecto político, religioso e econômico. Todo regime totalitário busca controlar as pessoas e tirar delas a liberdade. A recusa na adoração à primeira besta implica em morte (v. 15b).
c) A segunda besta usará um selo distintivo para os adoradores da primeira besta (Ap 13:18; 14:9-11) -Assim como a noiva do Cordeira recebe um selo (7:3; 9:4), também os adoradores da besta recebem uma marca (13:16). Então só haverá duas igrejas na terra, aquela que adora a CRISTO e aquela que adora o anticristo. Assim como os que recebem o selo de DEUS terão a vida eterna, os que recebem a marca da besta vão perecer eternamente (Ap 14:11; 20:4).
 
III. A MANIFESTAÇÃO DO ANTICRISTO
1. Sua presente dissimulação e futura revelação (2 Ts 2:6-8)
• Diz o apóstolo Paulo que o anticristo está sendo detido por ALGO (v. 6) e por ALGUÉM (v. 7). "E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria. Com efeito o mistério da iniqüidade já opera o aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém" (2 Ts 2:6-7). O que é esse ALGO? Quem é esse ALGUÉM? A maioria dos estudiosos entende que o algo é a LEI e que o ALGUÉM é AQUELE QUE FAZ A LEI SE CUMPRIR.
• É por isso que o anticristo vai surgir no período da grande apostasia, quando os homens, não suportarão leis, normas nem absolutos. Então, eles facilmente se entregarão ao homem da ilegalidade, o filho da perdição.
 
2. O número de sua identificação (Ap 13:18: 2 Ts 2:3)
• O anticristo no seu cumprimento profético foram governos anticristãos e totalitários ao longo dos séculos que perseguiram a igreja, assim, como o falso profeta simboliza as religiões e as filosofias falsas deste mundo que desviaram os homens de DEUS para adorarem o anticristo e o dragão. Ambas as bestas se opõem a igreja durante toda a dispensação.
• Mas, o anticristo aponta para um personagem escatológico que reunirá toda a maldade dos impérios e governos totalitários.
• O anticristo será uma pessoa, ele é o homem da iniqüidade, o filho da perdição, o abominável da desolação, a besta que emerge do mar, a encarnação de Satanás: Os cristãos primitivos entenderam que ele era Nero. Os reformadores entenderam que ele era o Papa romano.
Estudiosos modernos disseram que foi representado por Napoleão, Hitler, Mussoline.
• Seu número é 666. Sete é o número perfeito, seis o número imperfeito. Seis é o número do homem, o número incompleto, imperfeito, o número do fracasso. O número do anticristo é fracasso, sobre fracasso, sobre fracasso. Ele incorporará a plenitude da imperfeição, a consumação da maldade.
 
3. A limitação do anticristo (Ap 13:5)
a) O anticristo tem um poder limitado - visto que pode matar os santos, mas não vencê-los (12:11; 20:4). Os verdadeiros crentes preferirão a morte à apostasia (13:8), vencendo assim a besta (15:2). Eles não temem aquele que só pode matar o corpo e não a alma. O anticristo também não pode fazer nada contra DEUS e contra os remidos na glória, a não ser falar mal (13:6).
b) O anticristo tem um tempo limitado (13:5) - Quando o seu tempo acabar, ele mesmo será lançado no lago do fogo (19:20).
 
4. Sua total destruição (2 Ts 2:8)
• JESUS o matará com o sopro da sua boca e o destruirá pela manifestação da sua vinda (2 Ts 2:8).
• Ele será quebrado sem esforço de mãos humanas (Dn 8:25).
• JESUS vai tirar o domínio do anticristo para o destruir e o consumir até o fim (Dn 7:26).
• O anticristo será lançado no lago do fogo que arde com enxofre (Ap 19:20).
• CRISTO colocará todos os seus inimigos debaixo dos seus pés (1 Co 15:24-25).
• A igreja selada por DEUS (Ap 9:4), preferirá a morte à apostasia e assim vencerá o dragão e o anticristo (Ap 12:11). Aqueles cujos nomes estão no livro da vida não adorarão o anticristo (Ap 13:8). Esses reinarão com CRISTO para sempre.
 
 
INTERAÇÃO
Em Apocalipse 13, a Palavra de DEUS apresenta-nos uma tríade do mal: O Dragão (o Diabo), a Besta que emerge do mar (o Anticristo) e a que emerge da terra (o Falso Profeta). O Apocalipse nos mostra que o Anticristo e o Falso Profeta são agentes utilizados pelo Diabo para estabelecer um falso governo de paz e, desde o início da era mundial, executar seu plano para destruir a humanidade. As Escrituras descrevem algumas características singulares para a realidade desse tempo, os últimos dias: Apostasia (2 Ts 2.3,7); Grande Tribulação (Mt 24.29,30); e Revelação do Homem do Pecado (Dn 7.24,25; 2 Ts 2.3,8,9)
 
OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Definir o termo Anticristo. 
Explicar como se dará o aparecimento e o governo do Anticristo.  
Saber a plataforma e o fim do seu governo. 
 
ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA 
Prezado professor, use o esquema abaixo  para explicar o terceiro tópico da presente lição. Mostre aos alunos que o governo do Anticristo se dará através de uma tríade apresentada no capítulo treze do livro de Apocalipse. Diga-lhes que tal período (A Grande Tribulação) será o mais assombroso da história humana. Apesar de a Grande Tribulação iniciar numa pretensa paz, iminentemente a humanidade será enlevada por uma repentina destruição (1 Ts 5.3).  
 
A TRÍADE MALIGNA
O Dragão
O Anticristo
O Falso Profeta
“Um gigantesco dragão
de muitas cabeças e
muitos chifres. Este
dragão é identificado,
no versículo 10 [Cap.
12], como Satanás. Assim
como o cavalo vermelho,
em 6.3, significa
sangue e morte, também
o vermelho deste
dragão é uma referência
ao fato de Satanás ser
um assassino desde o
princípio (Jo 8.44)”
“Apesar de João não usar
o nome ‘Anticristo’, o
grego anti primariamente
significa ‘em vez de’. Ele
buscará ser o substituto
daquele que foi DEUS
ungido. Noutras palavras
o Anticristo não admitirá
ser o Anticristo. Clamará
ser o CRISTO real, o fidedigno
cumprimento das
profecias que apontam
para o rei que está vindo
para implantar o seu
reino” (Horton, p.172).
“[...] O Falso profeta
estará a frente da igreja
apóstata durante a
primeira parte da Grande
Tribulação (os verdadeiros
crentes já terão sido arrebatados
para o encontro
com o Senhor JESUS nos
ares ). Assim, o Falso Profeta
tornar-se-á o líder do
sistema religioso mundial
que o Anticristo estabelecerá
na última parte
da Grande tribulação [...]”
(Horton, p.181).
 
RESUMO DA LIÇÃO 10, O GOVERNO DO ANTICRISTO
I. QUEM É O ANTICRISTO 
1. Definição etimológica.
2. Definição teológica.
II. O APARECIMENTO DO ANTICRISTO 
1. Tempo.
2. Lugar.  
III. O SUSTENTO DO GOVERNO DO ANTICRISTO 
1. O Dragão.
2. O Falso Profeta.
IV. A PLATAFORMA DE GOVERNO DO ANTICRISTO 
1. A promoção da mentira.
2. A promoção do pecado.
3. A promoção do culto a Satanás.
4. A promoção de uma economia única.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1) O Anticristo, segundo as Escrituras, é um personagem real e não uma ficção.
SINOPSE DO TÓPICO (2) Após o arrebatamento da Igreja, o Anticristo haverá de se manifestar ao mundo. Suas sedes política e religiosa serão a Babilônia (Roma) e Jerusalém, respectivamente.
SINOPSE DO TÓPICO (3) O Dragão e o Falso Profeta sustentarão o governo do Anticristo.
SINOPSE DO TÓPICO (4) As características do governo do Anticristo serão: a mentira, o pecado, a idolatria e a economia única 
 
Subsídio Teológico - AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO
"A Marca da Besta
Outro aspecto importante da vida eclesiástica tem a ver com o processo de urbanização do mundo, uma Através da história, vem-se tentando identificar o Anticristo nos ditadores e tiranos. Quando me encontrava em Israel em 1962, um judeu convertido disse-me para prestar atenção no nome de Richard Nixon, pois vertido em hebraico soma exatamente 666. Mais tarde, um irmão da Itália contou-me que a inscrição dedicada ao papa, e que pode ser vista no interior da basílica de São Pedro, em Roma, em algarismos latinos, também soma 666. É digno de nota que alguns escribas antigos substituíssem o número 666, por 6I6, para que se encaixasse com o nome de Calígula. A igreja primitiva, unanimemente, rejeitou o artifício.
O Apocalipse, contudo, nada fala sobre a soma de números do nome da besta. A única chave é esta: "é o número de um homem". Expositores da Bíblia interpretam o seis para simbolizar a raça humana. O três para designar a Trindade. A tripla repetição - 666 - pode simplesmente significar que o Anticristo é um homem que crê ser um deus, membro de uma trindade composta pelo Anticristo, Falso Profeta e Satanás (2 Ts 2.4; Ap 13.8)" (HORTON, Stanley M. Apocalipse: As coisas que brevemente devem acontecer. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.185).
 
VOCABULÁRIO 
Etimológica: Relativo a etimologia; estudo da origem e evolução das palavras.
Aura Mística: O conjunto de elementos sutis que caracterizam a crença em entes sobrenaturais; misticismo.
Embuste: Mentira ardilosa. 
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA 
HORTON, Stanley M. Apocalipse: As coisas que brevemente devem acontecer. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.
MENZIES, Willian W; HORTON, Stanley M. Doutrinas Bíblicas: Os Fundamentos da Nossa Fé. 5.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.
HORTON, Stanley M. (Ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 10. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.  
 
SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 50, p.41.
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 10, O GOVERNO DO ANTICRISTO
Responda conforme a revista da CPAD do 2º Trimestre de 2012
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas verdadeiras e com "F" as falsas
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Filhinhos, é já a __última__ hora; e, como ouvistes que vem o __anticristo__, também agora muitos se tem feito anticristos; por onde __conhecemos__ que é já a última hora"
(1 Jo 2.18).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
O espírito do __Anticristo__ já opera no mundo. Portanto, combatamo-lo com a __Palavra__ de DEUS e com a divulgação do __Evangelho__ de CRISTO até aos confins da terra.
 
I. QUEM É O ANTICRISTO
3- Por que o anticristo não é lenda nem ficção literária?
(    ) Porque a Bíblia apresenta o Anticristo como um personagem real.
 
4- Qual a definição etimológica da palavra "anticristo"?
(    ) De origem grega, a palavra Anticristo significa, etimologicamente, aquele que se levanta contra CRISTO, colocando-se em seu lugar (1 Jo 2.22).
 
5- Qual a definição teológica do"anticristo"?
(    ) O Anticristo é o representante máximo de Satanás.
(    ) O Anticristo é a mais perfeita representaçãode Satanás (1 Jo 2.18)?
(    ) Trata-se de um homem que, aliciado pelo Diabo, colocar-se-á à sua inteira disposição, com o intuito de governar o planeta em seu nome.
 
6- Por quais outros nomes o anticristo é conhecido na Bíblia?
(    ) Ele é conhecido também como a "besta que sobe do mar"
(    ) O "homem da iniquidade" (Ap 13.1; 2 Ts 2.3).
(    ) Daniel no-lo mostra como o "assolador" (Dn 9.27).
 
II. O APARECIMENTO DO ANTICRISTO
7- Quando o anticristo se manifestará, qual o tempo de seu primeiro período de governo e o que ocorrerá logo após esse primeiro período?
(    ) O Anticristo manifestar-se-á logo após o arrebatamento da Igreja.
(    ) A sua chegada coincidirá com a Septuagésima Semana de Daniel (Dn 9.27).
(    ) Seu governo terá a duração de três anos e meio (Ap 13.5).
(    ) Após esse período, enfrentará a ira do Cordeiro: a Grande Tribulação.  
 
8- De quais lugares o anticristo governará? Onde será sua sede política e onde será sua sede religiosa?
(    ) A sede política de seu governo será a cidade que, no Apocalipse, chama-se Babilônia (Ap 14.8).
(    ) A hermenêutica profética permite-nos identificá-la com a metrópole que, no passado, sediou o Império Romano.
(    ) Quando este reedificar-se, o Anticristo haverá de tomar a cidade de Roma como sede administrativa.
(    ) Sua capital religiosa será Jerusalém que, espiritualmente, recebe do Evangelista os cognomes de Sodoma e Egito (Ap 11.8).
(    ) Por ocasião da Septuagésima Semana de Daniel, o Santo Templo já estará reconstruído.
(    ) No Santo Templo assentar-se-á o Anticristo como se fora DEUS, reivindicando uma adoração que cabe apenas a DEUS (Dn 9.27; Mt 24.15; 2 Ts 2.4).
(    ) De Roma e de Jerusalém, a Besta que sobe do mar governará o mundo todo por quarenta e dois meses (Ap 13.5).
(    ) Nessa empreitada, será sustentado pelo Dragão e pelo Falso Profeta.
 
III. O SUSTENTO DO GOVERNO DO ANTICRISTO
9- O Anticristo contará com o suporte de quais tenebrosos personagens?
(    ) Um espiritual: o Dragão; e o outro humano: o Falso Profeta.
 
10- Quem é o Dragão, no Apocalipse?
(    ) O Dragão é identificado no Apocalipse como a Antiga Serpente (Ap 12.9).
(    ) Conhecido também como Diabo e Satanás, foi o responsável pela primeira apostasia da humanidade, ao induzir Adão e Eva ao pecado (Gn 3.1-7).
(    ) Nos últimos dias, seduzirá a raça humana a cometer a segunda grande apostasia da história: adorá-lo como deus na pessoa do Anticristo.
(    ) Os historiadores futuros certamente verão essa última rebelião da família adâmica como a Queda das quedas e a Apostasia das apostasias.
 
11- Quem é o Falso Profeta, no Apocalipse?
(    ) Embora não passe de um embuste, o Falso Profeta será convincente e irresistível.
(    ) Seus milagres e prodígios serão de tal forma grandiosos que até fogo fará descer do céu (2 Ts 2.9; Ap 13.13).
(    ) O apóstolo Paulo chama seus milagres de mentirosos.
 
12- Quais os dois grandes sinais que o anticristo, na pessoa do Falso Profeta, realizará? Qual a reação da humanidade diante disso?
(    ) O primeiro será uma falsa ressurreição: fará com que o Anticristo, dado como morto num possível atentado, volte à vida (Ap 13.3).
(    ) Diante do acontecido, a humanidade exclamará: "Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?" (Ap 13.4).
(    ) Se o primeiro sinal causou admiração e espanto, o que não diremos do segundo? Ele ordenará aos que habitam na terra que ergam uma imagem à besta que sobrevivera à ferida mortal. Em seguida, dará vida à estátua, que se porá a falar (Ap 13.14,15).
(    ) Com esses prodígios, convencerá todos a aceitarem a plataforma de governo do Anticristo.
 
IV. A PLATAFORMA DE GOVERNO DO ANTICRISTO
13- O Anticristo usará de todos os artifícios, quer naturais quer sobrenaturais, visando o que?
(    ) A promoção da mentira.
(    ) A promoção do pecado.
(    ) A promoção do culto a Satanás.
(    ) A promoção de uma economia única.
 
14- Complete segundo a promoção da mentira do Anticristo:
Representante do __pai__ da mentira, o Anticristo terá por objetivo __apagar__ toda a verdade que DEUS imprimiu na Bíblia, na consciência humana e na história. Somente assim, conseguirá __aprisionar__ a humanidade (2 Ts 2.11). Ele já começou o seu trabalho relativizando a verdade, inclusive a __teológica__.
 
15- Complete segundo a promoção do pecado do Anticristo:
O Anticristo é conhecido também como o "__homem__ do pecado" (2 Ts 2.3). Hoje ele promove o homossexualismo, o aborto e a eutanásia, como se tais pecados e iniquidades fossem __virtudes__ teológicas. Amanhã, quando assumir o governo do mundo, promoverá o __genocídio__ dos que não lhe aceitarem o sinal, e não haverá ninguém para levantar a voz contra esse crime (Ap 20.4).
 
16- Complete segundo a promoção do culto a Satanás do Anticristo:
Durante o seu governo, constrangerá a humanidade a __adorar__ o Dragão e seus __demônios__ (Ap 9.20). A fim de que a idolatria, em seu mais alto grau, espalhe-se por toda a terra, o Anticristo levantar-se-á contra DEUS e contra os que o __adoram__ (2 Ts 2.4).
 
17- Complete segundo a promoção de uma economia única do Anticristo:
O Anticristo sabe que, somente controlando a economia do mundo, conseguirá __subjugar__ a política internacional. Por isso, instituirá um __código__, conhecido como a __marca__ da besta, para que sem o seu número ninguém possa comprar ou vender (Ap 13.16-18). Com a __globalização__ da economia, os governos caminham nesse sentido, não pressentindo o que os espera num futuro bem próximo.
 
CONCLUSÃO
18- Complete:
Quando o Anticristo __proclamar__ já ter alcançado todos os seus objetivos, o Dia do Senhor virá e ele sofrerá __repentina__ destruição (1 Ts 5.3). Isso acontecerá após o seu quadragésimo segundo mês de governo (Ap 13.5). O que a Bíblia chama de Grande __Tribulação__ abater-se-á sobre o reinado do Anticristo, levando-o à completa __ruína__. É a ira do Cordeiro sobre o __império__ do mal (Ap 6.16). JESUS CRISTO __destruirá__ o império do Anticristo, para implantar o Reino de DEUS em sua plenitude: "Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu CRISTO, e ele __reinará__ para todo o sempre" (Ap 11.15).
 
RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO fonte/www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm 
 

Lição 5, A Mordomia da Igreja Local

  Lição 5, A Mordomia da Igreja Local