SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (153) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (189) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (401) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (597) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

06 junho 2012

CONTAGEM REGRESSIVA PARA O JESUS É BOM DEMAIS



CONFIRMADO EM PATOS DIA 15 DAVI SACER NO JESUS E BOM DEMAIS
        

GRUPO LOGOS



E BANDA SALVAÇÃO


APOIO



fonte http://acaojovemacao.blogspot.com.br

ADOLESCENTES - Lição 11: Problemas enfrentados na Obra Missionária


2º Trim. 2012 - ADOLESCENTES - Lição 11: Problemas enfrentados na Obra Missionária

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
ADOLESCENTES – CPAD
2º Trimestre 2012
Tema: Minha Missão no Mundo
Comentarista: Niedja de Mello


LIÇÃO 11 – PROBLEMAS ENFRENTADOS NA OBRA MISSIONÁRIA


Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma que possa conduzir o aluno a:
Identificar as dificuldades e barreiras que a Obra de Deus enfrenta; conscientizar-se da responsabilidade individual de cada membro do corpo de Cristo.

Para refletir
“Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos são os ceifeiros.”(Mt. 9:37 – ARC)

“Para todas as carreiras há concorrências entre os homens. Há milhares de excedentes procurando vagas nas universidades, mas para o ministério, a mais urgente de todas as vocações, poucas pessoas se oferecem.” – Dr. Shedd.


Texto Bíblico: 2 Co 10:16.

Introdução
Não devemos nos deixar desanimar pelas dificuldades. Em sintonia com Paulo, que recomendava as coletas para ajudar a Igreja em Jerusalém (Rm 15:25-27), lembrando-nos que a cooperação, indispensável para a evangelização do mundo, é um direito-dever de todos os que fazem parte do Corpo de Cristo.

Problemas Internos e externos
O cristianismo nasceu com uma comissão, endereçada à todos seus membros – “Ide... Fazei discípulos em todas as nações”.  Os documentos históricos da Igreja deixam claro que a mensagem cristã deveria ser proclamada indistintamente a pessoas de todos os povos e nações. Assim sendo, desde o início os cristãos atravessaram intencionalmente barreiras nacionais, étnicas e culturais. A extraordinária mobilidade geográfica dos primeiros cristãos foi um dos principais fatores que contribuíram para a rápida difusão da fé nos primeiros séculos. Os maiores responsáveis pelo crescimento da Igreja não foram somente os esforços metódicos e organizados de líderes como o apóstolo Paulo, mas o testemunho informal de cristãos anônimos que por onde iam compartilhavam com as pessoas as suas novas convicções.

Como aconteceu no passado, também nos dias de hoje o cristianismo continua a atravessar barreiras geográficas e culturais. Um exemplo bem atual é o dos brasileiros que têm ido morar nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, e nesses lugares têm plantado igrejas e evangelizado tanto os seus patrícios como os naturais da terra. Ser missionário não é uma tarefa fácil, porém é um privilégio, não um fardo intolerável carregado por uns “grandes servos de Deus”. Mas esse privilégio está ligado ao caminho da renúncia e de levar cada dia a sua cruz. O sofrimento faz parte da vida de muitos missionários e, quanto mais penetrarmos nas regiões ainda não alcançadas, mais teremos contato com realidades de grande carência social e espiritual, de conflito com poderes das trevas, de violência, guerra e perseguição.


Pouco investimento em missões
Em todas essas dificuldades, é imprescindível o apoio e o sustento missionário por parte da Igreja.
Temos muitas dificuldades para cumprirmos nossa missão, também, por enfrentarmos problemas culturais, problemas estes que atingem nossa base de fé e doutrina. A exemplo disto, temos o senso de incapacidade ao desenvolvimento, falta de criatividade para executar projetos próprios e de forma autônoma, sentimentos fatalistas e a famosa dependência comercial e econômica.

Esta é uma questão histórica e cultural que vem transcorrendo épocas e alcançado nossos dias, nossas vidas e como vivemos. Transferimos nossa responsabilidade “do Ide de Jesus” para o ministério, para outros a responsabilidade da Obra missionária quando Deus nos chama e somos incapazes de obedecer a grande comissão, e através de uma conduta omissa e silenciosa, ficamos como que não tivéssemos o dever de anunciar o Evangelho, sem nem ao menos uma resposta verbalizada e visivelmente prática.

Quando nossos missionários estão fora do Brasil alguns, recebem apoio financeiro. Necessitamos reconhecer que em Deus somos fortes e capazes de provocar grandes diferenças por iniciativas centralizadas no Seu propósito como verdadeiros agentes e emissários de Sua santa Palavra, seja indo ou apoiando responsavelmente aqueles que estão na “linha de frente da batalha” contra os governos de Satanás neste mundo.

Quando nos posicionamos para fazer missões, nos posicionamos contra as forças espirituais que atuam neste século para tentar impedir o crescimento do Reino de Deus. Não há outro caminho, ou avançamos para fazer recuar o reino de Satanás, ou recuamos e o seu reino vence. Essa batalha espiritual não se detém somente na realidade espiritual, mas nos meios através dos quais esta se evidencia no mundo natural. Partindo deste ponto de vista e analisando as influências desta batalha da Igreja contra o reino de Satanás no mundo, “recuamos” ou “avançamos” de acordo com o nível de obediência à vocação de Cristo.

Temos perdido grandes oportunidades. Precisamos dar passos importantes em direção a um avivamento começando a ser sinceros conosco, na verdade, muitos não crêem que missões é o plano de Deus para o mundo, só que confessar isto é duro demais, então dizemos que missões é o plano de Deus, mas não estimulamos as pessoas a crerem a ponto de se envolverem. A maior prova desta falta de fé é o que fazemos com as finanças. Segundo o sistema capitalista, ninguém investe onde não se pode receber lucros. Nossas vidas sofrem esta influência diariamente e a situação fica ainda mais grave quando transferimos para a Igreja.

Se há uma necessidade material local e a igreja não tem reservas no caixa, fazemos de tudo, são campanhas, ofertas especiais, cantinas, desafios recheados de versículos, etc., mas quando se apresenta um missionário com necessidade de ser enviado para o campo sob nossos cuidados financeiros, a situação muda completamente e o que os missionários ouvem são argumentos comuns à maioria : “Estamos com salários atrasados”, “temos muitas contas à pagar e não temos tido reservas”, “nossa arrecadação caiu”, etc.

Se for para investir numa quadra de esportes, reforma luxuosa ou no preparo de uma viagem coletiva, ou um passeio com todos os membros, somos capazes de fazermos de tudo, quando o assunto é missões, é em favor de projetos missionários – nada. Por que? -  porque nos falta fé e amor para com os povos que ainda não ouviram falar de Jesus.

Usamos desculpas para nos ausentar da responsabilidade financeira e prioritária que temos com a obra missionária. Deus espera por nossa atitude. O Seu amor é indescritível à compreensão do homem. Somos incapazes de compreender Seu sentimento. O pecado nos tornou inimigos da Sua natureza, fizemos e fazemos o que Ele repudia. Grande foi nosso pecado, miseráveis somos, indignos de estar na santa presença de Deus, desconhecidos éramos de natureza, mas Ele nos aceitou, nos amou, nos perdoou, de graça nos concedeu através do Seu Filho a salvação eterna, encheu nossos corações do sentimento de paz, milagrosamente restaurou uma comunhão que estava definitivamente perdida, curou nossas chagas e demonstrou o que Ele faz por aqueles que o aceitam.

Tudo o que Deus fez por nós, Ele quer fazer com outros, seja do Brasil ou entre outras nações. O problema é que muitos, e infelizmente a maioria pessoas de influência na Igreja, não crêem nisto e pensam que as nações merecem ir inteiras para o inferno por não crerem em Jesus. Outros pensam que Deus reservou salvação aos escolhidos, então “cruzam os braços” e esperam que Ele faça todo o trabalho, porque todo esforço humano será inútil para mudar a história na presciência de Deus.

Não fazemos missões ainda como deveríamos por enfrentarmos problemas com nossa fé também.Pense comigo : segundo o manual Intercessão Mundial, Edição Século XXI (2003) diz que em toda América do Sul no ano 2000 havia 36.900.030 evangélicos para 10.192 missionários dela enviados ao seu interior e nações fora dela. Isto significa que havia nada mais e nada menos que 3.611.297 de cristãos evangélicos para cuidar de cada missionário. Ainda sim é tão popular missionários representarem a dificuldade de fazerem o que é de responsabilidade de todos. Apesar de fazermos muita coisa, não conseguimos realizar o óbvio, o básico, o que justifica nossa permanência no mundo após nossa salvação que é sermos luz para as nações.

Conclusão
Jesus disse que a seara é grande e poucos são aqueles que trabalham nela. Depois Ele orientou que rogássemos ao Senhor da seara para que enviasse trabalhadores à Sua seara. Estes trabalhadores não podem decidir por si mesmos irem ao campo, somente Deus pode enviá-los, porque, sabendo das carências no mundo, quando Ele envia, envia pessoas da qualidade certa. O problema é que muitos ignoram o chamamento de Deus e se envolve por conta própria na obra missionária sem avaliarem os prejuízos que este sem a bênção de Deus através da Igreja causará ao trabalho e à vida das pessoas.

Há muitas Igrejas que hoje poderiam estar seriamente comprometidas em apoiar missionários moralmente, espiritualmente, logisticamente, financeiramente e ministerialmente. Existe, de fato, pouquíssimo investimento destas áreas na obra missionária geral como na vida pessoal e familiar dos missionários. Temos ainda muitas dificuldades para cumprirmos nossa missão neste mundo. Se assim fizermos, milhares de pessoas irão se prostrar diante DELE confessando-o ser o Filho de Deus, gente como nós, de toda parte, de todas as etnias, falantes de línguas que nem imaginávamos existir, juntos, tendo a mesma visão da glória de Deus sobre Seu Filho, porque eu e você investimos na tarefa de pregar o Evangelho para a salvação de todos eles.

Quando medito na vinda de Jesus, sinto-me ainda mais desafiada na obra missionária, a maior e mais valiosa riqueza que poderemos receber será olhar nos olhos do Redentor e ver NELE a alegria de ser glorificado por outros que um dia pudemos alcançar. Apesar dos problemas, o que importa é a responsabilidade pessoal, que temos diante de DEUS.
Despertemos-nos, e tomemos nossa posição diante do IDE do Senhor Jesus.


Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva

PRE ADOLESCENTES - Lição 11: Trabalhadores da plantação de uvas


2º Trim. 2012 - PRE ADOLESCENTES - Lição 11: Trabalhadores da plantação de uvas

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRE ADOLESCENTES – CPAD
2º Trimestre 2012
Tema: As Parábolas de Jesus
Comentaristas: Damaris Ferreira da Costa, Telma Bueno, Verônica Araujo

LIÇÃO 11 – TRABALHADORES DA PLANTAÇÃO DE UVAS

Texto Bíblico   Mt 20.1-7
Porque o reino dos céus é semelhante a um homem, proprietário, que saiu de madrugada a contratar trabalhadores para a sua vinha.
Ajustou com os trabalhadores o salário de um denário por dia, e mandou-os para a sua vinha.
Cerca da hora terceira saiu, e viu que estavam outros, ociosos, na praça,
e disse-lhes: Ide também vós para a vinha, e dar-vos-ei o que for justo. E eles foram.
Outra vez saiu, cerca da hora sexta e da nona, e fez o mesmo.
Igualmente, cerca da hora undécima, saiu e achou outros que lá estavam, e perguntou-lhes: Por que estais aqui ociosos o dia todo?
Responderam-lhe eles: Porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele: Ide também vós para a vinha.



Objetivos  Após a aula seus alunos devem compreender que a graça 
                   de Deus é dada a todos igualmente, pois Deus é Justo.

Introdução
Na lição de hoje estudaremos a parábola dos trabalhadores na vinha (plantação de uvas)
Esta lição apresenta uma das mais extraordinárias lições sobre o caráter de Deus.
Nesta analogia o Senhor é comparado a um pai de família que sai de madrugada a fim de recrutar trabalhadores para sua vinha.
Na parábola é demonstrada toda a justiça e misericórdia de Deus, observamos isto não apenas na chamada a todos que estavam ociosos na praça, mas também ao final do dia, o pagamento é dado igualmente a todos, mesmo os últimos. Esta é uma parábola de ensino, concernente ao trabalho e obediência na obra do Senhor.

I - Ensinando uma lição
As parábolas do Senhor Jesus tinham como propósito ensinar verdades espirituais aos discípulos, a parábola dos trabalhadores não e diferente.
A parábola foi proferida pelo Senhor logo após um triste episódio, certo jovem rico procura Jesus para pergunta toque deveria fazer para alcançar a vida eterna.
E eis que se aproximou dele um jovem, e lhe disse: Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?
Respondeu-lhe ele: Por que me perguntas sobre o que é bom? Um só é bom; mas se é que queres entrar na vida, guarda os mandamentos.
Perguntou-lhe ele: Quais? Respondeu Jesus: Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho;
honra a teu pai e a tua mãe; e amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado; que me falta ainda?
Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me.
Mas o jovem, ouvindo essa palavra, retirou-se triste; porque possuía muitos bens.(Mt 19.16-22)
Admirados com essa palavra de Jesus, Pedro tomando a  palavra,  pergunta  sobre o que  eles receberiam, visto que tinham abandonados tudo e seguido a Jesus. Foi a partir daí que o Senhor passar a conta a parábola.
No texto bíblico acima, fica evidente que o Senhor, não impôs ao jovem a condição e deixar todos os seus pertences, isto seria afirmar que somente os pobres herdariam o reino de Deus, o Senhor revelou os segredo do coração do jovem, pois ele dava muito mais importância ao bens que possuía do que a sua salvação pois o  seu coração estava em sua riquezas.
De uma forma egoísta Pedro logo pergunta, pois ele mesmo como os demais discípulos tinham largando tudo para seguir ao Senhor, que recompensa receberiam?
A resposta do Senhor demonstrou todo o caráter de Deus, nos seus atributos de justiça e misericórdia.

II- Dono de uma plantação de uvas
A parábola apresenta um pai de família que cultiva uma vinha para sustento  de sua casa, figuradamente representa Deus que para manter a sua obra contrata os trabalhadores.
A parábola mostra a autoridade do dono da vinha, pois o destacando como o “pai de família”  revela a sua autoridade de liderar a sua casa contratando  trabalhadores, assim é Deus , pois Ele é  o pai da grande  família chamada Igreja.
Ele tem o poder de chamar trabalhadores  para sua obra, por sua justiça  dar o justo pagamento a cada um , independentemente da quantia de serviço, por essa razão, os últimos trabalhadores recebem o mesmo valor daqueles  primeiros.
Na parábola  as palavras Reino e vinha tem um destaque especial, ela se inicia dizendo o ‘reino de Deus “, isto significa o domínio de Deus sobre todas as coisas, assim vemos que Deus plantou uma “vinha” neste mundo e conta conosco  parta cultivá-la afim de que produza abundantes frutos.
No Antigo Testamento, Israel é apresentado com o povo eleito de Deus, sendo comparado a uma vinha:
Pois a vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta das suas delícias; e esperou que exercessem juízo, mas eis aqui derramamento de sangue; justiça, e eis aqui clamor. (Is 5.7)
Muitos pastores destruíram a minha vinha, pisaram o meu quinhão; tornaram em desolado deserto o meu quinhão aprazível. (Jr 12.10
Já no Novo Testamento  a palavra vinha é usada para ilustrar a Igreja de cristo:
Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor.
Toda vara em mim que não dá fruto, ele a corta; e toda vara que dá fruto, ele a limpa, para que dê mais fruto.
 Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado.
 Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim.
 Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.

 Quem não permanece em mim é lançado fora, como a vara, e seca; tais varas são recolhidas, lançadas no fogo e queimadas.
 Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito.
 Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. (Jo 15.1-8)

III- Hora do pagamento
A justiça divina não é baseada em critérios humanos, os trabalhadores da ultima hora são tratados com igualdade em relação aos que começaram nas primeiras horas do dia.
Se levarmos em conta a justiça dos homens, que é falha, poderiam concluir que a reclamação dos primeiros trabalhadores estava certa, pois eles tinham trabalhado muito mais do que aqueles que trabalharam apenas um  pouco.
Porem a justiça divina é perfeita, no demais, ao vermos o acertando entre as partes, o dono de família pagou aos primeiros trabalhadores aquilo que haviam combinado, ele tinha todo o direito que recompensar de igual modo aqueles que  trabalharam somente um pouco, isto demonstra a sua grande generosidade.
Todavia a parábola revela uma verdade, que cada trabalhador receberá aquilo que fizer jus, a obra, ou trabalhão feito não será medido pelo tempo de execução, mas sim pela qualidade do trabalho. Por isso o Senhor disse:
“os derradeiros serão os  primeiros, e os primeiros serão os derradeiros” (MT 20.16)
O apostolo Paulo na sua carta aos Corintios explanou sobre as qualidade se trabalho na obra do Senhor, assim definiu também a recompensa de cada obra;
E, se alguém sobre este fundamento levanta um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha,
a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará, porque será revelada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um.
Se permanecer a obra que alguém sobre ele edificou, esse receberá galardão.
Se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele prejuízo; mas o tal será salvo todavia como que pelo fogo. (1 Co 3.12-15)

Conclusão
No reino de Deus não discriminação, nem favoritismo, os trabalhadores da  ultima hora são tão importantes quanto os da primeira, pois o mérito do Serviço aos olhos de deus não depende da quantidade, depende do espírito com que é feito o trabalho.

Fonte consultada: Revista CPAD – Jovens e adultos – 2º trimestre de 2005


Colaboração  para Portal Escola Dominical – Prof.  Jair César S. Oliveira

JUVENIS - Lição 11: A vocação Ministerial


2º Trim. 2012 - JUVENIS - Lição 11: A vocação Ministerial

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JUVENIS – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: O sentido da vocação cristã
Comentaristas: Esdras Bento, Miriam Reiche, Telma Bueno e Vera Garcez.


LIÇÃO 11- A VOCAÇÃO MINISTERIAL

ENFOQUE BIBLICO:
“E disse a Arquipo: Atenta para o ministério que recebeste no Senhor, para que o cumpras.” (Cl 4.17)


OBJETIVOS:
Explicara expressão “ministério cristão”
Classificaros dons em suas categorias principais.
Descobrir a vocação ministerial.



INTRODUÇÃO
Vamos estudar uma lição falando sobre o ministério cristão, a Bíblia diz: “há diversidades de ministérios”, mas o Senhor é o mesmo e assim há também uma diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. Tanto o ministério quanto os dons é dado visando um fim proveitoso e Deus opera chamando e vocacionando as pessoas (1Co 12.1-11)


O MINISTERIO CRISTÃO
A expressão “ministério” tem confundido a muitos, ser ministro, para alguns é ser bem sucedido, ter um bom carro, cargo de expressão no ministério, ser rico. Estava eu em uma loja de calçados e ouvi um vendedor dizendo em tom de zombaria – “vou abrir uma igreja de crente e deixar de trabalhar, viver numa boa”. Na verdade é isso que alguns “ministros” passam para o povo que o ministério cristão é um negocio rendoso. Mas o que é? Ministério cristão é toda a atividade desenvolvida na igreja, tesoureiros, secretários, professores da escola dominical, zeladores que trabalham de modo voluntario, pastor, evangelistas, presbíteros, diáconos etc..

O pastor Elizeu Queiroz de Souza em seu livro: “O Ministério Pastoral” fala das varias terminologia usada na Bíblia para destacar o ministério cristão são eles:
a)      Pastor (Ef 4.11; Jr 3.15; Hb 13.7,17);
b)      Cooperador de Deus (1Co 3.9);
c)      Discípulo (Mt 9.9; Jo 1.35-51);
d)      Despenseiro (1Co 4.1; Tt 1.7; 1Pe 4.10);
e)      Embaixador (2Co 5.20; Ef 6.20);
f)       Evangelista (At 21.8; 2Tm 4.5);
g)      Homem de Deus (1Tm 6.11; 2Tm 3.17; 2Rs 5.8);
h)      Mensageiro (Is 44.26);
i)        Ministro da Palavra (Lc 1.2;At 6.4);
j)        Ministro do Evangelho (Ef 3.6,7; Cl 1.23);
k)      Missionário (At 13.1-5; 15.40; 16.1,2);
l)        Obreiro (Mt 9.38; Lc 10.2; 2Tm 2.15);
m)    Servo (Rm 1.1; 2Tm 2.24; 1Pe 2.16);
n)      Soldado (2Tm 2.3,4).

Todavia devemos entender que alguns serão chamados para exercer um ministério em especifico, na passagem de Ef 4.11, por exemplo, pessoas que receberão de Deus através do Espírito Santo capacitação especial para exercer o pastorado, por exemplo, uma pessoa que recebe de Deus a capacidade de apascentar, alimentar e guiar o rebanho de Deus. O significado da palavra cooperador: “aquele que trabalha com alguém”, em primeiro lugar trabalhamos com Deus, mas fomos chamados por alguém para exercer alguma função na igreja. Logo há outras passagens na Bíblia em que as funções não são ofícios como em Efésios, mas ministérios que podem ser desenvolvido por todo aquele que se dispor a trabalhar, não esquecendo que somos discípulos – cujo significado é aprendiz e servo. O apostolo gostava muito de evocar esse titulo de servo.

A principal essência que trás resultado ao cristão é exercer seu ministério com prazer e ser participante ativo. Analisando a parábola dos talentos não há sequer um crente chamado para ficar criticando ou olhando as coisas acontecerem, logo todos receberam talentos da parte de Deus e um dia iremos à prestação de contas. Todos nós iremos comparecer ante o tribunal de Cristo, não nos restam duvidas que os negligentes, aqueles que realizam a obra de Deus relaxadamente, não receberão galardão. Muitos adolescentes e jovens são músicos, algumas meninas nessa faixa de idade cuidam de crianças são ministérios importantes que devem ser levados a serio. (Mt 25.14-30).

Exerçam com prazer o ministério, pode ser que para você seja insignificante pela sua capacidade, mas seja fiel no pouco que sobre o muito serás colocado tenha certeza disso. Existem alguns fundamentos para que o ministério seja bem desenvolvido dentre eles destacaremos alguns:
a)      humildade (2Co 12.18);
b)      Coragem (At 20.22,23);
c)      Valor (2Tm 2.3); 
d)      Persistência (2Tm 2.5);
e)      Paciência (2Tm 2.6);
f)       Determinação (Js 24.15);
g)      Autoridade (1Sm 3.19,20);
h)      Segurança (Ex 13.14);
i)        Cordialidade (1Jo 2.1,2; 2Tm 2.1; Rm 1.6);
j)        Fé (Hb 11.6);
k)      Visão (Ex 3.2; Is 6.1; Jr 1.12; Jo 8.56);
l)        Integridade (At 24.16). 


OS DONS EM SUAS CATEGORIAS PRINCIPAIS
1-      DONS DE REALIZAÇÕES
a)      Fé (1Co 12.9) – Não é a fé natural e nem a comum para a salvação, trata-se de uma fé sobrenatural e especial é quando o homem desaparece (Hb11), os heróis da fé tiveram fé na hora do impossível.
b)      Curas (1Co 12.9) – Pode ser gradualmente ou  instantâneo trata também de uma fé para curar, de modo especial.
c)      Milagres (1Co 12.10,28) – É um efeito no mundo físico, distinto das leis da natureza ou que sobrepuja ao nosso conhecimento dessas leis. Ex:. Multiplicação dos pães, abriu os olhos dos cegos de nascença, andar em cima da água, mandar que o vento se aquietasse, o paralitico da porta chamada formosa etc..

2-      DONS DE GOVERNO
a)      Presidir (Rm 12.7) – Pessoas que tem diligência, que sabem contestar, discutir sem sair do natural. 
b)      Administrar (1Co 12.28) – Aquele que exerce o governo, trabalha na administração, ajuda manter a igreja viva.

3-      DONS DE SOCORRO
a)      Ministérios (Rm 12.7) – Pessoas chamadas para ministrar, ensinar, exortar, repartir com liberalidade,  presidir com cuidado, exercer misericórdia com alegria, honrar os demais membros do corpo de Cristo, compartilhar com os santos nas suas necessidades, seguir a hospitalidade e chorar com os que choram.
b)      Socorros (1Co 12.28) – Prestar atendimento aos pobres, fracos e doentes
c)      Misericórdia (Rm 12.8)


4-      DONS MINISTERIAIS
a)      Apóstolos (Ef 4.11) – Enviado com uma missão especifica, Oe enviados por Jesus e depois disso teriam que apresentar provas de terem conhecido Jesus ou ser enviado por um dos apóstolos. 
b)      Profetas (Ef 4.11) – Homens de declarações inspiradas, que se distinguia dos pregadores normais.
c)      Evangelistas (Ef 4.11) – Mensageiros de boas novas recebem a mensagem do Espírito Santo.
d)      Pastores (Ef 4.11) – Apascentador, guarda é o que conduz o rebanho ao pasto (Sl 23)
e)      Mestres (Ef 4.11) – Chamado para tirar duvidas doutrinarias


5-      DONS DE REVELAÇÃO
a)      Palavra de Sabedoria (1Co 12.8) – É a participação parcial da infinita sabedoria de Deus, dada a conhecer através da instrumentalidade de um crente, para a solução de problemas. É diferente da sabedoria natural ou adquirida nos livros (At 6.10).
b)      Palavra do Conhecimento (1Co 12.8) – É a revelação de ações e fatos, que se baseiam no perfeito conhecimento de Deus (At 5.3,4)
c)      Discernimento do Espírito (1Co 12.10) – É um atributo de Deus pelo qual ele conhece absolutamente todas as coisas e tem autoridade para julgar (1Cr 28.9), e compreender aquilo que o entendimento humano jamais pode alcançar (1Co 2.9,10).
6-      DONS DE ELOCUÇÃO
a)      Profecia (1Co 12.10) – Falar na própria língua e na unção do Espírito Santo. É a voz do Espírito Santo, a profecia edifica, exorta, consola, prediz. Profecia não é fonte de consulta, ou meio de obter direção, seja material ou espiritual. Jesus é o mediador entre Deus e o homem.
b)      Variedades de línguas (1Co 12.10) – É uma língua nunca estudada por aquele que fala. É uma mensagem do Espírito Santo em línguas estranhas à igreja.
c)      Interpretação de línguas (1Co 12.10) – É feita sobrenaturalmente as palavras são dadas por revelação sem esse dom a mensagem em línguas não teria utilidade (1Co 14.13)
7-      DONS DIDATICOS
a)      Ensino (Rm 12.7) – Dever especial de ensinar aos membros as doutrinas praticas (professores da escola dominical, dirigentes de igrejas ou ponto de pregações)
b)      Exortação (Rm 12.8) – Ensinar de modo pratico sem gritar, ser exemplo, falar segundo a doutrina e rebater os contradizentes (Tt 1.9). trazer animo.


QUAL A SUA VOCAÇÃO MINISTERIAL?
Uma pergunta fácil de responder e ao mesmo tempo ela se torna difícil por algumas razões, primeiro por que em alguns é muito visível, o mesmo se destaca na pregação, na musica ou em algum serviço prestado na igreja. Enquanto que outros parecem ser isso tão escondido que só se revelara mais tarde.  Davi era pastor de ovelhas e penso eu que ele jamais esperava ser o rei de Israel, não levava jeito nem para soldado de tão jovem que era. Jeremias o profeta foi chamado para exercer o ministério e ele nem queria.
Moises tentou ajudar seu povo estando no Egito não foi compreendido e quarenta anos mais tarde Deus o convocou para libertar o povo. Nesse caso Moisés tentou se escusar, mas não conseguiu, mesmo mostrando falta de habilidades. O que aprendemos aqui é que as nossas habilidades são muito pequenas e de nada adianta se não formos vocacionados por Deus e cheios de sua graça.
A chama que arde no vocacionado muitas vezes só Deus e ele sabem, não pode agir antes da hora de Deus, o que aconteceu com Moises. Quem chama o obreiro é Deus esse é um fator exclusivo dele e independe se o candidato tem um diploma ou não, nem mesmo o homem tem participação embora todos os chamados precisem estar em uma igreja e ser visto pelo ministério da mesma. Quem chamou Davi foi Deus, mas quem ungiu foi Samuel, portanto não despreze sua liderança. Como uma pessoa pode ser chamada?
a)      Por meio de visão – Moises e Paulo
b)      De modo subjetivo – direto ao coração da pessoa que passa a ter desejos de realizar determinada obra.
c)      Usando o ministério para convocá-los – alguns nem sabe ou nem entende o que esta acontecendo, só depois entenderão. (Mt 13.7)

Identifique sua vocação ministerial, pode ser que seja por visões, pode Deus falar ao seu coração e aguarde o tempo certo. Pode ser que seja agora, mas pode demorar ainda um tempo, alguns têm errado por sair ou procurar fazer antes do tempo. Moisés demorou quarenta anos, Josué foi preparado no ardor da batalha, quem poderia imaginar ser ele o próximo líder de Israel?


CONCLUSÃO
O ministério cristão é coisa séria, não deveria ser tratado como o é por muitos que ignoram a responsabilidade de ser um ministro na igreja em que serve. Dentro desse critério são observados também os dons em suas categorias, alguns serão chamados para exercer ministério especifico. Para isso serão vocacionados, preparados para a obra em que Deus tem chamado.  

BIBLIOGRAFIA
·         SOUZA, Elyzeu Queiroz – O Ministério Cristão- 2ª Ed, 1982 – CPAD
·         ESTAPS, Donald C. – Anotações Biblia de Estudos Pentecostal _ CPAD


Colaboração para Portal Escola Dominical - Pr Jair Rodrigues

JUNIORES - Lição 11: Estevão, herói até o fim


2º Trim. 2012 - JUNIORES - Lição 11: Estevão, herói até o fim

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JUNIORES – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: Heróis da Bíblia
Comentaristas: Damaris Ferreira da Costa & Luciana Alves de Sousa


LIÇÃO 11 – ESTEVÃO, HERÓI ATÉ O FIM


Texto Bíblico: Atos 6.8-15; 7.54-60


Ao Mestre
Prezado (a) para enriquecer sua aula, algumas informações adicionais acerca de Estevão.
Estêvão é o primeiro mártir do Cristianismo. A palavra “mártir” tem origem na palavra grega “testemunha”. Era aplicado aos que testificavam da realidade e o significado de sua fé, preferinfo a morte do que negar deixar o Caminho – Jesus.

O seu nome vem do grego Stephanós, o qual se traduz para aramaico como Kelil, significandocoroa, galardão. Estêvão foi um dos sete primeiros diáconos da igreja nascente, logo após a morte e ressureição de Jesus, pregando os ensinamentos de Cristo e convertendo tanto judeus como gentios.


Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma a conduzir seu aluno a conscientizar-se de que precisamos demonstrar que somos fiéis a Deus e à Sua Palavra, e para tal precisamos perdoar como Ele nos perdoa.


Exercitando a Memória
Logo após a ascensão do Senhor Jesus ao céu, os discípulos (que significa alunos) que agora eram apóstolos (que significa enviado a serviço de), estavam preocupados, pois estavam se ocupando muito com as necessidades temporais (alimentos) dos membros da igreja do que com o ensino da Palavra de Deus, e isto estava prejudicando a parte espiritual, pois eles tinham de se dedicar ao ensino da Palavra de Deus. Decidiram então nomear diáconos para que estivessem atendendo a necessidade material dos cristãos. Escolheram de sete homens, o termo escolher, quer dizer que dentre aqueles que serviam ao Senhor, precisavam encontrar homens com as qualificações necessárias: boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria (sabedoria prática, ou tato para questões circunstanciais).

Esta proposta agradou a toda a comunidade; e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau e apresentaram-nos perante os apóstolos, e estes, orando, lhes impuseram as mãos.
Estevão é bastante conhecido em nossas igrejas simplesmente porque foi o primeiro mártir após a ascensão do Senhor Jesus Cristo. Estevão é, com quase certeza, um dos setenta escolhidos e enviados pelo Senhor em Lucas 10:1-10, e que O acompanhou sempre, a partir do batismo de João (At 1.21-22). Podemos concluir isso, devido ao fato de ele exercer dons atribuídos exclusivamente aos apóstolos e estes homens (At 6.8), por ser homem cheio do poder do Espírito Santo
Observe nos dois capítulos bíblicos que fazem menção a Estevão como o fato dele ser cheio do poder do Espírito Santo é realçado
“E elegeram Estevão, homem cheio de fé e do Espírito Santo...” (6.5);
“E Estevão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo.” (6.8);
“E não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que falava...” (6.10);“Mas ele, cheio do Espírito Santo, fitando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus.” (7.55)
Para ter uma vida cheia do Espírito é preciso viver de forma a agradar ao Senhor Estevão não cometia o erro que denunciou nos judeus para quem ele testemunhou no conselho:
“... vós sempre resistis ao Espírito Santo”(7.52).
Fé, poder, autoridade, milagres, prodígios, sinais, sabedoria... são qualidades que encontramos neste homem, tudo decorrência da ação do Espírito Santo em sua vida. Trabalhava com alegria na Obra de Deus e anunciava com coragem a Palavra de Deus.

Por causa da atividade cristã de Estevão havia homens que se colocavam contra ele. Estevão, era  muito abençoado por Deus e cheio de poder, fazia grandes maravilhas e milagres entre o povo.vendo como Deus abençoava Estevão ficaram contra ele alguns membros da “Sinagoga dos Homens Livres”, que era a sinagoga dos judeus que tinham vindo das cidades de Cirene e Alexandria. Estes e outros judeus da região da Cilícia e da província da Ásia começaram a discutir com Estevão. Mas o Espírito de Deus dava tanta sabedoria a Estevão, que ele ganhava todas as discussões, explicando-lhes como a Palavra de Deus dizia que devemos fazer.

Não conseguiam derrotá-lo em nenhum tipo de discussão, pois estava cheio do Espírito Santo e da sabedoria espiritual. Então, contrataram homens perversos e desonestos para dizer mentiras sobre ele, levaram-no perante o conselho e o acusaram de blasfêmia contra Deus e contra Moisés.

Estevão poderia ter ficado muito preocupado em se defender e tentar provar sua inocência, mas tinha outra responsabilidade, perante ele, havia centenas de pessoas que precisavam ouvir a mensagem da Bíblia. Porém conforme Estevão falava a mensagem de Deus, eles se enfureceriam.

Estevão optou por não se livrar da culpa, mas ser fiel a Deus, falou então sobre os pecados de Israel continuamente pela história. Ele os fez lembrar-se de como haviam se rebelado contra Moisés, Elias, Jeremias, Isaías, e como tinham matado os profetas de Deus e se voltado para os ídolos. Os judeus o odiaram por dizer-lhes a verdade sobre eles.

Mas Estevão, cheio do Espírito Santo, olhou firmemente para o céu e viu a glória de Deus. E viu também Jesus em pé, ao lado direito de Deus. Então disse:
— Olhem! Eu estou vendo o céu aberto e o Filho do Homem em pé, ao lado direito de Deus.

Mas eles taparam os ouvidos e, gritando bem alto, avançaram todos juntos contra Estêvão. Depois o jogaram para fora da cidade e o apedrejaram. E as testemunhas deixaram um moço chamado Saulo tomando conta das suas capas. Enquanto eles atiravam as pedras, Estevão chamava Jesus, dizendo:
— Senhor Jesus, recebe o meu espírito!

Depois, ajoelhou-se e gritou com voz bem forte:
— Senhor, não condenes esta gente por causa deste pecado! E, depois que disse isso, ele morreu.

O jovem que estava consentindo o assassinato de Estevão. Recolheu as capas dos homens que o apedrejaram. Esse jovem Saulo, mais tarde foi gloriosamente salvo e tornou-se o grande Apóstolo Paulo.


Aplicação da Lição
Prezado (a) enfatize aos pequenos que temos poucas informações sobre a vida de Estevão, sabemos que foi um homem bom e dedicado, e que perdeu a sua vida por causa do Evangelho. Mas aquele jovem chamado Saulo que participou quando Estevão foi morto, também tinha convicções fortes. Ele opunha-se a tudo que Estevão defendia, achando que os cristãos realmente mereciam a morte. Pela graça de Deus, encontrou-se com Jesus para aprender a verdade e se arrepender. A vida e o testemunho de Estevão sempre ficou gravado no coração do apostolo Paulo. Estevão foi um herói que com muito amor pelas almas, e fidelidade a Deus, proclamou a Palavra de Deus até o fim.



Fontes Consultadas:
·         Bíblia de Estudo de Aplicação Pessoal – Editora CPAD – edição 2003
·         Bíblia de Estudo Plenitude – SBB/1995 – Barueri/SP
·         Bíblia de Estudo Pentecostal – Editora CPAD – Edição 2002.
·         Bíblia Shedd – Editora Mundo Cristão – 2ª Edição
·         Bíblia de Estudo da Mulher – Editora Mundo Cristão/SBB – Edição 2003
·         Dicionário Vine – Editora CPAD – 3ª Edição 2003
·         365 Lições de vida extraídas de Personagens da Bíblia - Rio de Janeiro Editora CPAD
·         Richards – Lawrence O. – Guia do leitor da Bíblia – Editora CPAD – 8[ Edição/2009
·         Comentário Bíblico Beacon – Vol.7: João a Atos – Editora CPAD – Rio de Janeiro/2005



Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva

PRIMÁRIOS - Lição 11: Jesus o amigo das surpresas


2º Trim. 2012 - PRIMÁRIOS - Lição 11: Jesus o amigo das surpresas

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMÁRIOS – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: Jesus e seus amigos
Comentaristas: Laudicéia Barboza da Silva & Débora Ferreira da Costa
 
 
LIÇÃO 11 – JESUS O AMIGO DAS SURPRESAS
 
 
Texto Bíblico: Lucas 24.13-35
 
 
Ao Mestre
Prezado (a) postarei algumas informações acerca do estado emocional dos dois discípulos de Emaús, para que inteirado do assunto possa transmitir aos pequenos com mais segurança.
 
Lucas descreve sobre a confusão e o desespero que se abateu sobre os discípulos de Jesus após a sua morte, antes da noticia de Sua ressurreição. Quando Lucas menciona: “E eis que... iam dois deles” (cf. v.13), esses dois discípulos não era dos doze, mas do circulo mais amplo dos que seguiam a Jesus.
“... no mesmo dia...” (v.13), ou seja , no dia da ressurreição, esses dois (Lucas identifica apenas um, Cleopas, que também não se sabe nada sobre ele) estavam a caminho de uma aldeia, denominada Emaús, que distava cerca de 11 km de Jerusalém, hoje é denominada de Kolonieh. 
 
Enquanto caminhavam eles falavam dos acontecimentos da crucificação de Jesus, do relato das mulheres que afirmavam que Jesus havia ressuscitado e da noticia (mentira) que estava sendo divulgada de que “os discípulos de Jesus haviam roubado o seu corpo para dizerem que Ele ressuscitou”. Esses dois discípulos tentavam dar sentido a uma confusa mistura de fatos, relatos e a seus próprios sentimentos pessoais, quando Jesus se apresentou a eles.
 
 
Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma a conduzir os pequenos a conscientizar-se de que Jesus sempre está presente em meio aos nossos momentos de tristezas, ou problemas. Ele jamais nos deixa sozinhos.
 
 
Frase do dia
EU CONHEÇO A VOZ DO MEU AMIGO JESUS
 
Como poderemos conhecer a voz de Jesus?
Prezado (a) não subestime a capacidade dos pequenos. Eles precisam entender como poderão conhecer a voz de Jesus. A frase acima nos diz “A voz de meu amigo Jesus”. Explique a eles que para sejamos amiguinhos de Jesus, precisamos conhecê-Lo e obedecê-Lo, e para isso, devemos estar familiarizados com a Palavra de Deus, que saiu de Sua boca, assim quando Ele falar a nós ou nos guiar (é claro que Deus fala a nós de forma que possamos entender a verdade) iremos compreender. Apesar de poder falar de forma audível às pessoas, Ele fala principalmente através de Sua Palavra. Ao aplicarmos o que ouvimos ao nosso viver podemos aprender a reconhecer Sua voz.
 
 
Memória em Ação
“As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem” (Jo 10.27 – ARC)
 
Amplie o desenho Prim 11 fig 1, na galeria de imagens e escreva o versículo para memorização dos pequenos.
 
 
Fonte: www.perolasdejesus.blogspot.com
 
 
Explorando a Bíblia
Vocês se lembram crianças, de que o Senhor Jesus para nos salvar morreu na cruz e ressuscitou?
Então...  Naquele mesmo dia em que Jesus ressuscitou, dois dos seguidores de Jesus estavam indo para um povoado chamado Emaús, que ficava não muito longe de Jerusalém.
Eles estavam conversando a respeito de tudo o que havia acontecido.
Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus chegou perto e começou a caminhar com eles, mas alguma coisa não deixou que eles O reconhecessem.
Então Jesus perguntou:
— O que é que vocês estão conversando pelo caminho? 
 
Eles pararam, com um jeito triste, e um deles, chamado Cleopas, disse:
— Será que você é o único morador de Jerusalém que não sabe o que aconteceu lá, nestes últimos dias?
— O que foi? —perguntou Ele. - Eles responderam: 
— O que aconteceu com Jesus de Nazaré. Esse homem era profeta e, para Deus e para todo o povo, Ele era muito sábios em atos e palavras. Os chefes dos sacerdotes e os nossos líderes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. E a nossa esperança era que fosse Ele quem iria libertar o povo de Israel. Porém já faz três dias que tudo isso aconteceu. Algumas mulheres do nosso grupo nos deixaram espantados, pois foram de madrugada ao túmulo e não encontraram o corpo Dele, e voltaram dizendo que viram anjos e que estes afirmaram que Ele está vivo. Alguns do nosso grupo foram ao túmulo e viram que realmente aconteceu o que as mulheres disseram, mas não viram Jesus.
 
Então Jesus lhes disse: 
— Como vocês demoram a entender e a crer em tudo o que os profetas disseram! Pois era preciso que o Messias sofresse e assim recebesse de Deus toda a glória.
 
E começou a explicar todas as passagens das Escrituras Sagradas que falavam Dele, iniciando com os livros de Moisés e os escritos de todos os Profetas. Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez como quem ia para mais longe. Mas eles insistiram com Ele para que ficasse, dizendo: 
— Fique conosco porque já é tarde, e a noite vem chegando. - Então Jesus entrou para ficar com os dois.
 
Sentou-se à mesa com eles, pegou o pão e deu graças a Deus. Depois partiu o pão e deu a eles. Aí os olhos deles foram abertos, e eles reconheceram Jesus. Mas Ele desapareceu. Então eles disseram um para o outro:
 — Não parecia que o nosso coração queimava dentro do peito quando Ele nos falava na estrada e nos explicava as Escrituras Sagradas?
 
Eles se levantaram logo e voltaram para Jerusalém, onde encontraram os onze apóstolos reunidos com outros seguidores de Jesus. E os apóstolos diziam: 
— De fato, o Senhor foi ressuscitado e foi visto por Simão!
 
Então os dois contaram o que havia acontecido na estrada e como tinham reconhecido o Senhor quando Ele havia partido o pão. Enquanto eles estavam contando isso, Jesus apareceu de repente no meio deles e disse: 
— Que a paz esteja com vocês!
 
Eles ficaram assustados e com muito medo e pensaram que estavam vendo um fantasma.
Mas Ele disse: 
— Por que vocês estão assustados? Por que há tantas dúvidas na cabeça de vocês? Olhem para as minhas mãos e para os meus pés e vejam que sou eu mesmo. Toquem em mim e vocês vão crer, pois um fantasma não tem carne nem ossos, como vocês estão vendo que eu tenho.
 
Jesus disse isso e mostrou as suas mãos e os seus pés.
Eles ainda não acreditavam, pois estavam muito alegres e admirados. 
 
Então ele perguntou: 
— Vocês têm aqui alguma coisa para comer?
Eles lhe deram um pedaço de peixe assado, que ele pegou e comeu diante deles. Depois disse:
 — Enquanto ainda estava com vocês, eu disse que tinha de acontecer tudo o que estava escrito a meu respeito na Lei de Moisés, nos livros dos Profetas e nos Salmos.
 
Então Jesus deu sabedoria a eles para que eles entendessem as Escrituras Sagradas e disse: 
— O que está escrito é que o Messias tinha de sofrer e no terceiro dia ressuscitar. E que, em Nome Dele, a mensagem sobre o arrependimento e o perdão dos pecados seria anunciada a todas as nações, começando em Jerusalém. Vocês são testemunhas dessas coisas. E eu lhes mandarei o que o meu Pai prometeu. Mas esperem aqui em Jerusalém, até que o poder do Espírito Santo de cima venha sobre vocês.
 
Então Jesus os levou para fora da cidade até o povoado de Betânia. Ali levantou as mãos e os abençoou.
Enquanto os estava abençoando, Jesus se afastou deles e foi levado para o céu.
Eles o adoraram e voltaram para Jerusalém cheios de alegria. E passavam o tempo todo no pátio do Templo, louvando a Deus
 
Prezado (a) enfatize aos pequenos que Jesus sempre nos surpreende com sua Presença, nos alegrando e realizando milagres em nosso meio, pois Ele nos ama e quer que sejamos felizes. 
 
 
Oficina Criativa
Pinte as ovelhinhas da galeria de imagens, recorde e cole, montando-as:
 
 
Fonte: www.sementinhakids.wordpress.com
 
Fontes Consultadas: 
Bíblia NTLH - SBB
Curso para Professor de EBD - Faculdade de Teologia e Ciências Humanas IBETEL – Pr. Vicente de Paula Leite
Allan Hart Jahsmann e Martim P. Simon  - Horinhas com Deus - Editora Sinodal
Bíblia Ilustrada Infantil – Editora Geografica
Comentário Bíblico Beacon – Vol.6: Mateus a Lucas – Editora CPAD – Rio de Janeiro/2005
 
 
Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva 
 fonte www.portalebd.org.

JARDIM DA INFANCIA - Lição 11: Jesus é apresentado no Templo


2º Trim. 2012 - JARDIM DA INFANCIA - Lição 11: Jesus é apresentado no Templo

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JARDIM DE INFANCIA – CPAD
2º Trimestre de 2012
Tema: Eu gosto da Igreja
Comentaristas: Verônica de Oliveira Araujo & Marta Doretto


LIÇÃO 11- JESUS É APRESENTADO NO TEMPLO


Objetivos     
                       Seus alunos devem ser conscientizados de que precisam ser assíduos na  
                       igreja afim de estarem sempre aprendendo a conhecer melhor a Deus,  
                      mediante a sua palavra.


Texto bíblico    Lc 2.21-38
Quando se completaram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.
22 Terminados os dias da purificação, segundo a lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém, para apresentá-lo ao Senhor
(conforme está escrito na lei do Senhor: Todo primogênito será consagrado ao Senhor),
e para oferecerem um sacrifício segundo o disposto na lei do Senhor: um par de rolas, ou dois pombinhos.
Ora, havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem, justo e temente a Deus, esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele.
E lhe fora revelado pelo Espírito Santo que ele não morreria antes de ver o Cristo do Senhor.
Assim pelo Espírito foi ao templo; e quando os pais trouxeram o menino Jesus, para fazerem por ele segundo o costume da lei,
Simeão o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse:
Agora, Senhor, despedes em paz o teu servo, segundo a tua palavra;
 pois os meus olhos já viram a tua salvação,
 a qual tu preparaste ante a face de todos os povos;
 luz para revelação aos gentios, e para glória do teu povo Israel.
Enquanto isso, seu pai e sua mãe se admiravam das coisas que deles se diziam.
E Simeão os abençoou, e disse a Maria, mãe do menino: Eis que este é posto para queda e para levantamento de muitos em Israel, e para ser alvo de contradição,
sim, e uma espada traspassará a tua própria alma, para que se manifestem os pensamentos de muitos corações.
Havia também uma profetisa, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era já avançada em idade, tendo vivido com o marido sete anos desde a sua virgindade;
e era viúva, de quase oitenta e quatro anos. Não se afastava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações.
Chegando ela na mesma hora, deu graças a Deus, e falou a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.

A palavra é ...     aprender
Segundo o dicionário aprender significa: Adquirir o conhecimento de, ficar sabendo, instruir-se: aprender, reter na memória, tomar conhecimento de;
A bíblia em varias passagens nos exorta a importância de aprendermos  mais e mais da palavra do Senhor.
Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra. (Os 6.3)

Quando alguém se converte a Deus e passa pela experiência do Novo Nascimento, a parti daí a sua vida é contada como de um bebe, e naturalmente  vai a cada dia crescendo , desta  forma de maneira semelhante, para crescermos é necessário aprender a palavra de Deus, tal como disse o apostolo Pedro.
Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo; ( 1 Pe 2.2)

Aprendendo a bíblia
“(...) será separado e dedicado ao Senhor.”(Lc. 2.23 – NTLH).

O Bebê Jesus é levado ao templo por Seus pais para ser dedicado ao Senhor
Assim como Maria e José amavam o bebê Jesus e O dedicaram para servir a Deus e ao mundo, os pais cristãos fazem o mesmo. As crianças são uma bênção especial de Deus. Os pais, pela graça de Deus, educam seus filhos para amar, honrar e servir a Deus. Os bebês são dedicados a Deus por seus pais. As crianças podem escolher dedicar a vida a Deus.

Historia Bíblica
Como ordenado por Deus (Gn. 17.10,12), no oitavo dia do nascimento de Jesus, seus país o levaram ao Templo para o apresentarem ao Senhor Deus.
Chegou o dia de Maria e José cumprirem a cerimônia da purificação, conforme manda a Lei de Moisés. Então eles levaram a criança para Jerusalém a fim de apresentá-la ao Senhor.
Pois está escrito na Lei do Senhor:
“Todo primeiro filho será separado e dedicado ao Senhor.”
Eles foram lá também para oferecer em sacrifício duas rolinhas ou dois pombinhos, como a Lei do Senhor manda.

Vivia em Jerusalém um senhor já velhinho chamado Simeão, o qual amava muito a Deus, sempre estava lendo a Bíblia, e gostava muito de meditar na promessa de Deus em enviar o seu Filho para salvar a humanidade. Simeão queria muito que o Salvador nascesse logo para ajudar seu povo.

Simeão levantou em uma manhã como todas as outras, e se preparou para ir ao templo orar e ler a Bíblia como sempre fazia. Lá chegando, viu chegando um casal com um nenenzinho. Eram Maria e Jose com o bebê Jesus, vieram apresentá-LO a Deus, com uma oferta especial de agradecimento a Deus pelo presente especial que haviam recebido – JESUS
Simeão ficou olhando e olhando para eles. Seu coração começou a bater mais forte. Deus fez Simeão saber que aquele nenezinho era o Filho de Deus, o Salvador Prometido. Ah! Como Simeão ficou feliz! Ele tomou o bebezinho no colo e começou a orar e agradecer a Deus:
_  “Obrigado Senhor Deus, porque me deixou ver Seu Filho. Ele vai ajudar muito o nosso povo de Israel. Agora eu posso morrer satisfeito.”

Uma senhora idosa chamada Ana (que todos os dias estava no Templo orando), aproximou-se e também louvou ao Senhor Deus. Maria e Jose ficaram muito admirados ouvindo aquelas pessoas felizes, cantando e orando. Eles também agradeceram a Deus porque Jesus havia nascido.

Quando terminaram de fazer tudo o que a Lei do Senhor manda, José e Maria voltaram para a Galiléia, para a casa deles na cidade de Nazaré.
O menino crescia e ficava forte; tinha muita sabedoria e era abençoado por Deus.


Atividades:
Imprima o desenho da Galeria de Imagens para os pequenos colorir:


Colaboração para Portal Escola Dominical -   Prof.  Jair  César S. Oliveira 
 Click to open image!Click to open image!Click to open image!

Galeria de imagens

Click to open image!fonte http://www.portalebd.org.br

LIÇÃO 05 - A INSTITUIÇÃO DA MONARQUIA EM ISRAEL / SUBSÍDIOS / CLASSE ADULTOS

Apresentado pelo Comentarista das Revistas Lições Bíblicas Adultos da CPAD, pastor Osiel Gomes