SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (152) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (188) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (398) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (593) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

14 setembro 2012

Lição 12 - As dores do abandono I Plano de Aula


3º Trim 2012 - Lição 12 - As dores do abandono I Plano de Aula
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
TERCEIRO TRIMESTRE DE 2012
VENCENDO AS AFLIÇÕES DA VIDA – Muitas são as aflições do justo mas o Senhor o livra de todas
COMENTARISTA: ELIEZER DE LIRA E SILVA
PLANO DE AULA – EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
(ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO DO BELÉM – SEDE – SÃO PAULO/SP)

PLANO DE AULA Nº 12
LIÇÃO Nº 12 – AS DORES DO ABANDONO
1º SLIDE  INTRODUÇÃO
- Concluindo o quinto e penúltimo bloco deste trimestre, que trata dos “dramas de relacionamentos”, estudaremos hoje o abandono.
- O servo de Deus sabe que, se for abandonado por todos, jamais será abandonado por seu Senhor.
2º SLIDE  I – O ABANDONO
- O homem foi feito para viver em sociedade (Gn.2:18). Assim, quando o homem se sente só, está a experimentar uma sensação que é má.
- “Abandono” - “ato ou efeito de deixar, de largar, de sair sem a intenção de voltar; partida, afastamento; falta de amparo ou de assistência; desarrimo”.
3º SLIDE
- Antigo Testamento - “abandonar” - “‘azab” - “deixar só, desamparar”.
-  Jr.12:7 -  “natash” - “deixar, abandonar”.
-  Jr.51:5 -  “ ‘alman” -  “deixar como viúva, desamparar como a uma viúva”.
4º SLIDE
- Novo Testamento - “abandonar” - “paradidomi” -  “deixar aos cuidados de outrem”, “entregar às mãos de alguém”.
- A ideia de abandono está vinculada a um afastamento voluntário de relacionamento, a uma cessação de uma convivência, à negação de ajuda e de amparo, a um isolamento.
5º SLIDE
- Se o isolamento já é um mal em si, que dirá quando subsequente a um relacionamento que anteriormente existia. Trata-se de um golpe que vem acrescentar um mal a algo que já é mau em si.
- A sensação da solidão e da impossibilidade de se relacionar com alguém gera um desespero natural no ser humano Gn.4:11-15).
6º SLIDE
- Não é da vontade do Senhor que alguém sinta a solidão ou sofra as dores do abandono, mesmo o mais inveterado pecador (Jr.51:5).
- Como servos de Deus, jamais podemos tomar a iniciativa de abandonar o próximo, por pior que ele seja (Pv.27:10).
7º SLIDE
- Quando a Bíblia afirma que Deus abandona alguém, estamos diante de uma reação divina ao distanciamento voluntário e persistente do homem (Jr.12:7; At.7:42 e Rm.1:26).
- A Palavra de Deus ensina-nos que, se nos chegarmos a Deus, Ele Se chegará a nós (Tg.4:8), o que nos traz o corolário que se nós nos afastarmos d’Ele, Ele ficará cada vez mais distante de nós.
8º SLIDE
- Por isso, mesmo, a única hipótese em que se nos recomenda o afastamento de alguém, é na hipótese do herege persistente (Tt.3:10; Sl.119:53).
- A Bíblia manda-nos separar do pecado, não dos pecadores (Mt.9:11-13; Mc.2:15-17; Lc.5:29-32; Hb.12:1).
9º SLIDE  II – O ABANDONO FAMILIAR
 - É fora de questão que abandonemos nossos familiares.
- O único “abandono” permitido em termos familiares é aquele decorrente da formação de nova família (Gn.2:24), que deve ser entendido dentro do contexto da independência da nova família, jamais como uma autorização para deixarmos ao desamparo os nossos pais.(Mt.15:3-6).
10º SLIDE
- A proibição de abandono dos familiares envolve não só o sustento material, mas, principalmente, o suporte afetivo-emocional nos momentos de dificuldade.
- Há abandono mesmo quando se está sob mesmo teto mas sem qualquer diálogo ou comunicação – “viúvos de cônjuge vivo”, “órfãos de pais vivos”.
11º SLIDE
- A situação de abandono é tão séria que nem mesmo na hipótese de confronto entre a nossa fé e a manutenção da vida em família as Escrituras permitem que tomemos a iniciativa do abandono (I Co.7:11-17).
- Não se podem abandonar os familiares mesmo em casos como de enfermidade grave, de toxicomania ou de envolvimento com o crime e consequente prisão.
12º SLIDE  III – O ABANDONO EM OUTRAS SITUAÇÕES
- Uma das características básicas da igreja local, quando atenta ao modelo bíblico, é a comunhão, o compartilhamento das vidas (At.2:42-47).
- A triste realidade atual das “igrejas-multidões” traz como consequência o abandono na igreja local, algo severamente condenado pelo Senhor, em especial com relação aos ministros (Zc.11:17; Ez.34).
13º SLIDE
- Nesta convivência com os irmãos e com integrantes de outros grupos sociais de que façamos parte, temos de exercer o amor divino, ou seja, o amor desinteressado (I Co.13:5), que não vise apenas tirar vantagem.
- Muitas das situações de abandono se verificam por causa do caráter interesseiro dos relacionamentos humanos (Fp.2:21).
14º SLIDE
- Esta dura e triste experiência foi vivida por muitos homens de Deus, como, por exemplo:
a). Jó - Jó 2:9; 19:15.; b) Davi - I Sm.19:11,12,18; Sl.142:4.; c) Paulo – II Tm.4:16.
15º SLIDE
- A experiência dos amigos de Jó ensina-nos que não devemos fazer companhia para aumentar, ainda mais, o sofrimento daquele que padece - Jó 16:2; 19:2,3.
- A proibição do abandono exige de nós que nossa companhia seja para fortalecimento e consolação do próximo - Jó 16:5,6; 42:10; I Sm.22:1; II Tm.1:16-18.
16º SLIDE
- E o que falar do Senhor Jesus? Deixado completamente só no momento angustiante de Sua paixão e morte. Todos os discípulos O abandonaram (Jo.16:32).
- Ao pé da cruz, porém, estavam João, Maria (mãe de Jesus), Maria de Cleofas e Maria Madalena, que, por este gesto, foram grandemente recompensados Jo.19:25-27; 20:1; 21:20; Mc.16:1.
17º SLIDE
- Por vezes, o abandono é resultado do mau comportamento de alguém, exercício da “lei da ceifa” (Gl.6:7,8). É o que vemos nos casos:  a) do rei Zedequias (Jr.52:8); b) de Edom .(Ez.35:3-5).
18º SLIDE  IV – A REAÇÃO DO ABANDONADO
- Se o próprio Jesus experimentou o abandono, nós, como Seus servos, não estamos imunes a esta situação, mesmo que não demos causa, como se viu nos casos de Jó, Davi e Paulo.
- Se o abandono é, por vezes, inevitável, devemos reagir a ele seguindo os exemplos do Senhor Jesus e dos homens de Deus que sofreram esta aflição.
19º SLIDE
- Ao sermos abandonados (I):
a) devemos lembrar que os homens abandonam, mas Deus jamais nos abandonará se Lhe formos fiéis -  Jo.8:29; 16:32;
b) termos consciência que nosso Deus é o Deus de toda a consolação  - II Co.1:3,4;
20º SLIDE
- Ao sermos abandonados (I):
c) saber que todo este processo permitirá que nós mesmos sejamos consoladores de outros – II Co.1:3,4;
d) perdoar os que nos abandonaram e estar prontos a reatar os relacionamentos com eles - II Tm.4:11; Jo.13:1; 20:19.
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

Lição 12 - As dores do abandono I Plano de Aula


3º Trim 2012 - Lição 12 - As dores do abandono I Plano de Aula
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
TERCEIRO TRIMESTRE DE 2012
VENCENDO AS AFLIÇÕES DA VIDA – Muitas são as aflições do justo mas o Senhor o livra de todas
COMENTARISTA: ELIEZER DE LIRA E SILVA
PLANO DE AULA – EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
(ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO DO BELÉM – SEDE – SÃO PAULO/SP)

PLANO DE AULA Nº 12
LIÇÃO Nº 12 – AS DORES DO ABANDONO
1º SLIDE  INTRODUÇÃO
- Concluindo o quinto e penúltimo bloco deste trimestre, que trata dos “dramas de relacionamentos”, estudaremos hoje o abandono.
- O servo de Deus sabe que, se for abandonado por todos, jamais será abandonado por seu Senhor.
2º SLIDE  I – O ABANDONO
- O homem foi feito para viver em sociedade (Gn.2:18). Assim, quando o homem se sente só, está a experimentar uma sensação que é má.
- “Abandono” - “ato ou efeito de deixar, de largar, de sair sem a intenção de voltar; partida, afastamento; falta de amparo ou de assistência; desarrimo”.
3º SLIDE
- Antigo Testamento - “abandonar” - “‘azab” - “deixar só, desamparar”.
-  Jr.12:7 -  “natash” - “deixar, abandonar”.
-  Jr.51:5 -  “ ‘alman” -  “deixar como viúva, desamparar como a uma viúva”.
4º SLIDE
- Novo Testamento - “abandonar” - “paradidomi” -  “deixar aos cuidados de outrem”, “entregar às mãos de alguém”.
- A ideia de abandono está vinculada a um afastamento voluntário de relacionamento, a uma cessação de uma convivência, à negação de ajuda e de amparo, a um isolamento.
5º SLIDE
- Se o isolamento já é um mal em si, que dirá quando subsequente a um relacionamento que anteriormente existia. Trata-se de um golpe que vem acrescentar um mal a algo que já é mau em si.
- A sensação da solidão e da impossibilidade de se relacionar com alguém gera um desespero natural no ser humano Gn.4:11-15).
6º SLIDE
- Não é da vontade do Senhor que alguém sinta a solidão ou sofra as dores do abandono, mesmo o mais inveterado pecador (Jr.51:5).
- Como servos de Deus, jamais podemos tomar a iniciativa de abandonar o próximo, por pior que ele seja (Pv.27:10).
7º SLIDE
- Quando a Bíblia afirma que Deus abandona alguém, estamos diante de uma reação divina ao distanciamento voluntário e persistente do homem (Jr.12:7; At.7:42 e Rm.1:26).
- A Palavra de Deus ensina-nos que, se nos chegarmos a Deus, Ele Se chegará a nós (Tg.4:8), o que nos traz o corolário que se nós nos afastarmos d’Ele, Ele ficará cada vez mais distante de nós.
8º SLIDE
- Por isso, mesmo, a única hipótese em que se nos recomenda o afastamento de alguém, é na hipótese do herege persistente (Tt.3:10; Sl.119:53).
- A Bíblia manda-nos separar do pecado, não dos pecadores (Mt.9:11-13; Mc.2:15-17; Lc.5:29-32; Hb.12:1).
9º SLIDE  II – O ABANDONO FAMILIAR
 - É fora de questão que abandonemos nossos familiares.
- O único “abandono” permitido em termos familiares é aquele decorrente da formação de nova família (Gn.2:24), que deve ser entendido dentro do contexto da independência da nova família, jamais como uma autorização para deixarmos ao desamparo os nossos pais.(Mt.15:3-6).
10º SLIDE
- A proibição de abandono dos familiares envolve não só o sustento material, mas, principalmente, o suporte afetivo-emocional nos momentos de dificuldade.
- Há abandono mesmo quando se está sob mesmo teto mas sem qualquer diálogo ou comunicação – “viúvos de cônjuge vivo”, “órfãos de pais vivos”.
11º SLIDE
- A situação de abandono é tão séria que nem mesmo na hipótese de confronto entre a nossa fé e a manutenção da vida em família as Escrituras permitem que tomemos a iniciativa do abandono (I Co.7:11-17).
- Não se podem abandonar os familiares mesmo em casos como de enfermidade grave, de toxicomania ou de envolvimento com o crime e consequente prisão.
12º SLIDE  III – O ABANDONO EM OUTRAS SITUAÇÕES
- Uma das características básicas da igreja local, quando atenta ao modelo bíblico, é a comunhão, o compartilhamento das vidas (At.2:42-47).
- A triste realidade atual das “igrejas-multidões” traz como consequência o abandono na igreja local, algo severamente condenado pelo Senhor, em especial com relação aos ministros (Zc.11:17; Ez.34).
13º SLIDE
- Nesta convivência com os irmãos e com integrantes de outros grupos sociais de que façamos parte, temos de exercer o amor divino, ou seja, o amor desinteressado (I Co.13:5), que não vise apenas tirar vantagem.
- Muitas das situações de abandono se verificam por causa do caráter interesseiro dos relacionamentos humanos (Fp.2:21).
14º SLIDE
- Esta dura e triste experiência foi vivida por muitos homens de Deus, como, por exemplo:
a). Jó - Jó 2:9; 19:15.; b) Davi - I Sm.19:11,12,18; Sl.142:4.; c) Paulo – II Tm.4:16.
15º SLIDE
- A experiência dos amigos de Jó ensina-nos que não devemos fazer companhia para aumentar, ainda mais, o sofrimento daquele que padece - Jó 16:2; 19:2,3.
- A proibição do abandono exige de nós que nossa companhia seja para fortalecimento e consolação do próximo - Jó 16:5,6; 42:10; I Sm.22:1; II Tm.1:16-18.
16º SLIDE
- E o que falar do Senhor Jesus? Deixado completamente só no momento angustiante de Sua paixão e morte. Todos os discípulos O abandonaram (Jo.16:32).
- Ao pé da cruz, porém, estavam João, Maria (mãe de Jesus), Maria de Cleofas e Maria Madalena, que, por este gesto, foram grandemente recompensados Jo.19:25-27; 20:1; 21:20; Mc.16:1.
17º SLIDE
- Por vezes, o abandono é resultado do mau comportamento de alguém, exercício da “lei da ceifa” (Gl.6:7,8). É o que vemos nos casos:  a) do rei Zedequias (Jr.52:8); b) de Edom .(Ez.35:3-5).
18º SLIDE  IV – A REAÇÃO DO ABANDONADO
- Se o próprio Jesus experimentou o abandono, nós, como Seus servos, não estamos imunes a esta situação, mesmo que não demos causa, como se viu nos casos de Jó, Davi e Paulo.
- Se o abandono é, por vezes, inevitável, devemos reagir a ele seguindo os exemplos do Senhor Jesus e dos homens de Deus que sofreram esta aflição.
19º SLIDE
- Ao sermos abandonados (I):
a) devemos lembrar que os homens abandonam, mas Deus jamais nos abandonará se Lhe formos fiéis -  Jo.8:29; 16:32;
b) termos consciência que nosso Deus é o Deus de toda a consolação  - II Co.1:3,4;
20º SLIDE
- Ao sermos abandonados (I):
c) saber que todo este processo permitirá que nós mesmos sejamos consoladores de outros – II Co.1:3,4;
d) perdoar os que nos abandonaram e estar prontos a reatar os relacionamentos com eles - II Tm.4:11; Jo.13:1; 20:19.
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

ESCOLA DOMINICAL CPAD ADULTOS - Lição 3

A chamada profética de Samuel 20 de outubro de 2019 TEXTO ÁUREO “Então, veio o SENHOR, e ali esteve, e chamou como ...