SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (153) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (189) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (401) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (597) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

10 outubro 2012

Oseias, a fidelidade no relacionamento com Deus


Oseias, a fidelidade no relacionamento com Deus
PALAVRAS-CHAVE
- Prostituição (hb. zenunim): adultério, prostituição, devassidão, luxúria, fornicação. No sentido figurado é usada para a prática da idolatria.
- Adultério (hb. na’aph): cometer adultério.
- Fidelidade (hb.emunah): substantivo utilizado para descrever o caráter verdadeiro e firme de Deus.
- Conhecimento (hb. da‘ath): compreensão, saber, discernimento, percepção e noção (cf. Os 4.1 e 6).
- Conhecer (hb. yadha‘): saber, conhecer de maneira relacional e experimental, conhecer no nível interpessoal (cf. Os 6.3; Gn 29.5; Jó 19.13).
INTRODUÇÃO
Oseias iniciou seu ministério profético no final de um período de grande prosperidade material, durante o reinado de Jeroboão II, rei de Israel (2Rs 14.23-27). No campo espiritual as coisas não iam tão bem, contando com a conivência da liderança da nação (2 Cr 27.2; 2 Rs 15.35), que tolerava e apoiava a idolatria, e com isso a prostituição espiritual era fortalecida e perpetuada.[1]
Para se ter uma ideia da gravidade dos pecados da nação, os termos prostituição, adultério e seus derivados aparecem cerca de 23 vezes no livro com conotação espiritual.
No livro do profeta Oseias estão presentes a denúncia dos pecados da nação, a sentença dos juízos de Deus por causa desses pecados, e a promessa de um tempo de restauração por causa da fidelidade do Senhor.
Os juízos de Deus podem ser conferidos conforme os textos de Oseias 1.4-9; 2.9-13; 3.4; 4.3; 4.7-10; 5.1-15; 7.12-14; 8.5-9; 10.5; 12.14; 13.1-3, 12-16. As promessas de restauração são citadas em Oseias 1.1; 2.14-23; 3.5; 6.1-3; 10.12; 14.4-9.
OS PECADOS DE ISRAEL DENUNCIADOS POR OSEIAS
Nos estudos sobre os Doze Profetas Menores será de fundamental importância detectar os erros ou pecados de Israel, e perceber como os tais se reproduzem na vida da Igreja, para que dessa maneira não incorramos na repetição e na insistência tola dos mesmos. Passemos então a uma breve descrição e análise dos fatos:
Falta de reconhecimento de que foi o Senhor quem fez Israel prosperar (2.5; 13.6). A soberba pode fazer com que creditemos a nossa prosperidade material aos nossos próprios esforços, ou a ajuda de terceiros (namorados), fazendo com que esqueçamos de que o Senhor é a verdadeira fonte de bênção e riquezas materiais e espirituais. Reconheçamos que tudo vem dele, por sua graça e para a sua glória!
Olhares lascivos para outros deuses (3.1). Dentro da metáfora da prostituição espiritual, que desencadeou a decadência moral e a crise social em Israel, é preciso ter cuidado para o que se olha, para quem se olha e como se olha. Somos diariamente seduzidos espiritualmente e moralmente, e se não vigiarmos poderemos ser atraídos para “outros deuses”, ou seja, para coisas que ocuparão o lugar do Senhor em nosso coração, assumindo a condição de “deus”, dentre as quais podemos citar os bens materiais, a riqueza, a fama, o poder, a imoralidade sexual e outros males. Como diz a canção evangélica infantil: “Cuidado no olhinho no que vê, cuidado no olhinho no que vê, o Salvador do céu está olhando pra você, cuidado no olhinho no que vê”. É preciso voltar o olhar para o Senhor (4.10; Is 45.22, Hb 12.1-2).
A multiplicação dos pecados morais e sociais (4.2, 10-14). Perjúrios, mentiras, enganos, homicídios, adultérios, prostituição, luxúria, glutonarias, incontinência, bebedices, desobediência, corrupção, etc. A lista aqui se assemelha muito com as obras da carne de Gálatas 5.19-21. Como se pode ver, os tempos mudam, mas os pecados do povo de Deus permanecem os mesmos.A multiplicação dos pecados morais e sociais tem relação direta com o pecado espiritual de rebeldia e insubmissão a Deus (4.12).Os pecados morais e sociais que hoje se avolumam na Igreja são decorrentes do baixo padrão de vida espiritual dos líderes e do povo em geral.
A soberba e a autoconfiança (7.10; 10.13). Soberba e autoconfiança caminham de mãos dadas. Dos dois sentimentos nasce o autoengano. Quando associamos tudo isso, o que temos são pessoas que resolvem trilhar os próprios caminhos e confiar nas próprias forças. Igrejas, ministérios, pastores, líderes em geral, membros e congregados caíram nos laços da soberba, da autoconfiança e do autoengano, pensando ser quem não são, pensando ter o que não possuem, pensando fazer o que não podem. Fizeram-se deuses, tornaram-se senhores de si mesmos, estabeleceram o próprio caminho a seguir, a própria vontade a obedecer. O juízo de Deus virá sobre os que não se arrependerem dos seus pecados.
As alianças reprováveis (7.11). A falta de entendimento faz com que se busque na força do poder temporal o apoio aos projetos institucionais e a proteção da nação (povo de Deus). Precisamos discernir e perceber os limites da relação entre a igreja e o Estado, e entre a igreja e as instituições privadas. Em nome do benefício à “obra”, e em nome da preservação do direito do crente enquanto cidadão, nada justifica a negociação de princípios e de valores cristãos.Nada abona a compra e venda de privilégios ou influências com políticos ou empresários. O Senhor é o nosso provedor e protetor, e duvidar disso é duvidar de seu caráter, verdade, bondade e santidade (7.15).
O problema com uma liderança não estabelecida por Deus e corrompida (8.4; 9.8-9). A declaração é de que “Eles fizeram reis, mas não por mim; constituíram príncipes, mas eu não o soube;” é grave. Nos dias atuais vivemos a mesma realidade. O povo está fazendo líderes para si, desejando com isso que os tais aprovem e apoiem os seus pecados. Os referidos líderes não possuem nenhuma autoridade espiritual, pois não foram estabelecidos pelo Senhor. São líderes que vivem ou apoiam o pecado do adultério, da união homossexual, do divórcio, da injustiça social, da pluralidade religiosa, do liberalismo teológico e outros. Há líderes e igrejas para todos os gostos e desgostos. E o que falar dos profetas na atualidade (Ef 4.11)? Assim como nos dias de Oseias, muitos já perderam a autoridade profética por se venderem por tão pouco, por estarem a serviço de lideranças corruptas e corruptíveis. Há profetas mercenários, que recebem dinheiro ou privilégios para profetizar conforme a conveniência daqueles que pagam os seus salários ou cachês. Dessa forma: “o profeta é como um laço de caçador de aves em todos os seus caminhos, um inimigo na casa do seu Deus”.
A edificação de palácios e fortalezas (8.14). A segurança de uma instituição cristã não repousa na riqueza e no valor do seu patrimônio físico e material. Chamo mais uma vez a atenção para toda a sorte de abuso e desperdício dos recursos financeiros da igreja na construção de megas catedrais e de outras imponentes edificações. Sem generalismo ou denuncismo algum, com temor e tremor, pergunto aos nossos amados líderes e companheiros: Não estaríamos cedendo às pressões do “mercado” evangélico, onde o esplendor arquitetônico vale mais do que o próprio culto, e o luxo mais do que a simplicidade e a praticidade? Não estamos cedendo à tentação de “eternizar” os nossos nomes através da construção de obras faraônicas, nabucodonosorianas e constantinianas? Não estamos tentando dar demonstrações de força ministerial, mediante uma competição onde quem faz um templo maior e mais luxuoso é quem parece ter e poder mais? Não poderíamos estar canalizando mais recursos financeiros da igreja para a obra missionária e social? Estamos de fato construindo, edificando “palácios e cidades fortes” para a glória de Deus? Que cada líder e igreja faça uso de sua consciência cristã para responder a tais questões.
Não me coloco aqui na condição de juiz, mas na posição de atalaia do altíssimo.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Na base de todos os problemas e dos pecados da nação estava o descaso, a negligência, a falta de conhecimento de Deus (hb. da‘ath), ou seja, do discernimento e da percepção de sua ação e vontade. O conhecimento (hb. yadha‘) no sentido de relação pessoal, amizade e intimidade com o Criador estava também comprometido:
Ouvi a palavra do SENHOR, vós, filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra, porque não há verdade, nem benignidade, nem conhecimento de Deus na terra. (4.1)
O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos. (4.6)
Diante da clareza dos fatos, entendo que a melhor maneira de concluir o presente texto é com a própria exortação do profeta Oseias, e com uma mensagem de esperança:
Conheçamos e prossigamos em conhecer o SENHOR: como a alva, será a sua saída; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra. (6.3)
Natal-RN, 05/10/2012
Fonte: http://www.altairgermano.net/2012/10/oseias-fidelidade-no-relacionamento-com.html  Acesso em 06 out. 2012.   fonte portal ebd.

4º Trim. 2012 - JARDIM DA INFÂNCIA - Lição 2: Aprendendo a dizer Obrigado

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JARDIM DE INFANCIA – CPAD
4º Trimestre de 2012
Tema: Valorizando os bons Princípios
Comentaristas: Midiam Pessoa, Monica Barreto Valente Varela


LIÇÂO 2 - APRENDENDO A DIZER OBRIGADO
           

Texto Bíblico:Lc 17.11-19


Objetivo
Mostrar que devemos ser agradecidos a Deus por tudo que Ele nos concede.E que Deus se agrada de todos que se lembram de agradecer
           

APRENDENDO A BÌBLIA
E sejam agradecidos a Deus em todas as ocasiões (Is . 40.8)


HISTORIA BIBLICA
DEZ HOMENS COM O MESMO PROBLEMA
            Dez homens tinham o mesmo problema  terrível
            Estavam com lepra, e tinham feridas horríveis no corpo
            Os dez homens não podiam viver com  outras pessoas .Tinham que ficar longe.
            Não podiam tocar em ninguém. “Ajude-nos, Jesus”, imploraram eles
                     Então Jesus os curou. Obrigado Jesus’.Agradeceu um dos homens
            Mais os outros se esqueceram de agradecer. Você já disse obrigado a Jesus hoje?
            Gostaria de fazer isto agora?
            Faça uma pequena oração com os pequeninos e incentive-os a agradecer por tudo que o
            papai do céu nos dá.
           


            Fixando a aprendizagem;
            Amplie o desenho Jd1 fig 2 da galeria de imagens para as crianças.

Fonte: www.pequeninos-de-jesus.blogspot.com

Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª Cristina Araujo.
fonte www.portalebd.

4º Trim. 2012 - PRIMÁRIOS - Lição 2: Sirvo a um Deus vitorioso

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMÁRIOS – CPAD
4º Trimestre de 2012
Tema: A alegria de servir a Deus
Comentaristas: Midian Pessoa e Laudicéia Barboza


LIÇÃO 2 – SIRVO A UM DEUS VITORIOSO


Texto Bíblico: Juízes 4.1-23; 5.1-31


Objetivo
Ministre sua aula de forma a conduzir os pequenos a compreender que servir a Deus nos trás grande alegria, e termos amizade com Ele é algo maravilhoso.


Frase do dia...
EU SIRVO A DEUS COM ALEGRIA.

Cole o desenho Prim2. fig 1 da galeria de imagens em um cartaz e escreva a frase do dia. Enfatizando aos pequenos que tudo o que fazemos para Deus deve ser com alegria, pois Ele nos ama e faz tudo por nós.

Fonte:www.classeprimarios.blogspot.com


Memória em ação
“Se Deus está do nosso lado, quem poderá nos vencer? Ninguém!”. (Rm 8.31 - NTLH)

Leia várias vezes este versículo com os pequenos, isso auxiliará na memorização. Isso se estivermos em acordo com a Sua Vontade, obedecendo-O.


Explorando a Bíblia
Você tem alguma tarefa especial em casa? Sua mãe, pai, tio ou avó pede a você para fazer coisas? Deus tem um trabalho especial para cada um de nós. Ele nunca nos pede para fazer algo que seja difícil demais. Vamos descobrir mais sobre uma pessoa a quem Deus deu um trabalho especial.

Deus deu a Débora uma responsabilidade especial – liderar Israel. Era um trabalho
duro! O povo não obedecia a Deus. Em vez disso adoravam ídolos.
Muitos anos antes o Rei Jabim tinha atacado Israel. Ele venceu a batalha e fez dos
israelitas seus escravos. Agora todos viviam com medo do rei e seu general, Sísera,
que tinha 900 carruagens de ferro.

Débora era chamada de juíza. Ela não tinha um escritório em um Tribunal como os
juízes de hoje. Ela se sentava embaixo de uma palmeira. Quando o povo tinha um
problema, eles iam a ela para ajudá-los a encontrar uma solução. Eles pediam-lhe
conselho. E ela sempre escutava como o povo se sentia triste por se afastar de Deus
e adorar ídolos. Eles pediam-lhe para ensiná-los a adorar o verdadeiro Deus.
Um dia Deus falou com Débora:“Eu ouvi as orações de Meu povo. Eu os livrarei da
escravidão”.

Débora ouviu as instruções de Deus. Ela passou as instruções a Baraque:
__ Deus ordena que você leve dez mil homens ao Monte Tabor. Ele entregará Sísera em suas
mãos.
Baraque estava com medo. Ele sabia o quanto o exército de Sísera era cruel. Eles
tinham atacado a sua cidade. Mas Baraque respeitou Débora. Ele sabia que Deus
estava com ela.
__ Se você for comigo e meu exército, eu irei- Baraque respondeu.
Quando Débora concordou em ir com ele, Deus deu a ela uma segunda mensagem
para Baraque: “porque você quer que eu vá com você, você não terá a honra de
ganhar a batalha. Essa honra será para um mulher”.

Débora, Baraque e os dez mil soldados lutaram bem pouco. Quando Baraque e seus
homens foram se encontrar com Sísera, Deus interveio. Sísera e seu exército
largaram as carruagens e fugiram. Baraque e seus homens pegaram e destruíram o
exército. Mas na confusão, Sísera escapou.

Sísera viajou ate chegar à tenda de Jael. O esposo de Jael era um de seus amigos.
Então Sísera pensou que estaria seguro por um tempo. Sísera pediu a Jael algo para
comer e um lugar para se esconder enquanto descansava.
Jael sabia que Sísera era um homem mal. Enquanto ele dormia, ela o matou. E foi
assim que a profecia de Débora se realizou. Uma mulher, Jael, matou Sísera, não
Baraque.
Precisamos ouvir os líderes que Deus escolheu para que possamos ganhar todas as
bênçãos que Ele tem guardadas para nós. Quando Deus nos pedir para fazer alguma
coisa, nós devemos estar prontos para obedecê-LO, com alegria em nossos corações.

Vamos fazer uma oração crianças:
 "Senhor Deus, ajuda-nos a obedecer e confiar no Senhor quando tivermos de fazer alguma coisa. Em nome de Jesus, amém!

Oficina criativa
Amplie o desenho Prim2 fig 2 da galeria de imagens para os pequenos colorir

Fonte: www.igrejabatistaagape.com.br

Fontes Consultadas:
·         Bíblia NTLH - SBB
·         Curso para Professor de EBD - Faculdade de Teologia e Ciências Humanas IBETEL – Pr. Vicente de Paula Leite
·         53 Histórias de Jesus – Geográfica Editora
·         Bíblia Ilustrada Infantil – Editora Geográfica – Edição 2000.


Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva 
 fonte www.portalebd

JUNIORES - Lição 2: Um vento do barulho


4º Trim. 2012 - JUNIORES - Lição 2: Um vento do barulho

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
JUNIORES – CPAD
4º Trimestre de 2012
Tema: Fé em ação
Comentaristas: Miriam Reiche e Luciana Alves de Souza


LIÇÃO 2 – UM VENTO DO BARULHO


Texto Bíblico:Atos 2.1-42


Objetivo
Professor ministre sua aula de forma a conduzir seu aluno a compreender que precisamos do Espírito Santo para nos ajudar a servir a Deus melhor, por isso precisamos buscar o batismo com o Espírito Santo.
Enfatizando que o Espírito Santo nos auxilia em nossas orações.


Exercitando a memória
“... quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra.”(At 1.8 – NTLH).

Sem o Espírito Santo não há poder de Deus (grego dunamis), é através do revestimento do Espírito Santo que damos um testemunho eficaz de nosso Senhor Jesus Cristo.


Crescendo no conhecimento
Na ultima lição vimos acerca do objetivo da Igreja que é anunciar Jesus a humanidade.
Hoje estudaremos acerca da capacitação que recebemos para a missão de testemunhas de Jesus.

O batismo com o Espírito Santo também é um dom de Deus. Primeiro Deus nos batiza com o Espírito Santo, e Este nos presenteia com os dons espirituais. Os dons espirituais são habilidades devidamente comunicadas para o serviço de Deus, tanto na Igreja como fora dela. Em Romanos 12.6-9, estão discriminados os seguintes dons para o serviço ministerial: profecia, pastoral, ensino, exortação, filantropia e administração. Também consta, em I Coríntios 12.8-10, outra sequência de dons espirituais: sabedoria, fé, conhecimento, cura, milagres, profecia, discernimento de espírito, línguas e interpretações de línguas. Todos estes dons espirituais são presentes ou dádivas que a pessoa recebe para o ministério do Evangelho, após estar selada ou batizada com o Espírito Santo (Ef 1.13 ; I Co 12.11; 28-31) .

Quando cremos em Deus e aceitamos o Senhor Jesus como o nosso Salvador pessoal, ele nos batiza (sela) com o Espírito Santo, Efésios 1.13 Depois Este nos presenteia com os dons espirituais e, à medida  que vamos nos consagrando a Deus, Ele nos enche do seu poder para que haja em nós e na igreja edificação e crescimento espirituais. O batismo com o Espírito Santo não significa um segundo batismo especial, semelhante ao batismo nas águas.

O batismo nas águas é público e visível, porém, o batismo com o Espírito Santo é invisível (I Co 2.10-15) Jesus o compara com o vento, que só se manifesta pelos seus efeitos. Da mesma forma, só podemos saber se uma pessoa está realmente batizada com o Espírito Santo pela manifestação de suas obras.

Este batismo espiritual se torna necessário a todos os cristãos, visto que somente o Espírito Santo é quem nos guia a toda a verdade, é quem nos ensina e nos revela os mistérios da Palavra de Deus, é quem nos faz lembrar das palavras proferidas por Jesus, Seus ensinamentos, Suas profecias, e Seus sábios e santos conselhos. Enfim, necessitamos do batismo espiritual para nos fortalecermos a fim de podermos vencer o pecado, os principados, as potestades, os dominadores deste mundo tenebroso e as forças espirituais do mal.
Pela ação do Espírito Santo, somos regenerados mediante o novo nascimento espiritual, tornando-nos filhos de Deus e membros do corpo de Cristo, que é a sua igreja invisível, 


Aplicação da Lição
Enfatize aos pequenos que após o crente ser batizado (selado) com o Espírito Santo (Ef 1.13)  e viver na prática de uma vida em harmonia com a palavra de Deus e em constante espírito de oração, Deus reveste-o, ou enche-o do Espírito Santo a fim de que ele tenha poder e autoridade para testemunhar com sabedoria e humildade acerca do Evangelho do reino.

 Fontes Consultadas:
·         Bíblia de Estudo de Aplicação Pessoal – Editora CPAD – edição 2003
·         Bíblia de Estudo Plenitude – SBB/1995 – Barueri/SP
·         Bíblia de Estudo Pentecostal – Editora CPAD – Edição 2002.
·         Bíblia Shedd – Editora Mundo Cristão – 2ª Edição
·         Bíblia de Estudo da Mulher – Editora Mundo Cristão/SBB – Edição 2003
·         Dicionário Vine – Editora CPAD – 3ª Edição 2003
·         365 Lições de vida extraídas de Personagens da Bíblia - Rio de Janeiro Editora CPAD
·         Richards – Lawrence O. – Guia do leitor da Bíblia – Editora CPAD – 8[ Edição/2009

Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva   fonte http://www.portalebd.org.br

JUVENIS - Lição 2: Sinais


4º Trim. 2012 - JUVENIS - Lição 2: Sinais

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
4º Trimestre de 2012
Tema: O Que A Biblia Fala Sobre O Futuro Da Igreja
Comentarista: Ciro Sanches Zibordi

LIÇÃO 2 - SINAIS

TEXTO BIBLICO (Mt 24.1-12)

ENFOQUE BIBLICO
“E estando assentados no monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?” (Mt 24.3)


OBJETIVOS
Enumeraros principais sinais indicadores do Arrebatamento da igreja.
Abordar, de modo amplo, os sinais escatológicos, os quais abrangem não apenas os dias que antecedem o Arrebatamento, mas também os anteriores ao fim do planeta Terra (e seu recomeço), como, por exemplo, a evangelização total do mundo (Mt 24.14).
Enfatizara importância de estar vigilante contra os falsos mestres.


INTRODUÇÃO
O que falta mais acontecer para Jesus arrebatar a igreja? Na verdade o arrebatamento não depende de acontecimentos ou sinais para acontecer, os sinais estão mais relacionados a vinda de Cristo em gloria. A qualquer momento a igreja será raptada daqui para ir morar no céu com Jesus. O hino 401 da Harpa Cristã na sua segunda estrofe nos diz:
      “Cristão acorda, Sua vinda é certa: Breve Jesus voltará! Para recebê-lo estás bem alerta? Breve Jesus voltará.”


SINAIS INDICADORES DO ARREBATAMENTO

Terremotos
Estima-se que ocorram cerca de 500 mil tremores em todo o globo, apenas 100 mil são percebidos pelas pessoas e pelo menos 1000 causam danos.  As figuras abaixo mostradas por pesquisadores russos Dennis Mischin e Alex Chulkov, que mostram os terremotos com magnitude superior a 4 graus na escala Richter
Os terremotos são constantes as manchetes no Google, por exemplo, mostra os mais recentes como no Taiwan, nas ilhas da indonésia da Sumatra, onde cerca de 4 mil pessoas estão soterradas e tantos outros que recentemente tem abalado o mundo asiático.

Fome
A ONU estima que mais de 1 bilhão de pessoas no mundo sofre com fome, cerca de 11 mil crianças morrem de fome por dia, um terço das crianças dos países em desenvolvimento apresentam atraso no crescimento físico e intelectual devido a desnutrição. Cerca de 1,3 bilhões de pessoas no mundo não dispõe de água potável, 40% das mulheres dos países em desenvolvimento são anêmicas e encontram-se abaixo do peso. Uma pessoa a cada sete padece de fome no mundo (Revista Mundo e Missões – Alberto Garuti – Pine.org.br/fome) 



Epidemias
Devido ao avanço da ciência, muitas epidemias desapareceram, algumas só conhecemos por relatos históricos, mas de vez enquanto o mundo é surpreendido por epidemias e que às vezes se tornam assustadoras, a gripe suína é um exemplo. Os acontecimentos já demonstram que este não é um sinal desconhecido, veja:
a)      Lepra na Europa Medieval entre 1000 a 1350 – cerca de 14000 pessoas morreram.
b)      Peste negra – maior epidemia mundial aconteceu na Europa 1340 a 1360, matou um terço da população européia, em torno de 230 milhões de pessoas.
c)      Cólera – atingiu os operários pobres das grandes indústrias devido ao cheiro dos produtos químicos, na Índia e Inglaterra, matando mais de 100 mil pessoas.
d)      Gripe espanhola – evoluiu nas trincheiras da primeira guerra mundial, soldados infectados passaram para a população, os mais eram os espanhóis, por isso o nome. Mais de 50 milhões morreram na Espanha, EUA, Brasil e África (WWW.blogers.com.br/.../epidemias- humanidades) .   

Guerras
(HTTP: PT.wikipedia.org/wiki/ficheiro:)
Guerra é um conflito armado entre dois países ou mais, todas elas deixaram seqüelas, a bomba lançada em Hiroshima, que drástica historia. Mas guerras não é coisa do passado, o professor de historia moderna e contemporânea, Francisco Teixeira da Silva, num artigo intitulado: “Uma ética para a guerra do futuro” , fala dos conflitos armados que se desenvolve hoje no planeta.

São eles:
 - Conflitos no Oriente Médio
a) guerra entre Israel e o Hizbollah.
b) a guerra no Iraque – cerca de 600 mil mortos
c) a guerra “esquecida” do Afeganistão
- A guerra civil na Colômbia – 3000 civis seqüestrados
- A guerra genocidiaria em Dafur, no Sudão 
- Guerra civil em diversos países da África   ( WWW.comciencia.br.)


 Grandes sinais no céu
Embora haja tantas especulações, não há ainda fato comprovado sobre o que seriam estes sinais, concordo com o comentarista, não vamos ficar no capo do achismo ou da especulação.


Falsos Mestres
Acredito que esse sinal seja o mais contundente e o menos observado, um mundo em que as pessoas gostam de ouvir o que lhes convém é fácil ser enganado. São os maiores provocadores de escândalos, seus ensinos levam a apostasia.  


EXPLICANDO OS SINAIS
Os sinais podem se dividir em Históricos e Atuais:
a)      Histórico: (Mt 24.1-14)
·         Proliferação de religiões falsas
·         Aparecimento de falsos Messias
·         O renascimento e avanço generalizado do ocultismo – O pastor Antonio Gilberto em estudos sobre o assunto, fala sobre o disfarce do espiritismo com nomes modernos: paranormalogia, parapsicologia, chamanismo = “antigo médium”, neorolinguista = sublimar placas escritas na cidade, método em que a pessoa vai dormir e deixa o aparelho ligado; biorritmo, psicobérnetica, cromoterapia, psicografia, compultura, floral de baka, exoterismo e ONGs = “organização não governamental”
·         Sinais materiais e físicos – guerras, rumores de guerras, pestes, terremotos etc...
b)      Atuais:
·         Angustia na terra (Lc 21.25; Rm 8.20-22; Dn 12.4)
·         Ameaça de uma igreja mista (Mt 24.10-13)
·         Ecumenismo – reunião em que todos participam o padre, o pastor, o monge etc...
·         Multiplicação da iniqüidade (Mt 24.10) – idéias de coisas ilegais, liberdade sem lei, violação dos princípios divinos.
Quando analisamos os sinais não podemos nos esquecer de Israel, esta nação é a revelação dos desígnios de Deus para o final da historia humana. A programação escatológica esta centrada em Israel (Lc 21.27-30).
a)      Dispersão e regresso (Gn 12.1,2,7; Dt 32.9-11; Ez 36.24-28)
b)      Reunião progressiva de Israel em 1897, por Teodoro Herzl, pró-movimento sionista (Jr 24.6; Ez 36. 24-28).
c)      Proclamação da ONU, em 1948 (Is 66.8)
d)      A próxima será o Armagedom (Lição 9)
e)      As guerras que envolverão Israel.
·         Nação do Norte e seus satélites (Ez 38 e 39; Jl 2) – a expressão “no fim dos anos” (Ez 38.8), significa que a guerra terá inicio no começo da septuagésima semana de anos (Dn 9.27) – inicio da grande tribulação ou pouco antes. O motivo da invação são as riquezas de Israel e sua posição geográfica (Ez 38.11,12).
·         Aramagedom – (Lição 9)
A igreja do Senhor vendo todos estes e outros sinais se cumprindo, não lhe resta outra coisa a não ser dizer “Ora vem Senhor Jesus”.


OS FALSOS MESTRES
O cuidado com essa gente deve ser constante, devido a dormência dos homens que deveriam estar na trincheira do ensino o inimigo tem semeado o joio com rapidez e em grande quantidade (Mt 13.25). Nos dias do Apostolo Paulo, o ensino sobre a volta de Cristo foi bombardeado por ensinos falsos, ensinavam os falsos Doutores que Cristo já havia voltado e estava derramando a ira sobre a terra. Precisou do atento apostolo escrever uma carta explicando a vinda de Cristo (1Ts 2.1-17; 4.16). o movimento foi tão devastador que muitos abandonaram seus afazeres e ficaram dependentes da igreja, outros se apostataram da fé.

Hoje temos vários bem conhecidos oferecem Paraíso na terra, outros dizem que Jesus passou de um lugar para outro La no céu, há quem diga ser a encarnação do próprio Cristo, já há que diz que Jesus falhou por não ter casado então ele esta com a missão de cumprir a determinação de Deus para com a raça humana. Estes e outros têm centenas, milhares de adeptos, são pessoas das mais variadas igrejas que abandonaram a fé e passaram a seguir tais mestres. Ainda há aqueles que são muito parecidos com a verdade, oferecem felicidades, riquezas, curas, revelações, milagres da mais diversa ordem.
Como a igreja deve esperar a gloriosa vinda de Jesus?
a)      Não alarmada com barulhos de guerras e seus rumores (Mt 24.6)
b)      Não perturbada ou duvidosa do poder de Deus (Mt 24.38)
c)      Não turbar o coração (Jo 14.1)
d)      Cumprindo o seu ministério (At 20.24)
e)      Não temendo a nenhum tipo de ameaças (1Pe 3.14)
f)       Apartando-se dos desordenados (2Ts 3.6)
g)      Sendo imitadores de verdadeiros servos de Deus (2Ts 3.7)


CONCLUSÃO
Os sinais são evidentes: Tsunami; Katrina; Katarina são nomes dados aos furacões americanos. Mas as corrupções no meio político, empresariais também são sinais que o homem está cada vez mais distante de Deus.
Esperamos Jesus:
Vigiando...
                          ...Santificando
                                                        ...Trabalhando (secularmente e espiritualmente)


OBRAS CONSULTADAS
·         LAHAYE, Tim – O final dos tempos – Abba Press Editora Ltda – 2004
·         SILVA, Antonio Gilberto – Escatologia Bíblica – 2ª Edição adp a EETAD- 1997
·         Pesquisas feitas no Google conforme anotações de rodapé.



Colaboração para o Portal Escola Dominical – Profª. Jair Rodrigues   fonte http://www.portalebd.org.br

O cristão e o voto nulo


O cristão e o voto nulo
                                                Muito se discute, na atualidade, sobre a viabilidade de o servo de Cristo Jesus, diante do estado generalizado de corrupção que existe na política, não votar nas eleições, como uma demonstração não só de protesto ao sistema político do país, mas, também, como uma forma de se portar como “cidadão dos céus”, não se envolvendo com “as coisas desta vida”.
                                               Não é de hoje que se tem, entre os que cristãos se dizem ser, uma postura de aversão à política, um discurso que nada mais é que levar ao campo da política, que é a face da vida em sociedade vinculada ao poder e às decisões, da tese da saída do mundo secular para que se tenha uma real santificação.
                                               Este discurso é enganoso e sem respaldo bíblico, pois santificação é um processo contínuo de separação do pecado, não dos pecadores. Jesus ensina-nos que não somos do mundo, mas que, nem por isso, deixamos de estar no mundo (Jo.17:11,14-16) mundo estamos precisamente para melhorá-lo, para levá-lo a conhecer a salvação em Cristo (Mc.16:15; Mt.28:18-20), já que somos “sal da terra” e “luz do mundo” (Mt.5:13-16).
                                               Logo se vê, portanto, que não faz parte da vida cristã querida pelo Senhor Jesus que o cristão, por causa de sua fé, ausente-se da participação política, dos processos de tomada de decisões, mas, bem ao contrário, que, como servos de Cristo, devemos tudo fazer para influenciar as pessoas a tomarem decisões e exercerem o poder de mando na sociedade de forma agradável a Deus, em obediência à Sua Palavra.
                                               Ora, num Estado Democrático de Direito, como é o Brasil, em que o povo exerce o poder, precipuamente, a partir de representantes eleitos periodicamente, tem-se que é fundamental que o servo de Jesus, por ocasião das eleições, participe ativamente da escolha dos representantes do povo, influenciando a sociedade nas escolhas a serem feitas, como também participando desta escolha, o que somente se faz, diante da legislação vigente em nosso país, através do voto em algum dos candidatos registrados pelos partidos políticos.
                                               Em nossa ordem jurídica, os votos nulos, os votos em branco e a ausência na votação não produzem efeito algum no resultado do pleito. Os eleitos são conhecidos a partir do total de votos dados aos candidatos registrados. Assim, quem anula seu voto, vota em branco ou não comparece à urna simplesmente se aliena de todo o processo de escolha dos governantes, não influenciando coisa alguma no resultado final.
                                               Trata-se, pois, de uma atitude de separação da sociedade, de retirada da sociedade, ainda que só no instante do voto, o que se constitui, como vimos, em comportamento absolutamente contrário ao que se espera de alguém que se diga “sal da terra” e “luz do mundo”.
                                               Dirão alguns que se estaria diante de um “legítimo protesto” contra “tudo isto que está aí”, mas, na verdade, o que se tem é o consentimento com “tudo isto que está aí”, pois a atitude de retirada da sociedade no momento da decisão é simplesmente permitir que os inimigos da Palavra de Deus tomem suas posições, sabendo que os seguidores do Evangelho simplesmente se negam a tomar posição. É deixar o campo completamente livre para todos quantos são contrários às Escrituras.
                                               É isto uma atitude correta do ponto-de-vista espiritual? Efetivamente que não, pois a Bíblia manda à Igreja lutar contra as hostes espirituais da maldade (Ef.6:11,12), resistir ao diabo (Tg.4:3), não se omitir, pois a omissão é uma forma de consentimento e o consentimento deliberado com o triunfo do pecado nada mais é que pecado (Rm.1:32; Tg.4:17).
                                               Sabemos que a salvação do homem não está na política, e, sim, em Cristo Jesus, mas não podemos, nos momentos em que formos chamados a promover a escolha dos governantes, mostrar aos candidatos que tanto faz como tanto fez seguir ou não a vontade de Deus, já que os servos do Senhor se omitem e, desta maneira, nada representam no universo eleitoral em termos de definição dos eleitos.
                                               Os políticos são movidos a voto e, por isso, tenderão a tomar esta ou aquela decisão conforme a avaliação do que lhes poderá acontecer em eleições e, se os servos de Deus sempre forem relevantes na determinação do universo eleitoral, que é o dos votos nos candidatos registrados, será sempre um fator a ser considerado nas políticas a serem desenvolvidas a conformidade, ou não, com a sã doutrina.
                                               O “candidato menos pior” não é o ideal, mas o fato de se tomarem decisões que não contrariam o cerne da sã doutrina exatamente porque se sabe que, sem esta postura, se perdem eleições, é um fator decisivo para retardar o apodrecimento célere de uma sociedade sem Deus e sem salvação, até porque a Igreja é o “sal da terra”, que impedirá o total apodrecimento da sociedade enquanto estiver no meio dela ativamente.
                                               Sem dúvida que devemos orar a Deus em prol das autoridades constituídas, pois este é nosso dever (I Tm.I Tm.2:1-3), mas não basta apenas interceder, mas, nos momentos em que formos convocados a escolher dentre os candidatos aqueles que devem nos governar, devemos também fazê-lo de modo relevante, a fim de que sejamos, como Abraão, uma bênção para todos os nossos concidadãos e compatriotas.
                                               Anular o voto é tomar uma atitude de alheamento da vida em sociedade, o que contraria a Bíblia Sagrada, e, portanto, cometer pecado, pois estaremos a desprezar o outro e a permitir, deliberadamente, que o inimigo tenha ainda mais campo para agir no lugar onde Deus nos pôs nesta terra para servi-lo (Pv.14:21).
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - CARAMURU AFONSO FRANCISCO

PRE ADOLESCENTES - Lição 2: O Espírito Santo e a Igreja


4º Trim. 2012 - PRE ADOLESCENTES - Lição 2: O Espírito Santo e a Igreja

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRE ADOLESCENTES – CPAD
4º Trimestre 2012
Tema: O pré adolescente e a Igreja
Comentaristas: Damaris  Ferreira da CostaVerônica Araujo e Telma Bueno

LIÇÃO  2-  O ESPÍRITO SANTO E A IGREJA

Texto bíblico  Atos 2.1-4, 16. 17
Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar;
e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda
casa em que estavam assentados.
E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um
deles.
E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o
Espírito Santo lhes concedia que falassem.
Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel:
E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhos;

Objetivos  após a aula seu aluno deverá  entender a necessidade de buscar o poder do Espírito Santo, bem como reconhecer que o Espírito Santo continua operando na igreja.

Introdução
Estamos dando seqüência a 2 lição deste trimestre, nesta ocasião estudaremos o Espírito Santo e a igreja.

I-A promessa de Jesus
A promessa do Espírito Santo  realizada por Jesus, se deu dias antes de sua morte no calvário, Jesus anunciava que estava próximo a sua partida para o Pai, contudo não deixaria os discípulos só.
Quando Jesus disse aos seus servos que enviaria um outro consolador. Este Consolador não ficaria em carne , em forma humana como Jesus, mas em Espírito.  
“Não vos deixareis órfãos.
No sentido humano ser orfão é ser abandonado, ou perder pai ou mãe, mas no sentido espiritual é não deixar sozinho, com a vinda do Consolador eles e nós hoje seriamos preenchidos com a habitação do Espírito Santo fazendo de nós um templo (1 Co 3.6) Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?.
Aqui está o grande mistério Jesus está conosco na forma do Espírito Santo.
 Após a sua morte e ressurreição, a promessa é retificada, de forma mais clara.
Atos 1:8  Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.
A promessa teve o seu devido cumprimento no dia de Pentecostes.

II- O dia de pentecostes
Para os judeus Pentecostes era uma festa de grande alegria, pois era a festa das colheitas. Ação de graças pela colheita do trigo. Vinha gente de toda a parte: judeus saudosos que voltavam a Jerusalém, trazendo junto com eles os pagãos amigos e prosélitos. Assim eram oferecidas as primícias das colheitas no templo.
A festa também era conhecida como a festa das setes semanas por ser celebrada sete semanas depois da festa da páscoa, no qüinquagésimo dia. Daí surgiu o nome Pentecostes, que significa “qüinquagésimo dia”.
No primeiro pentecostes, depois da morte de Jesus, cinqüenta dias depois da a páscoa, o Espírito Santo desceu sobre a comunidade cristã de Jerusalém na forma de línguas de fogo: todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas. As primícias da colheita aconteceram naquele dia, pois foram muitos os que se converteram e foram recolhidos para o Reino.
Pentecostes é o símbolo do Cenáculo, onde os Apóstolos se reuniram, pela primeira vez, à espera do Espírito Santo. No Cenáculo, desde a fundação, a comunidade cristã aí se reúne, para ser conduzida pelo Sopro Inspirador, compartilhando o amor de Cristo.
Fonte: http://www.mundodastribos.com/o-que-e-pentecostes-dia-de-pentecostes.htm

III- Prontos para a tarefa
Embora muitos crentes hoje usam o batismo com o Espírito Santo, para demonstrações externas de poder na igreja,  o principal objetivo do Senhor em dar esta dadiva, é capacitar os crentes para realizarem a sua obra.
Nos livro de atos dos apóstolos vimos como isso se sucedeu, os discípulos após a morte do Senhor, estavam amedrontados, se escondendo das autoridades judaicas, contudo era necessário cumprir a ordem de Jesus, de irem por todo o mundo anunciando o reino de Deus.
A vida do apostolo Pedro é um exemplo disto, antes do batismo, Pedro, negou ao Senhor, temendo os judeus, porem após  ser batizado, foi revestido de coragem, e ousadia, na sua pregação mais de 3 mil almas aceitaram a fé em Jesus.
Cheio do Espírito Santo, Pedro não temeu por sua vida, nem, mesmo quando o Rei Herodes o mandou prender afim de matá-lo.
Os mesmo se deu com os demais discípulos, diante da grande perseguição que se levantou em Jerusalém naqueles dias, a igreja orou ao Senhor,  e Deus os encheu do Espírito Santo, a bíblia relata que eles passaram a anunciar ao Senhor  com coragem e ousadia.
Nos dias atuais, muitos se queixam que não se vê freqüentemente o batismo com Espírito Santo na igreja, mas o fato é que muito não o buscam  no sentido de querer ser revestido de poder, afim de realizar a obra de Deus. Não é por outro motivo, senão a realização da obra do Senhor.

IV- O batismo com o Espírito Santo
O Reino de Deus é poder, a fonte desse poder é o próprio Deus, para constituir este Reino foi dado dons aos homens. Mas o que significa ter ou receber dons? Ao aceitar a Cristo como Salvador e Senhor, a pessoa recebe o Poder para se tronar filho de Deus (Jo 1.12). Para nós os Pentecostais, cremos não só no enchimento do Espírito Santo,  para geração do fruto, como também no batismo com o Espírito Santo (Lc 24.48,49; At 1.4,5,8).
O batismo como Espírito Santo, é uma promessa do Pai, Jesus comunicou aos seus discípulos que eles receberiam poder ao receber o batismo com o Espírito Santo. É o Espírito Santo, quem transmite o poder de Deus por intermédio dos Dons espirituais. Os canais pelos quais o Espírito Santo revela o poder de Deus são os dons, que pela instrumentalidade dos homens que os recebem e fazem bom uso deles (1Co 12.7-11).
A palavra dom vem do grego, “charisma”, entendemos que o batismo com o Espírito Santo é um dom, pois capacita a pessoa para o serviço (1Co 12.7; 2Co 10.4,5). Ao ser batizado com o Espírito Santo, o crente recebe uma nova dimensão de vida, vindo daí uma visão espiritual maior, e, incentivos para buscar bênçãos  e se aprofundar na comunhão com Deus (Fp 3.12,13; 1Co 14.2,28; 1Co 14.4,15,17). O Espírito Santo não é recebido por méritos e nem existem métodos para recebê-lo, não existe datas ou locais específicos e nem postura corporal exigida.
O que existe são condições, como: arrependimento, obediência, busca ardente, com perseverança e desejo ardente para recebê-lo. A igreja é a plataforma do Espírito, o lugar onde se expõe os planos de governo (Mt 21.42,43; At 14.22; Mc 16.15-20). É o Espírito Santo quem administra a Palavra, as missões, a separação de obreiros, as lideranças, as responsabilidades sociais etc., para tal ele equipa a igreja com vários dons.
Fonte Pr. Jair Rodrigues

V- O Espírito Santo em nossos dias 
O Espírito Santo está presente logo no inicio da criação, já falamos que ele é antes do inicio junto com Deus. Ele aparece ai como poder organizador da natureza criada, seu papel principal é protegê-la. Quando Deus disse façamos o homem, ele esta dirigindo a outras pessoas alem dele e estas pessoas são Jesus o verbo e o Espírito Santo, que é quem revela esta expressão para nós.
Em todo o AT, o Espírito Santo, dirigiu aqueles que foram chamados por Deus para realizarem a sua obra. A primeira coisa que Deus faz quando quer usar alguém é enchê-lo de seu Espírito Santo, sendo assim não há duvida de sua ação no AT. Nos tempos antigos, acontecia algo muito diferente de hoje período da graça, quando uma pessoa era usada pelo Espírito Santo era de forma esporádica. O Espírito vinha sobre a pessoa no momento exato e se retirava assim que a obra fosse realizada ou caso a pessoa se rebelasse contra Deus (At 28.25; Is 63.9-11).
Os exemplos que temos é que os homens da antiguidade realizaram grandes obras, todavia quando o Espírito Santo se retirava nada faziam dignos de nota. Sansão é um exemplo disto, só voltou a fazer algo digno quando se concertou com Deus, mesmo que tenha morrido junto com os filisteus. Davi quando foi ungido por Samuel, O Espírito Santo se apoderou dele e o preparou para execução do trabalho. Quando ele pecou perdeu o gozo pleno da salvação, ele já não podia ser o mesmo (Sl 51.1-4). O rei Davi sabia que sem o Espírito santo seria impossível realizar algo que fosse digno.
Davi foi restaurado (Sl 51.10-13), já podia outra vez, louvar a Deus com a ajuda do Espírito Santo. Pois sem ele nada se pode fazer que agrade ao Senhor (Jo 15.5). O Espírito Santo agiu em todo o AT, inspirando os profetas para proclamar o nascimento do Salvador. Seria impossível conhecer e compreender a obra da redenção idealizada em Deus, se não houvesse a revelação do Espírito Santo, desde o inicio da criação (Ef 1.3-7). 
No NT, a manifestação do Espírito Santo, não é de forma esporádica como foi no AT, Simeão, cheio do Espírito proclamou que Cristo é a Salvação preparada por Deus a todos os povos (Lc 2.25-32). Ele consagrou a João, o Batista, para preparar o caminho do Senhor. Jesus foi gerado no ventre de Maria por virtude do Espírito Santo (Mt 1.20), Ele se manifestou no dia do batismo de Jesus e tomou posse santificando a humanidade de Cristo (Mt 3.16), em seguida o consagrou para o trabalho que veio realizar. Jesus como homem foi dependente do Espírito Santo em tudo, como homem Jesus não podia ser Onisciente, Onipresente ou Onipotente. Assim como não podia também conhecer os pensamentos, tudo acontecia devido ao Espírito  Santo (Jo 4.6; 11.6,7; 8.26-29; 5.30).
Finalmente vemos a operação do Espírito Santo na glorificação de Jesus, segundo alguns comentaristas a festa pode ter durado quarenta dias, analisando em linguagem humana (At 1.3; 2.1-4). Não sabemos o que de fato aconteceu se o Salmo 24 é uma alusão a esta festa? O que sabemos é que para a vinda do Espírito Santo, sobre o seu povo no NT, havia uma condição pré-estabelecida por Deus (Ex 17.5,6; Nm 20.7,8; 1Co 10.4). A rocha ferida derramaria sobre nós o seu Espírito.
O Espírito Santo ao inaugurar o Reino de Deus na terra, sua ação hoje é entre os homens e nos homens. Trabalhando nos homens ele os faz nascer de novo, tornando-os propriedades de Deus, visando o dia da redenção (1Co 6.20; Ef 4.30). A morada do Espírito em nós é a condição para nos manter constantemente salvos. A vinda do Espírito Santo tem características singulares (At 2).
a) “veio do céu”
b) “veio do céu um som”
c) “como de um vento veemente e impetuoso”
d) “foram visto línguas repartidas como que de fogo”
e) “notório a todas as nações”
f) “ trouxe despertamento  para a Palavra”  - Pedro, pregou.
“Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe; a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar.”

O AGIR DO ESPÍRITO NA VIDA DO CRISTÃO.
O Espírito Santo habita na igreja, não entre as quatro paredes, ele mora no coração do crente, podendo também se retirar dependendo de nossas ações. Ele age como o socorro do cristão, ajudando nos momentos de fraquezas, ensinando, guiando santificando o crente. Porem pode com nossas atitudes entristecê-lo, resisti-lo, desprezá-lo, podemos ainda depreciar seus dons e até extingui-lo (1Ts 5.19). Uma de suas atuações é renovar o crente (Tt 3.5). Portanto não há razão para viver uma vida apagada sem o brilho do Espírito.
O Espírito Santo trás reavivamento espiritual, acendendo a candeia, enchendo vasos, para que a luz não se apague, podendo o cristão resplandecer nesta sociedade ímpia. É interessante a ação do Espírito, ele faz com que o cristão veja a sua própria condição espiritual, faz nos arrepender quando pecamos. É ele quem nos faz entender o quanto inútil somos sem Deus. Então ele nos leva a humilharmos aos pés do Senhor e pedir perdão pelos pecados que agrava a Deus (Jo 1.26,27).
O Espírito Santo reaviva a Palavra no coração do crente, dando-lhe uma visão mais ampla. É com a sua ajuda que a Palavra toma o lugar certo em nossas vidas, sempre que se inicia um avivamento sob o agir do Espírito é levando o povo de volta a Palavra. Pois não havendo obediência a Palavra, não pode haver um genuíno reavivamento (1Sm 15.22).
É do Espírito Santo a missão de separar e qualificar o obreiro para a obra (At 13.1-3), ele deverá ter plena liberdade entre os irmãos para agir em particular em suas vidas, como também na direção da igreja (At 6.1-7;11.20-24).

Conclusão
Nesta ultima hora da igreja, quer o Consolador, agir como na igreja primitiva, dirigindo as grandes realizações da igreja na terra, devemos dar a ele lugar. Como já vimos o Espírito Santo é uma pessoa que pode ser:
a) submetido a testes (At 5.9)
b) entristecido (Ef 4.30)
c) pode ser blasfemado (Mt 12.31,32)
d) pode ser resistido (At 7.51)
e) e pode ser insultado (Hb 10.29)
Não se pode desprezá-lo,  é ele quem convence o homem do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8-11), seria impossível a pregação do evangelho para conversão do pecador, sem a operação dele.
Fonte: Pr. Jair Rodrigues

Colaboração para Portal Escola Dominical - Prof. Jair César S. Oliveira   fonte http://www.portalebd.org.br


ADOLESCENTES - Lição 2: Não seja ignorante!


4º Trim. 2012 - ADOLESCENTES - Lição 2: Não seja ignorante!

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
ADOLESCENTES – CPAD
4º Trimestre 2012
Tema: Cartas que ensinam
Comentarista: Ciro Sanches Zibordi

LIÇÃO 2 – NÃO SEJA IGNORANTE!

Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma que possa conduzir o aluno a:
Conhecer os dons espirituais; buscar a Deus para obte-los.

Para refletir
“Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.”(1 Co 12:1 – ARC).
Os dons espirituais, ainda que sejam diferentes uns dos outros, são todos úteis para que juntos possamos trabalhar para servir a Deus e uns aos outros. A Bíblia diz em Romanos 12:4-5 “Pois assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma função, assim nós, embora muitos, somos um só corpo em Cristo, e individualmente uns dos outros.”
Os dons espirituais vêm de Deus com um fim especial. A Bíblia diz em 1 Coríntios 12:4-6 “Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.”


Texto Bíblico: 1 Co. 12:4-11.

Introdução
Todas as pessoas que creram no Senhor Jesus, se arrependeram e foram batizadas, tem o Espírito Santo habitando no seu interior. Como resultado dessa habitação existem algumas conseqüências na vida do cristão. Deus não vem morar dentro de você para ficar quieto e inerte. Ele vai operar em você e através de você para crescimento e edificação.

Deus tem um supremo propósito de nos fazer semelhante ao seu filho Jesus. Semelhantes em caráter e em poder. E tudo que Ele produz em nós é através de seu Espírito.

O Espírito que habita em nós nos faz produzir o fruto do Espírito (para o caráter) e manifestar os dons do Espírito (para o poder). Deus é quem opera tudo em todos.

Da mesma forma que existem muitos enganos quanto ao batismo nas águas e batismo no Espírito Santo, também existem muitos enganos quanto aos dons do Espírito Santo.

Dons Espirituais
Os capítulos 12,13 e 14 de 1 Coríntios devem ser lidos como uma unidade, a respeito dosdons espirituais. O capítulo 12 fala do que não devemos ignorar, portanto, fala do que devemos saber. O capítulo 13 fala da motivação que devemos ter, ou seja, o que deve me mover. O capítulo 14 fala de como devemos agir, ou seja, de como devemos fazer.

Dons e Manifestações
É importante diferenciar as palavras Dons e Manifestações. A palavra dom traz em si mesma uma coisa muito importante: ninguém merece os dons, pois são presentes, dádivas de Deus, independe de nós.

A palavra manifestação acentua que os dons se tornam visíveis nos cristãos. Esta palavra também acentua que os dons não são nossos. Eles são manifestações do Espírito Santo, através de nós. Elas nos previnem de dois erros:
1) Orgulho; e 2) Estagnação.

Os dons podem ser agrupados da seguinte forma:
  1. Dons Inspiracionais (ou dons de falar):
  2. Línguas
  3. Interpretação de Línguas
  4. Profecia
  5. Dons de Poder (ou dons de fazer):
  6. Dons de curar
  7. Operação de milagres

  1. Dons de revelação (ou dons de saber):
  2. Discernimento de Espíritos
  3. Palavra de Sabedoria
  4. Palavra de Conhecimento

Características dos Dons
Línguas:
Existem dois modos de manifestar-se:
1) Para edificação pessoal (1 Co 14:2)
2) Para edificação da Igreja, acompanhada de interpretação (1 Co 12:10; 14:27-28).
O dom de línguas só tem uma direção: o homem falando para Deus.

Interpretação de Línguas
A primeira coisa que devemos entender é que interpretar não é traduzir; interpretar é dar o significado do que foi dito.
Se falar em línguas é falar a Deus, a interpretação sempre será no mesmo sentido.

Profecia
Elas existem para edificar, exortar e consolar o povo de Deus (1 Co 14:3).
A predição do futuro não é o conteúdo principal das profecias, é apenas um elemento ocasional.

Dons de curar
É a graça de Deus para curar sobrenaturalmente as enfermidades sem os meios naturais. Não estamos negando, com isto, a validade e a eficácia da medicina.
Porque fala dons de curar no plural? Porque os males são de muitos tipos.
  1. Imposição de mãos: Mc 6:5; Lc 4:40; 13:13; At 28:8.
  2. Unção com óleo: Tg 5:14; Mc 6:13.
  3. Confissão: Tg 5:15-16; Jo 5:14.

Operação de milagres
São acontecimentos que parecem ultrapassar ou contradizer as leis da natureza. Estas leis são o modo comum e normal de Deus de fazer as coisas. Deus conserva tudo assim para nossa conveniência (Mt 15:32; At 2:38-40).

Existe a fé natural e a sobrenatural. A fé sobrenatural tem três tipos:
  1. A fé que salva: Hb 11:6; At 16:31; Ef 2:8-9; Rm 10:17.
  2. A fé como fruto do Espírito Santo: Gl 5:22; Rm 1:17.
  3. A fé como dom do Espírito Santo: 1 Co 12:9.

Discernimento de Espíritos
Este dom nos capacita a saber imediatamente o que está motivando uma pessoa ou uma situação: Ex.: At 16:16; Jo 1:47; Mt 16:15-23; Lc 9:54.

Palavra de Sabedoria
É a aplicação sobrenatural do conhecimento. É saber o que fazer com o conhecimento natural ou sobrenatural que Deus te dá, ou seja, é um julgamento adequado para a ação. A palavra de conhecimento revela a informação, mas a palavra de sabedoria diz como aplicar a informação. Ex.: Mt 21:24; 22:20-22; Jo 8:7; Mc 3:4.

Palavra de Conhecimento
Através do conhecimento, Deus revela a informação de atos, situações e pensamentos. Ex.: Mt 9:4; 2 Sm 12:7-13; Jo 4:17-18,29; At 5:3; 9:11-12,17.

O que deve nos mover
O Capítulo 13 de 1 Coríntios está bem no meio de dois capítulos que falam sobre os dons espirituais, que falam de poder sobrenatural, que enche os olhos dos que vêem. Por que este capítulo está aqui? Não estaria em lugar errado? O que dom tem haver com amor?

Notamos que Paulo termina o capítulo 12 falando que iria mostrar um "caminho sobremodo excelente" e este caminho é o amor. Lembrem-se que os dons são concedidos pela graça do Senhor para desempenharmos o nosso serviço, mas o amor é fruto do Espírito na formação do nosso caráter.

O que Paulo está deixando claro aqui é que o amor é o único meio correto de manifestar os dons. Muitos buscam os dons espirituais para sua auto-glorificação, com a motivação de chamarem a atenção sobre si. Nós não podemos buscar os dons como um meio de nos projetarmos, mas sim, com a motivação correta que é o amor para servir aos nossos semelhantes.

Os enganos com respeito aos dons
  1. A quem pertencem os dons?
  2. Nós somos os donos do dom;
  3. Os dons são do Espírito, o Espírito está em nós, logo, podemos manifestar todos os dons quando quisermos

Os dons são do Espírito Santo, e Ele concede a cada um quando lhe apraz, quando ele quer. (1 Co 12:11)

  1. Duplicidade de dons
Língua + interpretação de língua = Profecia !?
Em 1 Co 14:5, Paulo não está dizendo que as línguas quando interpretadas se tornam profecias. Ele está dizendo que estão no mesmo nível de edificação.

Confusão sobre o dom de interpretação de língua
Quem fala em línguas, fala à Deus. Como posso interpretar Deus falando ao homem? Aqui está um erro muito comum na igreja. Sempre que houver a manifestação deste dom será o homem falando a Deus, e nunca o contrário.

  1. Misticismo Infantil
Exageros na manifestação dos dons, tais como: chiados, tremores, arrepios, emocionalismo, etc.
Não é que isto não possa acontecer, o problema está em condicionarmos a manifestação dos dons a isto. (1 Co 14:27-30).

  1. Confusão sobre o dom de profecia
Voz cavernosa e na primeira pessoa (Eu o Senhor vos falo)
Palavra diretiva. Ex.: Com quem casar, para onde ir, etc.
A profecia é para edificação, exortação e consolo. Aqui está um problema grave na igreja, muitos aceitam a profecia (que deve ser julgada) independente do que a Palavra de Deus revela.

  1. Os dons substituem as autoridades delegadas
Existe um grande perigo em usarmos algumas pessoas que Deus tem manifestado dons, como se fossem videntes, futurólogos, como horóscopo evangélico. Devemos ter todo cuidado. O Senhor nos adverte em Dt 13:1-5 e em Cl 2:18-19. Deus não governa pelos dons, mas pelos ministérios (1 Co 12:28).

  1. Os dons são usados como atrativos para os incrédulos
Isto produz orgulho, auto-glorificação, exibicionismo e exaltação própria. Ex.: Dorcas (At 9:36-42). Jesus nunca usou desta forma, sempre pediu que não contassem a ninguém (Mt 8:1-4)


Conclusão
Conselhos do Espírito Santo para sua Igreja com Respeito aos Dons Espirituais.
  • Procurar com zelo os dons - só procuramos aquilo que nos interessa e sentimos falta.
  • Como procurar? Através da: oração, jejum, vigílias, etc.
  • Procurar progredir (1 Co 14:12-13). Ex.: engatinhar, andar...
  • Com respeito ao dom de línguas (1 Co 14:27-28).
  • Com respeito ao dom de profecia (1 Co 14:29-33).
  • Com respeito à participação de todos (1 Co 14:26).
  • Faça-se tudo para edificação (1 Co 14:26) e com decência e ordem (1 Co 14:40).

Amados, "segui o amor; e procurai com zelo os dons espirituais,
mas principalmente o de profetizar"(1 Co 14:1)


Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva fonte www.portalebd.org.b

LIÇÃO 05 - A INSTITUIÇÃO DA MONARQUIA EM ISRAEL / SUBSÍDIOS / CLASSE ADULTOS

Apresentado pelo Comentarista das Revistas Lições Bíblicas Adultos da CPAD, pastor Osiel Gomes