SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (153) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (189) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (401) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (597) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

30 dezembro 2012

2º ENCONTRO DE FAMÍLIAS em Guayaquil, Equador.


Graça e Paz, meus queridos! Louvamos ao Senhor por sua infinita graça e misericórdia, pois através da sua vontade soberana chegamos até aqui. No último dia 16 de dezembro do ano em curso, realizamos em nossa congregação, o 2º Encontro de Famílias, com o tema: Eu e minha casa serviremos ao Senhor... (Js 24.15). Estiveram presentes irmãos e irmãos das demais congregações da obra (Sauces 5, Vergeles e La Elvira) e muitas famílias convidadas. Uma tarde marcada pelo poder da Palavra de Deus e pela alegria de estarmos em comunhão. Ao consagrarmos ao Senhor as nossas famílias e desfrutarmos de sua bênção neste lindo dia, ficou marcado em nosso coração a sensação de dever cumprido, pois tudo o que temos feito é levar a Palavra de Salvação aos que necessitam, sem medir esforço, sem acepção. Louvado seja o nome do Senhor para todo sempre! Toda honra e toda glória ao Senhor nosso Deus por toda eternidade! Agradecemos ao Senhor pela Convenção e Ministério Abreu e Lima, na pessoa do nosso Pr. Roberto José dos Santos (Presidente da COMADALPE) pelo apoio incondicional, pelo cuidado e carinho dispensados à minha família e ministério, ao Pr. Ednaldo Xavier (Presidente da MINADALE), à minha querida família, e, finalmente, a toda a igreja do Senhor Jesus, que oram e contribuem com o avanço da obra missionária em Guayaquil, Equador. Que Deus abençoe a todos, em nome de Jesus!

Missionários Elder Morais & Família (Janne e Edyanne).















Guayaquil, 17 de dezembro de 2012.
fonte http://www.elder-morais.com/

Lição 1 - A apostasia no reino de Israel I Plano de Aula


1º Trim. 2013 - Lição 1 - A apostasia no reino de Israel I Plano de Aula
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013
ELIAS E ELISEU - um ministério de poder para toda a Igreja
COMENTARISTA: JOSÉ GONÇALVES
PLANO DE AULA - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP

PLANO DE AULA Nº 1
A) INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE
1º SLIDE
- Neste novo ano, iniciamos com um trimestre temático - “verdadeira prosperidade – a vida cristã abundante”.
- Estudo dos mais necessários nestes dias tão difíceis, uma vez que a maior praga que tem contaminado os salvos em Cristo Jesus, atualmente, é a famigerada “teologia da prosperidade”, de longe a heresia que mais tem grassado nos púlpitos das igrejas locais.
2º SLIDE
- “Prosperidade” - latim “prosperitas” - “ventura, boa saúde, felicidade”.
- Com o tempo, adquiriu o significado de “estado do que é ou se torna próspero; grande produção de alimentos e bens de consumo; abundância, fartura; acúmulo de bens materiais; fortuna, riqueza”.
3º SLIDE
-“Prosperidade” na Bíblia Sagrada (Versão Almeida Revista e Corrigida):
a) “shalom” – Et.10:3; Sl.73:3 - “paz, completude.
b) “towb” – Jó 21:13; Ec.7:14 - bem.
c) “shelev” – Sl.30:6; 122:7; Pv.1:32; Jr.22:21 – derivado de “shalom” – tranquilidade
d) “euporia” – At.19:25 – “riquezas, recursos” – expressão utilizada por gentio idólatra
e) “euodóo” – I Co.16:2 – sucesso vindo de Deus.
4º SLIDE
- A capa da revista do trimestre mostra-nos uma pessoa com trajes típicos dos tempos bíblicos segurando em suas mãos um pão e um recipiente que traz algo de beber. Seus trajes são brancos, parecendo ser de linho.
- Esta enigmática ilustração reporta-nos a três passagens bíblicas que nos dão o verdadeiro sentido da prosperidade nas Escrituras Sagradas.
5º SLIDE
Passagens remetidas pela capa da revista:
- Pv.30:7-10 – a “porção acostumada de Agur” – A prosperidade é a suficiência para que não venhamos a pecar, seja pelo furto, seja pelo desprezo ao Senhor.
- I Tm.6:7-10 – Devemos nos contentar com o suficiente para que, pela ganância, não nos desviemos da fé.
- Ap.19:8 – A verdadeira prosperidade é a comunhão com o Senhor, que nos promete dar o bastante nesta nossa peregrinação terrena. – as vestes de linho, as “justiças dos santos”
6º SLIDE
Lições deste trimestre
1º Bloco – Lições 1 a 4 – A prosperidade na Bíblia
2º Bloco – Lições 5 a 9 – Desfazendo erros doutrinários da teologia da prosperidade
3º Bloco – Lições 10 a 13 – A verdadeira prosperidade
7º SLIDE
- O comentarista deste trimestre é o pastor José Gonçalves da Costa Gomes, pastor das Assembleias de Deus em Teresina/PI e vice-presidente do Conselho de Apologética da Convenção Geral das Assembleias de Deus (CGADB).
- É professor de grego e hebraico, escritor e articulista, tendo um blog na internet chamado “Ortodoxia Carismática” (http://prjosegoncalves.blogspot.com/).
B) LIÇÃO Nº 1 – A APOSTASIA NO REINO DE ISRAEL
1º SLIDE
INTRODUÇÃO
- Iniciamos o estudo dos ministérios dos profetas Elias e Eliseu, que viveram numa época de terrível crise espiritual no povo de Israel.
- A situação espiritual de Israel nos dias de Elias e de Eliseu era tão terrível, que o Senhor Se disse irritado com o comportamento dos israelitas (I Rs.16:33).
2º SLIDE
I – O QUE É APOSTASIA
- “Apostasia” - deslocamento de uma posição, a saída de um lugar, o distanciamento de um local.
- A apostasia está relacionada com uma atitude de mudança de comportamento, de afastamento de valores supremos, de crenças fundamentais que uma pessoa possuía e que a fazia viver numa determinada comunidade.
3º SLIDE
II – A APOSTASIA NO REINO DE ISRAEL
- Quando a monarquia foi instituída em Israel, havia uma preocupante tendência no meio do povo de Israel, qual seja, o desejo de “ser como as outras nações” (I Sm.8:5), tendência esta que revelava uma nítida inclinação à apostasia.
- Davi, o segundo rei, deu prioridade às coisas do Senhor, organizando o culto ao Senhor, trazendo a arca da aliança para Jerusalém e deixando tudo pronto para que fosse edificado o templo.
4º SLIDE
- Salomão, o terceiro rei de Israel, concretizou os planos de seu pai Davi, edificando o templo e reorganizando o culto a Deus.
- No entanto, depois de um início tão promissor, desviou-se espiritualmente e a idolatria foi reintroduzida em Israel (I Rs.11:1-9).
5º SLIDE
- Em razão da idolatria, o Senhor dividiu Israel em dois reinos: Israel e Judá.
- Deus levantou Jeroboão, filho de Nebate para reinar sobre dez tribos, o reino de Israel (I Rs.11:11-13; 26-40).
6º SLIDE
- No entanto, Jeroboão, temeu que o povo, ao ir a Jerusalém, resolvesse se unir novamente a Roboão, rei de Judá, e resolveu estabelecer um “culto alternativo” a Deus.
-  Jeroboão  construiu dois bezerros de ouro, um em Dã, no extremo norte do reino, e outro, em Betel, no sul do reino, como também constituiu sacerdotes dentre os mais baixos do povo, a fim de que o povo “adorasse a Deus” no próprio reino de Israel, sem necessidade de ir a Jerusalém ( I Rs.12:26-33).
7º SLIDE
- Ao fazer isto, Jeroboão violou a lei de Moisés em, pelo menos, três pontos:
a) descumpriu o segundo mandamento, fazendo imagens de escultura para adoração (Ex.20:4,5; Dt.5:8,9);
b) descumpriu o mandamento de somente se adorar no lugar determinado por Deus, ou seja, na época, em Jerusalém  (Dt.12:5-15);
c) descumpriu o mandamento de somente poder exercer o sacerdócio os filhos de Arão (Ex.35:19; Hb.5:1-4).
8º SLIDE
- Esta atitude de Jeroboão representou o início da apostasia do povo de Israel. São os chamados “pecados de Jeroboão”, que foram seguidos por todos os reis de Israel e que foram a causa da destruição deste reino, que hoje é conhecido como “as dez tribos perdidas de Israel” (II Rs.17:20-23).
- Logo que o “culto aos bezerros de ouro” foi inaugurado, o Senhor mostrou toda a Sua indignação, mandando um profeta do reino de Judá para profetizar contra o altar de Betel (I Rs.13:1-10).
9º SLIDE
- Apesar disto tudo, Jeroboão não abandonou o culto dos bezerros de ouro e, em virtude deste endurecimento de coração, Deus fez com que o profeta Aías, profetizasse a destruição da “casa de Jeroboão” (I Rs.14:1-16).
- Depois da morte de Jeroboão, seu filho Nadabe reinou apenas dois anos, sendo morto por Baasa, que reinou em seu lugar (I Rs.15:25-30).
10 º SLIDE
- Com Baasa, tem início a segunda dinastia do reino de Israel. Baasa foi um rei predito pelo Senhor, que assumiu o reino com permissão divina.
- Baasa não quis abolir o culto aos bezerros de ouro, o que causou, também, indignação divina e o profeta Jeú, filho de Hanani profetizou a destruição da “casa de Baasa”, em virtude de ter o rei Baasa seguido os “pecados de Jeroboão” (I Rs.16:1-4).
11º SLIDE
- Depois da morte de Baasa, reinou o seu filho Elá, apenas dois anos, pois Zinri, que era o “chefe da metade dos carros” se rebelou contra ele e o matou, tendo se feito rei, embora tenha reinado apenas sete dias (I Rs.16:8-20).
- Zinri foi derrotado por Onri, que comandava o exército de Israel em guerra contra os filisteus, quando soube da morte de Elá.
12º SLIDE
- Onri fez-se rei, embora não tivesse o apoio de todo o povo, pois metade dos israelitas preferia a Tibni, filho de Ginate (I Rs.16:21).
- Na sucessão da “casa de Baasa”, vemos como o povo de Israel estava cada vez mais distante de Deus. O povo se digladiou entre Onri e entre Tibni, sem se importar em consultar a Deus, em total desacordo com o que preceituava a lei, que exigia que o rei fosse alguém escolhido por Deus (Dt.17:15).
13º SLIDE
- A apostasia não é um episódio pontual, isolado e repentino. É um processo lento e gradual, imperceptível para muitos mas que avança inexoravelmente até levar o indivíduo a um estado espiritual lamentável e, muitas das vezes, irreversível.
- Do início do reino de Israel com Jeroboão até a subida de Onri ao trono, passaram-se cinquenta anos, meio século, e o povo, que, no início, era temente a Deus, a ponto de Jeroboão saber que eles iriam a Jerusalém para adorar o Senhor, agora era um povo que nem sequer consultava ao Senhor para saber quem deveria reinar.
14º SLIDE
- Após a morte de tibni, Onri se consolidou no trono.
- Após seis anos de governo, comprou de Semer o monte de Samaria e ali edificou uma cidade, a que deu o nome de Samaria, tornando-a capital de Israel (I Rs.16:24).
15º SLIDE
- Este gesto de Onri mostra bem qual era a mentalidade reinante: a de agradar a tudo e a todos, a de conseguir simpatia com todos, a de se comprometer com todos.
- Nesta sua política de agrado, popularidade e simpatia, Onri chegou, inclusive, a permitir que outros povos construíssem partes da cidade que edificara (I Rs.20:34).
16º SLIDE
- Nesta sua gana por ser popular, simpático e agradável a tudo e a todos, Onri não pôs fim aos pecados de Jeroboão, prosseguiu adiante no caminho da apostasia, a ponto de o texto sagrado dizer que fez pior que seus antecessores (I Rs.16:25).
- Esta sua gana por popularidade e simpatia nada mais era que o desejo de se autoafirmar, de se mostrar como alguém bem sucedido, alguém que tinha alcançado o êxito sem qualquer necessidade de Deus. Por isso, o texto sagrado diz que o que Onri buscava eram “as suas vaidades” e isto irritou o Senhor (I Rs.16:26).
17º SLIDE
- Depois de doze anos de reinado, Onri morreu e foi sucedido pelo seu filho Acabe (I Rs.16:28), “Acabe”, cujo nome significa “o filho do pai”, foi um fiel seguidor dos erros e dos desacertos de seu pai Onri.
- Acabe, além de permanecer nos pecados de Jeroboão, chegou ao ápice da apostasia, assumindo de vez a idolatria, até então um tanto quanto disfarçada, trazendo o culto a Baal para Israel.
18º SLIDE
- Acabe casou-se com Jezabel, filha de Etbaal, rei de Sidom, e, com este casamento, permitiu que se construísse um templo a Baal em Samaria, como também ele próprio levantou um altar a Baal, como também construiu um bosque para Baal, passando a servir a Baal e a participar de seu culto (I Rs.16:31,32).
- Sessenta e dois anos depois de Jeroboão ter violado a lei de Moisés, com seu “culto alternativo”, Israel adotava explicitamente a idolatria e o politeísmo.
19º SLIDE
- A apostasia chegava ao seu ponto culminante, pois o povo de Israel passava a dizer que havia outros deuses além do Senhor e, seguindo o exemplo do seu rei, passava a servir também a Baal, a quem se construiu um templo, um altar e um bosque para adoração.
- Acabe, deslumbrado com a prosperidade material dos sidônios, e levando em conta que Baal era tido como o deus da fertilidade, o deus da prosperidade, acabou por servir a Baal, passou a adorá-lo.
20º SLIDE
- Israel, assim, rejeitava solenemente tudo quanto lhe havia sido dado por Deus através de Moisés, fazia de Deus apenas uma divindade a mais, e divindade secundária.
- Acabe era, efetivamente, “o filho do pai”, alguém que não queria abrir mão da “vã maneira de viver que, por tradição, havia recebido de seu pai” (cf. I Pe.1:18), evitando romper com o pecado e com o mundo.
21º SLIDE
- Tudo isto ocorria em Israel, que não era nem sombra do reino sacerdotal e povo santo que Deus havia querido que ele fosse quando do pacto no Sinai (Ex.19:5,6).
- O povo servia a Baal e a Asera e não dava a mínima importância à lei de Moisés. Teria Deus desistido de Seu povo? Teria o mal triunfado? Não, não e não! Deus iria agir e, para tanto, levantaria um grande profeta, o maior que já havia surgido desde Moisés. É o que vamos ver na próxima lição.
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

Lição 1 - A apostasia no reino de Israel I


1º Trim. 2013 - Lição 1 - A apostasia no reino de Israel I
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013
ELIAS E ELISEU - um ministério de poder para toda a Igreja
COMENTARISTA: JOSÉ GONÇALVES
COMENTÁRIOS - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP


                                                                                                       
A) INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE
                                               Pela graça e misericórdia do Senhor, estamos dando início a mais um ano letivo da Escola Bíblica Dominical.
                                               Agradecemos ao Senhor por mais esta rica oportunidade, que nos permite, num mundo cada vez mais hostil ao Evangelho, ainda termos liberdade de culto e de crença para podermos estudar a Palavra de Deus, prosseguindo, assim, a nossa jornada rumo à cidade celestial.
                                               Neste novo ano, iniciaremos a Escola Bíblica Dominical com um “trimestre temático”, como temos denominado os trimestres em que estudamos um determinando assunto das Escrituras e não um livro da Bíblia.
                                               A Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) escolheu como assunto deste trimestre o estudo dos profetas Elias e Eliseu, estes dois grandes gigantes espirituais que o Senhor levantou num período de extrema crise espiritual no reino de Israel (o reino do norte).
                                               Ambos os profetas têm uma importância singular não só na história de Israel, mas para a própria Igreja, pois são duas personagens que nos revelam que o Senhor, mesmo em meio à apostasia espiritual do Seu povo, está disposto a não só restaurar espiritualmente a Sua nação, como também demonstrar prodígios e maravilhas, a fim de reafirmar o Seu poder, confirmando, assim, com sinais, a Sua Palavra, que sempre caminha no sentido de trazer o povo de volta à comunhão com Ele.
                                               Os ministérios de Elias e de Eliseu, a exemplo do que ocorrera com Moisés, dão a exata dimensão do que representa servir a Deus: ter uma vida consoante a vontade de Deus, consubstanciada na Sua Palavra (naquele tempo, a lei), mas, também, ter uma vida que demonstre o poder de Deus sobre todas as coisas.
                                               Conhecer a Deus, ou seja, ter intimidade com Ele, desfrutar da Sua comunhão é, portanto, ter consciência desta dupla dimensão divina, qual seja, a de ser Ele a Verdade, Aquele que nos diz o que é certo e o que é errado, como se deve viver, como também Aquele que mostra todo o poder, Aquele que pode realizar sinais e prodígios para confirmar a veracidade da Sua Palavra.
                                               Esta dupla dimensão divina foi, posteriormente, reafirmada pelo Senhor Jesus, que, respondendo aos saduceus, certa feita, afirmou que aqueles religiosos erravam porque não conheciam as Escrituras nem o poder de Deus (Mt.22:29). Assim, quem não conhece seja a Palavra, seja o poder de Deus, erra nesta vida, deixando, portanto, de ter comunhão com o Senhor.
                                               Estudar as vidas de Elias e de Eliseu, portanto, abre-nos esta oportunidade de, através destas biografias, notarmos a importância de termos consciência e desfrutarmos desta dupla dimensão da revelação divina, o que nos leva a pregar o “Evangelho pleno”, também chamado de “Evangelho completo”, que é um Evangelho de conhecimento das Escrituras e do poder de Deus.
                                               Por isso mesmo, o subtítulo deste trimestre é “um ministério de poder para a Igreja”, subtítulo que, a princípio, poderia causar espécie, já que iremos analisar a vida de dois profetas de Israel, dois profetas do Antigo Testamento.
                                               Contudo, como nos diz o apóstolo Paulo, “…tudo que dantes foi escrito para nosso ensino foi escrito, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança” (Rm.15:4). As vidas de Elias e Eliseu são uma demonstração do Senhor de que, mesmo em meio a um período de grande apostasia espiritual, podemos, sim, continuar fiéis a Deus e ser conhecedores das Escrituras e do Seu poder, triunfando sobre o pecado e o mal e levando muitos a se decidirem pelo Senhor Jesus.
                                               Assim como Elias e Eliseu, a Igreja, nos dias hodiernos, vive em meio a uma grande apostasia espiritual, vive em meio a um período em que os que se dizem povo de Deus estão cada vez mais distantes do Senhor, estão cada vez mais misturados com os incrédulos, estão cada vez mais elegendo outros deuses a quem estão a servir.
                                               Diante deste quadro desanimador, resta àqueles que ainda se mantêm fiéis seguir os exemplos de Elias e de Eliseu que, contra tudo e contra todos, resolveram ficar à disposição do Senhor, foram cheios do Espírito Santo e realizaram ministérios que se sobressaíram e que servem de referência até os dias de hoje.
                                               Elias e Eliseu, em meio a tanto desvio espiritual, puseram-se à disposição do Senhor que, através deles, não só trouxe a mensagem de arrependimento para o povo, mas também realizou sinais, prodígios e maravilhas, mostrando que é Aquele que tem todo o poder nos céus e na terra.
                                               De igual maneira, é isto que o Senhor Jesus espera de cada um de nós, visto que nos prometeu o revestimento de poder para que fôssemos Suas testemunhas tanto em Jerusalém como na Judeia e Samaria e até os confins da terra (Lc.24:46-49; At.1:8).
                                               É, aliás, este o significado da capa da revista deste trimestre, que nos mostra uma cruz ao fundo, bem como uma pomba voando e abaixo dela uma chama de fogo.
                                               A ilustração mostra-nos, com absoluta clareza, que, a partir do sacrifício vicário de Cristo na cruz do Calvário, abriu-se a porta para que não só a Palavra de Deus seja pregada, trazendo salvação a todos os homens, mas que tal Palavra seja confirmada com sinais e maravilhas.
                                               Jesus, pela morte na cruz do Calvário, alcançou a nossa salvação, e tanto Seu sacrifício foi aceito que Ele ressuscitou e foi glorificado, permitindo-se, então, que o Espírito Santo fosse dado a todo o povo de Deus (Jo.7:39), para que sejam testemunhas desta salvação a todos os povos.
                                               Esta concessão do Espírito Santo ao povo de Deus faz com que não só o Evangelho possa ser pregado com autoridade, de modo a que os homens sejam convencidos do pecado, da justiça e do juízo (Jo.16:7-10), como também que o povo de Deus realize sinais, prodígios e maravilhas, confirmando a Palavra que é pregada (Mc.16:20).
                                               O nosso ministério, ou seja, o nosso serviço a Deus, o nosso servir a Deus deve, portanto, ter estes dois componentes indispensáveis: a pregação do Evangelho e a realização de sinais e maravilhas que confirmem a Palavra pregada.
                                               É isto que vemos nos ministérios de Elias e de Eliseu, é isto que vemos no ministério de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, é isto que é necessário vermos em nossos ministérios.
                                               Temos a absoluta necessidade de conhecermos as Escrituras e o poder de Deus, para que cumpramos aquilo que o Senhor requer de cada um de nós.
                                               Após uma lição introdutória, em que analisaremos o “pano de fundo” dos ministérios de Elias e de Eliseu, qual seja, a terrível apostasia que atingia Israel no período destes dois homens de Deus, teremos dois blocos de lições, cada um relacionado a um dos profetas que iremos estudar.
                                               O primeiro bloco, referente ao profeta Elias, ocupa a maior parte do trimestre, das lições 2 a 9, quando estudaremos a pessoa do profeta (lição 2), a longa seca sobre Israel (lição 3), o confronto entre Elias e os profetas de Baal (lição 4), a depressão que atingiu Elias (lição 5), o episódio da viúva de Sarepta (lição 6), o caso da vinha da Nabote (lição 7), o legado de Elias (lição 8) e o significado da aparição de Elias no Monte da Transfiguração (lição 9).
                                               O segundo bloco, referente ao profeta Eliseu, ocupará as lições 10 a 13, quando estudaremos o tema “há um milagre na sua casa” (lição 10), os milagres de Eliseu (lição 11), Eliseu e a escola dos profetas (lição 12) e, por fim, a morte de Eliseu (lição 13).
                                               O comentarista deste trimestre é o pastor José Gonçalves, pastor das Assembleias de Deus em Água Branca/PI, teólogo, autor do blog que tem o seu nome (http://prjosegoncalves.blogspot.com.br/) e que tem comentado as lições bíblicas nos últimos anos.
                                               Que o estudo deste trimestre possa nos conscientizar de que precisamos ser reais testemunhas do Senhor Jesus no meio de um mundo hostil ao Evangelho, mas que ainda precisa conhecer as Escrituras e o poder de Deus.
B) LIÇÃO Nº 1 – A APOSTASIA NO REINO DE ISRAEL
                                               Nos dias de Elias e Eliseu, a situação espiritual de Israel era terrível, pois o povo estava a irritar o próprio Deus.
INTRODUÇÃO
- Iniciamos o estudo dos ministérios dos profetas Elias e Eliseu, que viveram numa época de terrível crise espiritual no povo de Israel.
A situação espiritual de Israel nos dias de Elias e de Eliseu era tão terrível, que o Senhor Se disse irritado com o comportamento dos israelitas (I Rs.16:33).

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
1º Trimestre de 2013 - CPAD
Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Comentários da revista da CPAD: José Gonçalves
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
A) INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE
Pela graça e misericórdia do Senhor, estamos dando início a mais um ano letivo 
da Escola Bíblica Dominical.
Agradecemos ao Senhor por mais esta rica oportunidade, que nos permite, num 
mundo cada vez mais hostil ao Evangelho, ainda termos liberdade de culto e de crença para podermos estudar 
a Palavra de Deus, prosseguindo, assim, a nossa jornada rumo à cidade celestial.
Neste novo ano, iniciaremos a Escola Bíblica Dominical com um “trimestre 
temático”, como temos denominado os trimestres em que estudamos um determinando assunto das Escrituras 
e não um livro da Bíblia.
A Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) escolheu como assunto 
deste trimestre  o estudo dos profetas Elias e Eliseu, estes dois grandes gigantes espirituais que o Senhor 
levantou num período de extrema crise espiritual no reino de Israel (o reino do norte).
Ambos os profetas têm uma importância singular não só na história de Israel, 
mas para a própria Igreja, pois são duas personagens que nos revelam que o Senhor, mesmo em meio à 
apostasia espiritual do Seu povo, está disposto a não só restaurar espiritualmente a Sua nação, como também 
demonstrar prodígios e maravilhas, a fim de reafirmar o Seu poder, confirmando, assim, com sinais, a Sua 
Palavra, que sempre caminha no sentido de trazer o povo de volta à comunhão com Ele.
Os ministérios de Elias e de Eliseu, a exemplo do que ocorrera com Moisés, dão 
a exata dimensão do que representa servir a Deus: ter uma vida consoante a vontade de Deus, consubstanciada 
na Sua Palavra (naquele tempo, a lei), mas, também, ter uma vida que demonstre o poder de Deus sobre todas 
as coisas.
Conhecer a Deus, ou seja, ter intimidade com Ele, desfrutar da Sua comunhão é, 
portanto, ter consciência desta dupla dimensão divina, qual seja, a de ser Ele a Verdade, Aquele que nos diz o 
que é certo e o que é errado, como se deve viver, como também Aquele que mostra todo o poder, Aquele que 
pode realizar sinais e prodígios para confirmar a veracidade da Sua Palavra.
Esta dupla dimensão divina foi, posteriormente, reafirmada pelo Senhor Jesus, 
que, respondendo aos saduceus, certa feita, afirmou que aqueles religiosos erravam porque não conheciam as 
Escrituras nem o poder de Deus (Mt.22:29). Assim, quem não conhece seja a Palavra, seja o poder de Deus, 
erra nesta vida, deixando, portanto, de ter comunhão com o Senhor.
Estudar as vidas de Elias e de Eliseu, portanto, abre-nos esta oportunidade de, 
através destas biografias, notarmos a importância de termos consciência e desfrutarmos desta dupla dimensão 
da revelação divina, o que nos leva a pregar o “Evangelho pleno”, também chamado de “Evangelho 
completo”, que é um Evangelho de conhecimento das Escrituras e do poder de Deus.1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 2
Por isso mesmo, o subtítulo deste trimestre é “um ministério de poder para a 
Igreja”, subtítulo que, a princípio, poderia causar espécie, já que iremos analisar a vida de dois profetas de 
Israel, dois profetas do Antigo Testamento.
Contudo, como nos diz o apóstolo Paulo, “…tudo que dantes foi escrito para 
nosso ensino foi escrito, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança” (Rm.15:4). 
As vidas de Elias e Eliseu são uma demonstração do Senhor de que, mesmo em meio a um período de 
grande apostasia espiritual, podemos, sim, continuar fiéis a Deus e ser conhecedores das Escrituras e do 
Seu poder, triunfando sobre o pecado e o mal e levando muitos a se decidirem pelo Senhor Jesus.
Assim como Elias e Eliseu, a Igreja, nos dias hodiernos, vive em meio a uma 
grande apostasia espiritual, vive em meio a um período em que os que se dizem povo de Deus estão cada vez 
mais distantes do Senhor, estão cada vez mais misturados com os incrédulos, estão cada vez mais elegendo 
outros deuses a quem estão a servir.
Diante deste quadro desanimador, resta àqueles que ainda se mantêm fiéis seguir 
os exemplos de Elias e de Eliseu que, contra tudo e contra todos, resolveram ficar à disposição do Senhor, 
foram cheios do Espírito Santo e realizaram ministérios que se sobressaíram e que servem de referência até os 
dias de hoje.
Elias e Eliseu, em meio a tanto desvio espiritual, puseram-se à disposição do 
Senhor que, através deles, não só trouxe a mensagem de arrependimento para o povo, mas também realizou 
sinais, prodígios e maravilhas, mostrando que é Aquele que tem todo o poder nos céus e na terra.
De igual maneira, é isto que o Senhor Jesus espera de cada um de nós, visto que 
nos prometeu o revestimento de poder para que fôssemos  Suas testemunhas tanto em Jerusalém como na 
Judeia e Samaria e até os confins da terra (Lc.24:46-49; At.1:8). 
É, aliás, este o significado da capa da revista deste trimestre, que nos mostra 
uma cruz ao fundo, bem como uma pomba voando e abaixo dela uma chama de fogo.
A ilustração mostra-nos, com absoluta clareza, que,  a partir do sacrifício 
vicário de Cristo na cruz do Calvário, abriu-se a porta para que não só a Palavra de Deus seja pregada, 
trazendo salvação a todos os homens, mas que tal Palavra seja confirmada com sinais e maravilhas.
Jesus, pela morte na cruz do Calvário, alcançou a nossa salvação, e tanto Seu 
sacrifício foi aceito que Ele ressuscitou e foi glorificado, permitindo-se, então, que o Espírito Santo fosse dado 
a todo o povo de Deus (Jo.7:39), para que sejam testemunhas desta salvação a todos os povos.
Esta concessão do Espírito Santo ao povo de Deus faz com que não só o 
Evangelho possa ser pregado com autoridade, de modo a que os homens sejam convencidos do pecado, da 
justiça e do juízo (Jo.16:7-10), como também que o povo de Deus realize sinais, prodígios e maravilhas, 
confirmando a Palavra que é pregada (Mc.16:20).
O nosso ministério, ou seja, o nosso serviço a Deus, o nosso servir a Deus deve, 
portanto, ter estes  dois componentes indispensáveis: a pregação do Evangelho e a realização de sinais e 
maravilhas que confirmem a Palavra pregada.
É isto que vemos nos ministérios de Elias e de Eliseu, é isto que vemos no 
ministério de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, é isto que é necessário vermos em nossos ministérios.1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 3
Temos a absoluta necessidade de conhecermos as Escrituras e o poder de 
Deus, para que cumpramos aquilo que o Senhor requer de cada um de nós.
Após uma lição introdutória, em que analisaremos o “pano de fundo” dos 
ministérios de Elias e de Eliseu, qual seja, a terrível apostasia que atingia Israel no período destes dois homens 
de Deus, teremos dois blocos de lições, cada um relacionado a um dos profetas que iremos estudar.
O primeiro bloco, referente ao profeta Elias, ocupa a maior parte do trimestre, 
das lições 2 a 9, quando estudaremos a pessoa do profeta (lição 2), a longa seca sobre Israel (lição 3), o 
confronto entre Elias e os profetas de Baal (lição 4), a depressão que atingiu Elias (lição 5), o episódio da 
viúva de Sarepta (lição 6), o caso da vinha da Nabote (lição 7), o legado de Elias (lição 8) e o significado da 
aparição de Elias no Monte da Transfiguração (lição 9).
O segundo bloco, referente ao profeta Eliseu, ocupará as lições 10 a 13, 
quando estudaremos o tema “há um milagre na sua casa” (lição 10), os milagres de Eliseu (lição 11), Eliseu e 
a escola dos profetas (lição 12) e, por fim, a morte de Eliseu (lição 13).
O comentarista deste trimestre é o pastor José Gonçalves, pastor das Assembleias 
de Deus em Água Branca/PI, teólogo, autor do blog que tem o seu nome (http://prjosegoncalves.blogspot.com.br/) e que tem 
comentado as lições bíblicas nos últimos anos.
Que o estudo deste trimestre possa nos conscientizar de que precisamos ser reais 
testemunhas do Senhor Jesus no meio de um mundo hostil ao Evangelho, mas que ainda precisa conhecer as 
Escrituras e o poder de Deus.
B) LIÇÃO Nº 1 – A APOSTASIA NO REINO DE ISRAEL
Nos dias de Elias e Eliseu, a situação espiritual de Israel era terrível, pois o povo 
estava a irritar o próprio Deus.
INTRODUÇÃO
- Iniciamos o estudo dos ministérios dos profetas Elias e Eliseu, que viveram numa época de terrível crise 
espiritual no povo de Israel.
- A situação espiritual de Israel nos dias de Elias e de Eliseu era tão terrível, que o Senhor Se disse 
irritado com o comportamento dos israelitas (I Rs.16:33).
I – O QUE É APOSTASIA
- Estamos dando início a mais um trimestre da Escola Bíblica Dominical, quando iremos estudar os 
ministérios dos profetas Elias e Eliseu para, através de tal estudo, termos consciência da necessidade que a 
Igreja tem de ter um ministério de palavra e de poder nos dias difíceis em que estamos a viver.
- Nesta primeira lição, o comentarista nos leva a um estudo a respeito da lamentável situação espiritual que 
vivia Israel quando o Senhor levantou Elias e Eliseu, a fim de termos a exata noção de quantas dificuldades 
estes dois gigantes espirituais enfrentaram durante os seus ministérios.
- Antes que verifiquemos a situação histórica e espiritual vivida pelo povo de Israel nos dias de Elias e Eliseu, 
entendemos ser interessante bem conceituarmos o que é apostasia, já que o título da lição fala da “apostasia no 
reino de Israel”.1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 4
- A palavra “apostasia” é grega, composta de “apo”(από), preposição que dá a ideia de deslocamento de um 
ponto de partida, de afastamento e “stasis” (στάσις), que significa “posição”. Assim, “apostasia” é o 
deslocamento de uma posição, a saída de um lugar, o distanciamento de um local. Em o Novo Testamento, 
encontramos esta palavra em At.21:21, em II Ts.2:3 e o verbo a ela correspondente em Hb.3:12. Na versão 
grega do Antigo Testamento (a Septuaginta), encontramos esta palavra em Js.22:22 e II Cr.29:19. Na Versão 
Almeida Revista e Corrigida e na Edição Contemporânea de Almeida, a palavra “apostasia” é encontrada em 
três versículos (Jr.8:5, Ez.23:21 e II Ts.2:3).
- A.S. Wood, um dos colaboradores do Novo Dicionário da Bíblia de J.D. Douglas, afirmou que “…no grego 
clássico, o vocábulo grego apostasia é um termo técnico para revolta ou defecção política…” (Apostasia. In: 
op.cit., v.1, p.95), enquanto que, para os judeus, diz-nos Nathan Ausubel, a apostasia era tida “…como o mais 
grave de todos os pecados que o judeu ameaçado podia cometer…”, motivo pelo qual “…embora já fosse 
terrível como instrumento de excomunhão entre os judeus, nos dias dos Minim (as seitas heréticas da Judeia 
que provavelmente incluíam os primeiros cristãos), o cherem [a excomunhão, observação nossa] cresceu em 
severidade e em frequência de aplicação na Idade Média, quando a perseguição aos judeus e os esforços para 
convertê-los ao cristianismo tornaram-se mais intensos. O menor desvio das ideias tradicionais ou das práticas 
era imediatamente considerado pelos líderes religiosos e comunais como passível de levar à apostasia…” 
(Excomunhão. In: JUDAICA, v.5, p.282).
- Percebemos, portanto, que  a apostasia está relacionada com uma atitude de mudança de 
comportamento, de afastamento de valores supremos, de crenças fundamentais que uma pessoa possuía e 
que a fazia viver numa determinada comunidade. Trata-se de uma considerável modificação de suas crenças e 
de seus princípios, uma alteração profunda no seu interior, em que a pessoa deixa as coisas mais caras e 
preciosas que tinha no seu universo de crenças, sentimentos e valores, para rejeitar tudo aquilo de forma 
voluntária e consciente. Assim, para os gregos, quando alguém se revoltava contra o governo de sua cidade, 
quando abandonava o grupo político a que pertencia, tinha-se a apostasia. Para os judeus, quando a pessoa 
abandonava a Torá, deixava de servir ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó, também praticava apostasia.
- Ora, este gesto da apostasia representa, entre os cristãos, igualmente, a rejeição voluntária e deliberada da fé 
em Jesus Cristo. A apostasia é, como afirma a Bíblia de Estudo Pentecostal, a “…decaída, deserção, rebelião, 
abandono, retirada ou afastar-se daquilo a que antes se estava ligado. Apostatar significa cortar o 
relacionamento salvífico com Cristo, ou apartar-se da união vital com Ele e da verdadeira fé n’Ele(…). Sendo 
assim, a apostasia individual é possível somente para quem já experimentou a salvação, a regeneração e a 
renovação pelo Espírito Santo (cf. Lc.8.13; Hb.6:4,5); não é a simples negação das doutrinas do NT pelos 
inconversos dentro da igreja visível.…” (BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL. A apostasia pessoal (estudo 
doutrinário), p.1903). É “…o abandono deliberado da crença na fé cristã(…) por alguém que dizia seguir essa 
fé…”(CHAMPLIN, Russell Norman. Apostasia. In: Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia, v.1, p.237), ), 
“…o abandono total da fé ou da religião de uma pessoa; abandono do credo e renúncia das obrigações 
religiosas…” (CHAFER. Lewis Sperry. Teologia sistemática. t.4, v.7, p.27).
OBS:  O Código de Direito Canônico da Igreja Romana define, no seu cânon 751 o que vem a ser apostasia, diferenciando-a da heresia e do 
cisma, definições que, por seu caráter apropriado, merecem ser aqui reproduzidas: “ Chama-se heresia a negação pertinaz, após a recepção do 
batismo, de qualquer verdade que se deva crer com fé divina e católica, ou a dúvida pertinaz a respeito dela; apostasia, o repúdio total da fé cristã; 
cisma, a recusa de sujeição ao Sumo Pontífice ou de comunhão com os membros da Igreja a ele sujeitos.” No mesmo sentido, o Corão, livro 
sagrado dos muçulmanos, afirma que “…Haverá alguém mais iníquo do que quem desmente e desdenha os versículos de Deus? Infligiremos o pior 
castigo àqueles que desdenharem os Nossos versículos, bem como àqueles que se tiverem afastado deles.…” (6:157), demonstrando, assim, que o 
apóstata é aquele que se afasta deliberadamente da crença anteriormente assumida.
- Deste modo, pelo que podemos verificar, a apostasia é um fenômeno que atinge apenas os crentes sinceros e 
autênticos, ou seja, para que haja apostasia, é preciso que alguém que tenha alcançado a salvação, rejeite 
deliberada e voluntariamente a fé em Jesus Cristo a partir de um determinado instante de sua vida espiritual. 
Quando se fala em apostasia, portanto, não se está a falar de pessoas que nunca creram em Jesus, ainda que 
tenham “nome” de cristãos, mas de pessoas que, tendo crido em Jesus sinceramente e tenham aceitado a Jesus 
como seu Senhor e Salvador, passam a se distanciar paulatinamente do Caminho e, num determinado 1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 5
momento, de modo voluntário, consciente e deliberado, abandonam o “caminho estreito”, renegam o seu 
Senhor e passam a viver totalmente separados de Cristo.
- Antes mesmo da história da humanidade, as Escrituras registram uma apostasia, a saber, a de Satanás e dos 
anjos que lhe seguiram em sua rebelião. “… Dos anjos caídos é dito que eles ‘não guardaram o seu estado 
original’ (Jd.6), e de Satanás é dito que ‘ele não permanece na verdade’ (Jo.8:44) e que nele ‘foi achada 
iniquidade’ (Is.14.13,14; Ez.28.15). Para a apostasia dos anjos não há remédio; ao contrário, está predito em 
palavras que não podem ser revogadas que todos os anjos caídos vão viver eternamente no lago de fogo 
(Mt.25.41), que é a resposta de Deus à apostasia dos anjos.…” (CHAFER, Lewis Sperry.  Teologia 
sistemática. t.4, v.7, p.28).
II – A APOSTASIA NO REINO DE ISRAEL
- Visto, em linhas gerais, o que é apostasia, vejamos o estado em que se encontrava o reino de Israel quando 
do surgimento de Elias e, posteriormente, o de Eliseu.
- Elias e Eliseu surgiram no reino de Israel, ou seja, no reino do norte, no reino das dez tribos, quando 
estava a reinar a terceira dinastia daquele reino, a chamada “casa de Onri”, vez que o primeiro rei desta 
dinastia foi Onri, um comandante do exército que tomou o reino após invadir Tirza, a então capital de Israel, 
pondo fim a uma rebelião promovida por Zinri, que era “chefe da metade dos carros” do rei Elá e que o havia 
matado e assumido o reino, reinando apenas por sete dias (I Rs.16:8-20).
- Para bem entendermos o estado espiritual de Israel naquele tempo, porém, entendemos ser necessário 
retroceder um pouco na história,  ainda que de forma sucinta, para irmos até a instituição da monarquia em 
Israel (quem desejar uma análise mais detida, sugerimos que assista ao estudo intitulado “A monarquia em 
Israel” que se encontra no Portal Escola Dominical  - http://www.portalebd.org.br/principal/estudosbiblicos/item/1777-a-monarquia-em-israel ).
- Quando a monarquia foi instituída em Israel, havia uma preocupante tendência no meio do povo de 
Israel, qual seja, o desejo de “ser como as outras nações” (I Sm.8:5), tendência esta que revelava, como já 
vimos supra, uma nítida inclinação à apostasia.
- No entanto, após um reinado que pouquíssima contribuição teve para a afirmação dos valores espirituais do 
povo, como foi o reinado de Saul, o Senhor levantou um “rei segundo o seu coração” (I Sm.13:14), Davi, que 
deu prioridade às coisas do Senhor, organizando o culto ao Senhor, trazendo a arca da aliança para Jerusalém e 
deixando tudo pronto para que fosse edificado o templo.
- Salomão, o terceiro rei de Israel, concretizou os planos de seu pai Davi, edificando o templo e reorganizando 
o culto a Deus. No entanto, depois de um início tão promissor, em que completava a obra de seu pai no sentido 
de fazer com que Israel fosse, efetivamente, o povo de Deus na Terra, Salomão se desviou espiritualmente e 
a idolatria foi reintroduzida em Israel (I Rs.11:1-9).
- Em razão da idolatria, o Senhor, então, dividiu Israel em dois reinos, levantando Jeroboão, filho de 
Nebate, que era o maioral da tribo de Efraim no reinado de Salomão, para ser rei sobre dez tribos, deixando 
que duas tribos continuassem sob o comando da “casa de Davi”, ou seja, da dinastia iniciada por Davi (I 
Rs.11:11-13; 26-40).
- Após a morte de Salomão, a divisão do reino se concretizou, tendo o povo se rebelado contra Roboão, o filho 
de Salomão, e feito Jeroboão como seu rei (I Rs.12:1-25).
- Jeroboão, então, constituído como rei, estabeleceu a sede do reino em Siquém, cidade da tribo de Efraim, 
tendo, posteriormente, se mudado para Penuel, cidade que ele próprio edificou (I Rs.12:25).1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 6
- No entanto,  Jeroboão, ao se aproximar as festividades que deveriam ocorrer em Jerusalém, temeu que o 
povo, ao ir a Jerusalém, resolvesse se unir novamente a Roboão, que havia permanecido como rei sobre duas 
tribos (Judá e Benjamim), o reino de Judá, e, diante deste medo, que demonstrava total falta de confiança em 
Deus, resolveu estabelecer um “culto alternativo” a Deus.
- Assim, construiu dois bezerros de ouro, um em Dã, no extremo norte do reino, e outro, em Betel, no sul do 
reino, como também constituiu sacerdotes dentre os mais baixos do povo, a fim de que o povo “adorasse a 
Deus” no próprio reino de Israel, sem necessidade de ir a Jerusalém ( I Rs.12:26-33).
- Ora, ao fazer isto, Jeroboão violou a lei de Moisés em, pelo menos, três pontos. Por primeiro, ao construir  
dois bezerros de ouro, para representar a Deus, violava expressamente o segundo mandamento, segundo o 
qual, não se podia fazer imagens de escultura para adoração (Ex.20:4,5; Dt.5:8,9), repetindo, aliás, o mesmo 
horrendo pecado que causou indignação e repúdio da parte de Deus quando Israel ainda estava no deserto 
(Ex.32).
- Por segundo, ao determinar que o povo fosse a Dã ou a Betel para adorar estes bezerros de ouro, Jeroboão 
violava o mandamento de que somente se podia adorar a Deus no lugar por Ele determinado, que, na época, 
era Jerusalém, onde havia sido construído o templo (Dt.12:5-15).
- Por terceiro, ao constituir sacerdotes dos mais baixos entre o povo, para que exercessem o ministério 
sacerdotal em Dã e Betel, Jeroboão violou o mandamento de que somente poderiam ministrar diante de Deus 
os filhos de Arão (Ex.35:19; Hb.5:1-4).
- Esta atitude de Jeroboão representou o início da apostasia do povo de Israel. São os chamados “pecados de 
Jeroboão”, que foram seguidos por todos os reis de Israel e que foram a causa da destruição deste reino, que 
hoje é conhecido como “as dez tribos perdidas de Israel” (II Rs.17:20-23).
- Logo que o “culto aos bezerros de ouro” foi inaugurado, o Senhor mostrou toda a Sua indignação, mandando 
um profeta do reino de Judá para profetizar contra o altar de Betel, onde Jeroboão deu início a este culto 
espúrio, profeta este que, ao profetizar, mostrou um sinal, qual seja, o altar se fendeu e a mão do rei Jeroboão 
se secou e, depois, foi restituída pela oração do profeta, tendo, na ocasião, o profeta dito que haveria um rei de 
Judá, que se chamaria Josias, que destruiria totalmente aquele culto e suas imagens (I Rs.13:1-10).
- Apesar disto tudo, Jeroboão não abandonou o culto dos bezerros de ouro, tendo, ao contrário, expulsado os 
levitas de seu país, levitas que, por causa disso, foram morar no reino de Judá (II Cr.11:13-15), culto este que 
foi mantido por todos os seus sucessores.
- Em virtude deste endurecimento de coração, Deus fez com que o profeta Aías, o mesmo profeta que fora 
usado por Deus para dizer a Jeroboão que ele reinaria sobre dez tribos (I Rs.11:29-39), profetizasse a 
destruição da “casa de Jeroboão” (I Rs.14:1-16). E, realmente, depois da morte de Jeroboão, seu filho Nadabe 
reinou apenas dois anos, sendo morto por Baasa, que reinou em seu lugar (I Rs.15:25-30).
- Com Baasa, pois, tem início a segunda dinastia do reino de Israel. Baasa, embora tenha conspirado contra 
o seu antecessor, foi um rei predito pelo Senhor, que assumiu o reino com permissão divina, mas que cumpriu 
a própria vontade de Deus no tocante à destruição da “casa de Jeroboão”.
- No entanto, o novo rei não quis abolir o culto aos bezerros de ouro, tendo mantido tudo quanto Jeroboão 
havia feito, o que causou, também, indignação divina, a ponto de o Senhor levantar outro profeta, desta feita, 
Jeú, filho de Hanani, que, a exemplo do que fizera Aías, também profetizou a destruição da “casa de Baasa”, 
em virtude de ter o rei Baasa seguido os “pecados de Jeroboão” (I Rs.16:1-4).
- Tal profecia também se cumpriu, visto que, depois da morte de Baasa, que reinou durante vinte e quatro 
anos, reinou o seu filho Elá, o qual, entretanto, reinou apenas dois anos, pois Zinri, que era o “chefe da metade 1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 7
dos carros” se rebelou contra ele e o matou, tendo se feito rei, embora tenha reinado apenas sete dias (I 
Rs.16:8-20).
- Zinri foi derrotado por Onri, que comandava o exército de Israel em guerra contra os filisteus, quando soube 
da morte de Elá. Onri foi até Tirza, então a capital de Israel, tomou a cidade e matou a Zinri, fazendo-se rei, 
embora não tivesse o apoio de todo o povo, pois metade dos israelitas preferia a Tibni, filho de Ginate (I 
Rs.16:21).
- Temos aqui, portanto, mais um passo negativo do povo de Israel em termos espirituais. O primeiro rei 
israelita, Jeroboão, tinha sido constituído por Deus. A segunda dinastia fora aprovada por Deus, pois resultava 
de um cumprimento de uma profecia divina, já que Baasa apenas cumprira o que fora profetizado por Aías.
- Agora, tendo Zinri cumprido o que fora profetizado pelo profeta Jeú, o povo se divide entre duas pessoas no 
tocante ao reino, ou seja, não havia mais, da parte do povo de Israel, qualquer cuidado em saber quem era o 
escolhido de Deus, quem estava disposto a cumprir a vontade de Deus no governo do povo.
- Na sucessão da “casa de Baasa”, vemos como o povo de Israel estava cada vez mais distante de Deus, em 
nítido caminho de apostasia, de desvio  espiritual. O povo se digladiou entre Onri e entre Tibni, sem se 
importar em consultar a Deus, numa atitude de total independência em relação ao Senhor, em total desacordo 
com o que preceituava a lei, que exigia que o rei fosse alguém escolhido por Deus (Dt.17:15).
- A Bíblia não nos diz quanto tempo perdurou o embate entre Onri e entre Tibni, embate este que terminou 
com a morte de Tibni e a consolidação do povo nas mãos de Onri (I Rs.16:22). Não se diz se Tibni foi morto 
de forma violenta ou natural, mas o fato é que, com a sua morte, o partido de Onri prevaleceu.
- O silêncio divino durante o governo de  Onri e, mesmo, durante o embate entre Onri e Tibni, mostra 
claramente que se constituía uma dinastia totalmente indiferente e independente de Deus, que se tinha o 
resultado de um longo processo de distanciamento de Deus, a ponto de o próprio Deus Se calar. 
- Notamos, assim, que a apostasia não é um episódio pontual, isolado e repentino. Pelo contrário, a apostasia é 
um processo lento e gradual, imperceptível para muitos mas que avança inexoravelmente até levar o indivíduo 
a um estado espiritual lamentável e, muitas das vezes, irreversível.
- Do início do reino de Israel com Jeroboão até a subida de Onri ao trono, passaram-se cinquenta anos, 
meio século, e o povo, que, no início, era temente a Deus, a ponto de Jeroboão saber que eles iriam a 
Jerusalém para adorar o Senhor, agora era um povo que nem sequer consultava ao Senhor para saber 
quem deveria reinar.
- Isto nos serve de grande lição, porquanto vivemos situação muito semelhante. Quando olhamos a história do 
movimento pentecostal, deste maior avivamento que já ocorreu na história da Igreja, notamos que, passado 
pouco mais de um século, também estamos numa situação espiritual extremamente lamentável e que  está 
muito, mas muito aquém daquilo que vemos registrados nos anais da história.
- Nossos dias são dias de indiferença espiritual, de pouquíssimo contato com Deus, de absoluto desprezo do 
estudo das Escrituras e da busca do poder de Deus. O temor a Deus que vemos presente nos pioneiros do 
movimento pentecostal é, na atualidade, apenas registro histórico, evento raro de se encontrar em nossas 
igrejas locais.
- Como se não bastasse isso, vemos, também, embates com vistas a luta pelo poder eclesiástico, algo que 
inexistia nos primeiros dias, onde o Espírito Santo tinha plena liberdade para instituir aqueles que deveriam 
presidir sobre o povo. Assim como em Israel, que recebera Jeroboão como rei por causa da profecia divina, 
sem qualquer contenda, e que, cinquenta anos depois, se dividia entre Onri e Tibni, sem qualquer consulta ao 
Senhor, vemos, com tristeza, dezenas de conflitos absolutamente carnais em torno do poder, sem qualquer 
atenção à vontade do Senhor.1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 8
- Os dias em que vivemos são dias de apostasia, até porque são os dias finais da dispensação da graça e toda 
dispensação terminou com um período de apostasia. Resta-nos, portanto, não nos deixar envolver por esta 
indiferença espiritual, por esta autossuficiência e, apesar de todo o movimento contrário, esforçarmo-nos para 
buscar a Deus e nos mantermos em comunhão com Ele para que não sejamos apanhados de surpresa no 
arrebatamento da Igreja.
- Onri, após seis anos de governo, comprou de Semer o monte de Samaria e ali edificou uma cidade, a 
que deu o nome de Samaria, em homenagem ao antigo proprietário do monte, tornando-a capital de Israel (I 
Rs.16:24).
- Este gesto de Onri mostra bem qual era a mentalidade reinante. Ao comprar o monte de Samaria por dois 
talentos de prata, Onri poderia ter dado seu nome à cidade, mas preferiu nomeá-la pelo nome do antigo 
proprietário Semer. Por que o fez? Porque a sua política era a de agradar a tudo e a todos, a de angariar 
alianças por meio da simpatia e da popularidade. Assim, embora fosse o proprietário do monte, deu o nome da 
cidade em homenagem ao antigo proprietário que, aliás, bem poderia ser alguém que, no passado, tivesse 
ficado ao lado de Tibni…
- Ainda nesta sua política de agrado, popularidade e simpatia, Onri chegou, inclusive, a permitir que outros 
povos construíssem partes da cidade que edificara, como fica claro nas palavras de seu filho Acabe ao rei sírio 
Bene-Hadade em I Rs.20:34, onde se diz que o rei da Síria pôde construir ruas em Samaria, como prova da 
aliança que se firmou entre Israel e Síria.
- Onri buscou, portanto, “ficar de bem” com as nações que estavam à sua volta, procurando construir uma 
segurança em seu reino mediante alianças e compromissos com os povos em torno de si, em total confronto e 
violação ao que havia determinado o Senhor com relação a Israel.
- A vida de independência em relação a Deus, o distanciamento do homem em relação ao Senhor leva 
inevitavelmente a uma vida de comprometimento com o mundo, com aqueles que estão no maligno, que 
estão debaixo do domínio do pecado e do mal. Quem se afasta de Deus, aproxima-se do mundo e do pecado, 
não há possibilidade de um meio termo, de uma terceira opção.
- Muitos, na atualidade, estão a seguir o caminho de Onri, ou seja, querem ser simpáticos, agradáveis e 
populares diante daqueles que não têm qualquer compromisso com Deus. O preço por esta atitude é o de se 
fazer alianças comprometedoras com os pecadores e, pior do que tudo isto, com o pecado, o que faz com que 
percamos totalmente a nossa santidade, pois o compromisso com o imundo faz com que nos tornemos 
imundos também (Ag.2:13,14).
- Nesta sua gana por ser popular, simpático e agradável a tudo e a todos, Onri não pôs fim aos pecados de 
Jeroboão, mantendo-os assim como seus antecessores e, neste passo, prosseguiu adiante no caminho da 
apostasia, a ponto de o texto sagrado dizer que fez pior que seus antecessores (I Rs.16:25).
- Esta sua gana por popularidade e simpatia nada mais era que o desejo de se autoafirmar, de se mostrar como 
alguém bem sucedido, alguém que tinha alcançado o êxito sem qualquer necessidade de Deus. Por isso, o 
texto sagrado diz que o que Onri buscava eram “as suas vaidades” e isto irritou o Senhor (I Rs.16:26).
- Quando buscamos as coisas desta vida, quando a nossa satisfação está em sermos alguém neste mundo, em 
desfrutarmos daquilo que o mundo oferece (fama, posição social, poder, riquezas, prazer etc.), estamos atrás 
de “vaidades”, ou seja, de “coisas vazias”, que não podem preencher o interior do homem, pois o homem tem 
um vazio do tamanho de Deus, que somente o Senhor pode preencher.
- É triste vermos que muitos, na atualidade, estão a correr atrás das “vaidades”, causando a mesma indignação 
divina que Onri provocou em seus dias. Salomão também sofreu deste mal, mas, no final de sua vida, 
espiritualmente restaurado (cf. II Sm.7:13-16), deixou-nos o livro de Eclesiastes, onde mostra, com absoluta 1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 9
convicção, de que tudo o que há neste mundo é vaidade (Ec.1:2,14; 2:17;12:8). Temos tido esta consciência, 
amados irmãos?
- Esta vida despida de qualquer sentido sobrenatural, de total desprezo a Deus e às coisas espirituais 
caracteriza o que o profeta Miqueias vai denominar de “estatutos de Onri” (Mq.6:16), uma vida onde não 
há qualquer preocupação em se praticar a justiça, amar a beneficência e andar humildemente com Deus 
(Mq.6:8), mas uma vida permeada da impiedade, do engano, da mentira e da violência, onde o que importa é 
tão somente o desfrute e a posse das coisas desta vida.
- Depois de doze anos de reinado, Onri morreu e foi sucedido pelo seu filho Acabe (I Rs.16:28), “Acabe”, cujo 
nome significa “o filho do pai”, foi um fiel seguidor dos erros e dos desacertos de seu pai Onri.
- Com efeito, assim que ele é apresentado nas Escrituras, é dito que ele fez o que parecia mal aos olhos do 
Senhor, mais do que todos os que foram antes dele, ou seja, conseguiu superar o seu pai Onri no desagrado a 
Deus.
- Acabe, além de permanecer nos pecados de Jeroboão, chegou ao ápice da apostasia, pois, se seu pai já 
havia iniciado alianças com os povos em torno de Israel, comprometendo-se com eles, Acabe assumiu de vez a 
idolatria, até então um tanto quanto disfarçada, trazendo o culto a Baal para Israel.
- Acabe casou-se com Jezabel, filha de Etbaal, rei de Sidom, e, com este casamento, permitiu que se 
construísse um templo a Baal em Samaria, como também ele próprio levantou um altar a Baal, como 
também construiu um bosque para Baal, passando a servir a Baal e a participar de seu culto (I 
Rs.16:31,32).
- Assim, sessenta e dois anos depois de Jeroboão ter violado a lei de Moisés, determinando que o povo de 
Israel cultuasse a Deus de forma contrária à própria determinação divina, Acabe violava o primeiro 
mandamento, admitindo a adoração a outros deuses além do Senhor, passando a adorar a Baal e a servi-lo, 
apesar de ainda dizer que servia a Deus.
- A apostasia chegava ao seu ponto culminante, pois o povo de Israel passava a dizer que havia outros 
deuses além do Senhor e, seguindo o exemplo do seu rei, passava a servir também a Baal, a quem se construiu 
um templo, um altar e um bosque para adoração.
- Mais uma vez vemos a gradualidade da apostasia. O que se iniciou como um pequeno desvio espiritual, 
como uma “forma diferente” de se cultuar a Deus acabou redundando em uma explícita idolatria, em uma 
nítida rejeição da lei do Senhor, já que se violava o primeiro mandamento: “Não terás outros deuses diante de 
mim” (Ex.20:3; Dt.5:7).
- É precisamente o que temos visto na Igreja ao longo de sua história e, mais nitidamente, em nossos dias. 
Pequenas “inovações”, pequenas “considerações” são a porta de entrada para que, anos depois, tenhamos a 
mais explícita rejeição e negação da sã doutrina, do Evangelho, da Palavra de Deus. Por acaso, não é o que 
vemos em diversos segmentos da Cristandade, que estão imersos na idolatria e em uma vida que nega 
completamente o que diz a Bíblia Sagrada?
- No entanto, também entre os que se dizem cristãos autênticos, que dizem ter a Bíblia como única regra de fé 
e prática, estamos a observar o mesmo fenômeno. As “inovações”, as “modernidades” estão a construir novos 
movimentos de apostasia, onde já se nota a presença de muitos “Baais” a assolar o povo de Deus. Voltemos às 
Escrituras, voltemos à simplicidade que há em Cristo Jesus, para que não venhamos a ser enganados como foi 
o povo de Israel nos dias de Acabe (II Co.11:3,4).
- Acabe casou-se com Jezabel dentro da mesma linha adotada por seu pai Onri, ou seja, de fazer aliança com 
os povos em volta de si. Etbaal, diz a história, era um próspero rei, que havia conseguido submeter Tiro a 1º Trimestre de 2013 – Elias e Eliseu – um ministério de poder para a Igreja
Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco 
do Brasil Ag. 0300-X  C/c 35.720-0 Página 10
Sidom e, deste modo, controlava todo o comércio marítimo da época. Sob o ponto-de-vista político e 
econômico, a aliança firmada por Acabe era sobremodo vantajosa para Israel.
- Todavia, um tal raciocínio só seria possível dentro de uma mentalidade de total desprezo à Palavra de Deus, 
como era exatamente o caso. A aliança prevista por Acabe foi de total comprometimento com os sidônios, a 
ponto de se permitir que se construísse uma casa a Baal em Samaria.
- Como se não bastasse isso, Acabe, deslumbrado com a prosperidade material dos sidônios, e levando em 
conta que Baal era tido como o deus da fertilidade, o deus da prosperidade, acabou por servir a Baal, passando 
a adorá-lo, tendo levantando um altar a ele no templo que fora construído em Samaria, como também um 
bosque, onde também ele seria adorado, como era costume naquele tempo.
- Acabe não só permitiu que o culto a Baal fosse realizado na própria capital de Israel, como passou a 
participar ativamente dele, institucionalizando a idolatria e fazendo com que Israel passasse a ter mais de uma 
divindade oficialmente.
- Israel, assim, rejeitava solenemente tudo quanto lhe havia sido dado por Deus através de Moisés, fazia de 
Deus apenas uma divindade a mais, e divindade secundária, já que, na capital do reino o que havia era o 
templo a Baal e o próprio rei era o primeiro a adorar a Baal.
- Nos dias em que vivemos, não tem sido diferente. Muitos já construíram seus altares a Baal e têm se 
encurvado a Baal, como consequência desta vida de busca das coisas terrenas, como resultado de uma 
convivência comprometedora com o mundo e com o pecado, como efeito deste deslumbramento com a 
aparente prosperidade e sucesso vivido por aqueles que não servem a Deus.- Assim como Acabe, constroem 
uma vida em que o mundo, o pecado e Baal estão bem mais perto e acessíveis do que as coisas de Deus. 
Quantos, na atualidade, por exemplo, não estão a preferir a passar muito tempo vendo o que não convém nos 
meios de comunicação de massa ou na internet em vez de cultuar a Deus nas igrejas locais ou, mesmo, cultar a 
Deus em seus lares? São pessoas que puseram as coisas espirituais em segundo plano e preferem “estar na 
moda”, “viver como as demais nações”. Qual é a nossa situação?- Acabe era, efetivamente, “o filho do pai”, 
alguém que não queria abrir mão da “vã maneira de viver que, por tradição, havia recebido de seu pai” (cf. I 
Pe.1:18), evitando romper com o pecado e com o mundo. No entanto, quem quiser servir a Deus deve ter uma 
conduta completamente oposta, pois não poderemos jamais servir ao Senhor se não nos separarmos do pecado 
e do mundo, pois temos de ser santos como é santo Aquele que nos chamou (I Pe.1:15,16).
- O povo de Israel, que, como vimos, já estava tão distante de Deus quanto o seu rei, logo se apressou em 
seguir os passos de Acabe e, deste modo, também passou a servir a Baal, como também a outros deuses, 
como Asera, a “deusa-mãe”, que, na mitologia, era avó ou mãe de Baal, num culto que tinha tanto progresso 
que, em pouco tempo, havia 450 profetas de Baal e 400 profetas de Asera (I Rs.18:19), fora os sacerdotes que 
serviam no templo e no bosque.
- A situação de indiferença com relação ao Senhor e à Sua Palavra era tanta que foi nestes dias que Jericó, a 
“cidade maldita”, foi reconstruída, apesar da palavra de Deus através de Josué de que a reconstrução de Jericó 
causaria maldição a começar do que a edificasse. No entanto, dentro de um clima espiritual de total desprezo 
ao que era dito por Deus, não é surpresa que tenha sido justo nos dias de Acabe que Hiel, o betelita, tenha 
reedificado Jericó e sofrido as consequências de seu gesto, com a morte de seus dois filhos (I Rs.16:34).
- Tudo isto ocorria em Israel, que não era nem sombra do reino sacerdotal e povo santo que Deus havia 
querido que ele fosse quando do pacto no Sinai (Ex.19:5,6). O povo servia a Baal e a Asera  e não dava a 
mínima importância à lei de Moisés. Teria Deus desistido de Seu povo? Teria o mal triunfado? Não, não e 
não! Deus iria agir e, para tanto, levantaria um grande profeta, o maior que já havia surgido desde Moisés. É o 
que vamos ver na próxima lição.
Colaboração para o portal Escola Dominical - Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco
fonte http://www.portalebd.org.br

LIÇÃO 05 - A INSTITUIÇÃO DA MONARQUIA EM ISRAEL / SUBSÍDIOS / CLASSE ADULTOS

Apresentado pelo Comentarista das Revistas Lições Bíblicas Adultos da CPAD, pastor Osiel Gomes