SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

03 dezembro 2015

Lição 10 - A origem da diversidade cultural da humanidade V




Após o dilúvio, os descendentes dos filhos de Noé, liderados por um homem chamado Ninrode, se uniram para a construção de uma grande e imponente torre, num lugar chamado Babel, posteriormente chamado Babilônia. Suas motivações com este projeto eram extremamente corrompidas, o que levou Deus a intervir na situação confundindo as línguas para que os homens não se entendessem e assim deixassem de levar adiante este projeto corrupto.
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
ADULTOS - O COMEÇO DE TODAS AS COISAS - Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA: CLAUDIONOR CORREA DE ANDRADE
COMENTÁRIO: SUPERINTENDÊNCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM RECIFE/PE


LIÇÃO 10 - A ORIGEM DA DIVERSIDADE CULTURAL DA HUMANIDADE
Texto: (Gn 11.1-9)

INTRODUÇÃO
Após o dilúvio, os descendentes dos filhos de Noé, liderados por um homem chamado Ninrode, se uniram para a construção de uma grande e imponente torre, num lugar chamado Babel, posteriormente chamado Babilônia. Suas motivações com este projeto eram extremamente corrompidas, o que levou Deus a intervir na situação confundindo as línguas para que os homens não se entendessem e assim deixassem de levar adiante este projeto corrupto.

I – A ORIGEM DA DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL
1.1 Diversidade linguística (Gn 11.9). Quando Deus fez o homem, já o fez apto para falar (Gn 2.19-23). A Bíblia acrescenta que até o evento da Torre de Babel, todos os homens falavam a mesma língua (Gn 11.1). Todavia, para embargar aquele projeto orgulhoso, Deus confundiu as línguas, dando origem a outros idiomas. A partir disso “é impossível dizer quantas línguas os homens já falaram, desde que o fenômeno veio à existência. Muitos milhares de idiomas têm sido usados, têm evoluído e têm desaparecido. Até mesmo quanto à atualidade, é difícil dizer-se exatamente quantas línguas são faladas no mundo” (CHAMPLIN, 2004, p. 828).
1.2 Diversidade cultural (Gn 10.5,32). A palavra “cultura” significa: “o conjunto de comportamentos e ideias característicos de um povo, que se transmite de uma geração a outra e que resulta da socialização e aculturação verificadas no decorrer de sua história (BURNS, 1995, p. 15). Foi a partir da linguagem diferente e por conseguinte da dispersão que os povos começaram a criar seu próprio modo de vida distinto. Logo, a cultura até certo ponto não é nociva, desde que não venha a ferir os princípios da Palavra de Deus.

II - OS DESCENDENTES DOS FILHOS DE NOÉ
É importante destacar que nem todas as nações conhecidas do AT estão arroladas em Gênesis 10, mas constam do rol em número suficiente para firmar o ponto de que a humanidade é uma só, com toda a sua diversidade, sob o único Criador (At 17.26). Abaixo destacaremos informações sobre os descendentes de Sem, Cam e Jafé, filhos de Noé, segundo o Comentário Bíblico Africano (2010, p. 27):
2.1 Os descendentes de Sem (semitas) (Gn 10.2-5). Os descendentes de Sem são relacionados até a sexta geração (seus pentanetos). Aqui, a declaração geral é de que “são estes entre os filhos de Sem, segundo as suas famílias, segundo as suas línguas, em suas terras, em suas nações” (Gn 10.31; I Cr 1.17-27). O número maior de gerações abrangidas reflete o interesse do autor. No início da genealogia, diz-se que Sem “foi pai de todos os filhos de Héber” (Gn 10.21). É possível que tenha sido destacado pelo fato de algumas pessoas costumarem explicar a designação “hebreu” como sendo proveniente de “Héber”. A linhagem de Sem culmina com Abraão (Gn 11.17-27), em quem se origina a semente que será o canal de benção universal que é Cristo Jesus (Gn 12.3; Gl 3.18). Em Atos, vemos Lucas registrar a salvação de um descendente de Cam: o Eunuco (At 8.1); de Sem: Saulo (At 9); e de Jafé: Cornélio (At 10). O apóstolo João vislumbra no céu, homens que foram comprados pelo sangue de Jesus, de todas as tribos, línguas e nações (Ap 5.9-10).
2.2 Os descendentes de Cam (canitas) (Gn 10.6-20). A linhagem de Cam é relacionada até a quarta geração (seus bisnetos). De acordo com a declaração geral desta passagem, são “estes os filhos de Cam, segundo suas famílias, segundo as suas línguas, em suas terras, e em suas nações” (Gn 10.20; I Cr 1.8-16). Costuma-se associar os filhos de Cam — Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã — aos etíopes, egípcios, líbios e cananeus, respectivamente. Três descendentes de Cam recebem atenção especial: Ninrode “poderoso caçador” (Gn 10.8); Mizraim “de onde vieram os filisteus” (Gn 10.13-14); e, Canaã que tornou-se o antepassado das tribos relacionadas em (Gn 10.15-18). O território ocupado por elas é a mesma terra prometida posteriormente a Abraão e seus descendentes (Gn 10.19; Êx 3.8,17; 13.5; Dt 7.1).
2.3 Os descendentes de Jafé (jafetitas) (Gn 10.21-31). A linhagem de Jafé é relacionada até a terceira geração (seus netos). O autor faz, então, uma declaração geral de que “estes repartiram entre si as ilhas das nações nas suas terras, cada qual segundo a sua língua” (Gn 10.5; I Cr 1.3-7). Estudos que procuram relacionar os nomes dos filhos e netos de Jafé com dados históricos posteriores sugerem que talvez ele seja o antepassado dos povos indo-europeus.

III – NINRODE O MENTOR DA REBELIÃO CONTRA DEUS
3.1 A família de Ninrode (Gn 10.8). De acordo com o texto bíblico, Ninrode é filho de Cuxe, filho de Cam. “Embora seu nome não aparece na lista dos filhos de Cuxe em Gênesis 10.7. Ao que parece, neste caso o verbo “gerar” não define Cuxe como seu pai, mas sim como seu antepassado” (ADEYEMO, 2010, p. 27 – acréscimo nosso).
3.2 O caráter de Ninrode (Gn 10.8,9). “A Bíblia fornece-nos algum relato relativo a Ninrode. Mas o significado do seu nome, “rebelde” parece fazer dele uma espécie de anti-herói indesejável. Ele era o tipo de rei que Deus jamais aprovaria. Em Gênesis 10.8,9, Ninrode é chamado “gibbor”, que significa “guerreiro” (CHAMPLIN, 2005, p. 508). Ninrode destaca-se na antiguidade como o primeiro “dos grandes homens que há na terra”, rememorado por duas coisas que o mundo admira: bravura pessoal e poder político. 
3.3 O reino de Ninrode (Gn 10.10). “A conexão entre Ninrode e a torre de Babel é evidente pela prioridade cronológica de Gênesis 11 a Gênesis 10 e pelo fato de que um dos centros do reino de Ninrode era a Babilônia (ou seja, Babel). Muito provavelmente o próprio Ninrode era um dos construtores da torre” (ZUCK, 2009, p. 38). Flávio Josefo, judeu, historiador do primeiro século, relatou a participação direta dos homens liderados por Ninrode na construção da Torre em Babel: “Ninrode, neto de Cam, um dos filhos de Noé, foi quem levou os homens a desprezar a Deus. Ao mesmo tempo valente e corajoso, persuadiu-os de que deviam unicamente ao seu próprio valor, e não a Deus, toda a sua boa fortuna. E, como aspirava ao governo e queria que o escolhessem como chefe, abandonando a Deus, ofereceu-se para protegê-los contra Ele, construindo uma torre para esse fim, tão alta que não somente as águas não poderiam chegar-lhe ao cimo como ainda ele vingaria a morte de seus antepassados” (JOSEFO, 2004, p. 28 – acréscimo nosso).

IV – O PROJETO DA TORRE DE BABEL
4.1 A construção da torre (Gn 11.3,4). Os homens estavam unidos entre si, mas essa unidade conferiu-lhes a coragem e a ambição de fazer coisas proibidas. Utilizando-se de tijolos e do betume como argamassa, eles deram início a construção de uma imponente torre. “A 'torre' que construíram em Babel era uma estrutura conhecida como 'zigurate'. Arqueólogos já escavaram várias dessas estruturas enormes construídas principalmente para fins religiosos. Um zigurate era como uma pirâmide, exceto pelo fato de que cada nível acima era menor, criando uma sucessão de “degraus” que permitiam subir até o topo” (WIERSBE, 2010, p. 77).
4.2 Os propósitos da construção (Gn 11.4). Segundo Matthew Henry (2010, p. 71), foram três os motivos da construção da Torre de Babel: (a) Ela parece destinar-se a uma afronta ao próprio Deus (Gn 11.4-a). Pois eles desejavam construir uma torre cujo cume tocasse nos céus, o que evidencia um desafio a Deus, ou pelo menos, uma rivalidade com Ele. Eles desejavam ser como o Altíssimo, ou pelo menos, aproximar-se dele o mais que pudessem, não em santidade, mas em altura; (b) Eles esperavam, com isto, fazer um nome para si (Gn 11.4-b). Eles desejavam fazer alguma coisa para que se falasse deles agora e para dar a conhecer à posteridade que havia existido homens assim no mundo. Em lugar de morrer sem deixar algo que os recordasse, eles desejavam deixar este monumento do seu orgulho, e ambição, e tolice; e, (c) Eles fizeram isto para impedir a sua dispersão (Gn 11.4-c). Para que pudessem estar unidos em um império glorioso, eles decidem construir esta cidade e esta torre, para que fossem a metrópole do seu reino, e o centro da sua unidade.

V – A ATITUDE DIVINA ANTE A CONSTRUÇÃO DA TORRE
5.1 Deus desceu (Gn 11.5,7a). “O Deus do céu jamais fica perplexo nem paralisado com aquilo que as pessoas fazem aqui na Terra. A arrogante exclamação de Babel 'Subamos!' foi respondida com tranquilidade pelo céu: 'Desçamos!'. É claro que Deus não precisa realizar uma investigação para saber o que está acontecendo em seu Universo; a linguagem usada serve apenas para dramatizar a intervenção divina” (WIERSBE, 2010, p. 78 – negrito nosso).
5.2 Deus confundiu (Gn 11.7-b). A Bíblia diz que Deus desceu para embargar o projeto da construção dessa Torre, confundindo-lhes a língua ao ponto de não se entenderem para não levar adiante aquele projeto. “A palavra Babel (Babilônia) dava-se a si própria o nome de “Bab-ili”, “portal de Deus”. Mas, mediante um jogo de palavras, a Escritura sobrepõe o rótulo mais verdadeiro, “bãlal” que significa “ele confundiu”. Na Bíblia, esta cidade veio a simbolizar crescentemente a sociedade ateísta, com suas pretensões (Gn 11), perseguições (Dn 3), prazeres, pecados e superstições (Is 47.8-13), suas riquezas e sua eventual ruína (Ap 17,18)” (KIDNER, 2001, p. 103). Aprendemos com isso que, todo e qualquer projeto a ser realizado alienado de Deus mais cedo ou mais tarde sucumbirá (Sl 127.1-3; Mt 7.24-27).
5.3 Deus espalhou (Gn 11.8). Aquilo que o povo havia temido lhes sobreveio devido a seus atos quando Deus “os dispersou dali pela superfície da terra” (Gn 11.8). Impossibilitados de se comunicar de forma apropriada, os trabalhadores tiveram de interromper a construção da torre. “Não sabemos o que Deus fez com a Torre, uma tradição judaica diz que o fogo desceu do céu a consumiu até os alicerces. Outra tradição afirma que ela foi derrubada pela força do vento” (PFEIFFER, 2007, p. 249).

CONCLUSÃO 
Sempre que o homem age por arrogância desconsiderando o senhorio de Deus sobre todas as coisas, ele experimenta a punição e o juízo do Senhor. Esta é a principal lição que podemos extrair do episódio da torre de Babel.

REFERÊNCIAS
ADEYEMO, Tokunboh. Comentário Bíblico Africano. MUNDO CRISTÃO.
BURNS, Bárbara. Costumes e Culturas: uma introdução à antropologia missionária. VIDA NOVA.
CHAMPLIN, R. N. O Antigo Testamento Interpretado – Gênesis a Números. HAGNOS.
JOSEFO, Flavio. História dos Hebreus. CPAD.
KIDNER, Derek. Gênesis: introdução e comentário. CULTURA BÍBLICA.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
PFEIFFER, Charles F. et al. Dicionário Bíblico Wyclliffe. CPAD.
ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. CPAD.

Para fazer download do texto em PDF CLIQUE AQUI
Fonte: http://www.ieadpe.org.br/index.php/departamentos/escola-dominical/1017-esboco-da-licao-10-a-origem-da-diversidade-cultural-da-humanidade-4-trimestre-de-2015 Acesso em 01 dez. 2015.

http://www.portalebd.org.br/i