SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

19 dezembro 2015

Lição 12 - Isaque, o sorriso de uma promessa V



Veremos nesta lição, a definição da palavra “promessa” e pontuaremos a diferença entre a promessa incondicional e a condicional. Estudaremos sobre a Aliança que Deus fez com o patriarca Abraão prometendo-lhe um filho em sua velhice.
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
ADULTOS - O COMEÇO DE TODAS AS COISAS - Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA: CLAUDIONOR CORREA DE ANDRADE
COMENTÁRIO: SUPERINTENDÊNCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM RECIFE/PE


LIÇÃO 12 – ISAQUE, O SORRISO DE UMA PROMESSA 
(Gn 21.1-8)

INTRODUÇÃO
Veremos nesta lição, a definição da palavra “promessa” e pontuaremos a diferença entre a promessa incondicional e a condicional. Estudaremos sobre a Aliança que Deus fez com o patriarca Abraão prometendo-lhe um filho em sua velhice.
Veremos Isaque e Ismael como um tipo da natureza espiritual e carnal e concluiremos analisando a tipologia que existe entre o “filho unigênito” de Abraão e o “filho unigênito” de Deus.

I – DEFINIÇÃO DE PROMESSA
A palavra promessa deriva do latim “promittere” que significa: “obrigar-se verbalmente ou por escrito a fazer ou dar alguma coisa; comprometer-se; dar esperanças ou probabilidades; fazer promessa” (FERREIRA, 2004, p. 1640). Já no grego é a palavra “epangelia” que significa: “empreendimento para fazer ou dar algo, presente dado graciosamente” (VINE, 2002, p. 905). No contexto desta lição trata-se da promessa de Deus ao patriarca Abraão em lhe dar um um filho com Sara.

II – DIFERENÇA ENTRE AS PROMESSAS CONDICIONAIS E INCONDICIONAIS
O Senhor prova a sua soberania ao ser fiel no cumprimento de suas promessas (Dt 7.9). Ele é absolutamente digno de confiança, pois suas promessas são infalíveis, portanto, o seu povo pode descansar nele. A fidedignidade de Deus é absoluta por causa daquilo que Ele é (Dt 32.4; Sl 89.8; 1Ts 5.23,24; Hb 10.23). Quando Deus faz uma aliança com alguém, a sua promessa é um selo e garantia suficiente de sua imutável natureza e propósitos (Hb 6.17; 10.23). No entanto, precisamos entender que existem promessas condicionais e incondicionais. As promessas condicionais são aquelas que o seu cumprimento depende da participação humana, e que estão baseadas em determinadas condições ou pré-requisitos estabelecidos por Deus. As promessas condicionais, geralmente, aparecem na Bíblia com a conjunção “se” (Êx 19.5; 2Cr 7.14; Dt 28.1,2; Rm 10.9). As promessas incondicionais são aquelas que independem da participação humana, ou seja, que dependem unicamente da soberania de Deus para a sua realização (1Ts 4.17; Hb 9.28; 1Co 15; 1Ts 4.16; Jo 3.16,36; 1Jo 2.25).

III – ABRAÃO, ISAQUE E A PROMESSA
O Senhor recompensou grandemente a fé que Abraão demonstrou durante os vinte e cinco anos de sua peregrinação a Canaã. Também interveio milagrosamente para dar-lhe um filho. Deus escolheu o nome específico: Isaque “ele riu” (Gn 17.15-19), em alusão aos risos de incredulidade de Abraão (Gn 17.17) e de Sara (Gn 18.12,15) e da alegria posterior pelo nascimento de Isaque (Gn 21.6-7). Deus determinou a época exata: “na primavera” (Gn 18.10-15; 21.1-3) do cumprimento desta promessa. Vejamos:
3.1 O nascimento de Isaque mostra que Deus é fiel nas suas promessas. Durante muitos anos Sara havia carregado consigo um fardo extremamente pesado, pois, naquela cultura e época, era o da esterilidade. As pessoas deviam sorrir quando ouviam que o nome de seu marido era Abraão que significa: "pai de uma grande multidão", pois Deus já havia lhe feito uma promessa há 25 anos e até aquele momento era pai de apenas um filho, Ismael (Gn 12.4; 21.5) e Sara jamais havia dado à luz. Mas, agora, toda a sua vergonha havia se extinguido, e Abraão e Sara estavam se regozijando com a chegada de seu filho, Isaque do hebraico “riso; ele riu” (Gn 21.6), nome esse dado pelo próprio Deus (Gn 17.19). O nascimento de Isaque envolvia muito mais do que a alegria dos pais, pois significava o cumprimento da promessa de Deus (Gn 12.2, 13.16; 15.4; 17.1-7; 21.1,2). O nascimento deste filho lembra que, a seu modo e a seu tempo (Gn 18.10, 14; 21.1), Deus sempre cumpre suas promessas (Hb 11.8-11) (WIERSBE, 2010, p. 128).
3.2 O nascimento de Isaque mostra que há recompensa pela paciência. Abraão e Sara tiveram de esperar vinte e cinco anos pelo nascimento do filho, pois, "pela fé e pela longanimidade, [herdamos] as promessas" (Hb 6.12; 10.36). Confiar nas promessas de Deus não apenas nos propicia uma bênção no final, mas também nos concede uma bênção enquanto esperamos. A fé é uma jornada, e cada destino feliz é o início de uma nova caminhada. Quando Deus deseja desenvolver nossa paciência, ele nos dá promessas, nos manda provações e nos diz para confiar nele (Tg 1.1-8).
3.3 O nascimento de Isaque mostra a revelação do poder de Deus. Esse foi um dos motivos pelos quais Deus deu tanto tempo. Ele queria que Abraão e Sara estivessem "amortecidos" (sem forças) para que o nascimento de seu filho fosse um milagre de Deus e não algum tipo de maravilha da natureza humana (Rm 4.17-21). Abraão e Sara experimentaram o poder de ressurreição de Deus em sua vida, pois se entregaram a ele e creram em sua Palavra. A fé nas promessas de Deus libera o poder divino (Ef 3.20, 21). Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas (Gn 18.14; Lc 1.37).
3.4 O nascimento de Isaque mostra o plano de Deus para redenção do mundo. A futura redenção de um mundo perdido encontrava-se no nascimento de Isaque, que geraria Jacó; Jacó daria ao mundo as doze tribos de Israel; e de Israel nasceria o Messias prometido (Gn 12.1-4; Mt 1,2; Lc 3.34). Deus cumpre suas promessas não importa quanto tempo demore (WIERSBE, 2010, p. 128).

IV – ISAQUE E ISMAEL - UM TIPO DA NATUREZA ESPIRITUAL E CARNAL
A vida de Abraão é uma história da dádiva da aliança numa série de seis encontros com o patriarca e Deus. Vejamos:
1º) Deus estabeleceu a aliança (Gn 12.1-3); 2º) Deus confirmou a aliança (Gn 12.7); 3º) Deus ampliou a aliança (Gn 13.14-17); 4º) Deus ratificou a aliança (Gn 15.8-18); 5º) Deus simbolizou a aliança (Gn 17.10); e 6º) Deus acrescentou o juramento da aliança (Gn 22.16-18). Apesar de parcialmente cumprida esta promessa na história de Israel, e espiritualmente na primeira vinda de Cristo, o cumprimento absoluto de todos os seus elementos aguarda a segunda vinda do Senhor, que é o “descendente” de Abraão (Gl 3.16). Analisemos os símbolos desta aliança:
4.1 Isaque e Ismael como símbolos da natureza carnal e espiritual. Em Gálatas 4.28, 29, Paulo deixa claro que Ismael representa o primeiro nascimento do cristão (a carne) e que Isaque representa o novo nascimento (o Espírito). Ismael foi "nascido da carne", pois Abraão ainda não estava "amortecido" e ainda podia gerar filhos. Isaque foi "nascido do Espírito", pois, quando foi concebido, seus pais estavam "amortecidos", e só o poder de Deus seria capaz de concretizar sua concepção e nascimento. Isaque não nasceu pelo poder da providência comum, mas pelo poder de uma promessa especial.
4.2 Isaque e Ismael como símbolos da natureza carnal vindo antes da espiritual (1Co 15.46). Quando se crê em Jesus Cristo, passa-se por um nascimento miraculoso que vem de Deus (Jo 1.11-13; 3.1-8). Abraão representa a fé e Sara representa a graça (Gl 4.24-26), de modo que Isaque nasceu "pela graça […] mediante a fé" (Ef 2.8, 9). Essa e a única maneira de um pecador entrar para a família de Deus (Jo 3.16-18). Ao que parece, Ismael era um filho obediente até que Isaque entrou na família. Então, a "carne" começou a opor-se ao "Espírito" (WIERSBE, 2010, p. 129).
4.3 Isaque e Ismael como símbolos da natureza livre e da natureza escrava (Gl 4.22). A liberdade é um dos principais temas de Gálatas (5.1) e uma das maiores bênçãos da vida cristã (Gl 4.31). É claro que a liberdade cristã não é sinônimo de anarquia, uma vez que esse é o pior tipo de escravidão. A lição é, simplesmente, que os filhos de Deus devem viver sob as bênçãos da liberdade da graça e não sob a escravidão da Lei. Agar deu à luz um escravo, e quando se decide viver sob a Lei,
torna-se filho de Agar, um escravo, pois ela gera escravidão e não liberdade (WIERSBE, 2010, p. 131).
4.4 Isaque e Ismael como símbolos da escolha de Deus. Assim como aconteceu com de Ismael (Gn 16.11), o nome de Isaque foi dado pelo próprio Deus (Gn 17.19). É importante observar que, no registro bíblico, em várias ocasiões, Deus rejeitou o primogênito e aceitou aquele que nasceu depois. Rejeitou Caim e escolheu Abel (Gn 4.1-15); Ismael, o primogênito de Abraão, e escolheu Isaque (Gn 21.1-21). Deixou de lado Esaú, o primogênito de Isaque, e escolheu Jacó (Rm 9.8-13). Escolheu também Efraim em vez de Manassés (Gn 48.16-20) (WIERSBE, 2010, p. 129).
4.5 Isaque como símbolo que Deus cumpre as promessas que faz. Os quatro elementos da promessa feita a Abraão (Gn 12.1-3) começam a cumprir-se em Isaque: 1º) A terra – Isaque permanece em Canaã após a morte de seu pai aprofundando ali as raízes familiares em obediência a Deus; 2º) A descendência – Isaque continua a linhagem através de Jacó, após o qual a multiplicação de descendentes acelerou; 3º) A relação especial com Deus – Isaque foi temente a Deus e por ele grandemente abençoado; 4º) A bênção às nações – Isaque durante o tempo que viveu em Gerar surgiram pequenos sinais de bênção para as nações. Enfim, embora não tão proeminente quanto seu pai Abraão ou seu filho Jacó na narrativa de Gênesis, Isaque foi um elo fundamental no desenvolvimento da nação de Israel e no cumprimento da aliança de Deus com Abraão e seus descendentes.

V- ABRAÃO, ISAQUE E CRISTO
No AT são poucos os que vieram ao mundo com tantas expectativas como Isaque. Nesse aspecto ele foi um modelo de Cristo, a “semente” que o Santo Deus prometera há muito tempo. Essa promessa é chamada de “aliança abraâmica”, e é o fundamento de todo o futuro programa divino para a humanidade. Deus prometeu a Abraão que traria bênçãos pessoais, nacionais, territoriais e espirituais através da sua “semente” que começou com Isaque e tem seu pleno comprimento na pessoa de Cristo (Gl 3.7-9, 16; At 3.25). Isaque é um tipo de Cristo em sua morte, pois, como ele carregou em seus ombros a lenha para o holocausto até o Monte Moriá; Cristo carregou a sua cruz ao Calvário, local próximo a Moriá. Orígenes comentou que levar a lenha para o holocausto era dever do sacerdote. Portanto Isaque foi ao mesmo tempo vítima e sacerdote, prefigurando o trabalho de Cristo na cruz. Embora Abraão tenha tido um filho com a serva Agar (Ismael), encontramos em Gn 22.15-16 uma alusão a “um único filho”, assim como, também, o autor do livro de Hebreus se refere a Isaque como o “filho unigênito”, que significa único filho gerado por seus pais (Hb 11.17). Da mesma forma, Cristo é chamado de “filho unigênito” de Deus (Jo 3.16; 1Jo 4.9) (ELLISEN, 1993, p. 23).

CONCLUSÃO
As Escrituras descrevem centenas de promessas divinas, algumas já se cumpriram no passado, outras estão se cumprindo nos dias atuais, e outras, hão de se cumprir no futuro. Em se tratando das promessas divinas, podemos confiar em sua veracidade, pois Deus, não promete com falsidade, nem promete qualquer coisa que não possa cumprir (Is 55.11). Deus é fiel para cumprir suas promessas (Hb 10.23); Ele nunca se esquece de suas promessas (Sl 105.42; Lc 1.54,55); Suas promessas não hão de falhar (Js 23.14; Is 40.8) e elas se cumprem no devido tempo (Jr 33.14; At 7.7; Gl 4.4).

REFERÊNCIAS
 CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
 KELLY, J.N.D. Introdução e Comentário. MUNDO CRISTÃO.
 ELLISEN, Stanley A. Conheça Melhor o Antigo Testamento. VIDA


Fonte: http://portal.rbc1.com.br/licoes-biblicas/index/cod/411 Acesso em 15 dez. 2015.http://www.portalebd.org.br/index.php/adultos/14-adultos-liccoes/706-licao-12-isaque-o-sorriso-de-uma-promessa-v