SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

31 maio 2016

Tentação não é o mesmo que pecado



Esta é uma daquelas coisas que sabemos ser verdade em um nível intelectual, mas esquecemos facilmente em nossa experiência pessoal. Esta verdade é evidente a partir das Escrituras. Na Oração do Senhor, somos ensinados a orar “perdoa-nos as nossas dívidas” e “não nos deixeis cair em tentação” (Mt 6.12–13). Dívidas e transgressões exigem perdão; tentação exige libertação. Elas não são a mesma coisa. Só porque você está lutando com a tentação não significa que você está atolado em pecado. A progressão espiritual no coração do homem vai do desejo, à tentação do pecado para a morte (Tiago 1.14–15).
Somos instruídos a fugir da tentação, não porque já pecamos,​​mas porque no meio da tentação é que desesperadamente nos sentimos como nós queremos. Se ser tentado fosse em si uma marca da maldade, não poderíamos confessar que Jesus Cristo “em todos os aspectos foi tentado como nós somos, mas sem pecado” (Hb 4:15). É possível experimentar profundas tentações para o pecado, e continuar sendo inocente do pecado.

Por que essa distinção importa? Por, pelo menos, duas razões.
Em primeiro lugar, muitos cristãos passam pela vida com um peso de culpa e vergonha pelas tentações que parecem ser pecado, mas elas mesmas não são pecaminosas. Pegue a luxúria, por exemplo. Um homem viciado em pornografia está pecando. Um homem fantasiando sobre a aparência de uma mulher está cometendo luxúria em seu coração. Mas e um homem que percebe que uma mulher é atraente e, em seguida, hesita olhar mais e pensar mais profundamente sobre o que acabou de ver? Essa é provavelmente uma tentação e não um pecado. Pense em Davi e Bate-Seba. Supondo que ele estava no telhado cuidando de sua vida, não era errado Davi achar a mulher atraente. O problema foi que ele, em seguida, indagou a respeito dela. Este desejo cedendo à tentação, é o caminho para o pecado e a morte.
Por uma série de razões, devido ao mundo, a carne e o diabo, nós somos, como seres humanos, tentados. Somos tentados a nos vingar quando alguém nos magoa. Somos tentados guardar rancor quando alguém nos decepciona. Somos tentados a ficar com raiva e impaciência quando nossos filhos não conseguem se comportar direito. Somos tentados muitas vezes por dia, todos os dias. Se confundirmos a contemplação do pecado e a atratividade do pecado com o próprio pecado, vamos sentir uma culpa que não fomos feitos para sentir e perder a compaixão de Jesus que devemos experimentar (Hb 2.18).
Em segundo lugar, é importante manter a distinção entre tentação e pecado para não desistir do combate da fé muito rapidamente. Por que encarar tentações como pecado? E se Davi visse Bate-Seba com o canto do olho, percebesse que ela era bonita, tivesse um pensamento rápido de que ele poderia obter ela para si, mas, em seguida, pedisse a Deus para livrá-lo da tentação? O que ele precisava não era chafurdar nas profundezas do desespero sobre o seu coração concupiscente, mas de um posicionamento forte contra a tentação muito humana que estava lhe atacando.
De qualquer jeito, sejamos rápidos em arrepender-se quando pecamos em pensamento, palavra ou ação. Peçamos a Deus que nos perdoe as nossas dívidas reais. Vamos também orar com mais frequência e fervor “não nos deixeis cair em tentação e livrai-nos do mal.” O pecado e a tentação não são idênticos, mas ambos são ameaças para o cristão.
Fonte: Cedido por André Nascimento Freitas no Reforma21

CPAD ADULTO 3º Trimestre de 2017 Lição 9 A necessidade de termos uma vida santa

  Texto Áureo “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver.” – I Pedro 1.15 ...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AS 10 MAIS VISITADAS