SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

20 agosto 2016

Estudante que acusou Feliciano de estupro pode ter prisão preventiva decreteda


Patrícia Lélis acusa Marco Feliciano de estupro e sequestro, mas agora está investigada por extorsão. (Imagem: Revolta Brasil)


Patrícia Lélis está sendo investigada por denunciação caluniosa, extorsão e por ter pedido que o assessor de Marco Feliciano matasse um homem. Talma Bauer negou o pedido.

A Polícia Civil de São Paulo indiciou a jornalista e estudante de Direito, Patrícia Lélis por denunciação caluniosa e extorsão. A jovem acusou anteriormente o deputado pastor Marco Feliciano (PSC - SP) de estupro e até mesmo sequestro. As informações foram confirmadas pelo delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 3º Distrito Policial (DP), Santa Ifigênia, em SP.

A divulgação recente de imagens das câmeras de segurança do Hotel San Rafael, no Largo do Arouche, no Centro de São Paulo, mostra Patrícia e Talma Bauer - assessor parlamentar de Feliciano e a quem ela acusa de ter executado o 'sequestro' - conversando normalmente, na área da recepção.

Agora, a investigação mira Patrícia, devido a essa e outras provas, que contestam a acusação da moça contra o parlamentar. Segundo Patrícia, a ação de Bauer ocorreu após ela divulgar que o deputado Marco Feliciano tentou estrupá-la em Brasília.

A Polícia Civil de São Paulo afirmou que, além da suspeita de denunciação caluniosa e extorsão, Patrícia também está sendo investigada por causa de uma gravação, obtida pela polícia, na qual ela teria ordenando que Bauer matasse um amigo dela. O assessor, que também é chefe de gabinete de Feliciano, foi policial civil e hoje está aposentado. Ele teria se recusado a obedecer a estudante.

As investigações correm desde que Patrícia fez uma uma denúncia formal. No dia 5 de agosto, a jornalista registrou um boletim de ocorrência na delegacia contra Bauer. O assessor chegou a ser detido, mas foi liberado após prestar depoimento.

Caso sejam somadas, as penas dos crimes de denunciação caluniosa e extorsão podem chegar a 20 anos de prisão. A defesa de Lélis contestou o indiciamento, afirmando que a medida foi precipitada.

Ao lado da esposa, Marco Felciano gravou um vídeo no qual afirma que Patrícia Lélis está espalhando boatos. (Imagem: Youtube)

Segundo o delegado Luiz Roberto Hellmeister, Bauer admitiu em depoimento que chegou a pagar R$ 20 mil a um amigo de Patrícia, para que, em troca, ela deixasse de acusar o deputado da tentativa de estupro em Brasília. Mas o 3º DP ainda apura a suspeita de que a jornalista teria cobrado R$ 300 mil para não fazer a denúncia.

Em nota oficial, o deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) disse na última quinta-feira (18) que o indiciamento da estudante Patrícia Lélis pela polícia civil de estado de São Paulo, reafirma que ele é inocente perante a Justiça.

"Boatos são boatos e nunca serão verdades! Seguimos confiantes de até o término das investigações", diz a nota.

Segundo o jornal Estado de São Paulo o delegado Luiz Roberto também confirmou que a estudante pode ter sua prisão preventiva decretada.

“Ao término do inquérito, que já está no segundo volume, vou pedir a prisão preventiva dela”, disse o delegado

Guiame