SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADOLESCENTES (3) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) ADULTOS (9) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇARIO (10) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE BETEL JOVENS (37) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (74) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (155) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Fome (1) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3156) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (191) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (411) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (601) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

22 janeiro 2020

Lição 4, Os Atributos do Ser Humano

 
1º Trimestre de 2020A Raça Humana - Origem, Queda e Redenção- Comentarista CPAD - Pr Elienai Cabral
Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-0454. - henriquelhas@hotmail.com - Americana - SP
Para nos ajudar -
Caixa Econômica e Lotéricas - Agência 3151 operação 013 - conta poupança 56421-6 Luiz Henrique de Almeida Silva
Bradesco – Agência 2365-5 Conta Corrente 7074-2 Luiz Henrique de Almeida Silva
Banco do Brasil – Agência 4322-2 Conta Poupança 27333-3 Edna Maria Cruz Silva
 
 
Slides https://ebdnatv.blogspot.com/2020/01/slides-da-licao-4-os-atributos-do-ser.html
Vídeo desta Lição 4 -
Ajuda para esta Lição 3 - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/antropologia.htm  
 
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao2-tbt-3tr19-A%20Mordomia%20do%20Corpo.html
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao3-tbt-3tr19-A%20Mordomia%20da%20Alma%20e%20do%20Esp%C3%ADrito.html
 
Esta Lição no BLOG Escrita - https://ebdnatv.blogspot.com/2020/01/escrita-licao-4-os-atributos-do-ser.html
 
 
 
 
Lição 4, Os Atributos do Ser Humano
 
 
TEXTO ÁUREO
“Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio, para que se não atirem a ti.” (Sl 32.9)
VERDADE PRÁTICA
Criado à imagem de DEUS, o homem é um ser espiritual, racional, livre e criativo; sua missão primordial é glorificar o Criador e Mantenedor de todas as coisas.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - At 17.22 O homem é um ser espiritual
Terça - Sl 32.9 O homem é um ser racional
Quarta - Js 24.15 O homem é um ser livre
Quinta - At 17.29 O homem é um ser inventivo
Sexta - Gn 2.15 O homem é um ser cultural
Sábado - Gn 2.18 O homem é um ser social
 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Romanos 12.1-10
1 - Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional. 2 - E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS. 3 - Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que DEUS repartiu a cada um. 4 - Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, 5 - assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros. 6 - De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; 7 - se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; 8 - ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria. 9 - O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. 10 - Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros

OBJETIVO GERAL - Mostrar a complexidade do ser humano, pois ele é um ser espiritual, racional, livre e criativo.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Explicar a espiritualidade humana;
Radiografar a racionalidade humana;
Expor a sociabilidade humana; 
Aclarar a liberdade humana;
Pontuar o trabalho e a criatividade humana
 

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
O ser humano possui vários atributos para viver e influenciar este mundo. Somos chamados por DEUS a cultivar uma espiritualidade profunda que reflita uma sincera devoção ao Pai. Somos chamados também a usar a razão no sentido de compreender bem a realidade, não podemos ignorá-la, pois foi DEUS quem nos deu. Somos chamados a viver em sociedade, jamais isolados das pessoas e da realidade. Somos chamados a ser livres, na perspectiva espiritual, social e política. Somos chamados a trabalhar com criatividade para o Senhor e para o próximo. Em todas as esferas da vida somos chamados a glorificar a DEUS e a revelar seu propósito para com o ser humano. Você é chamado a edificar a vida do outro. Boa aula!
 

PONTO CENTRAL - O ser humano é um ser espiritual, racional, livre e criativo.
 
Resumo da Lição 4, Os Atributos do Ser Humano
I – A ESPIRITUALIDADE HUMANA
1. A origem divina de nosso espírito.
2. O anseio natural do espírito humano.
3. A revivificação do espírito humano.
II – A RACIONALIDADE HUMANA
1. DEUS é um ser racional.
2. A harmonia entre racionalidade e espiritualidade.
3. O culto racional agrada a DEUS.
III – A SOCIABILIDADE HUMANA
1. A solidão é nociva ao ser humano.
2. A família é a origem da sociedade humana.
3. A Igreja de CRISTO, a sociedade perfeita.
IV – A LIBERDADE HUMANA
1. O livre-arbítrio.
2. O ato de decidir.
3. A soberania divina.
V – A CRIATIVIDADE HUMANA E O TRABALHO
1. A dignidade do trabalho.
2. A criatividade humana.
 
 
PARA REFLETIR - A respeito de “Os Atributos do Ser Humano”, responda:
Segundo a lição, quais os atributos do ser humano? R- Os principais atributos do ser humano são: espiritualidade, racionalidade, sociabilidade, liberdade e criatividade.
Discorra sobre a espiritualidade humana. R- Sendo proveniente de DEUS, o espírito humano anseia pelo Pai Celeste, conforme Paulo muito bem acentuou aos atenienses (At 17.21,22).
DEUS é um ser racional? Apresente uma prova bíblica. R- Sim. Certa vez, o Senhor desafiou o povo de Judá, que caíra na apostasia, a arrazoar acerca do verdadeiro caminho (Is 1.18-20).
Fale sobre o senso sociável do homem. R- DEUS nos criou sociáveis; a solidão é contrária à nossa natureza. Por isso, DEUS instituiu a família e, só depois, o Estado. 
O trabalho é uma consequência do pecado? Explique por quê. R- DEUS criou o homem para trabalhar a terra, ará-la e transformá-la, a fim de torná-la habitável (Gn 1.26; 2.15). Por conseguinte, o trabalho não é um castigo devido ao pecado de Adão, mas uma bênção a todos os seus descendentes.
 
 
 
 
COMENTÁRIOS DO Pr. HENRIQUE
 
INTRODUÇÃO
Quais são os atributos do homem? Espiritualidade, racionalidade, sociabilidade, liberdade e criatividade. Tudo isso DEUS deu ao homem a não tomou. Tudo nos foi confiado para sua honra e glória. Se conseguirmos atrelar tudo isto à nossa salvação, dependendo do ESPÍRITO SANTO para nos guiar, seremos bênção para o mundo. Levaremos multidões a DEUS e à sua maravilhosa salvação através de nossas qualidades espirituais, psicológicas e físicas.
Que o Espírito Santo nos abra o entendimento e leve-nos a conhecer as demandas e as reivindicações da Palavra de Deus.
 
I – A ESPIRITUALIDADE HUMANA
1. A origem divina de nosso espírito.
SOPROU - (Strong Português) - נפח naphach1) respirar, soprar, cheirar, ferver, entregar ou perder (a vida)
1a) (Qal) respirar, soprar
1b) (Pual) ser soprado
1c) (Hifil) fazer ofegar
 
FÔLEGO - (Strong Português) -  נשמה n ̂eshamah1) respiração, espírito
1a) fôlego (referindo-se a DEUS)
1b) fôlego (referindo-se ao homem)
1c) tudo o que respira
1d) espírito (do homem)
 
ESPÍRITO GREGO (Strong Português) - πνευμα pneuma1) terceira pessoa da trindade, o SANTO ESPÍRITO, co-igual, coeterno com o Pai e o Filho
1a) algumas vezes mencionado de um modo que enfatiza sua personalidade e caráter (o SANTO ESPÍRITO)
1b) algumas vezes mencionado de um modo que enfatiza seu trabalho e poder (o ESPÍRITO da Verdade)
1c) nunca mencionado como um força despersonalizada
2) o espírito, i.e., o princípio vital pelo qual o corpo é animado
2a) espírito racional, o poder pelo qual o ser humano sente, pensa, decide
2b) alma
3) um espírito, i.e., simples essência, destituída de tudo ou de pelo menos todo elemento material, e possuído do poder de conhecimento, desejo, decisão e ação
3a) espírito que dá vida
3b) alma humana que partiu do corpo
3c) um espírito superior ao homem, contudo inferior a DEUS, i.e., um anjo
3c1) usado de demônios, ou maus espíritos, que pensava-se habitavam em corpos humanos
3c2) a natureza espiritual de CRISTO, superior ao maior dos anjos e igual a DEUS, a natureza divina de CRISTO
4) a disposição ou influência que preenche e governa a alma de alguém
4a) a fonte eficiente de todo poder, afeição, emoção, desejo, etc.
5) um movimento de ar (um sopro suave)
5a) do vento; daí, o vento em si mesmo
5b) respiração pelo nariz ou pela boca
 
 
Após formar Adão do pó da terra, o Senhor Deus soprou-lhe nas narinas o fôlego de vida (Gn 2.7). A partir daquele momento, o homem passou a ser alma vivente.

2. O anseio natural do espírito humano.
O homem natural não entende as coisas do espírito, mas todo o que é nascido de novo anseia pelo dia que estará para sempre com o Senhor.
Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 1 Coríntios 2:14
O espírito humano anseia pelo Pai Celeste, embora não consiga entender seu chamado, por causa do pecado, conforme Paulo muito bem acentuou aos atenienses (At 17.22-31). Porém todo o que invocar ao Senhor será salvo, pois DEUS enviará alguém para pregar para este o evangelho da salvação.
para que buscassem ao Senhor, se, porventura, tateando, o pudessem achar, ainda que não está longe de cada um de nós; porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois somos também sua geração. Atos 17:27,28
O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Romanos 8:16
Infelizmente, não são poucos os que, devido a uma vida ímpia e blasfema, sufocam o seu anseio pelo Criador.

3. A revivificação do espírito humano.
Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. 1 Coríntios 6:17
e vos renoveis no espírito do vosso sentido, Efésios 4:23
O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. João 3:6
Através de sua morte redentora, Jesus Cristo vivifica o homem que jaz morto espiritualmente (Ef 2.1; Cl 2.13). Só Ele é a ressurreição e a vida (Jo 11.25).

II – A RACIONALIDADE HUMANA
RACIONAL -  (Strong Português) - λογικος logikos
1) que pertence ao discurso ou fala
2) que pertence à razão ou à lógica 
2a) espiritual, que pertence à alma 
2b) que concorda com a razão, que segue a razão, razoável, lógico
 
 
ADÃO E EVA TIVERAM FILHOS ANTES DE CAIM E ABEL? - PARA MIM É BEM SIMPLES A RESPOSTA - USEMOS A RAZÃO.
Desde a sua criação, o ser humano vem reproduzindo-se e enchendo a terra (Gn 1.28; At 17.26). Desde que Eva foi apresentada a Adão eles se relacionaram fisicamente, sexualmente, tiveram filhos e filhas (sexo entre casal não é pecado e nunca foi). Tenha certeza que ainda no jardim do éden tiveram muitos filhos e filhas. Eles se corromperam. A linhagem de Abel seria escolhida para dela vir o Messias, mas Caim, que era do maligno o assassinou. Daí a nova semente boa nasceu quando Adão tinha 130 anos - Sete. Esta também se corrompeu. Nasceu a semente boa de Noé. Esta geração também se corrompeu e veio o dilúvio. Os filhos de Noé também se corromperam, porém, uma semente boa ficou - Sem (semitas), dai nasceu Abraão e desta semente nasceu JESUS. E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu, e teve a Caim - Imagine - Conheceu de apenas se apresentarem e ela ficou grávida mesmo a distância. É mágica. (Strong português) ידע yada Ì UM DOS CONCEITOS DA PALAVRA É CONHECEU = COABITOU - saber por experiência. E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor e a tua conceição; com dor terás filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará. Gênesis - MULTIPLICAR A DOR SIGNIFICA QUE ANTES SENTIU DOR PEQUENA, MAS QUE A PARTIR DO PECADO SENTIRÁ MAIOR DOR. Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei; e serei fugitivo e errante na terra, e será que todo aquele que me achar me matará. Gênesis 4:14 Quem vai matar o Caim se só existia Eva e Adão? Fica mais clara a expressão "conheceu" no Novo Testamento - (Strong português) - γινωσκω ginosko - expressão idiomática judaica para relação sexual entre homem e mulher. Apenas a bíblia vai falar de dois filhos que marcaram a história de seus primeiros filhos. Caim e Abel - Estes se destacaram, pois ai se manifestou o adorador e o ciúme do anti-adorador, cometendo o pecado de assassinato (é a história entre os filhos de DEUS e os servos de Satanás). A bíblia está exatamente narrando a história do pecado. Fácil de entender isso, mesmo usando apenas o raciocínio lógico.
 

Tenhamos em mente esta proposição: Deus é um ser racional. Logo, há perfeita harmonia entre a genuína razão e a fé bíblica. Por isso mesmo, Ele requer, de cada um de nós, um culto racional.

1. Deus é um ser racional.
Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. Romanos 12:1 - JEJUM + (por exemplo) 3 horas de oração + (por exemplo) 3 horas de estudo da bíblia, são maneiras de apresentar o corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, e é racional, pois aquele que presta culto vai ali para prestar culto a DEUS e não para se mostrar. Assim DEUS fará maravilhas, podendo usar seu servo.                                                                                                                                                                                                CULTO - Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. 1 Coríntios 14:26-   falando entre vós com salmos, e hinos, e cânticos espirituais (em línguas estranhas), cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração, Efésios 5:19
Racional quer dizer tomar uma decisão do que fazer, por livre e espontânea vontade.
Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor. Josué 24:15
Racional quer dizer escolher - Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua semente, Deuteronômio 30:19
 

2. A harmonia entre racionalidade e espiritualidade.
A verdadeira espiritualidade manifesta-se de maneira racional, pois o nosso Deus é um ser racional. Ele não é de confusão (1 Co 14.33). Para que o agrademos, o Espírito Santo nos desenvolve a inteligência espiritual (Cl 1.9). 
Na racionalidade podemos até cantar em línguas e em língua materna para compreensão de todos.
Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento. 1 Coríntios 14:15
Olha como a racionalidade funciona.
Quando se está só num quarto orando podemos e devemos falar em línguas e orar em línguas para edificação própria – Quando estamos na igreja vamos tentar perceber se estamos sendo interpretados no nosso falar em línguas, se não estivermos sendo interpretados falemos baixinho sem ninguém nos ouvir para que aquele que está sendo usado em línguas para serem interpretadas possa falar e ser interpretado.
Aqui a racionalidade funciona na hora de escolher onde falar em línguas – Em voz alta em casa na oração individual, ou na igreja se houver intérprete (equivale a profecia). Quem tem o dom de profecia deve profetizar (transmitir mensagens sobrenaturais de DEUS já na língua conhecida por todos) - O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja. 1 Coríntios 14:4
Lembrando que as línguas para nós que somos batizados no ESPÍRITO SANTO não são sinais, mas para os descrentes as línguas são sinais de que DEUS está falando sobrenaturalmente.
Já a profecia é sinal para nós, os salvos, pois sabemos que DEUS está falando conosco.
De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis. 1 Coríntios 14:22
Tudo funciona com a racionalidade que DEUS nos deu.
E, se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito, três, e por sua vez, e haja intérprete.
Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja e fale consigo mesmo e com Deus. E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas (veja que o ESPÍRITO SANTO usará a cada um, sendo que cada um deve saber sua hora de ser usado). 1 Coríntios 14:27-32
 
 
3. O culto racional agrada a Deus.
Posto que Deus é um ser racional, devemos cultuá-lo racionalmente (Rm 12.1). Isso significa, antes de tudo, que a nossa adoração a Deus tem de ser perfeitamente entendida, explicada e praticada (Êx 12.26; 1 Pe 3.15). Doutra forma, não terá valor algum (Jo 4.22). Aliás, o culto cristão é o mais racional de todos, apesar de parecer, para os incrédulos, escândalo e loucura (1 Co 1.18,24).
Veja que as línguas devem ser usadas com racionalidade. Por isso Paulo diz que deve ser um após o outro e que haja interpretação. Deve haver organização, porém existem os momentos de alegria no espírito quando DEUS se manifesta entre nós e todos nos alegramos.
Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem línguas estranhas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão, porventura, que estais loucos? 1 Coríntios 14:23
porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. Romanos 14:17
 
 
 
III – A SOCIABILIDADE HUMANA
Deus nos criou sociáveis; a solidão é contrária à nossa natureza. Por isso, Deus instituiu a família e, só depois, o Estado. 
1. A solidão é nociva ao ser humano.
No período da criação, a única coisa que Deus afirmou não ser boa foi a solidão (Gn 2.18). Por esse motivo, Deus fez a mulher para que o homem tivesse uma companhia idônea e sábia (Gn 2.21-25). Somente os que se insurgem contra a verdadeira sabedoria buscam viver isolada e solitariamente (Pv 18.1). 
2. A família é a origem da sociedade humana.
A família é mais importante que a sociedade e mais imprescindível que o Estado, pois ambos dependem do lar doméstico. Salomão, um dos maiores estadistas de todos os tempos, escreveu dois salmos (127 e 128), exaltando o papel fundamental da família na sociedade e no Estado. 
3. A Igreja de Cristo, a sociedade perfeita.
No Novo Testamento, a Igreja de Cristo é apresentada como a sociedade perfeita, porque nela todos formamos um único corpo (1 Co 12.13). Essa união, impensável em termos sociológicos, é denominada o mistério de Deus pelo apóstolo Paulo (Ef 3.1-12).
 
  
 
IV – A LIBERDADE HUMANA
DEUTERONÔMIO 30:
ESCOLHE - (Strong Português) - בחר bachar
1) escolher, eleger, decidir-se por 
1a) (Qal) escolher 
1b) (Nifal) ser escolhido 
1c) (Pual) ser escolhido, selecionado
 
Resumo Geral de Antropologia Teológica Bíbica Pentecostal
Capítulo 5 - Teologia Sistemática Pentecostal, CPAD (Antonio Gilberto, Claudionor de Andrade, Elienai Cabral, Elinaldo Renovato de Lima)

Antropologia — a Doutrina do Homem - Elinaldo Renovato de Lima
Imagem e semelhança de DEUS
“Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...” (Gn 1.24b). O verbo “fazer”, na primeira pessoa do imperativo, no plural, denota que o Criador não estava sozinho, na criação do homem. A compreensão humana não alcança a grandeza daquele momento único e singular, totalmente distinto de todo processo criador dos demais seres.
Apesar disso, pode-se entender que, num ponto do planeta, no Oriente, no sítio do jardim do Eden ou do Paraíso, o DEUS Pai, o DEUS Filho e DEUS ESPÍRITO SANTO se reuniram solenemente para fazer surgir o novo ser que haveria de revolucionar toda a criação. Por um momento, de modo positivo; por muitos séculos, de modo negativo. Mas, de qualquer forma, ali estava a reunião solene da Trindade para criar o homem à imagem e semelhança de DEUS!
Em Gn 1.26-30, encontramos o homem feito à imagem de DEUS; l) um ser espiritual apto para a imortalidade, v.26b; 2) um ser moral que tem a semelhança de DEUS, v.27; 3) um ser intelectual com a capacidade da razão e de governo, vv.26c,28-30 6
Acima vemos a interpretação do que é ser imagem e semelhança de DEUS encontrada no Comentário Beacon, publicado no Brasil pela CPAD.
O homem foi feito para ser dominador da natureza. E não poderia ser de modo diferente. DEUS fez o ser humano à sua imagem, conforme a sua seme­lhança, para ser governante dessa “pequena parte do Universo”; para dominar sobre as criaturas viventes, criadas antes dele. O salmista Davi disse que DEUS fez o homem pouco menor que os anjos e lhe deu, no início, domínio sobre toda a criação (SI 8.5-8).
Esse era o plano original de DEUS para com o ser humano: ser representante de DEUS, com autoridade sobre toda a criação. Como veremos adiante, esse plano foi prejudicado pela Queda, transtornando todo o Universo.
O homem à imagem de DEUS. Diante da grandeza e da nobreza originais confe­ridas ao ser humano, o que viria a significar o homem à imagem de DEUS? As respostas a essa questão não são completas. Há quem diga que a imagem de DEUS no homem seria física. Ou que essa imagem seria a postura reta, ou vertical, do esqueleto humano.
Não se deve sequer ocupar espaço e tempo com esse argumento, pois DEUS, sendo espírito (Jo 4.23), não projetaria imagem física no homem. As questões sobre a imagem de DEUS no homem têm suscitado muitas discussões, desde que os teólogos começaram a se debruçar sobre o estudo acerca da criação e, em especial, do ser humano.
Os chamados pais da igreja entendiam que a imagem de DEUS no homem seria o conjunto de características morais e espirituais que o levam a ser santo. Mas houve quem entendesse que tais características também seriam corporais. Irineu e Tertuliano faziam distinção entre imagem e semelhança, considerando a primeira como os aspectos corporais, e a segunda como as características espirituais.
Orígenes e Clemente de Alexandria discordavam dessa afirmação; antes, di­ziam que a imagem se referia às características próprias do ser humano, enquanto a semelhança dizia respeito às qualidades provindas de DEUS — não inerentes ao ser humano. Já Pelágto via na imagem somente a capacidade de raciocínio que o homem desenvolvia, podendo valer-se do livre-arbítrio.
Já os escolásticos8 concordaram em muitos aspectos com os pais da igreja, mas ampliaram o conceito de imagem de DEUS, incluindo a idéia de intelecto, razão, liberdade; a semelhança seria o sentimento de justiça provinda do Cria­dor. A imagem de DEUS seria algo concedido ao homem de modo natural, e a semelhança, uma espécie de dom sobrenatural, que controlaria a natureza inferior do homem.9
Os reformadores, em geral, não faziam distinção entre a imagem e a seme­lhança de DEUS no homem; eles entendiam que a justiça original faria parte da imago Deu na condição original do ser humano.
A imagem conforme a semelhança de DEUS. A discussão teológica sobre o significado da imagem de DEUS, ou a imago Dei, não tem um consenso efetivo. Há divergências entre os teólogos. De início, no Gênesis, DEUS disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (1.26); no versículo seguinte, lemos: “E criou DEUS o homem à sua imagem; à imagem de DEUS o criou; macho e fêmea os criou.
Notemos que o texto bíblico de Gênesis 1.27 não repete a expressão “ima­gem, conforme a nossa semelhança”. Parece-nos razoável entender que o ponto central, ou a idéia-chave, do relato bíblico é o registro de que o homem (o ser humano) foi feito “à imagem de DEUS” (v.26). A passagem deixa claro que tanto o homem como a mulher foram criados à “imagem de DEUS”. Com essa expressão, entendemos que o Gênesis demonstra qual é a natureza original do homem — ele foi criado à imagem de DEUS.
A semelhança tem caráter explicativo, indicando a conformidade pela qual aquela imagem de DEUS foi impressa no ser criado. Ou expressa o modo ou o modelo daquela imagem. Não há necessidade, pois, de se estudar as duas palavras “imagem” e “semelhança”, separadamente, buscando significados complexos para cada uma delas.
Berkhof afirmou:
As palavras “imagem” e “semelhança”são empregadas como sinônimos e uma pela outra, e, portanto, não se réjerem a duas coisas diferentes.
Essa idéia corrobora o nosso entendimento, acentuando que, em Gêne­sis I.16, são empregadas as duas palavras, mas, no versículo 27, somente a primeira delas.10
Chafer também reforça esse entendimento, referindo-se às palavras “imagem” e “semelhança” da seguinte maneira:
Em Gênesis 1.26,2 7, amhas as palavras, “imagem” e “semelhança”, aparecem, mas a palavra “imagem” ocorre três vezes enquanto o termo “semelhança” ocorre apenas uma vez.11
Em Gênesis 5, vemos a palavra “semelhança” incluída na genealogia de Adão: “Este é o livro das gerações de Adão. No dia em que DEUS criou o homem, à se­melhança de DEUS o fez” (v.I). Certamente, o termo “semelhança”, aqui, se refere à imagem de DEUS, que é semelhante ao Criador, conforme já explicitado.
O homem é distinto e superior aos animais. A diferença entre o homem e os animais é tão grande, em termos qualitativos, a ponto de não haver margem para especulações quanto à origem dos humanos e dos irracionais. O Projeto do Genoma Humano (PGH), iniciado em 1990, constatou, em 2003, que há no corpo humano em tomo de quarenta mil genes, concluindo o seqüenciamento de três bilhões de bases que constituem o DNA da espécie humana, com 99,9% de precisão.
O que intriga os cientistas e os leva a sonhar com a descoberta do “elo per­dido” entre o símio e o homem é o fato de o Projeto Genoma ter concluído que a diferença entre o DNA do homem e do chimpanzé é apenas de 5%. Ou seja, em termos meramente numéricos, o homem e o macaco têm semelhanças quase totais. Entretanto, em termos qualitativos, inclumdo-se o raciocínio lógico, a capacidade da fala e habilidades gerais, o homem se distancia do macaco tanto quanto os corpos celestes que estão a anos-luz do nosso planeta.
Com apenas 5% de diferença entre o código genético do homem e o do macaco, como pode haver tão grande diferença de conhecimento e de habili­dades? Será que se pode esperar que um macaco, um dia, vá compor uma frase, uma página ou escrever um livro? Não há dúvida de que não. A idéia central, na Bíblia, é de que o homem foi feito à imagem de DEUS. E jamais poderia ser visto como semelhante aos animais. Como vimos, a diferença qualitativa entre o homem e o animal ultrapassa qualquer visão materialista da natureza do ser humano.
Semelhança natural com DEUS. Langston afirma que o homem tem “semelhança natural” com DEUS:
O homem é uma pessoa como DEUS é uma Pessoa, e a semelhança entre um e outro acha-se no espírito, naquilo que o homem é na sua natureza pessoal. Assim sendo, a “.semelhança natural”entre DEUS o homem perdura sempre, porque o homem não poderá jamais deixar de ser uma pessoa como DEUS o é.u
Não devemos confundir imagem natural com imagem física, pois DEUS é espírito e não tem partes físicas, a exemplo do homem.
Strong também afirma que o homem tem “Semelhança natural com DEUS, ou pessoalidade”. E acentua:
O homem foi criado um ser pessoal e é esta pessoalidade que o distingue do irracional. Pessoalidade é o duplo poder de conhecer a si mesmo relacionado com o mundo e com DEUS e determinar o eu com vista aos fns morais. Em virtude dessa pessoalidade o homem pôde, na criação, escolher qual dos objetos de seu conhecimento — o eu, o mundo, ou DEUS — deve ser a norma e o centro de seu desenvolvimento. Essa semelhança natural com DEUS ê inalienável e, constituindo uma capacidade para a Redenção, valoriza a vida até mesmo dos não regenerados ÇGn 9.6; l Co 11.7; Tg 3.9).13
O homem, um ser pessoal, à semelhança de DEUS, tem inteligência, vontade e emoções. Tal condição lhe distingue dos animais. Enquanto estes apenas agem por instinto, conforme o que DEUS programou para eles, aquele tem autoconhe-
cimento e autodeterminação. O homem imagina, projeta, cria, inventa e produz coisas. O animal apenas repete o que lhe instiga a natureza.
No hebraico e no grego, as palavras para identificar “a imagem” não contri­buem muito para o entendimento do termo em análise. Por isso, as discussões teológicas e filosóficas continuam a deixar muitas lacunas quanto à sua interpre­tação. No grego do Novo Testamento, a palavra “imagem” é eikon e pode se referir a uma imagem de escultura. Tem o sentido de representação ou de manifestação. Mas também pode se referir a CRISTO, “o qual é imagem do DEUS invisível” (Cl
, ou “o eikon de DEUS”, que não é só uma representação, como o é uma estátua, ou um ídolo; é primeiramente a igualdade na essência de DEUS.
Assim, surge a questão: o homem, feito à imagem de DEUS, é apenas uma representação do Criador, ou tinha algo divino nele, ou participava da real es­sência de DEUS? A palavra hebraica para “imagem” é tselem; e, para “semelhança”, demut. Elas se referem a algo similar ou idêntico ao que representam, ou àquilo de que são à “imagem”.
Podemos dizer que o homem era, no seu estado original, no ato da criação, uma imagem ou representação de DEUS, tendo características de DEUS em sua pessoa, tais como pessoalidade, amor, justiça, santidade, retidão, perfeição moral; tudo isso à semelhança de DEUS. Mas o homem não poderia ser igual a DEUS. Só JESUS é “o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa” (Hb 1.3); “o qual é imagem do DEUS invisível, o primogênito de toda a criação” (Cl 1.15).
Semelhança moral com DEUS. A interpretação do que vem a ser a “semelhança” de DEUS no homem tem muitas variantes. Há quem entenda que essa “semelhança” é apenas moral e espiritual. Outros entendem que é mais ampla, incluindo a essência da divindade do Criador. Na Bíblia de Estudo Pentecostal14, lemos que “Eles tinham semelhança moral com DEUS, pois não tinham pecado, eram santos, tinham sabedoria, um coração amoroso e o poder de decisão para fazer o que era certo (Ef 4.24). Viviam em comunhão pessoal com DEUS, que abrangia obediência moral e plena comunhão”.
Na Bíblia de Estudo Pentecostal também está escrito que “Adão e Eva tmham semelhança natural com DEUS. Foram criados como seres pessoais, tendo espírito, mente, emoções, autoconsciência e livre-arbítrio”.13 Na visão acima, a semelhança do homem com DEUS é moral, incluindo características especiais, concedidas por DEUS, tais como ausência de pecado, santidade, sabedoria, amor e poder para agir de modo certo. E, ao mesmo tempo, tinham semelhança natural, por terem sido criados como seres pessoais, dotados de características próprias da pessoalidade.
Langston disse:
O homem foi criado bom. Todas as suas tendências eram boas. Tosos os sentimentos do seu coração inclinavam-se para DEUS, e nisto consistia a sua semelhança moral com o Criador. As Escrituras ensinam mui claramente que o homem foi criado natural e moralmente semelhante a DEUS, e ensinam também que ele perdeu esta semelhança moral quando caiu pelo pecado.16
Este é um ponto importante: o homem, quando deu lugar ao Diabo e desobedeceu a DEUS, pecou; e, assim, perdeu aquela semelhança moral com o Criador. Ficaram, na verdade, os traços daquela semelhança, distorcida, prejudicada, no ser humano. Esses traços são os sensos de justiça e de ética, e da busca por um Ser supremo, no âmago de sua consciência.
I) Há uma lei interior dentro do ser humano. Na consciência do homem vemos que ele tem um referencial, um juízo de valor que aponta o que é certo e o que errado. Isso se chama faculdade moral, que aprova ou desaprova os atos praticados ou imaginados. Isso é um traço da semelhança moral com DEUS, que alertou ao homem para que não pecasse, desobedecendo e se apropriando do fruto da árvore interditada.
Paulo fala dessa faculdade moral que há dentro de cada um quando ensina que o homem tem uma lei interior que aprova ou desaprova os seus atos. Podemos chamá-la de lei da consciência.
Assim disse o apóstolo Paulo:
Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para st mesmos são lei, os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os Rm 2.14,15).
Os animais não têm essa lei interior, que serve de referencial moral, pois sua natureza não comporta essa faculdade.
2; Há um padrão moral universal para o homem. Como ser moral, em sua semelhança com DEUS, o homem, falível, não pode se guiar apenas por sua consciência, ou seu coração, numa linguagem metafórica. Disse o profeta Jeremias: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Eu, o Senhor, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isso para dar a cada um segundo os seus caminhos e segundo o fruto das suas ações” /Jr 17.9,10\
O coração, nesse caso, não corresponde ao músculo cardíaco, e sim à consci­ência, ou à mente humana. Por causa do pecado original, todo o ser do homem ficou imperfeito, e seu coração, sua mente (ou sua consciência), tornaram-se enganosos e perversos. Por isso, o homem precisa de um padrão sublime para servir de referencial para suas ações.
Esse padrão não é — nem poderia ser — outro, senão a Palavra de DEUS. Disse o salmista: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra e luz, para o meu caminho” (Sm 119.105). JESUS também afirmou: “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nos céus” (Mt 5.48; cf. Jo 17.23). Esse é, pois, o padrão para o ser humano, ainda que essa perfeição, requerida por CRISTO, não possa ser absoluta, e sim relativa, visto que a natureza, atingida pelo pecado, não pode alcançar o grau de perfeição nesta esfera da existência.
Só na eternidade, após a ressurreição dos salvos, ou ao Arrebatamento dos que permanecerem fiéis a DEUS, nesta vida, é que haverá o estado de perfeição plena, quando os santos chegarão à estatura de varão perfeito (cf. Ef 4.13).
O homem foi feito adulto — e perfeito.
Leite Filho, analisando o homem, ressalta:
Um fato relacionado à criação do homem que se faz notório e que passamos a considerar ê que o homem foi criado adulto. A cada passo das Escrituras percebe-se uma evidente maturidade dos seres que foram criados, assim também o homem.
Com isto queremos indicar que DEUS não criou nenhum óvulo ou embrião, e sim o homem já adulto.1
Certo ensmador afirmou que Adão foi feito menmo e cresceu no meio do jardim entre os animais. E um aluno lhe perguntou: “Quem deu de mamar à criança?”, sentindo-se constrangido com a explicação sem fundamento bíblico do tal “mestre”.
Para ter a capacidade reprodutiva, o homem foi feito com todas as suas po­tencialidades físicas e emocionais. Adão e Eva foram apresentados um ao outro, como marido e mulher, formando um casal, visando a unir-se numa “só carne” (Gn 2.24), para gerarem filhos e perpetuarem a continuidade da raça humana.
Quanto à perfeição do homem criado, referimo-nos à sua imagem e semelhança com o Criador, o que lhe conferia, na condição original, uma verdadeira perfeição em relação a seus descendentes, após a Queda. Tal perfeição do ser criado põe por terra os pressupostos da teoria da evolução, de Charles Darwin.
O homem não evoluiu a partir de organismos inferiores e chegou ao estágio superior. Ao contrário, ele começou num estágio altamente superior, mas, por causa do pecado, perdeu a sua condição privilegiada de um ser especial. Em lugar de evoluir, o homem passou por um processo de involução, espiritual, emocional e fisicamente, depois da Queda.
Uma síntese das idéias. Em resumo, a imagem de DEUS, no homem, refere-se à imagem espiritual e moral, conforme a semelhança de DEUS; e também à imagem natural, pelo fato de o homem ser uma pessoa, à semelhança de DEUS, que também é Pessoa. Quanto ao corpo, foi feito por DEUS para abrigar a parte espiritual do homem, formada por espírito e alma (cf. I Ts 5.23; Hb 4.12).
Essa imagem de DEUS foi corrompida pelo pecado. Mas, quando o homem se volta para o Criador e aceita a salvação, através de JESUS CRISTO, torna-se “a imagem e glória de DEUS” (I Co 11.7). Nascido de novo, o salvo é revestido “do novo homem, que, segundo DEUS, é criado em verdadeira justiça e santidade” (Ef 4.24).
O homem, nascido de novo, em CRISTO, é “nova criatura” (2 Co 5.17) e se toma participante “da natureza divina” (2 Pe 1.4). Tal participação, no presente, é parcial, pois o homem está sujeito a fraquezas e ao pecado; mas, na glorificação, será restaurada a “semelhança” da “imagem de DEUS”, pois “agora somos filhos de DEUS, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos” (I Jo 3.2).
Um dia, o homem será restaurado em sua perfeição original. Disse Paulo: “até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO” (Ef 4.13). Na glorificação dos salvos, a expressão “à imagem e conforme a semelhança de DEUS” será plenamente en­tendida, pois o ser humano, totalmente restaurado, elevar-se-á a um nível superior.
 
 
SUBSÍDIOS DA LIÇÃO 4 DA REVISTA do 1º Trimestre de 2020
SÍNTESE DO TÓPICO I - O espírito humano tem origem divina, por isso, naturalmente, ele anseia pelo Pai Celeste.
SÍNTESE DO TÓPICO II - DEUS é um ser racional. Logo, há perfeita harmonia entre a genuína razão e a fé bíblica.
SÍNTESE DO TÓPICO III - DEUS criou os seres humanos gregários e sociais; a solidão é contrária à natureza humana.
SÍNTESE DO TÓPICO IV - DEUS concedeu o livre-arbítrio ao ser humano para que escolhesse entre o bem e o mal.
SÍNTESE DO TÓPICO V - Através do trabalho, o ser humano transforma e preserva a terra.
 
SUBSÍDIO DIDÁTICO - PEDAGÓGICO TOP1
Faça uma reflexão introdutória a respeito da espiritualidade humana. O que nos faz buscar a DEUS? De onde vem a necessidade de termos comunhão com o Pai? Use este fragmento textual para aprofundar a sua reflexão com a classe: “O ‘espírito’ é considerado um poder sublime que estabelece os seres humanos na dimensão espiritual e os capacita à comunhão com DEUS. Pode-se distinguir o espírito da alma, sendo aquele ‘a sede das qualidades espirituais do indivíduo ao passo que nesta residem os traços da personalidade’. Embora distinto entre si, não é possível separar alma e espírito. Pearlman declara: ‘A alma sobrevive à morte porque é energizada pelo espírito, mas alma e espírito são inseparáveis porque o espírito está entretecido na própria textura da alma. são fundidos e caldeados numa só substância’” (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p.248).
 
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO TOP2
“O que Paulo quer dizer por ‘culto racional’ [logiken]’ tem sido motivo de debate. A palavra grega logikos (forma léxica de logiken), a qual Paulo não usa em outra parte dos seus escritos, era extensamente usada por filósofos gregos. Denotava ‘racionalidade’, quer dizer, as características que distinguem os seres humanos dos animais. A expressão ‘culto racional’ preserva este sentido. [...] Em outras palavras, Paulo arrazoa em favor de um culto que seja lógico ou apropriado para os que vivem no ESPÍRITO (Fee, 1994, p.601), os quais, [...], são guiados num comportamento apropriado pela mente renovada” (HORTON, Stanley M. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, p.892).
 
SUBSÍDIO TEOLÓGICO TOP5
“Quando chegamos no Novo Testamento, a primeira coisa que notamos é que todo o povo de DEUS é dotado e chamado para fazer várias obras pelo ESPÍRITO de DEUS (veja Atos 2.17; 1 Coríntios 12.7), e não apenas as pessoas especiais como os artesãos do Templo, reis ou profetas. Colocado no contexto do novo concerto, as passagens do Antigo Testamento citadas há pouco proveem ilustrações bíblicas para uma compreensão carismática de todos os tipos básicos de trabalho humano: Todo trabalho humano, quer seja complicado ou simples, é possibilitado pela operação do ESPÍRITO de DEUS na pessoa que trabalha. Como poderia ser diferente? Se a vida inteira do cristão é por definição uma vida no ESPÍRITO, então o trabalho não pode ser exceção, quer seja trabalho religioso ou trabalho secular, trabalho ‘espiritual’ ou trabalho mundano. Em outras palavras, trabalhar no ESPÍRITO é uma dimensão do andar cristão no ESPÍRITO (Veja Romanos 8.4; Gálatas 5.16-25)” (PALMER, Michael D. (Ed.). Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.228).


CONSULTE - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 81, p38
 
SUGESTÃO DE LEITURA - Fundamentos da Vida Cristã, Panorama do Pensamento Cristão e Ética, as Decisões Morais à Luz da Bíblia.
 
Referências Bibliográficas (outras estão acima)
 
BANCROFT, E.H. Teologia Elementar. Imprensa Batista Regular, 1966.
BERKHOF, L. Manual de Doutrina Cristã. Luz Para o Caminho/Ceibel, 1985.
BERKOUWER G.C. A Pessoa de CRISTO. ASTE, 1964.
BETTENSON, H. Documentos da Igreja Cristã. JUERP, 1983.
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal. 
Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Bíblia MySword
Bíblia The Word
BINNEY, A.R. Compêndio de Teologia. Editora Nazarena.
BOICE, J.M. O Alicerce da Autoridade Bíblica. Edições Vida Nova, 1982.
BURTNER e CHILES. Coletânea da Teologia de João Wesley. Imprensa Metodista, 1960.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
Dicionário Strong Português
Gênesis - Comentário Adam Clarke
GÊNESIS - Introdução e Comentário - REV. DEREK KIDNER, M. A. - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova ,Caixa Postal 21486, São Paulo - SP, 04602-970
Gênesis a Deuteronômio - Comentário Bíblico Beacon - CPAD - O Livro de Gênesis - George Herbert Livingston, B.D., Ph.D.
GILBERTO, A. A Bíblia Através dos Séculos. CPAD, 1986.
HAGGLUND, B. História da Teologia. Concórdia S.A, 1981.
HENRY H.H. Manual Bíblico. Edições Vida Nova, 1971.
HORTON, M. Horton (Ed.). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2018
KELLER, W. E a Bíblia Tinha Razão. Edições Melhoramentos, 1962.
LANGSTON, A.B. Esboço de Teologia Sistemática. JUERP, 1977.
Manual Tipologia Bíblica
OLIVEIRA, R.F. As Grandes Doutrinas da Bíblia. CPAD, 1987.
PEARLMAN, M. Conhecendo as Doutrinas da Bíblia. Editora Vida, 1985.
Revista CPAD - Lições Bíblicas - 1995 - 4º Trimestre - Gênesis, O Princípio de Todas as Coisas - Comentarista pastor Elienai Cabral
Revista CPAD - Lições Bíblicas 1942 - 1º trimestre de 1942 - A Mensagem do Livro de Gênesis - Adalberto Arraes 
Revista Ensinador Cristão - CPAD
RYRIE, C.C. Sínteses de Doctrina Bíblica. Publicaciones Portavoz Evangélico, 1979.
Sites www.ebdweb.com.br - www.escoladominical.net - www.gospelbook.net - www.portalebd.org.br/ - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm
TOLER, Stan. Qualidade total de vida. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013

FONTE  http://www.apazdosenhor.org.br