SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (71) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (146) CLASSE MATERNAL (103) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (505) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (284) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (9) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (147) MODISMOS (2) Mundo (608) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (229) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (110) REVISTA CLASSE JUNIORES (242) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (185) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (391) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (592) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

27 janeiro 2011

O QUE É A BÍBLIA.





A palavra Bíblia é de origem grega = "rolo pequeno de papiro", diminutivo de Biblos = "folha de papiro preparada para a escrita"). A palavra Bíblia foi usada pela primeira vez, pelo patriarca de Constantinopla: João Crisóstomo em 398 - 404 AD. Portanto, a Bíblia é constituída de uma pequena biblioteca, que contém 66 livros, sendo que é dividida em AT (Antigo Testamento com 39 livros) e NT (Novo Testamento com 27 livros). Esses livros foram escritos num período de aproximadamente 1600 anos por mais de 40 autores diferentes, dos mais distintos e remotos lugares, e todos eles foram inspirados por Deus. Conforme está escrito: "Toma o rolo, o livro, e escreve nele todas as palavras que te falei... Jr 36:2 a".
"Toda Escritura é inspirada por Deus... porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana, entretanto homens (santos) falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo" (II Tm 3:16 a e II Pe 1:21).

Na Bíblia encontramos a revelação de Deus a toda humanidade, ao revelar que: "o único Deus e a Jesus Cristo, a quem Ele enviou" (Jo 17:3). Sendo as Escrituras a revelação de Deus, tanto o AT como o NT, são o Seu esforço de revelar a sua salvação, através de Jesus Cristo. Como alguém já disse: "A Bíblia é Deus falando ao homem, é Deus falando através do homem, é Deus falando com o homem, é Deus falando a favor do homem, mas, á sempre Deus falando" autor desconhecido.

A Bíblia como tema central. 
A revelação de Jesus Cristo em busca do ser humano perdido: Mt 20:28. 
Por que a Bíblia deve ser estudada? 

1. Ela é a luz para quem está procurando a verdade: Sl 119:105; Jo 17:17.
2. As Escrituras é o alimento para a alma: Jr 15:16; I Pe 2:1-2.
3. É o meio usado pelo Espírito Santo para nos falar: Ef 6:17. 

Como foi formada a Bíblia Hebraica? 
O Antigo Testamento Hebraico é composto de: 

1. A Torá - Lei: chamado Pentateuco - composto por 5 livros.
2. Os profetas: homens separados e inspirados por Deus.
3. Os escritos: chamado de Hagiógrafos. 

Como é constituída a Bíblia? 
O Antigo Testamento são 39 livros divididos em cinco partes: 
I Parte - Livros da Lei: tratam da criação e a lei. 

1. Gênesis: fala como começou tudo, o pecado, e o sofrimento.
2. Êxodo: fala da saída do povo hebreu do Egito; o Sinai, etc.
3. Levítico: fala das leis e os mandamentos de Deus à Israel.
4. Números: fala da contagem dos israelitas.
5. Deuteronômio: Segundo a Lei: narra os discursos de Moisés. 

II Parte - Livros Históricos: fala da caminhada do povo israelita. 

1. Josué.
7. II Reis.
2. Juízes.
8. I Crônicas.
3. Rute.
9. II Crônicas.
4. I Samuel.
10. Esdras.
5. II Samuel.
11. Neemias.
6. I Reis.
12. Ester. 

III Parte - Livros Poéticos: são chamados poéticos devido ao seu gênero. 

1. Jó.
2. Salmos.
3. Provérbios.
4. Eclesiastes.
5. Cantares. 

IV Parte - Profetas Maiores: por serem os livros mais longos que os outros são assim chamados de profetas maiores. 

1. Isaías.
2. Jeremias.
3. Lamentações de Jeremias.
4. Ezequiel.
5. Daniel. 

V Parte - Profetas Menores: por serem os livros mais curtos são conhecidos como profetas menores. 

1. Oséias.
7. Naum.
2. Joel
8. Habacuque.
3. Amós.
9. Sofonias.
4. Obadias.
10. Ageu.
5. Jonas.
11. Zacarias.
6. Miquéias.
12. Malaquias 

O Novo Testamento são 27 livros divididos em quatro partes: 
I Parte - Biografias: são os quatro evangelhos, sendo que os três primeiros são chamados sinópticos devido ao paralelismo que se apresentam. 

1. Mateus: para atender aos judeus (genealogia).
2. Marcos: para atender os romanos (Jesus como servo).
3. Lucas: para os gregos (Jesus como Filho de Deus, ou do Homem).
4. João: para o mundo (Jesus para o mundo).

II Parte - História: registra a história da Igreja Primitiva e a atuação do Espírito Santo, nos seus primeiros primórdios. 
1. Atos dos apóstolos: são os Atos do Espírito Santo na igreja emergente, como alguém já sugeriu. 
III Parte - Epístolas Paulinas: são cartas dirigidas as igrejas ou a indivíduos. Atribuídas geralmente a Paulo. 

1. Romanos.
8. I Tessalonicenses.
2. I Coríntios.
9. II Tessalonicenses.
3. II Coríntios.
10. I Timóteo.
4. Gálatas.
11. II Timóteo.
5. Efésios.
12. Tito.
6. Filipenses.
13. Filemon.
7. Colossenses
IV Parte - Epístolas Gerais: são cartas universais atribuídas a vários apóstolos sendo que a de Hebreus, o autor é desconhecido. 

1. Hebreus.
2. Tiago.
3. I Pedro.
4. II Pedro.
5. I João.
6. II João.
7. III João.
8. Judas. 

Proféticos: também chamado de revelação das coisas dos últimos dias que deverão acontecer. É um livro apocalíptico. 
1. Apocalipse. 
Todas as Bíblias são iguais? 
Se compararmos a Bíblia católica romana com a Bíblia protestante, veremos que além dos 66 livros, a Bíblia católica possui 7 livros chamados apócrifos (secretos, espúrios ou misteriosos) que possuem um valor histórico de uma época, mas não canônico, ou seja, de uma revelação divina. Eles são: 

1. Tobias: narra a vida de Tobias, que era filho de um pai cego.
2. Judite: é uma narrativa histórica dos judeus libertados do poder de Holofernes, general da Pérsia, devido à coragem de um heroína chamada Judite. Apareceu por volta do II século aC.
3. Sabedoria: mostra através de provérbios a sabedoria verdadeira e a reta da gentílica ou iníqua e idólatra. Apareceu entre 50 a 10 aC.
4. Eclesiástico: também chamado de Sabedoria de Jesus, filho de Siraque, semelhante ao livro de Provérbios. Apareceu em torno de 180 aC.
5. Baruque: dividida em três partes: confissão e arrependimento; exortativo e promessa de livramento. Apareceu no II século aC.
6. I e II Macabeus: narra a revolta dos Macabeus pelo império romano em 167 aC.
7. Acréscimos aos livros de Daniel e Ester. 

O que a Bíblia produz em nossa vida? 

1. Sabedoria: Sl 19:7.
2. Esperança: Rm 15:4.
3. Alegria: Sl 19:8 a
4. Ilumina os olhos: Sl 119:9.
5. Educa, corrige: II Tm 3:16.
6. Purifica: Jo 15:3.
7. Dirige: Sl 119:104.
8. Produz fruto: II Tm 3:17. 

Revelação. 
A palavra revelação vem do vocábulo grego que significa: tirar ou levantar o véu. Revelação no sentido bíblico, é a verdade revelada ou descoberta ao escritor sagrado pelo Espírito Santo. É Deus quem toma a iniciativa de trazer ao conhecimento dos seres humanos os seus planos e propósitos. 
1. Revelação Geral: 

Deus se revelando através de sua criação: Sl 19:1; 97:1.
Deus se revelando através da natureza: Rm 1:20.
Deus revelando em todas as consciências, de si mesmo: At 14:17. 

2. Revelação Especial: 

Deus se revelou particularmente pela Escritura: II Tm 3:16.
Deus se revelou nestes últimos dias pelo filho: Hb 1:2.
Jesus é a revelação do próprio Deus: Jo 10:30; 14:9.
Jesus é a revelação de Deus para a nossa salvação: Jo 20:31. 

Inspiração. 
Inspiração é o (graphe), que quer dizer escrito, que é dado por - inspiração, que significa sopro divino. Que é o auxílio sobrenatural do Espírito Santo sobre os escritos sagrados, para que os seus escritos tivessem plena validade. Isto é, o próprio Deus, mediante o Espírito Santo revelou aos homens o que justamente deviam escrever.
1. Inspiração se revela: 

( Toda a Escritura é inspirada por Deus: II Tm 3:16.
( Jesus se revela pela Palavra (logos) encarnada por Deus: Jo 1:1-4.
( O Espírito que nos inspira na compreensão da Palavra: Jo 32:8. 

Iluminação. 
É através da iluminação que o Espírito Santo concede aos cristãos a capacidade intelectual de poderem compreender o que foi inspirado e revelado nas Escrituras Sagradas. É impossível entendermos a situação de pecado sem intervenção do Espírito Santo que produz luz em nossa consciência. 
1. A Iluminação acontece por que: 

O homem natural não pode discerni-la: I Co 2:14.
A obra de Cristo na cruz faz sentido: I Co 1:18.
O Espírito Santo ensina: Jo 14:26.

Medite nos textos bíblicos abaixo e responda com suas próprias palavras. 
1. Quem foi que escreveu a Bíblia? 
II Pedro 1:21 
2. Qual é o tema central da Bíblia? 
Jo 5:39 compare com Mt 20:28 
3. Como a Bíblia que é a Palavra de Deus age? 

Sl 119:15
Sl 119:72
Sl 119:103
Tg 1:23
Hb 4:12
Jr 23:29
Is 55:10
Lc 8:11
Dt 8:3
Ef 5:23 


4. Conhecimentos bíblicos. 
4.1. O que quer dizer a palavra Bíblia? 
4.2. Encontramos a palavra Bíblia, na própria Bíblia? 
4.3. Aproximadamente, quantos autores escreveram a Bíblia? 
4.4. Em quantas línguas a Bíblia foi escrita? 
4.5. Como está dividida a Bíblia? 
4.6. Quantos livros têm o Antigo Testamento? 
4.7. Quantos livros têm o Novo Testamento? 
4.8. Quanto tempo demorou para se formar a Bíblia? 
4.9. Como podemos classificar o AT? 
4.10. Como podemos classificar o NT? 
4.11.O Antigo Testamento está relacionado como o Novo? Por que? 

5. O que é revelação? 
5.1. O que é revelação geral? Cite versículos da Bíblia! 
5.2. O que é revelação especial? Cite versículos da Bíblia! 

6. O que é inspiração? 
6.1. Como a inspiração se revela? Comprove com a Bíblia! 

7. O que é Iluminação? 
8. Por que é de suma importância orar antes de ler a Bíblia? 
Jo 14:26 
9. Por que devemos praticar a Palavra de Deus? 
Mt 7:24-25 compare com Tg 1:22-25 
Para nunca mais esquecer. 
A Bíblia afastará você do pecado, ou o pecado afastará você da Bíblia.

 Neste módulo, a matéria “Introdução Bíblica” pretende ensinar aos alunos temas relevantes como:
     1º - A veracidade da Bíblia
               2º - Como manusear a Bíblia
               3º - Dar uma síntese sobre o seu caráter histórico
               4º - Dar uma visão panorâmica da história da Bíblia
               5º- Como a Bíblia chegou até nós.
               6º- Outros temas relevantes

A nossa aula de hoje, versará sob o tema: A Bíblia “A palavra de Deus”.


I. A BÍBLIA ”A PALAVRA DE DEUS”

1)-  Este é um assunto muito vasto e  muito profundo.
Todos nós (com especialidade, os evangélicos)) sabemos que a Bíblia é a Palavra de Deus. Disto não temos nenhuma dúvida. Portanto, não temos  necessidade de fazermos desta aula, uma apologia em defesa da Bíblia. A Bíblia como Palavra de Deus, ela fala por si  mesma. O simples fato de a Bíblia chamar-se de ESCRITURAS SAGRADAS, revela o compromisso  que Deus tem com sua palavra. Na Bíblia, Deus pôs o seu nome e a sua assinatura. As Escrituras tem o aval de Deus. Deus mesmo é o seu autor.  Conhecendo o autor da Bíblia, facilitará para você, conhecer à Bíblia.  Ninguém saberá interpretar melhor um livro, do que o próprio autor.  Quando observamos termos como: “Assim diz o Senhor..” na Bíblia, entendemos ser a confirmação de que Deus é seu autor.
  
Porque afirmamos que a Bíblia é a palavra de Deus?

Por que ela é a revelação de Deus à humanidade. É o único livro, cujo interesse é revelar Deus à humanidade. Nenhum outro livro se preocupa tanto com a vida espiritual do ser humano, como a Bíblia. Ignorar a Bíblia é ignorar a vontade de Deus. A   Bíblia é Deus falando ao homem, é Deus falando através do homem, é Deus falando como homem, é Deus falando a favor do homem, mas é sempre Deus falando!  O nosso livro texto, ensina que o aluno deve estudar a Palavra de Deus, não interessado apenas pelo seu aspecto literário (como literatura) mas pelo aspecto espiritual de sua mensagem

2)-  A Bíblia como Palavra de Deus falada


A Bíblia é a revelação verbal de Deus aos homens. Muitos anos antes de haver a escrita, Deus  já falava verbalmente com o homem.  No tempo de Adão, de Abel, de Enoque e de Noé, não havia a revelação escrita.  Tudo o que havia naquele tempo, era o Grande Livro de Deus – a natureza, Cf. Sl.19.1-3.  Certo erudito disse que os astros e a natureza são os missionário mudos de Deus. Por causa destes missionários, o homem tornou-se inescusável diante de Deus, Cf. Rm.1.19-20.
Quando lemos em Hb.1.1 » Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas...,refere-se a revelação verbal de Deus, dada antigamente aos homens, muitas vezes e de muitas maneiras. Ela era transmitida oralmente de pais para filhos, por muitos anos, até que Deus tomou as devidas providências.


3)- A Bíblia como palavra de Deus Escrita.

A Bíblia é também a revelação de Deus escrita aos homens, com o objetivo de revelar aos mesmos à sua vontade. Este Santo Livro é Divino-humano. Divino porque foi dado aos homens por inspiração divina e humano porque teve a participação humana. Muita gente deixa de crer na Bíblia,  porque diz que ela foi escrita por homens. Não podia ser diferente. Deus jamais iria usar um anjo para escrever aos homens, porque os anjos não sabem se expressar aos homens, veja “ Aos quais foi revelado que não para si mesmos, mas para vós, eles ministravam estas coisas que agora vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho; para as quais coisas os anjos bem desejam atentar”.  Deus também jamais usaria um animal para escrever aos homens, pois estes vivem num reino bem mais inferior que os homens. Deus usou homens, mas homens santos!  Cf. 2Pe.1.21.

Na Bíblia temos o Livro e a Mensagem. No livro, temos o aspecto teológico ou espiritual. No livro temos a participação  do elemento humano, os escritores e os materiais usados na escrita, como sejam – tábuas, papiro, pergaminhos e outros. Na mensagem, - a Palavra - ,  é divina, é dada por Deus, foi Deus quem falou, foi Deus quem ordenou.

 4)- A veracidade da Palavra de Deus

A Bíblia é um livro diferente de todos os demais livros. O que diferencia a Bíblia dos demais livros?  O que diferencia a Bíblia dos demais livros é a sua inspiração divina, veja IITm.3.16. A Bíblia é a PALAVRA INFALÍVEL  DE DEUS. Jesus disse: “ Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão”. Ela é fiel em seu cumprimento, por que foi inspirada pelo próprio Deus, Logo, Deus é o seu real autor. A Bíblia não apenas contêm, (como querem alguns) a Palavra de  Deus, ela é a PALAVRA DE DEUS. Disse certo autor que antigamente para se falar na autenticidade da Bíblia, usava-se apenas a palavra; “A Bíblia é a Palavra de Deus”. E estava resolvido!  Depois mais tarde foi necessário acrescentar: A Bíblia é a Palavra inspirada de Deus”, porque só a Palavra de Deus não estava resolvendo mais.  Porém, com o decorrer dos anos , a frase foi crescendo, até chegar a: A Bíblia é a palavra de Deus verbal e plenariamente inspirada. Logo mais adiante foi necessário  usar uma bateria de termos teológicos, mais ou menos assim: A Bíblia é a palavra de Deus, infalível, inerrante nos manuscritos originais, verbal e plenariamente inspirada.

 

5º- Falsas teorias sobre a inspiração da Bíblia

a) Teoria da inspiração natural – humana. Esta teoria ensina que os escritores da Bíblia foram homens super dotados de capacidade e força intelectual especiais, como Sócrates, Shakespire, Camões, rui Barbosa e outros. Negando o sobrenatural.
b) Teoria da inspiração comum: Esta teoria ensina que a inspiração dos autores da Bíblia é a mesma que os pregadores recebem hoje nos púlpitos. Esta teoria não confere, porque a inspiração que recebemos hoje é permanente e a dos escritores era temporária.
c) Teoria da inspiração parcial : Esta teoria ensina que apenas algumas partes da Bíblia são inspiradas, outras não. Este dizem que a Bíblia contém a Palavra de Deus, mas não é toda – Palavra de Deus.
d)  Teoria do ditado verbal: Esta teoria ensina que a inspiração da Bíblia é só quanto às palavras e não deixando lugar para as atividades e  estilo do escritor, o que é notável em cada livro. 
e) Teoria da inspiração das idéias: Esta teoria ensina que são inspirados apenas as idéias da Bíblia e não as palavras, que ficaram a cargo dos escritores.
F) Teoria correta da inspiração da Bíblia:  A teoria correta da inspiração da Bíblia é aquela que ensina que todas as partes da Bíblia são igualmente inspirada por Deus. Os escritores não foram apenas “robôs”, mas houve cooperação vital e contínua entre eles e o Espírito Santo que os capacitava para desempenhar certas funções. 

O ENSINO RELEVANTE PARA ADOLECENTES.

INTRODUÇÃO

A adolescência é uma fase muito importante na vida de uma pessoa. É um período que não pode ser considerado uma mera transição entre a infância e a fase adulta. É uma etapa onde ocorrem as mais diversas transformações a nível físico, intelectual, emocional e social. A adolescência é um processo dinâmico de metamorfose que transforma o ser criança em um ser adulto.



I. DEFINIÇÃO DE ADOLESCÊNCIA
A adolescência é um período da vida que se estende entre a fase da infância e a fase adulta. Ela é um processo dinâmico e não um estado. É um estágio onde acontece um período radical de transição que deve ser vivido com naturalidade e intensidade pelo adolescente e um tempo especial onde os adultos precisam compreendê-lo em suas inquietações.
A adolescência é considerada um fenômeno de caráter psicológico e social com diferentes particularidades que variam de acordo com o contexto no qual o adolescente está inserido.
A palavra adolescência deriva do latim ad (a, para) e olescer (crescer), caracterizando, portanto, o processo dinâmico que o indivíduo apresenta na sua aptidão de crescer. A adolescência também tem raízes na palavra adolescer, de onde origina a palavra adoecer. Temos, pois, uma dupla etimológica: crescer no sentido físico e psíquico e adoecer com as transformações biológicas e mentais que se sucedem nesta fase da vida.
II. ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA
Ao abordar o tema da adolescência, o autor José O. Outeiral fala de três etapas que não tem início e fim definidos com precisão e onde algumas características se confundem e outras não.
1. A adolescência inicial
Esta fase da adolescência tem o seu início em torno dos 10 anos estendendo-se até os 14 anos, aproximadamente. A principal caracterização deste período é a transformação corporal com as devidas alterações psíquicas.
Normalmente, nas meninas o amadurecimento ocorre mais cedo do que nos meninos. Esta fase é também denominada de adolescência puberal, por apresentar o início das mudanças da puberdade com todas as modificações físicas e psíquicas da adolescência.
Nesta etapa da adolescência, uma característica é o isolamento e há uma mudança no jeito afetivo do adolescente ser: ele se torna explosivo, suscetível, mal humorado e dorme muito. Ele se fecha em seu quarto ou até no banheiro por um vasto período. O adolescente torna-se monossilábico e a desobediência passa a ser a tônica principal. Além disso, inicia a desordem, a falta de asseio e a despreocupação de si mesmo.
2. A adolescência média
A presente etapa vai dos 14 aos 16 ou 17 anos, aproximadamente. Tem como característica principal tudo que está relacionado com a sexualidade. Relevante também, nesta etapa, é o surgimento da importância do aspecto grupal. O adolescente centra seu modelo no relacionamento que ele tem com o seu grupo de colegas e amigos.

3. Adolescência final

Esta fase da adolescência vai dos 16 ou 17 aos 20 anos. Nesta etapa se estabelecem os novos vínculos com os pais e acontecem a adaptação ao novo corpo aos processos psíquicos do mundo adulto. Acontece também o rompimento da psicologia grupal e o adolescente busca uma maior independência onde ele procura inserir-se na sociedade em que vive.
III. CRISES NA ADOLESCÊNCIA
O termo “crise” origina do grego “krisis”e significa ato ou faculdade de distinguir, escolher, decidir ou resolver. O vocábulo é usado, pois, como parte integrante e positiva no processo de desenvolvimento do adolescente.
Tanto o menino como a menina que entra na adolescência inicia uma caminhada onde se dá lentamente o adeus à infância. O brinquedo, até então algo inseparável, começa a ser deixado de lado. Surge na memória um tempo que foi passando e que não voltará mais. Começa brotar um sentimento de perda que ocasiona a crise.
1. Crise de identidade
A identidade é a consciência que a pessoa tem de si mesma como alguém que integra o mundo real existente.
A crise de identidade está centrada na necessidade que o adolescente tem de ser ele mesmo na procura de uma definição de seu self (“o self é tudo aquilo que sabemos, sentimos, vivenciamos como parte de nós mesmos. É tudo aquilo que nos conforma e compõe. É o objeto central do ego”.), para assim romper com sua infância e conseguir se firmar como pessoa.
A crise de identidade é tida como ponto central na adolescência. A palavra crise é utilizada por haver uma mudança em ebulição, um processo de ruptura, de caos, que vai determinar a organização ou estruturação do indivíduo.
A identidade, na adolescência, se processa por uma série de identificações: num primeiro estágio, há uma forte identificação com a mãe, depois com o pai e com os outros membros da família e por último, há uma identificação com os professores, ídolos, e amigos.
2. Crise de autoridade
A crise de autoridade, na adolescência, é algo bastante forte e se caracteriza pelo confronto. Há uma atitude de rebeldia e muitas vezes até de desrespeito para com o adulto, especialmente para com os pais e outras pessoas que têm autoridade ou exercem determinada função.
A oposição visa, primeiramente e, sobretudo o meio familiar: o adolescente, para provar a si mesmo a sua independência, defende sempre posições contrárias às de seus pais e outros adultos. Ele também não aceita ser orientado na escolha dos amigos, das leituras, diversões e posições. O adolescente é um eterno reivindicador.
3. Crise sexual
A crise sexual é considerada a crise mais complexa da adolescência. Há, nesta fase, uma reelaboração total do mundo sexual que transforma a estrutura infantil em uma estrutura adulta.
Em meio a esta fase de transição, o adolescente se desenvolve lentamente, o que acontece em diversas etapas. Há inicialmente a maturidade das gônadas e a mudança genital.
A crise sexual se instala a partir das transformações do corpo, o que exige uma adaptação à nova realidade. De um momento para outro o corpo do menino e da menina começa a se transformar em um corpo de homem ou mulher. Tudo isto os torna impacientes e descontentes, pois a imagem que o adolescente tem de si mesmo não corresponde ao seu ideal estético. O crescimento desordenado causa desconforto. Braços, pernas, pés e mãos tornam-se grandes e compridos. Emagrecem e espicham, ultrapassando, muitas vezes, os pais. O nariz parece ao adolescente pouco estético. Surgem as espinhas, e o suor passa a exalar um forte cheiro. A voz se modifica e é motivo para brincadeiras maldosas que irritam o adolescente.
Toda esta insatisfação leva os adolescentes a crises de desespero, que são ainda mais forte porque, nesta época, o adolescente tem necessidade de agradar ao sexo oposto.
O adolescente precisa aceitar o seu novo corpo e viver em paz com ele para alcançar um bom nível de relações com os outros.
IV. DIFICULDADES NO CONVÍVIO COM ADOLESCENTES
Vimos até aqui a complexidade pela qual passa o adolescente em seu estado de metamorfose. A seguir, listaremos alguns aspectos que, se não observados, irão dificultar nossas relações para com eles neste período de total transformação pelo qual passam.
1. Não compreendê-los
Ser compreensivo significa entender e captar os sentimentos do adolescente; é confiar em sua capacidade para ir adiante, é respeitar sua liberdade, respeitar sua intimidade, não julgá-lo, aceitá-lo como ele é, aceitá-lo tal como ele quer chegar a ser; é ver o outro como sujeito.
O adolescente precisa ser compreendido e aceito em sua maneira de ser e agir. Ele necessita de um ambiente acolhedor que o proteja e lhe mostre o caminho a ser seguido. O adulto é para o adolescente um refúgio necessário, mas ao mesmo tempo, alvo de agressão e destruição. É uma tarefa árdua, mas bela e gratificante, ser este adulto racional e maduro para um adolescente que está à procura de parâmetros que sirvam de modelo para sua afirmação como pessoa.
2. Falta de empatia
No relacionamento humano é fundamental que se busque a compreensão do que a pessoa está dizendo e sentindo. É o que se chama de empatia. É sentir o que o outro sente; é ouvir a sua história como se fosse a minha. É a capacidade de dar-se conta das emoções e das mudanças internas da pessoa com a qual nos relacionamos. É colocar-se no lugar da pessoa.
Ao nos comunicarmos com o adolescente ou mesmo com outra pessoa qualquer, é certo que receberemos aquilo que estamos a lhe oferecer. Se nosso sentimento for de indiferença e apatia, é natural recebermos algo semelhante em troca.
A empatia requer a aceitação incondicional do outro: isso quer dizer que o aceito como ele é procurando aceitar todos os aspectos de sua pessoa: seus gestos, sua forma de falar, sua maneira de enfocar a vida, sua inteligência, seu corpo e seus atos. Isso faz com que eu não procure manipulá-lo, mudá-lo e favorece o outro a se expressar livremente e com confiança.
3. Não sendo uma presença real
O adolescente percebe quando somos uma presença irreal, apenas de corpo ou se estamos totalmente com ele, sendo uma presença de corpo, “alma” e mente. O doar-se fará bem ao adolescente, mas talvez o grande beneficiado seja o adulto que irá desfrutar do convívio o que de melhor pode existir: a sinceridade e o amor à vida.
4. Não entendendo seus sentimentos
Assim como o adulto, o adolescente tem o direito de vivenciar e expressar o seu sentimento em relação ao mundo e às pessoas. É importante que o respeitemos, assim como ele é e assim como se expressa. O adolescente tem o direito de pensar, sentir e agir conforme seu coração, desde que isto não violente as formas de convivência.
5. Querer convencer o adolescente a partir de nossos pressupostos
Em nosso relacionamento com o adolescente, é fundamental que ele perceba que nos encontramos abertos para ouvi-lo e não para lhe impor nossas verdades. Estamos juntos para que haja uma troca de experiências e conhecimentos que enriquecerão nossas relações. Em uma relação nada pode ser imposto. Pode haver um compartilhar de idéias que permitirão uma troca mútua. O adolescente perceberá que os seus pressupostos têm valor, e não apenas os do adulto.
6. Não sendo coerente
A coerência é imprescindível em toda e qualquer relação. Ser coerente é ter a coragem de ser o que se é, sem disfarces. O adolescente é especialista em perceber se somos coerentes com aquilo que falamos e fazemos. O não ser coerente nos tira a credibilidade para termos uma relação próxima com o adolescente.
7. Não escutando o adolescente
Escutar é diferente de ouvir. Nós ouvimos sons, ruídos ou palavras. Nós os ouvimos ainda sem querer quando alguém ou algo os emite. O escutar supõe uma disposição: é preciso querer escutar. Nós ouvimos sem querer; no entanto, para escutar é preciso querer fazê-lo.
O adolescente, no contato conosco, deve perceber que nós o estamos ouvindo de corpo inteiro e isto implica, conforme Luiz Antônio Ryzewski, em 3 habilidades, chamadas de A.C.A., que descreveremos a seguir.
a)”A” de atender
Atender é estar ligado, atento, conectado. É receber a informação e nos certificar que estamos recebendo exatamente aquilo que o adolescente nos quer transmitir. É perceber também o sentido oculto das palavras, gestos e ações.
b)”C” de compreender
É o momento da interpretação do significado da mensagem expressa pelo adolescente. Nem sempre uma determinada palavra tem o mesmo significado para todas as pessoas. Deve ficar claro o que isto significa na linguagem usada pelo adolescente. A compreensão correta se dá se nos colocarmos no seu lugar.
c)”A” de avaliar
É quando refletimos sobre o que nos foi informado e a partir da avaliação vamos definir nossa reação frente a uma determinada situação. Devemos avaliar, não a partir dos nossos preconceitos, mas a partir do adolescente. Isto não significa concordar sempre com ele, mas respeitar sua opinião, dando a nossa, colocando argumentos prós e contra.
V. O PROCESSO DE ENSINO
Lei do efeito: Importância do conteúdo aprendido
Lei do exercício: Reforço, atividade adaptado ao conteúdo
Lei das atitudes: Provocar reação e posicionamento no aluno
Lei da atividade seletiva: Retenção do significativo
Lei da analogia: Comparação com outras situações e experiências
VI. O PROCESSO DA APRENDIZAGEM
1. Objetivos de ensino
Gerais
Específicos
2. Plano de Ensino
Conhecendo a realidade
Elaborando o plano
Executando o plano
Avaliando e aperfeiçoando o plano.
VII. COMO DEVE SER O PROFESSOR
1. Como Jesus ensinava
2. Requisitos básicos para ser professor
Preparo Intelectual
Preparo Emocional
Preparo Espiritual
Preparo Interpessoal


Subsídio Pré Adolescentes: Lição 5 - Adão - a imagem de Deus

Subsídio Pré Adolescentes: Lição 5 - Adão - a imagem de Deus



 
Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram. Romanos 5.12
Procura-se um homem com personalidade perfeita e psique perfeita; que tenha ao seu lado a parceira perfeita e um ofício perfeito em um lugar perfeito. Certa vez, uma pessoa realmente cumpriu todos esses requisitos. Foi Adão.
Adão foi criado à imagem de DEUS. Algumas pessoas costumam dizer: "Essa garoto é a cara do pai", querendo dizer que a imagem do pai se reflete no filho. 

Da mesma maneira, os seres humanos compartilham semelhanças com o Criador. A masculinidade de Adão era parte da imagem de DEUS. (Uma observação: foram necessários "homem e mulher" para construir a imagem de DEUS em gênesis 1.27. DEUS não criou nenhum modelo unisex).

A Adão foi concedida a companheira perfeita, Eva, uma mulher verdadeiramente perfeita. As traduções de gênesis 2.23 não capturam de fato a emoção de Adão ao ver a primeira mulher. O versículo poderia ser quase traduzido como uma interjeição: "Oba!".

Em gênesis 1.28-30, encontramos a descrição do ofício de Adão. Ele era responsável por tomar conta do jardim de DEUS. Adão, que fora criado a partir da terra (Gn 2.7), tinha a incumbência de administrá-lo. Ele era lavrador (ou fazendeiro) e ecologista. Também se tornou o primeiro cientista da terra, pois quando deu nome aos animais, ele os estava classificando em grupos (Gn 2.19-20). 

Adão era uma espécie de ônibus cheio de gente dentro (Rm 5.12-21). Quando ele pecou aquele ato se espalhou como um latão de tinta sobre milhões de pessoas. Adão tinha os genes perfeitos e a mulher perfeita no jardim perfeito do mundo perfeito. Mesmo assim, ele estragou tudo. Adão já trabalhava antes de pecar, mas, depois disso, seu trabalho se tornou mais fatigante (Gn 3.17-19). 

 Ambiente passou a ser seu inimigo. Além disso, por causa do fracasso de Adão, a família também foi arruinada. Um dos filhos dele matou o outro (Gn 4).

Adão se sentiu envergonhado depois de pecar. Mesmo assim, DEUS, em sua graça, providenciou um sacrifício para cobrir a vergonha de Adão (Gn 3.21). Como o primeiro Adão pecou (Rm 5.12-21), o ultimo Adão, que é Cristo (1Co 15.21-23), providenciou o sacrifício perfeito para cobrir o pecado de Adão (e nosso também). Adão trouxe a morte a terra; JESUS nos concede a vida.
Assim como Adão, somos chamados para refletir no SENHOR. No entanto, nós falhamos. Portanto, nossas esposas sofrem. Nossos filhos se desestruturam. Mesmo assim, tal como Adão, podemos ser revestidos "...do novo [...] à imagem do seu Criador" (Cl 3.10). 

...ADÃO ERA UMA ESPÉCIE DE ÔNIBUS CHEIO DE GENTE DENTRO.

Fonte: blogtopsites

Lição 5 - Drogas:um caminho perigoso!



ENFOQUE BIBLICO.

“O pecado não dominará vocês, pois vocês não são mais controlados pela lei, mas pela graça de Deus.”

 
FIQUE ALERTA
As drogas são substancias químicas extraídas e manipuladas diretamente das plantas, ou produzidas sinteticamente em laboratórios. Elas interagem no corpo humano provocando reações diversas: como sono, alivio de dor, relaxamento muscular, tremores e etc. algumas alivia a dor e curam doenças, e estas dá-se o nome de remédios. Infelizmente as pessoas estão começando a usar drogas cada vez mais cedo: cerca de 37% iniciam com menos de 14 anos; 50% usam a primeira vez entre 14 e 18 anos: e cerca de 14% por cento com mais de 18 anos. Portanto, se você pensa que esta longe do perigo abra o olho – muitos dos seus colegas adolescentes já estão lá. Pois esta é a idade em que a maioria começa a drogar.



PALAVRA VIVA
O corpo humano é um tratado de bioquímica. Todo nosso corpo, especialmente o sistema nervoso central, precisa do equilíbrio de varias substancia químicas pra que possa funcionar corretamente, coordenando as funções vitais (respiratórias, cardíacas, digestivas, etc.) e as chamadas especiais (memória, inteligência, atenção, linguagem, etc.).
Toda droga, e aqui estão incluídas também o álcool e o fumo, possui um ou mais componentes químicos que, quando aspirados ou ingeridos, entram na corrente sanguínea e chegam ao sistema nervoso. 

Porem, a sua ação se complica, pois ao cair no sangue, que irriga as células, inclusive os órgãos, músculos e tecidos, acaba infectando as células do corpo com o componente químico usado. É por isto que, mesmo após a morte, é possível saber quais componentes químicos foram utilizados por uma pessoa através do exame bioquímico das células do seu corpo. Ao infectar as células, o organismo absorve a química da droga, passando a usá-la em muitas das sua funções. Com o habito do consumo de drogas, o organismo se torna dependente da substancia que se encontra nelas, e o consumidor se torna dependente químico, pois já esta viciado, já que seu corpo pede a droga. Por isso, ele fica desesperado até consumir a substancia solicitada pelo organismo.

A dependência pode ser física, quando o corpo passa a solicitar a ingestão da droga, ou psíquica, quando a mente “pede” a droga pra o exercício das suas funções. Ao chegar neste estagio, a liberdade individual se esvai. O que antes era feito pela curiosidade, prazer ou vontade própria, a partir da dependência passa a ser consumido por necessidade, obrigação, escravidão. O drogado se torna escravo e dependente total da droga que consome!



OS EFEITOS DAS DROGAS.


É importante falar sobre os efeitos de algumas drogas ilegais, focando as mais importantes, já que a casa dia aumenta, o numero dos que trabalham clandestinamente para manipular “venenos” mais potentes e causadores de mais dependência. Até porque, quanto mais dependente a pessoa se torna, mais ela consome, e quanto mais ela consome, mais dinheiro os fabricantes, traficantes e atravessadores ganham.



DEPRESSORAS DO SNC

Chamadas psicolepticas, elas deprimem o funcionamento do SNC (SISTEMA NERVOSO CENTRAL) fazendo com que a pessoa fique “devagar” “desligada” desinteressada pelas coisas, pelo estudo ou trabalho. E pelos relacionamentos com a família e amigos.



Álcool. O álcool pertence ao grupo das drogas depressoras do SNC, mas merece uma atenção especial por ser muito antiga e porque no Brasil, o consumo de bebidas alcoólicas é amplamente difundido, sendo superior ao consumo do leite! Seus nome populares são; birita, me, mel, pinga, goro, cana, loirinha.

Leia o texto que diz a Bíblia; “Quem bebe demais fica barulhento e caçoa dos outros; o escravo da bebida nunca será sábio” (Provérbios 20.1). cuidado: não se deixe vencer, isto é, ser dominado pelo álcool.



Inalantes e solventes. Os inalantes são as substancia que podem ser inaladas, a partir da aspiração pela boca ou nariz. Os solventes também podem ser inalados, mas são capazes de dissolver coisas e evaporam rápido, estão presentes no éter, clorofórmios, gasolina, fluidos de isqueiro, cola de sapateiro, removedores, esmaltes, etc. são conhecidos pelo nome de cheirinho da loló ou loló, lança perfumes ou lança e cola.



PERTUBADORAS DO SNC



Chamadas de alucinógenas ou psicodélicas fazem com que a pessoa passe a perceber as coisas deformadas, distorcendo imagens causando alucinações – as chamadas “viagens”, que no inicio são boas, mas que com o tempo tornam-se aterrorizantes, e podem causar dependência e morte pela incapacidade da pessoa em discernir entre o real e o delírio, ou em reagir a situações de perigo. Um exemplo desse tipo de droga e a maconha.

Maconha. Conhecida como haxixe, baseado, erva, ganja, marijuana, beise, tora, fumo, bagulho, fininho, etc. é uma das drogas mais utilizadas no Brasil, mas não é tão inofensiva como parece, no inicio produz olhos vermelhos, boca seca e taquicardia, somados a relaxamento, diminuição da fadiga e vontade de rir. Porem, com o uso, produz angustia, tremores, sudorese, prejuízo na memória e na atenção, delírios e alucinações, alto índice de câncer de pulmão, esterilidade masculina e dependência.



ESTIMULANTES DO SNC


Chamadas de psicoanaplepticas, elas aumentam a atividade cerebral, fazendo com a pessoa fique “ligada”, “elétrica” e sem sono. O ecstasy, por exemplo, é muito vendido em festinhas, de moda a “animar a moçada”.



Crack. Composta da mistura de cocaína e bicabornato de sódio, em forma de pequenos cristais (pedras) para serem queimados, geralmente essa droga é fumada. Seus efeitos como, temperatura elevada do corpo, acidente vascular cerebral (AVC), destruição de neurônios, degeneração dos músculos do corpo (aparência esquelética do individuo), excesso de horas sem dormir; e dentre outros, provocam uma devastação na pessoa. Atualmente o uso do CRACK é DS ou o vírus da hepatite. Provoca a sensação de euforia e bem estar, irritabilidade e aumento da atenção e a estímulos externos. Com o aumento da dose, produz pânico, delírio de perseguição, alucinações, sensação de ouvir vozes ou de bichos andando pelo corpo, desorientação, convulsões e ate lesões cerebrais. Chamada de pó, neve, branquinha, brisola, pico, crack, coca, basuko, pedaço, carreirinha, etc.


SAINDO DAS DROGAS

Como todas as drogas causam dependência física e/ou psíquica, com o uso acontece o que chamamos de tolerância: o organismo vai se acostumando com as doses, solicitando o aumento da quantidade a ser ingerida ou aspirada. Nestes casos, para sair das drogas, a pessoa precisa passar pela síndrome da abstinência, que um período que ela deixa de consumir a droga e sofre alterações físicas e psíquicas, como a dor atroz, alucinações, falta de raciocínio, e agressão pra com os outros e consigo mesma.

Quando há dependência, a Síndrome da abstinência requer obrigatoriamente tratamento medico e hospitalização, pois o usuário precisa ser medicado e contido para não ter acesso às drogas, e por vezes ate amarrado para não se suicidar.



SEJA LIVRE!


Há muitos adolescentes que dizem: “eu vou só provar...” ou que pesam ser fortes o bastante para resistirem a uma segunda dose. Mas cuidado: a maioria entra nas drogas pela curiosidade, para agradar aos amigos e ser aceito no grupo. Muitos viciados até oferecem gratuitamente as primeiras doses, que podem ser tragadas ou virem em balinhas interessantes e gostosinhas.

Lembre-se também de que nas primeiras doses os efeitos parecem bons, acalmam, relaxam, tiram o cansaço, tornam a pessoa mais ligada e falante, etc. contudo, não se esqueça que com o uso, o que pode acontecer a partir da segunda dose ou terceira dose, dependendo da droga, os efeitos se tronam drásticos, aterrorizantes e prejudiciais à saúde física e mental. A droga é tão ruim para o ser humano, que, quando alguma coisa sai errada, as pessoas costuma falar droga, no sentido de dizer eu a situação e ruim. E nada é tão “droga” quanto usar droga!

Portanto, não se escravize, não ceda aos apelos das drogas, pois o preço a pagar e muito alto. Você pode ser livre em Jesus, e o desejo e o pecado não tem mais poder sobre a sua vontade! Lembre-se de que “se o filho os libertar, vocês serão de fato, livres” (Jô 8.36).



CONVERSA FRANCA

Há uma estreita relação entre as drogas e o suicídio, o trafico, o jogo, a desestruturação da família, o desemprego, a prostituição e a violência. Vamos discutir isto, trazendo, inclusive, exemplos conhecidos?



PASSANDO A LIMPO


Os efeitos nocivos das drogas não são amplamente divulgados pela mídia, mas são reais e motivadores do caos de violência presentes na sociedade. Assim sendo, elabore propagandas contra as drogas, confeccionando cartazes, cantadas na forma de jingles (musica curta) ou representadas teatralmente.



ROMPENDO FRONTEIRAS


A evangelização de drogados precisa ser especifica, pois eles precisam de ajuda medica, suporte psicológico e acompanhamento familiar e pastoral. Ore, ajude e apóie este trabalho em sua igreja e cidade, mas jamais passe a andar com viciados para ganha-los para Jesus – é mais fácil você ser tentado a experimentar drogas que afastaram você dos seus amigos, da sua família e do seu Deus.


LIÇÃO 09 - A MORDOMIA DO TRABALHO / SLIDES / CLASSE ADULTOS

BAIXAR OS SLIDES