SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (152) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (188) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (398) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (593) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

01 junho 2012

VIDEO AULA LIÇÃO 10


 
 
 

 

Aula em Vídeo - As duas Bestas - Apocalipse Cap. 13



Estudo ministrado pelo Pr. José Serafim de Oliveira com material de apoio ao 2º Trimestre de 2012: As sete cartas do Apocalipse.
Aula em Vídeo - As duas Bestas - Apocalipse Cap. 13

Lição 10 - O governo do Anticristo I


2º Trim.2012 - Lição 10 - O governo do Anticristo I
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
SEGUNDO TRIMESTRE DE 2012
AS SETE CARTAS DO APOCALIPSE - A mensagem final de Cristo à Igreja
COMENTARISTA: CLAUDIONOR CORRÊA DE ANDRADE
COMENTÁRIOS - CARAMURU AFONSO FRANCISCO
(ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP)

O Anticristo, instrumento direto de Satanás, será o maior e último governante do sistema mundial gentílico, que se caracteriza pela rebeldia contra Deus.
INTRODUÇÃO
- Os gentios, ou seja, todas as nações com exceção de Israel, pertencem a um sistema mundial de governo que tem como característica principal a rebelião contra Deus, a tentativa de estabelecer um modo de vida independente de Deus. A comunidade única pós-dilúvio foi destruída por causa deste sentimento.
Esta rebeldiatem se perpetuado ao longo da história da humanidade e atingirá o seu máximo esplendor mediante o governo do Anticristo, esta personagem que é anunciada nas Escrituras como sendo o mais ímpio e iníquo governante que já houve sobre a Terra e cuja manifestação coincidirá com o início do juízo de Deus sobre o planeta.
I – O SISTEMA MUNDIAL GENTÍLICO SEMPRE TEVE GOVERNANTES REBELDES A DEUS
- Damos, agora, início do terceiro e último bloco do trimestre, em que veremos uma visão superficial e ligeira do restante do livro do Apocalipse, que fala do período posterior à Igreja sobre a face da Terra, “as coisas que depois destas hão de acontecer” (Ap.1:19 “in fine”).
Esta parte do livro do Apocalipse inicia-se com uma nova visão que teve João em Patmos, quando é chamado para ir até o céu(Ap.4:1). Percebemos, pois, que, a partir do capítulo 4, João está no céu vendo as coisas que irão acontecer, a indicar que a Igreja não estará mais na Terra quando os fatos que são revelados a partir do capítulo 6 começarem a ocorrer. Por ser “amiga de Cristo”, à Igreja é revelado o conteúdo dos “sete selos”, daquilo que estava oculto aos homens a respeito da ira divina que advirá sobre todos os que rejeitarem Cristo durante a dispensação da graça (Ap.5:1-5).
O primeiro selo aberto(Ap.6:1,2) revela, precisamente, a figura do Anticristo, aquele que dominará o mundo após a retirada da Igreja da face da Terra e o término da resistência do Espírito Santo à ação do maligno, como, aliás, já ensinara a respeito o apóstolo Paulo (II Ts.2).
- Logo no limiar da história da humanidade, encontramos o homem tomando o partido da rebelião contra Deus, tentando construir uma civilização que deixasse Deus ao largo, como se o homem pudesse viver sem estar sob o domínio e tutela de Deus. O primeiro a construir um sistema social, político e econômico sem a presença de Deus foi Caim. A Bíblia afirma que, mesmo advertido pelo Senhor de que se não se submetesse, o pecado dominaria sobre ele (Gn.4:7), Caim pecou e rejeitou o Senhor.
- Apesar desta rejeição, Deus poupou a vida de Caim (Gn.4:15), o que demonstra, claramente, que Deus, mesmo tendo sido rejeitado, permitiu que se construísse todo um sistema de vida em contrariedade à Sua Palavra e à Sua vontade, pois Sua intenção não é que o homem perca, mas que todos sejam salvos e alcançados pelo Seu grande amor (I Tm.2:3,4). Assim que teve sua vida poupada, Caim construiu uma cidade, a quem deu o nome de Enoque (Gn.4:17,18). Começava, então, o sistema social dominado pelo pecado e cuja característica era o distanciamento de Deus. Caim, portanto, é o primeiro governante do mundo que se opõe a Deus (pois era do maligno, cfr. I Jo.3:12).
- O sistema social dominado pelo pecado tinha, também, como característica, o avanço tecnológico, artístico e científico, como se pode verificar da descrição bíblica da civilização caimita (Gn.4:21,22), progresso, entretanto, que era concomitante com um intenso processo de degradação moral e de violência (Gn.4:23,24). Simultaneamente, este sistema social rebelde encontrou guarida até mesmo entre os que serviam a Deus (a linhagem de Sete, os “filhos de Deus”, mencionados em Gn.6:2), corrompendo até aqueles que haviam sido ensinados a invocar o nome do Senhor (Gn.4:26), em uma intensidade tal que o Senhor acabou por decidir destruir toda a humanidade (Gn.6:5-7). Este primeiro sistema social rebelde, portanto, acabou sendo totalmente destruído por um juízo divino, a saber: o dilúvio.
OBS: É interessante notar que, na época da dispensação da consciência, temos duas pessoas chamadas “Enoque”: o primogênito de Caim, que deu nome à primeira cidade mencionada na Bíblia e, portanto, símbolo de todo o sistema perverso que então se criou e que chegou a dominar o mundo e o primogênito de Jarede, cuja piedade foi tão intensa que Deus para si o tomou (Gn.5:24). Embora o significado do nome “ Enoque” seja objeto de controvérsias, a maior parte dos estudiosos entende que seu nome significa “ensino”, “treinado”, “iniciado”, “dedicado”. Assim, se de um lado temos todo um sistema que foi ensinado, treinado a se revoltar contra a soberania divina, houve um indivíduo que preferiu seguir outro caminho e se dedicar e treinar em andar com Deus e, por isso, Deus o tomou, antes que lançasse o juízo sobre a Terra.
- Após o dilúvio, a família de Noé multiplicou-se sobre a face da Terra (Gn.9:19). Estas novas gerações viviam juntas, formando uma única comunidade (Gn.11:1), estando sob um governo igualmente único. Não tardou, porém, a surgir, no cenário mundial, outro grande imperador do mundo, a saber, o bisneto de Noé, neto de Cão e filho de Cusi, chamado Ninrode, que a Bíblia aponta como o primeiro que “começou a ser poderoso na terra” (Gn.10:8). Segundo a maior parte dos estudiosos, Ninrode significa “rebelde”, ou seja, uma vez mais se levantava alguém que não aceitava a submissão a Deus e que pretendia construir um “poder humano”, um poder independente de Deus.
- Esta comunidade única, com seu grande líder Ninrode, com sede em Babel (que é Babilônia), pretendeu demonstrar todo o seu poderio e independência em relação a Deus, por meio da construção de uma torre, que alcançasse até os céus, um verdadeiro símbolo da soberba e da autossuficiência humanas diante de Deus. Este gesto de rebeldia levaria, inevitavelmente, a uma nova destruição da raça humana e Deus, que havia prometido não mais destruir o mundo por um dilúvio, na Sua infinita misericórdia, ao invés de destruir o homem, destruiu a comunidade única até então existente, mediante o juízo da torre de Babel, que foi a confusão das línguas (Gn.11:7,8). Os gentios, portanto, eram aqui rejeitados, espalhados pela face da Terra em razão da sua submissão ao pecado e sua dedicação a um sistema que tencionava impor ao ser humano uma vida de independência e rebeldia em relação a Deus.
- Vimos que, a partir de então, Deus inicia a executar o Seu projeto de constituição de uma nação dentre as demais, a saber, Israel, pela qual propiciaria a salvação dos homens. Todavia, entre as nações surgidas da confusão das línguas, permanecia o germe da rebelião, o domínio do pecado. Este sistema, que as Escrituras denominam de “mundo”, sempre esteve presente entre as gentes, entre os gentios. Embora não houvesse nunca mais uma única comunidade, o certo é que a história gentílica é uma sucessão de impérios e civilizações que têm como característica peculiar a busca de um modo de vida contrário à vontade do Senhor.
- Não é de se estranhar, portanto, que, no sonho do rei Nabucodonosor, tenha sido vista uma estátua, uma grande estátua na forma de um homem. Esta estátua representa, precisamente, este sistema mundial gentílico, que jamais se submeteu ao Senhor e que, apesar de ter sido poupado e permitido por Deus, jamais reconheceu a misericórdia divina neste gesto e teima em se manter contrário à Sua vontade, espalhando a rebeldia, a soberba e a idéia de que se pode viver independentemente da submissão ao Senhor. Este sistema, que, como vimos, teve origem em Babilônia sob o comando de Ninrode, estava, na época do sonho de Nabucodonosor, novamente sediado nesta cidade e dali se espraiaria ao longo dos séculos, até que o Senhor interviesse diretamente na história e a ele desse cabo de modo repentino, o que foi simbolizado no sonho do rei pela pedra que foi cortada, sem mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou (Dn.2:34).

- Antes, porém, que o Senhor dê cabo deste sistema mundial gentílico, que é mais um dos necessários acontecimentos dos últimos dias, diz a Bíblia Sagrada que se levantará o último grande imperador do mundo, o mais terrível de todos, pois será um instrumento direto de Satanás entre os homens, quase que uma encarnação do próprio diabo, que sintetizará todo este ódio, revolta e indignação contra Deus. Este último líder deste sistema, o mais tenebroso e iníquo de todos, é chamado pelo apóstolo João na sua primeira carta de “Anticristo” (I Jo.2:18), cujo aparecimento é inevitável e se constitui num dos sinais antes da redenção de Israel e desta Terra por Cristo (II Ts.2:2-5).
OBS: “…O anticristo será a encarnação do que há de pior entre as nações. Se estas são ímpias e violentas, ele será prodigiosamente violento e desavergonhadamente ímpio. Se elas representam a revolta, ele é o rei dos revoltados contra Deus.…” (CHAMPLIN, R.N. O Novo Testamento interpretado, v.6, com. a Ap.13:1, p.548).
II – O ANTICRISTO E OS ANTICRISTOS
A palavra “anticristo” aparece apenas quatro vezes nas Escrituras, três vezes na primeira carta de João (I Jo.2:18,23 e 4:3) e uma vez na segunda carta do mesmo apóstolo (II Jo.7), a mostrar que se trata de uma expressão própria do “apóstolo do amor”. Entretanto, apesar desta exigüidade dos textos, foi a expressão adotada pelos estudiosos da Escatologia para denominar este último ditador do sistema mundial gentílico, até porque se trata de uma expressão que sintetiza, como nenhuma outra, tudo o que representa esta personagem. “Anticristo” significa tanto “contra Cristo” como “em lugar de Cristo”, ou seja, este último dominador do sistema mundial gentílico será alguém que tentará se dizer Cristo, que tentará se apresentar como o Messias, o Ungido de Deus, como o Enviado de Deus, como o próprio Deus, ao mesmo tempo em que procurará se voltar contra tudo o que representa o verdadeiro Deus, contra tudo o que estiver relacionado a Jesus, o verdadeiro e único Messias.
- Entretanto, é oportuno observar, que João, ao mencionar esta personagem e a denominar de “anticristo”, fez questão de ressaltar que haveria muitos “anticristos” (I Jo.2:18). Esta sutil distinção é muito importante e sua desconsideração tem levado muitos, ao longo dos séculos, a ter visões distorcidas e errôneas a respeito desta personagem.
- Em primeiro lugar, é bom observarmos que o “anticristo”, no singular, diz respeito a uma personagem que ainda não havia aparecido nos tempos do apóstolo João, que foi o último escritor do Novo Testamento, cujo falecimento é marcado por volta do ano 100. Destarte, não tem qualquer fundamento a identificação do “anticristo” com o imperador romano Nero, que foi o primeiro grande perseguidor da Igreja e que reinou de 54 a 68, portanto falecido antes da redação desta carta de João. O apóstolo diz que “…é já a última hora e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos…”(I Jo.2:18), a indicar, portanto, que Nero poderia ter sido “um dos anticristos”, mas que não era o “anticristo”, que ainda estava por vir.
- Em segundo lugar, a colocação no singular da expressão “anticristo”, indica que esta personagem será única, ou seja, uma pessoa diferente das demais que surgirem antes dela. Disto temos certeza não só por causa do número singular, que indica a quantidade um, como nos ensinam os gramáticos, como também pela existência do artigo definido “o”, que, além de também estar no singular, também aponta para alguém em especial, para uma pessoa determinada, que não se confunde com as outras.
- Em terceiro lugar, vemos que as expressões “vem o anticristo” e “muitos se têm feito anticristos” revelam, de forma clara, que o anticristo é uma pessoa, é um ser humano, não um sistema ou uma estrutura de poder, como chegam alguns estudiosos a defender, apresentando o que se denominou de “teorias impessoais”, ou seja, interpretações que dizem que o anticristo será um sistema, uma forma de governo, uma estrutura de poder, não uma pessoa em especial.
- Como já vimos supra, o sistema mundial gentílico existe desde Caim. Desde Caim, há o “mundo”, este sistema dominado pelo pecado e que se rebela contra Deus. Este sistema não era desconhecido do apóstolo João, que, aliás, também foi quem cunhou a expressão “mundo” para designá-lo (I Jo.2:2,15-17;3:1,13,17;4:1,3,5,9,14,17;5:4,5.19). João chama de “mundo” ao sistema que já existia e que estava imerso no pecado, um sistema que não conhece a Deus, que aborrece o crente, que está no maligno. Portanto, quando afirma que “vem o anticristo”, jamais se referia a este sistema mundial, a que dá o nome de “mundo”, pois este “mundo” já existia, tanto que Jesus havia vindo para propiciação dos seus pecados (I Jo.2:2). Se diz que o anticristo ainda vem, é porque ele é uma pessoa, não o sistema de onde ele virá, pois o sistema já existia, embora não fosse eterno (cfr. I Jo.2:15-17).
- O anticristo ainda não havia vindo, embora já fosse a última hora, mas “…muitos se têm feito anticristos…”, ou seja, até o aparecimento do anticristo, muitos haveriam de se fazer anticristos, ou seja, a exemplo do que ocorreu com o Cristo, que foi tipificado, prenunciado, figurado por algumas pessoas(José, Moisés, Josué, Davi, entre outros) também o anticristo será figurado, tipificado, representado, prenunciado por algumas personagens históricas, quase sempre líderes políticos e/ou religiosos ao longo da história da humanidade, que terão posições de mando dentro da estátua do sonho de Nabucodonosor, o sistema mundial gentílico. Assim, Nero e outros déspotas cruéis que surgiram ao longo da história são apenas os “anticristos”, postos no plural, figuras, tipos da terrível personagem que ainda está por aparecer.
OBS: Assim, devemos ter muito cuidado em querer identificar quem seja o anticristo, não caindo em especulações que a nada levam. Muitos se levantaram ao longo da história com características próprias do anticristo, mas o anticristo será somente aquele que se levantar com o apoio da estrutura de poder oriunda do império romano revivido e que apresente ou irrogue para si poderes sobrenaturais. Líderes como Nero, Napoleão ou Hitler são, sem sombra de dúvida, personagens históricas que se constituem em tipos do anticristo, pois, em suas biografias, encontramos muitas similaridades com a figura da “besta”, mas não são o anticristo que se manifestará no período da Grande Tribulação. Não façamos confusão !
III – A NATUREZA E O CARÁTER DO ANTICRISTO
- No sonho do rei Nabucodonosor, ao descrever o sistema mundial gentílico, o texto bíblico não revela a figura do anticristo, pois o sonho apenas se limita a mostrar que a pedra cortada sem mão esmiuçou toda a estátua (Dn.2:34,35), tendo o profeta Daniel interpretado que isto ocorreria quando o próprio Deus levantaria um reino nos dias dos dez reis representados pelos dedos dos pés da estátua (Dn.2:44).
- Entretanto, quando da visão dos quatro animais, que é uma repetição do sonho do rei, o profeta Daniel teve uma pormenorização a respeito do último império mundial. Nesta visão, ele vê um animal espantoso e muito forte, com dentes grandes de ferro, diferente de todos os animais anteriores. O animal tinha dez pontas e destas dez pontas subiu uma outra ponta pequena, uma ponta que tinha olhos como olhos de homem e uma boca que falava grandiosamente (Dn.7:8). Vemos aqui, portanto, a descrição do anticristo como um homem dotado de visão, visão que não lhe é própria (daí porque os olhos serem similares ao de homem, mas não serem de homem), mas que lhe será outorgada pelo próprio Satanás, bem como com grande poder de comunicação e de capacidade de levar após si a humanidade, num caminho que será o da oposição a tudo o que Deus é e representa.
- O anticristo, como já vimos, é um ser humano, é uma pessoa. Na visão dos quatro animais, Daniel diz que na ponta havia olhos, como olhos de homem, a comprovar que se trata de alguém e não de reinos, estruturas ou sistemas, como defendem alguns. Este homem, porém, será diferente de todos os outros homens, porque será uma pessoa usada pelo inimigo como nenhuma outra em toda a história. Como afirma o apóstolo Paulo, o anticristo operará segundo a eficácia de Satanás, de onde virá todo o seu poder, sinais e prodígios (II Ts.2:9). Assim, ao contrário dos outros “anticristos”, o anticristo será um instrumento direto do adversário, alguém que será um mero instrumento da vontade do diabo, que atuará com todo o poder do inimigo, que se manifestará numa intensidade nunca antes vista, porque não haverá a resistência que hoje ainda existe para tal manifestação (cfr. II Ts.2:7).
- Por causa desta afirmação bíblica, de que o anticristo estará sob a plena operação do inimigo, há quem entenda que o anticristo não será propriamente humano, mas uma espécie de encarnação do adversário, um ser demoníaco humanizado. Não podemos concordar com este pensamento, uma vez que a Bíblia diz, claramente, que o anticristo é um homem (Dn.7:8; Ap.13:18), embora saibamos que será um homem diferente(Dn.7:24), que se entregará totalmente ao domínio de Satanás, fazendo parte, assim, da chamada “trindade satânica”, ao lado do próprio diabo e do falso profeta (de que falaremos no final este estudo).
- Admitir que o diabo possa se humanizar, seria admitir que teria poderes de criação, algo que as Escrituras afirmam que é prerrogativa exclusiva de Deus (Gn.1:1, 2:1; Jó 38 e 39). A chamada “encarnação” de Jesus é, propriamente, como bem assevera o pastor Ailton Muniz de Carvalho, uma “autocriação”, ou seja, Deus Se fez homem, tomou a forma de homem (Jo.1:14; Fp.2:7), porque é o Criador de todas as coisas. Os anjos, conquanto possam se materializar e parecer homens, jamais se humanizaram, não podem fazê-lo, o que inclui, também, os anjos caídos, entre eles o ex-querubim ungido, que Paulo afirma que é capaz de se travestir como anjo de luz(I Co.11:14), mas jamais virar um homem propriamente dito.
OBS: “…a Besta não será o Diabo, nem um homem ressuscitado, mas um homem personificando o Diabo.…” ( GILBERTO, Antonio. Daniel e Apocalipse: compreendendo o plano de Deus para os últimos dias, p.154).
- Todavia, se não podemos admitir interpretações que levem à conclusão de que o anticristo será o próprio diabo encarnado, não temos razão para entender ter certo embasamento interpretações que veem o anticristo como um homem geneticamente construído (o que explicaria não só a sua superioridade biológica em relação aos demais homens, como também a própria falta de afeição e de moralidade decorrentes de uma ausência de vida familiar), bem como alguém que, desde a sua própria concepção, tenha sido planejado e dedicado ao inimigo em cultos ocultistas e satanistas. Não há, mesmo, razão para duvidar de que o anticristo, desde o instante de sua concepção, seja colocado sob o direto controle do adversário para a sua tenebrosa missão. Não nos esqueçamos de que, acima de tudo, esta personagem estará cumprindo as Escrituras e, portanto, toda a demonstração de força e de poder que Satanás desenvolver em torno da sua vida ocorrerá não só porque Deus o permitirá, mas, sobretudo, para que a Palavra do Senhor seja cumprida (Jr.1:12).
- Além de ser um homem, vemos, pelas Escrituras, que o anticristo será um líder político, ainda que diferente dos que já apareceram sobre a face da Terra em virtude desta conexão específica com o próprio Satanás. Assim, o anticristo terá, simultaneamente, duas fontes de poder: uma advinda do sistema mundial gentílico, construído pelo homem pecador desde o início dos tempos e que se encontra sob o domínio do pecado; outra, advinda do próprio diabo, que dará poderes sobrenaturais a este homem (Ap.13:2 “in fine”).
- Afirmamos que o anticristo é um líder político, porque a Bíblia, ao se referir a ele, tanto em Daniel como em Apocalipse, descreve o seu surgimento de entre as nações que reviverão o Império Romano. Em Dn.7:7,8, é dito que o animal espantoso e terrível tinha dez pontas e que, “…entre elas subiu outra ponta pequena…”, ou seja, o anticristo surgirá de entre as dez nações que estarão controlando o poder decisório da União Europeia (ou bem pode ser que sejam dez nações que, juntamente com a União Europeia, estarão controlando a política internacional). Seu poder, portanto, nasce da política, tem sua base na política, é o ápice de todo o sistema que começou a ser organizado por Caim, sob o domínio do pecado, e que tem se perpetuado através dos séculos.
- Em Ap.13:1, é dito que a besta subiu do mar e que tinha sete cabeças e dez chifres, chifres estes que estavam coroados (diademas são coroas) e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia. O fato de João ter sido colocado sobre a areia do mar é uma demonstração de que o poder teria origem terrena, e não celestial (João estava no céu, para onde fora levado a partir do capítulo 4 de Apocalipse, cfr. Ap.4:1). A besta ter subido do mar confirma, uma vez mais, esta origem terrena de seu poderio e, mais, a natureza política dele, porquanto o mar representa as nações da Terra (cfr. Dn.7:2,17). Aqui, também, a exemplo do texto de Daniel, vemos que a besta se sobressai dentre as nações, tendo como fonte de poder dez chifres, ou seja, dez reinos, pois são os chifres que estão coroados e não as suas cabeças. As cabeças, em número de sete, por sua vez, com o nome de blasfêmia nelas, confirmam que, a exemplo do que foi predito em Dn.7:24, após se consolidar no poder, o anticristo abaterá três dos dez países que lhe entregaram o poder e passará a ter base nestes sete países restantes que, com ele, estabelecerão os parâmetros de seu governo, que envolvem, em primeiro plano, a instituição de uma religião mundial, como veremos infra.
- Com relação ao caráter do anticristo, a Bíblia não nos deixa qualquer dúvida a respeito de quem ele será. Em primeiro lugar, diz que se trata de alguém que tem olhos como os olhos de um homem (Dn.7:8). Já falamos supra de que isto indica que o anticristo será alguém que terá uma visão superior aos dos demais homens, terá um discernimento muito mais aguçado, uma perspicácia muito mais intensa, uma inteligência e capacidade mental muito maiores do que as dos demais homens, pois operará não por si mesmo, mas usará o poder e a eficácia do astuto tentador, que é maior do que o homem (Sl.8:5).
- Em segundo lugar, a Bíblia diz que o anticristo será alguém que tem uma boca que fala grandiosamente (Dn.7:8; Ap.13:5). Isto nos mostra que, como todo líder político, o anticristo terá o “dom da palavra”, ou seja, terá grande capacidade de comunicação, principalmente de comunicação com as massas, com a população, com uma eloquência e facilidade de convencimento incomuns. Não nos esqueçamos de que o diabo é a “mais astuta de todas as alimárias do campo” (Gn.3:1) e que tem alto poder de persuasão. O anticristo sobrepujará todos os líderes políticos e/ou religiosos da história da humanidade neste item. O domínio da comunicação e a eloquência são fundamentais para a vida dos nossos dias. “Quem não se comunica, se trumbica”, dizia o apresentador de televisão Abelardo Barbosa, o Chacrinha, que, com sua maneira irreverente de ser, elaborou esta sentença que é uma realidade nua e crua dos nossos dias.
O anticristo terá um enorme poder de persuasão e convencimento e, como se isto fosse pouco, será ajudado nesta empresa pelo falso profeta e por todas as miríades de demônios e espíritos malignos que estarão agindo livremente naqueles dias. Técnicas de retórica e de neurolinguística têm se desenvolvido com intensidade nos últimos anos (e, lamentavelmente, tem sido recurso cada vez mais empregado por pregadores na atualidade…) e serão elas amplamente dominadas pelo iníquo. Através da comunicação, o homem torna comum o seu pensar, desenvolve a sua própria humanidade.
- O anticristo, com esta capacidade, dominará a mente e a vontade de milhões e milhões de pessoas em toda a Terra. Adolf Hitler, um dos anticristos que tipificam o iníquo, foi quiçá um dos primeiros homens a fazer uso dos meios de comunicação de massa e de uma política estruturada de propaganda e divulgação de suas ideias e arrastou uma das nações mais desenvolvidas e cultas do mundo, a Alemanha, e, com ela, o mundo todo, ao desastre do nazismo e da Segunda Guerra Mundial. O que não fará o anticristo, que será muito mais poderoso e eficaz que o Führer do Terceiro Reich?
- Além do mais, não precisamos insistir muito para saber que, na atualidade, o domínio dos meios de comunicação de massa, que alcançam dimensões universais, tem sido fundamental para a sustentação do poder político e que, de forma muito clara, está cada vez mais nas mãos de um cada vez menor de pessoas, a indicar que já vivemos numa verdadeira “ditadura dos detentores dos meios de comunicação”.
- Em terceiro lugar, a Bíblia diz que não somente o anticristo terá capacidade incomum de eloquência e persuasão, com amplo domínio da comunicação, como também utilizará esta habilidade para proferir palavras contra o Altíssimo (Dn.7:25), para blasfemar contra Deus, o Seu nome e os Seus (Ap.13:6). A mensagem do anticristo outra não é senão a de rebeldia e insubmissão a Deus e a tudo quanto Ele representa. O anticristo será o pregador do “evangelho da rebelião”, será o principal divulgador da mensagem contrária ao Senhor e à Sua Palavra. O anticristo trará uma mensagem de divinização do ser humano, de total independência de Deus. Dirá que os homens não precisam servir a Deus nem à Sua Palavra, que as Escrituras não têm qualquer validade, que os homens são deuses, são senhores do seu próprio destino, que as crenças advindas do Evangelho de Jesus Cristo não podem ser seguidas e devem ser abandonadas. Dirá que o homem evoluiu e que não mais precisa atender às exigências prescritas na Bíblia, que, certamente, será um livro no qual não se mais crerá naqueles dias.
- Ao mesmo tempo em que o anticristo fará o povo desacreditar nas Escrituras e na crença em Deus, também, sutilmente, apresentar-se-á como a solução dos problemas espirituais da humanidade, mostrar-se-á como o redentor do ser humano, como o escolhido para trazer aos homens a sua tão almejada salvação. Por isso, é ele o anticristo, pois, simultaneamente, atacará o evangelho de Jesus, levantar-se-á contra tudo que se relaciona a Cristo, bem como se apresentará como o seu substituto, como o verdadeiro elo entre o homem e a sua salvação, conduzindo, assim, o povo a adorar a si próprio e ao diabo. Nesta tarefa, a propósito, será auxiliado pelo falso profeta, que será o verdadeiro porta-voz e o agente convencedor do povo na adoração ao anticristo e ao diabo.
- Neste ponto, observemos que todos os movimentos religiosos da atualidade, de uma forma ou de outra, apresentam crenças na vinda de um salvador, de alguém que proporcione a evolução espiritual da humanidade e promova a solução para os seus problemas espirituais. Senão vejamos:
a) judaísmo – o judaísmo, religião dos judeus, está ainda aguardando o Messias, uma vez que rejeitam que Jesus o seja. O retorno de Israel a Palestina foi um fator que reavivou, como nunca, a crença messiânica entre os judeus que, a partir do final do século XVIII, havia experimentado um certo esfriamento. O surgimento do anticristo, certamente, fará com que muitos judeus o identifiquem como sendo o Messias, o que permitirá, inclusive, que haja o pacto que será firmado entre o anticristo e Israel no início do governo do anticristo (cfr. Dn.9:27). Esta aceitação, aliás, foi predita por Jesus (Jo.5:43).
b) hinduísmo, budismo, Nova Era, fé bahai – estes quatro movimentos religiosos creem que estamos na iminência do surgimento de mais um “espírito iluminado”, de um “Buda”, de um “mestre ascensional”, superior aos anteriores (identificados, quase sempre, como tendo sido os fundadores de religiões, como Buda, Confúcio, Lao-Tsé, o próprio Jesus e Maomé), chamado no movimento teosófico, que é o principal sistematizador das ideias que hoje representam o movimento “Nova Era”, de “Maytreya”, que, no “limiar da Era de Aquário”, virá para trazer evolução espiritual ao homem. Alguns dizem que será o próprio Cristo reencarnado, enquanto outros insistem em dizer que será um espírito mais evoluído que o de Cristo.
c) islamismo – O islamismo, também, crê que, antes do juízo, reinará sobre os árabes o “imam Mahdi”, um representante de Alá, que reinará por sete anos e trará prosperidade e estenderá o Islão até os confins da terra, chamado de “o justo líder da humanidade”. Segundo as crenças muçulmanas, que se encontram nos chamados “Haddith”, que são ditos de Maomé reduzidos a escrito após a sua morte, este imam será anunciado com sinais e prodígios, para que seja reconhecido pelo povo.
d) cristianismo apóstata – Mas, também, entre os que se dizem cristãos, há muitos que também estão aguardando a vinda de um outro salvador. Mas, como isto seria possível, já que o cristão deveria aguardar a vinda de Jesus?  Como o próprio Jesus nos avisou, nos últimos dias, haverá a “igreja de Laodiceia”, aquela que, embora fosse desgraçada, cega e nua, achava-se rica e achava que de nada tinha falta (Ap.3:17). Os que não atenderem ao convite de Cristo e não se humilharem diante do Senhor, também serão enganados pelo anticristo, porque, na sua apostasia, buscarão alguém que diga ser o Cristo ou que prometa levar a Cristo de um outro modo. Já não são poucos aqueles que têm trocado Jesus pelos falsos mestres e profetas, que, dentro de sua apostasia, conduzirão seus discípulos aos braços da besta. Porventura, não estão muitos que se dizem cristãos a seguir homens ao invés de olhar para Jesus? A confiar em visões, revelações e unções de homens do que a seguir o que manda a Palavra do Senhor? Bastará que estes homens que estão sendo cegamente seguidos por estes apóstatas, como se fossem João Batista, apontem para o anticristo, para que todos estes da chamada “igreja paralela”, como a denomina o pastor Osmar José da Silva, caiam nos braços do “filho da perdição”, seguindo o triste caminho trilhado, nos dias do ministério de Jesus, por Judas Iscariotes. A falsa ideia, disseminada entre muitos segmentos que se dizem cristãos, de que Jesus só virá depois de uma era de paz, prosperidade e devoção mundiais será uma mentira que seduzirá estes pseudocristãos, diante do discurso do anticristo.
- Pelo que se verifica, portanto, todo o mundo religioso está aguardando, com ansiedade, o surgimento deste salvador, deste homem que terá condições de resolver os problemas da humanidade, de preencher o vazio espiritual, ético e de perspectivas que existe no mundo de hoje, o que nos mostra que tudo está pronto para que o anticristo seja recebido de braços abertos por aqueles que se recusam a aceitar a mensagem da salvação em Jesus Cristo.
- Em quarto lugar, a Bíblia diz que o anticristo é a besta (Ap.13:1), palavra que corresponde ao original grego “thérion”(θηρίον), que significa “fera”, “animal selvagem”. Esta expressão mostra bem qual será o caráter do anticristo: alguém que não tem outro instinto, outra intenção senão a de devorar, destruir e despedaçar as suas vítimas. Com efeito, o anticristo, para aqui se utilizar de expressão de R.N. Champlin, “…fará todos aqueles outros [homens, observação nossa] parecerem crianças, paralelamente à sua imensa perversão moral…”(O Novo Testamento interpretado, com. a Ap.13:1, v.6, p.548).
- Não se poderia esperar de um homem que agirá segundo o poder e eficácia de Satanás algo diverso do que faz o diabo, cujo trabalho, disse-nos Jesus, é matar, roubar e destruir (Jo.10:10). Por isso, aquilo que o ex-chefe da Igreja Romana, o Papa João Paulo II, tinha identificado como sendo uma “cultura de morte”, para denominar o modo de vida que anda sendo propagado no mundo, principalmente no Ocidente (como a defesa do aborto, da pena de morte, da desconsideração dos embriões humanos como pessoas, a falta de preocupação com calamidades como as enfermidades e a fome entre os mais pobres e humildes, entre outros comportamentos de nosso tempo), nada mais é que mais um dos prismas da atuação do chamado “espírito do anticristo”.
- O anticristo é chamado de besta, isto é, de fera, porque não terá dó nem piedade de quem quer que seja. As Escrituras já afirmam que, tendo sido apoiado por um conjunto de dez nações para subir ao poder, logo se encarregará de abater a três delas (Dn.7:24). Sendo o mais exímio líder político de todos os tempos, o anticristo exercerá o poder na sua forma mais nua e crua, sem qualquer traço de moralidade ou de ética. Como odeia tudo que se relaciona com Deus, será um implacável e sanguinário perseguidor dos santos naquele dia (isto é, dos que se converterem a Cristo durante a Grande Tribulação), bem como de Israel, que é propriedade peculiar de Deus (Ex.19:5,6). Fará, por isso, guerra aos santos e os vencerá e destruirá (Dn.7:25; Ap.13:7). Sua crueldade não encontrará similar em toda a história da humanidade e, observemos, a história traz-nos retratos de grandes carnificinas, como as dos milhares de mortos durante as dez perseguições romanas contra os cristãos, dos milhares de mortos durante a Inquisição na Idade Média, dos sucessivos martírios em massa de judeus na Europa nas Idades Média e Moderna, do holocausto de seis milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial pelos nazistas, dos mais de trinta milhões de mortos por Stálin na União Soviética, mas, pasmem todos, nada disto se compara ao banho de sangue que está preparado para ocorrer durante o governo da Besta. A crueldade é uma marca tão proeminente do seu governo que as Escrituras costumam identificar o anticristo com o nome de Besta, não cessando de lembrar que vem de um império cuja característica principal é o de devorar e partir em pedaços as presas (Dn.7:23).
OBS: Certos estudiosos das Escrituras não cessam de afirmar que, entre os satanistas, existe a crença de que, durante o governo do anticristo, será necessário um contínuo sacrifício ao diabo, que será representado, precisamente, pelas vidas humanas que serão ceifadas por ordem do governo satânico: “…Os satanistas compreendem que a Nova Ordem Mundial do Anticristo não poderá ser estabelecida sem que uma quantidade enorme de sangue humano seja derramada. Qualquer morte que tenha sido planejada pode ser contada como um sacrifício para esse propósito: guerras, abortos, infanticídios, eutanásia, e, eventualmente, o martírio.…” (O Papa João Paulo II usa outro símbolo satânico da magia negra do anticristo durante a sua viagem a Israel.http://www.espada.eti.br/n1360.asp Acesso em 6 out.2004).
- Não é por acaso que, em seguida ao primeiro selo, que é o próprio Anticristo, o Cordeiro tenha aberto quatro outros selos que demonstram a grande crueldade do governo da Besta: o segundo selo, o cavalo vermelho, que é a guerra e sua consequente mortandade (Ap.6:3,4); o terceiro selo, o cavalo preto, que é a fome e a sua consequente mortandade (Ap.6:6,7); o quarto selo, o cavalo amarelo, que é a própria morte, como que “completando” o trabalho tenebroso dos cavalos anteriores (Ap.6:8), sem falar no quinto selo, que mostra a grande mortandade provocada pela perseguição aos que ousarem servir a Cristo nestes dias tão terríveis da humanidade (Ap.6:9-11). Enquanto Jesus traz vida, e vida em abundância (Jo.10:10), o Anticristo é seguido por um rastro de morte. Que Deus nos guarde!
- Ainda falando sobre a consideração do anticristo como sendo a besta, é importante observar que, ao contrário de Daniel, que não minudenciou as características do animal terrível e espantoso e terrível, que representava o império romano e de onde saía a ponta pequena, que era o anticristo (Dn.7:7), João descreveu como era a besta, a saber, “…semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão…”(Ap.13:2). Por esta descrição, de pronto, vemos que o anticristo terá as características dos impérios mundiais que antecederam o império romano, pois os animais vistos por João correspondem aos três animais da visão de Daniel, ainda que mencionados em ordem inversa ao da visão do profeta estadista.
- Esta caracterização da besta como uma reunião dos três animais primeiramente vistos por Daniel permite-nos concluir, sem sombra de dúvida, que o anticristo é, como já dissemos supra, o suprassumo do sistema mundial gentílico, o ápice da rebeldia contra Deus, o auge da apostasia e do pecado. Também nos mostra que o anticristo, para cumprir a sua missão satânica, se valerá de tudo aquilo que, ao longo dos séculos, foi sendo criado e acumulado pelo chamado “espírito do anticristo”, tudo aquilo que foi longamente planejado e preparado pelo diabo para tentar se opor ao plano divino da salvação.
- O fato de os animais serem mencionados em ordem inversa ao da visão de Daniel é explicado pela circunstância de que ao profeta foi apresentado o cenário sob o aspecto cronológico, enquanto que ao apóstolo, foi apresentado o cenário sob o aspecto hereditário, ou seja, a partir da proximidade das influências vividas pelo último império. Assim, o governo do anticristo desfrutará de heranças que lhe vieram, de imediato, do Império Grego (filosofia, cultura humanística em geral), do Império Medo-Persa (administração, certa influência religiosa do zoroastrismo, com seu dualismo e a deificação do mal, muito apropriado à doutrina a ser defendida pelo anticristo) e do Império Babilônico (a religiosidade pagã, a rebeldia contra Deus e a deificação do homem).
- Em quinto lugar, o anticristo é chamado de “o homem do pecado”(II Ts.2:3). Outra característica do anticristo será a de que ele será um pecador e, mais do que isto, alguém que levará às últimas consequências a defesa da natureza pecaminosa do homem. Ao contrário de Jesus, cuja mensagem sempre foi a de exaltação do homem mediante a sua submissão a Deus, por intermédio da obediência (Fp.2:5-9), o anticristo defenderá exatamente o contrário, será o exemplo do “super-homem”, do “homem que se exalta a si próprio”, que declara total independência diante de Deus, que se afirma ser deus e como tal quererá ser considerado. O anticristo é a própria encarnação do protótipo do homem autossuficiente, soberbo e rebelde contra Deus, aquele que defenderá a ideia de que o “homem é a medida de todas as coisas”, de que o homem é livre para fazer o bem ou o mal. Seu aparente sucesso e êxito neste “pensamento evoluído” fará milhões e milhões de pessoas a adorá-lo na esperança de também alcançar este “nível espiritual” de autossuficiência e poder.
OBS: No século XIX, surgiu na Alemanha o filósofo Friedrich Nietzsche, que ficou célebre pela sua frase: “Deus morreu”. Nietzsche, que influenciou muito o pensamento do século XX, em especial aqueles que se levantaram contra o cristianismo, na sua obra “O anticristo” (veja o sugestivo nome de sua obra…) defendeu que o cristianismo criava um homem doente, um homem enfermo e que já era hora de se levantar o ser humano, o que somente seria possível se fosse destruído o cristianismo e a Igreja. Nietszche dizia que o que os cristãos consideravam pecado era a própria natureza humana e que esta “natureza humana” deveria ser novamente buscada. É exatamente isto que o anticristo fará durante seu governo.
- Em sexto lugar, o anticristo é chamado de “o filho da perdição” (II Ts.2:3). Esta característica do anticristo faz-nos lembrar do discípulo traidor de Jesus, Judas Iscariotes, que também é assim chamado na Bíblia Sagrada (Jo.17:12). Por causa disso, há alguns que entendem que o anticristo será alguém que apostatará da fé, ou seja, que tenha servido a Jesus em algum tempo de sua vida e, posteriormente, a exemplo de Judas Iscariotes, venha a trair a Jesus. No entanto, mais do que uma comparação a Judas, o título dado pelas Escrituras, reforça o título que vem imediatamente antes, ou seja, “homem do pecado”. Como “filho da perdição”, o anticristo estará a serviço do diabo, será o “filho da trindade satânica”, estará incumbido de fazer uma missão designada pelo próprio Satanás, que é a de promover a morte, a destruição e de impedir a salvação da humanidade. O anticristo estará exclusivamente a serviço do diabo, não tendo qualquer preocupação ou interesse em fazer bem ao homem. Como filho da perdição, no discurso eloquente de exaltação do homem, no  humanismo de suas pregações, estará escondido o propósito de destruição e de extermínio da raça humana. Ele não é o “filho do homem”, mas, bem ao contrário, o “filho da perdição”, aquele que se vendeu ao diabo em troca de poder e glória passageiros. Executará com tanta dedicação e obediência seu malévolo trabalho que chegará antes que seu mentor ao destino reservado a Satanás, pois, ao lado do falso profeta, terá a honra de inaugurar o lago de fogo e enxofre (Ap.19:20 “in fine”).
- Em sétimo lugar, o anticristo é denominado de “o iníquo” (II Ts.2:8). Uma das principais características do anticristo será a injustiça, a iniquidade. O governo do anticristo estabelecer-se-á sob a promessa de paz e segurança sobre todos os povos da Terra, mas somente virá destruição e horror. O anticristo não saberá o que é moralidade nem ética. Descumprirá acordos estabelecidos (primeiramente, abaterá três das dez nações que o apoiaram, posteriormente quebrará o pacto estabelecido com Israel e, segundo alguns intérpretes, travará guerras com nações que chegarão a apoiá-lo, pois as lutas narradas nos capítulos 10 e 11 de Daniel não teriam sido, segundo estes estudiosos, completa e totalmente cumpridas no período interbíblico, mas também revelariam conflitos do período da Grande Tribulação), não respeitará quaisquer dos valores preconizados pelos direitos humanos ou pelo direito internacional, impondo-se única e exclusivamente pela força de seu poder. Neste ponto, aliás, temos visto, ao longo da história, que, no cenário político internacional, a lei sempre tem sido a força e que o direito internacional, tão penosamente construído, não tem qualquer validade ou peso, como vimos, recentemente, no episódio da guerra do Iraque ou na derrubada do ditador da Líbia… Como já dizia o primeiro-ministro britânico (por sinal, de origem judaica) Benjamim Disraeli (1804-1881): “A Inglaterra não tem amigos, tem interesses.”
IV – A IDENTIDADE DO ANTICRISTO
- Talvez não exista texto mais instigante para os estudiosos das Escrituras do que Ap.13:18: “Aqui não há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”. Em torno deste texto, que muitos têm considerado uma verdadeira “charada bíblica”, muitos têm, ao longo dos séculos, procurado descobrir quem é o anticristo. Esta busca pela identificação do anticristo, porém, quer-nos parecer que é uma daquelas atitudes que não deve haver entre os que estudam as Escrituras, mormente a doutrina das últimas coisas.
O objetivo da revelação de Jesus Cristo a João na ilha de Patmos, como vimos na lição 1 deste trimestre, não é a satisfação da curiosidade humana, mas as profecias bíblicas têm alvos muito mais altos e excelentes, relativos à manutenção de um padrão de vigilância para os servos do Senhor, bem assim para nosso entendimento do controle de Deus sobre a história. Assim é que, quando indagado sobre o fim do mundo, Sua vinda e a destruição do templo de Jerusalém, Jesus, que havia provocado os discípulos com a Sua profecia a respeito do templo, prontamente respondeu aos reclamos dos apóstolos com o Seu mais longo sermão, o sermão profético (Mt.24 e 25), enquanto que, no mesmo monte das Oliveiras, pouco antes de ascender aos céus, quando interpelado sobre a restauração do reino a Israel, por ser isto mera demonstração de curiosidade dos discípulos, a esta indagação não ofereceu qualquer resposta (At.1:6,7). Destarte, este deve ser o nosso norte quando indagarmos a respeito do estudo do livro do Apocalipse e da doutrina das últimas coisas: estamos apenas querendo satisfazer uma curiosidade ou, ao contrário, querermos ter consciência e noção daquilo que o Senhor já nos revelou na Sua Palavra?
- Parece-nos que a Bíblia Sagrada está interessada em que saibamos que o anticristo virá, que será o pior de todos os governantes que já houve sobre a face da Terra e que os santos que viverem sob seu governo fatalmente perecerão, pois será permitido que sejam vencidos por ele. Quanto a saber quem é o anticristo, é algo que as Escrituras não estão muito interessadas em declarar, limitando-se a dizer que será um homem e um homem que, como nunca, exaltará a figura do homem. O número da besta, o famoso 666, nada mais é que a demonstração desta exaltação do homem diante de Deus. Seis é o número do homem, como permite inferir o próprio texto de Ap.13:18 e o anticristo será o clímax, o ápice deste sistema mundial gentílico, que prega e vive uma rebeldia contra Deus.
- Muitos têm, porém, sido identificados como tendo sido o anticristo ao longo dos séculos. Falaremos, muito rapidamente e sem profundidade, sobre algumas das ideias a este respeito, mais a título de informação, até porque são muitos os que se embaraçam nesta busca pela identificação do anticristo, devendo, pois, os ensinadores da Palavra de Deus na igreja ter algum respaldo para desembaraçar os que se envolvem nestas vãs contendas e genealogias (cfr. I Tm.1:4).
- Alguns identificam Nero como sendo o anticristo. Para tanto, buscam demonstrar a alegação seja pela soma dos algarismos romanos do nome do imperador, seja pelo fato de ter sido o primeiro grande perseguidor dos cristãos. Há, ainda, quem alegue que o anticristo será uma reencarnação de Nero, como se reencarnação existisse… Todavia, Nero só pode ser considerado como sendo daqueles “…muitos que se têm feito anticristos…” (cfr. I Jo.2:18), pois, quando João escreveu sua primeira carta, Nero, certamente, já não mais vivia. Assim, se o apóstolo dizia que o anticristo ainda viria, Nero, com certeza, não era o anticristo.
- Alguns identificam o anticristo como sendo um Papa que surgirá por ocasião do arrebatamento da Igreja. Para tanto, buscam demonstrá-lo pelo fato de o Papa se intitular o “Vigário de Cristo”, a “Cabeça Visível da Igreja”, sendo, portanto, alguém que usurpou o lugar que é de Jesus, sendo, pois, alguém que está “em lugar de Cristo” e cujos dogmas e mandamentos, ao longo dos séculos, contraria a Palavra de Deus, sendo, pois, alguém que é “contra Cristo”, pois se volta contra a Palavra, que é Cristo. Além disto, em sua coroa, o Papa ostentaria a expressão latina “VICARIVS FILII DEI”, que significa, “em lugar do Filho de Deus”, cuja soma dos algarismos romanos dá 666 (V-5, I-1, C-100, I-1, V-5, I-1, L-50, I-1, I-1, D-500, I-1, ou seja, 5+1+100+1+5+1+50+1+1+500+1= 666). Esta interpretação, como não poderia deixar de ser, alcançou grande aceitação durante a Reforma Protestante e grandes comentadores das Escrituras desta época ou logo após, como Adam Clarke, não têm dúvidas de dizer que o Papa é o Anticristo.
- No entanto, se bem verificarmos os textos bíblicos, podemos afirmar que o Anticristo não será o Papa. Quando muito, o Papa será o Falso Profeta (e olha lá, como veremos infra). A Bíblia diz que o anticristo surgirá de uma aliança política, com base em dez nações, o império romano revivido. Ora, só o fato de o império romano ter se estabelecido, através da União Europeia, sem que, para tanto, fosse importante a figura do Papado, já é um fator que descarta esta hipótese. O Papa, hoje, tem uma função política importante, mas que nem de perto se equivale ao que havia na Idade Média. Tudo nos mostra que o Papado serviu de repositório do poder político na Europa até o surgimento dos Estados Nacionais e, a partir de então, seu poderio político declinou consideravelmente, a ponto de todo o esforço do Papa João Paulo II (cuja ingerência em assuntos políticos internacionais foi, sem dúvida, a maior do século XX em termos de Papado), para que a Constituição europeia pelo menos citasse, senão o nome de Deus, as suas raízes cristãs, não ter sido exitoso, O QUE mostra quão frágil está o poder temporal do Papado, a ponto de não nos permitir vislumbrar que da “cátedra de Pedro” (expressão que designa o trono papal) venha o líder político que governará o mundo.
OBS: Como se não bastasse isso, o pastor e grande escritor evangélico Abraão de Almeida, aponta várias razões para que o Papa não seja o Anticristo, em síntese que vale a pena transcrever: “…1. Não há como justificar o reinado do Papa sobre ‘todos os que habitam sobre a Terra’ (Ap.13.8) e durante tantos séculos, pois a Bíblia afirma que a Besta reinará pouco tempo:Ap.17.10(…)2. O Império Romano (do Ocidente) não se dividiu em apenas dez reinos, após o ano 476, mas em dezenas de reinos. Algumas listas chegam a relacionar 65 reinos diferentes, resultantes das invasões bárbaras do lado ocidental do império.(…)3. Na interpretação da profecia de Daniel, capítulos 2 e 7, não se pode ignorar que o Império Romano se dividia em Oriental e Ocidental, e que a perna esquerda da estátua corresponde justamente ao Oriente, mais precisamente  à Grécia. Esta perna esquerda só caiu em poder dos turcos em 1453, para recuperar a sua independência em 1821. A Grécia não poderá estar ausente dos dedos, pois ela é o ‘metal’ referido em Dn.7.19 [e a Igreja Grega não reconhece o Papa desde 1054, com o Cisma do Oriente, observação nossa].(…)5.O tempo do governo da Besta é ainda futuro(…)nunca, em toda a história da Igreja, cumpriram-se as profecias de Dn.9.24 e 27(…)” (ALMEIDA, Abraão de. Deus revela o futuro, p.50-1).
- Outros têm identificado o anticristo com o Presidente dos Estados Unidos da América, sendo esta, aliás, a linha preferida de pensamento do movimento adventista. Dizem que os Estados Unidos, como superpotência mundial, trarão ao mundo o líder mundial que conseguirá resolver o conflito do Oriente Médio e que comandará toda a economia e política internacionais. Esta linha de pensamento encontrou enorme guarida notadamente após 1989, quando a União Soviética sucumbiu e os Estados Unidos passaram a ser a única superpotência mundial. Naquela ocasião, o então presidente norte-americano George Bush afirmou que se estava ingressando numa “nova ordem mundial” e o historiador Francis Fukuyama escreveu o livro “O fim da história”, dizendo que havia triunfado o sistema capitalista e democrático defendido pelos Estados Unidos desde o final da Segunda Guerra Mundial. Para aumentar ainda mais a “força” deste pensamento, os norte-americanos conseguiram reunir todos os países do mundo contra o Iraque, na chamada Guerra do Golfo Pérsico, cristalizando sua supremacia política, econômica e militar.
- No entanto, de lá para cá, os Estados Unidos iniciaram um processo claro de decadência tanto econômica quanto política e militar. O todo orgulhoso presidente Bush enfrentou problemas na economia que o impediram de se reeleger, perdendo a eleição para Bill Clinton, que, uma vez na presidência norte-americana, alterou sensivelmente a política externa de seu país, buscando uma maior proximidade com as outras nações e evitando medidas drásticas ou tomadas de decisão sem o consentimento dos demais países. Diziam alguns que era o início da formação da aliança de dez países que sustentaria o anticristo. No entanto, diante desta política norte-americana, o que se assistiu foi o fortalecimento da União Europeia. Embora tenha sido reeleito, Clinton não conseguiu concretizar o plano de paz entre palestinos e israelenses e se envolveu em escândalos que acabaram levando a uma conturbada sucessão, na qual saiu vencedor, sob suspeita, o então governador do Texas, George Walker Bush, filho do ex-presidente Bush.
- Ainda tentando se firmar como liderança em seu país, o novo presidente sofreu o terrível impacto dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, que mostram ao mundo uma imensa vulnerabilidade dos Estados Unidos e obrigaram o novo presidente, que defendia um certo isolamento dos assuntos internacionais, a partir para uma política agressiva contra o terrorismo internacional, a que denominou de “guerra contra o terror”. Assim, acabou invadindo e derrubando os governos do Afeganistão e do Iraque, gestos que, no primeiro país, foram tolerados pela comunidade internacional mas que, no segundo caso, iniciaram um profundo processo de descontentamento que tem criado imensas dificuldades diplomáticas para os americanos. Como se não bastasse, estas guerras afundaram os Estados Unidos numa grave crise econômico-financeira, que está longe de terminar, apesar de todas as tentativas a este respeito que vêm sido tentadas pelo sucessor de Bush, o atual presidente norte-americano Barack Obama.
- Este estado de coisas permite-nos mostrar que os Estados Unidos, longe de ser um país que tem condições de se impor aos demais, está, pela própria força de seu imenso poderio militar, tendo de ceder para poder continuar convivendo com as demais nações, enquanto que a União Europeia, que se fortificava cada vez mais, também passou a sofrer grave crise econômico-financeira, que a obriga a uma maior unidade política.
- Não temos como deixar de observar que não há como entender que, no atual processo político, dez nações europeias venham a se aliar aos Estados Unidos da América e a conceder-lhe um poder, quando tudo caminha para o contrário, desde o início dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. O anticristo não parece ser alguém que morará na Casa Branca, mas um legítimo sucessor dos Césares que habitavam em Roma, onde foi criada a União Europeia, que, pela crise econômica atual, terá cada vez maior poder sobre os governos nacionais, como se mostrou, em 2011, na queda dos governos da Itália e da Grécia.
- Entendemos que não dá para identificar quem será o anticristo, que cargos ocupará antes de ser consagrado como novo líder mundial, com o decisivo apoio da União Europeia, mas de uma coisa temos de ter certeza: será alguém que se manifestará num instante em que o Espírito Santo deixar de operar como tem operado até aqui(II Ts.2:7,8), ou seja, ao término da dispensação da graça, o que significa afirmar que a Igreja poderá até conhecer quem este homem será, mas não passará um minuto sequer sob o seu tacão.
V – A MISSÃO DO ANTICRISTO
- Sendo a própria contrafação de Jesus, ou seja, a Sua própria negação, o Anticristo será preparado por Satanás, assim como Deus preparou Jesus, para uma missão a ser realizada na face da Terra. Entretanto, enquanto a missão de Jesus era “buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc.21:27), o Anticristo tem como missão exatamente o contrário: matar e destruir a humanidade, bem como roubar a sua chance de salvação.
- Diz-nos o apóstolo Paulo que o anticristo se oporá a tudo quanto se chama Deus ou se adora (II Ts.2:4). Ora, como seu trabalho é matar e destruir os homens, para que isto seja possível, será preciso, em primeiro lugar, destruir a fonte de vida da humanidade, que outra não é senão o Senhor Jesus (Jo.10:10). Assim, a primeira tarefa do Anticristo será destruir todos aqueles que adoram a Deus, todos aqueles que crerem em Deus no período de seu governo.
- Por isso, o profeta Daniel afirma que, além de proferir palavras contra o Altíssimo, o anticristo destruirá os santos do Altíssimo (Dn.7:25), bem como João afirma que fará guerra aos santos (Ap.13:7). Seu primeiro trabalho, portanto, será o de perseguição contra aqueles que crerem em Jesus naqueles dias. Mas haverá quem creia em Jesus naqueles dias, uma vez que a Igreja terá sido arrebatada antes que o anticristo governe a Terra? Sim, a Bíblia, não só nesta passagem, mas em outros textos, permite-nos afirmar, com clareza, que haverá quem creia em Cristo durante a Grande Tribulação, tanto judeus quanto gentios. Não será, entretanto, algo fácil e amplo, como temos hoje na nossa atual dispensação. Bem ao contrário, a operação do Espírito Santo será extremamente limitada (como teremos ocasião de estudar na próxima lição) e, como se não bastasse, a salvação não dependerá apenas da fé, mas a fé deverá ser acompanhada pelo martírio, pois, nesta época, como nos afirma claramente o texto sagrado (Ap.13:10), a morte do crente será uma condição necessária para a salvação, porquanto será permitido que o anticristo vença os santos deste período (Ap.13:6), que outra coisa não é senão a sua destruição (Dn.7:25).
A perseguição nos dias do anticristo será a pior que já houve em todos os tempos da história (cfr.Dn.12:1; Mt.24:21,22). Além de dispor de uma tecnologia que nunca houve igual, o que permitirá um absoluto controle sobre toda a população, o que inclui até o controle de todas as relações econômicas (como veremos infra), o Anticristo terá a seu favor, ainda, a fidelidade de amplos setores da população, bem como toda uma gama de poderes sobrenaturais que lhe serão dados pelo próprio diabo que, aliás, terá sido precipitado sobre a face da Terra (Ap.12:9,10), juntamente com seus anjos, o que caracteriza este período como de uma opressão demoníaca que nunca houve semelhante em toda a história humana. Tudo isto estará a serviço do anticristo para a destruição e morte dos santos daquele período e, segundo as Escrituras, será permitido que os santos sejam derrotados. Assim, não nos iludamos com o fato de que haverá salvação na Grande Tribulação, pois, se, ante a operação plena, ampla e livre do Espírito Santo, como a que se dá nos nossos dias, onde o espírito do anticristo não tem condições de manifestar o homem do pecado, porque há um que ainda resiste (que é o Espírito Santo- II Ts.2:6) e onde a vitória sobre o mundo é garantida ao crente (Rm.8:37; I Co.15:57;I Jo.5:4), alguém não consegue ser fiel a Deus, como poderá sê-lo diante de circunstâncias totalmente adversas ?
OBS: Ao vermos o desempenho das seleções brasileiras de futebol de cinco (modalidade futebolística para deficientes visuais) e de futebol de sete (modalidade futebolística para deficientes com paralisia cerebral) nos Jogos Paraolímpicos de Atenas, chegamos à conclusão de que, se uma pessoa perfeita não joga bem futebol, como poderia jogar bem com os olhos vendados ou com dificuldades de locomoção em virtude de paralisia cerebral ? Assim, também, quem não consegue ser fiel na dispensação da graça, não o conseguirá ser na Grande Tribulação.
Além de perseguir os santos, o Anticristo terá o papel de criar uma nova religião. O iníquo, diz-nos o profeta Daniel, proferirá palavras contra o Altíssimo e cuidará mudar os tempos e a lei (Dn.7:25). Já o apóstolo João afirma que o anticristo proferirá blasfêmias contra Deus, contra o Seu nome, o Seu tabernáculo e os que habitam no céu. Destarte, a exemplo de Jesus, o Anticristo também apresentará a sua doutrina ao povo, mas, enquanto o Senhor veio cumprir a lei dada a Moisés por Deus (Mt.5:17) e vinha em nome do Senhor, ou seja, sob a autoridade divina (Jo.12:13), o Anticristo virá em seu próprio nome (Jo.5:43), recusando toda e qualquer autoridade de Deus e desafiará o próprio Deus, trazendo uma nova lei e uma nova maneira de se ver o mundo, pois, como ensinam os sociólogos, a religião é um modo global de explicação da realidade por parte do homem.
- A mudança dos tempos mencionada pelo profeta Daniel tem sido interpretada por alguns como sendo uma mudança do calendário por parte do anticristo. Como todos sabemos, o calendário predominante no mundo é o chamado calendário gregoriano, criado pelo papa Gregório XIII, que alterou o calendário juliano, que havia sido estabelecido pelo ditador vitalício romano Júlio César. O calendário gregoriano é cristão, porque fixa o ano do nascimento de Jesus como sendo o ano 1 da chamada Era Cristã. O Anticristo, na sua luta contra tudo o que representa ou possa lembrar o Senhor Jesus, deverá alterar o calendário, estabelecendo outra data como marco do calendário, a exemplo do que ocorre com os outros calendários utilizados no mundo, como o calendário islâmico ou o calendário judaico. Este fato ocorreu quando da Revolução Francesa, em 1789, quando os revolucionários, no seu afã de desvincular o Estado da Igreja Católica Romana, criaram um novo calendário e uma nova contagem dos anos a partir da Revolução.
- A mudança dos tempos não será, porém, uma simples mudança de calendário, mas uma total manipulação da história e de sua divulgação, a exemplo do que ocorreu nos regimes ditatoriais, o que será extremamente amplificado pelo total controle dos meios de comunicação que terá o anticristo no controle do governo mundial. Como afirmam as Escrituras, o anticristo sempre operará com sinais e prodígios de mentira (II Ts.2:9), de modo que não será nenhuma surpresa a supressão ou distorção de fatos históricos a fim de denegrir a imagem de Cristo, dos cristãos, de Israel e de tudo que se relaciona com Deus. O anticristo agirá segundo o poder de Satanás, que é o pai da mentira (Jo.8:44) e, portanto, a  mentira será algo corriqueiro e comum no seu proceder. Aliás, desde os tempos de Adolf Hitler e seu famigerado ministro da Propaganda, Josef Goebbels, que se diz que, em política, uma mentira dita muitas vezes acaba se tornando verdade…
Outra missão de que o anticristo se incumbirá no seu governo será a de destruir Israel. O anticristo, no início de seu governo, será reconhecido por muitos judeus como sendo o Messias(Jo.5:43), pois conseguirá que se termine o conflito no Oriente Médio, além de permitir que Israel reconstrua ou mantenha reconstruído o seu templo em Jerusalém. Haverá, como dizem as Escrituras, um pacto entre o anticristo e os judeus (Dn.9:27), com duração de sete anos. Todavia, no meio do período, os judeus tomarão consciência de que foram enganados, pois o anticristo irá quebrar o pacto e exigir ser adorado no templo reconstruído, como um verdadeiro deus, o que não será admitido por Israel e, em razão desta oposição, o anticristo, após conseguir ser adorado como deus no templo reconstruído, determinará a destruição completa de Israel, com o início da pior perseguição que os judeus já tiveram em toda a sua história. Os judeus somente não serão destruídos totalmente porque o próprio Jesus voltará pessoalmente para livrar Israel (Is.11:4; II Ts.2:8; Ap.19:15,20,21). Como Israel é propriedade peculiar de Deus (Ex.19:5,6), o Anticristo será encarregado de destruí-lo totalmente, mas também não o conseguirá, porque há promessa de Deus que o remanescente será salvo (Rm.11:26).
O Anticristo, também, estabelecerá um sistema econômico mundial, completando a integração e globalização que já vemos nos nossos dias. O apóstolo João diz que o anticristo imporá um sistema de transações comerciais em todo o mundo que dispensará a moeda tal qual a conhecemos, pois, para que se compre e venda será necessário ter um sinal na sua mão direita ou nas suas testas (Ap.13:16). O governo, então, terá, a exemplo do que ocorria nos regimes comunistas, pleno controle de todas as transações comerciais que se realizarem. Cada vez mais pessoas, em todo o mundo, vêm defendendo um controle sobre as operações financeiras e comerciais realizadas, a fim de evitar operações ilegais, como o tráfico de drogas, tráfico de armas, terrorismo, lavagem de dinheiro, corrupção governamental. No tempo do anticristo, isto será uma realidade.
- Este controle do sistema econômico, que permitirá um planejamento econômico internacional e uma integração entre todas as nações do mundo, numa espécie de mercado comum internacional (que é o grande sonho da Organização Mundial do Comércio), todavia, trará um efeito colateral dos mais desagradáveis: a perda da liberdade individual. Aliás, o desenvolvimento acelerado da tecnologia, principalmente da telemática, tem gerado uma drástica redução das liberdades individuais. Os Estados Unidos da América, que são considerados como sendo o país da máxima democracia, desde os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, nunca estabeleceram tanto controle sobre os cidadãos como agora. Nos Estados Unidos, atualmente, alguém pode ser controlado em todos os seus passos, em todas as suas atividades, sem que sequer saiba que está sendo monitorado, pois lei aprovada pelo Congresso americano permite que, sem que seja instaurado qualquer procedimento, qualquer agência governamental de segurança possa exigir informações sobre qualquer cidadão, que não poderá saber que está sendo monitorado. Na União Europeia, onde as medidas adotadas nos Estados Unidos foram consideradas excessivas, após os atentados terroristas de Madrid em março de 2004, já foram tomadas medidas semelhantes. A partir deste controle das liberdades individuais, teremos plenas condições de ver cumpridas as palavras do texto bíblico, no sentido de que ninguém que se recuse a receber o sinal da besta possa viver em sociedade, pois, sem poder comprar ou vender, será, evidentemente, excluído da sociedade.
- Vemos, assim, amados irmãos, como será extremamente difícil a vida de quem quiser ser fiel a Deus neste período. Não poderá comprar ou vender, o que significa afirmar, dentro de um sistema econômico globalizado, que não poderá sequer adquirir alimentos para sobreviver. Sem ter o sinal da besta, estará excluído de toda a vida social, o que hoje entendemos pelo fato da informatização crescente de todas as nossas atividades. Por sua recusa a receber o sinal da besta, será facilmente identificado como alguém que não aceita o governo do Anticristo e, certamente, logo será delatado pelos partidários do governo e sofrerá todas as torturas e sofrimentos dos perseguidos políticos. Quem quiser ser fiel até o fim, acabará sendo morto, pois a condição que a Bíblia coloca para que alguém alcance a salvação será a de jamais aceitar o sinal da besta, pois, quem o fizer, estará irremediavelmente perdido (cfr. Ap.14:9-11).
- Este sistema econômico será, sem sombra de dúvida, o sistema capitalista, um capitalismo que estará sensivelmente melhorado em suas distorções, já que haverá um controle central de movimentação de capitais e uma sensível redução dos custos e dos imprevistos que, hoje em dia, caracterizam a economia mundial. Como todo sistema capitalista, teremos uma inevitável acumulação de riquezas nas mãos de uns poucos, dos grandes empresários, dos potentados econômico-financeiros, os mercadores mencionados no capítulo 18 do Apocalipse, que lamentarão a queda do sistema, precisamente porque “…se enriqueceram com a abundância de suas delícias.”(Ap.18:3). Estes mercadores, diz o texto sagrado, “…choram e lamentam(…) porque ninguém mais compra as suas mercadorias.”(Ap.18:11). Neste sistema econômico, o máximo lucro será a única tônica, não havendo qualquer respeito seja pela dignidade, seja pela própria figura do ser humano, que estarão reduzidos a simples mercadorias (Ap.18:13 “in fine”). Nos nossos dias, notadamente aqui no Ocidente, já temos sentido o impacto da chamada “globalização” e a crescente mercantilização de todos os relacionamentos humanos (nem as igrejas escapam…). O Anticristo cristalizará este estado de coisas, que não encontrará sequer oposição, ante o cruel e rígido controle das consciências que se exercerá neste iníquo governo.
O Anticristo estabelecerá uma “nova ordem mundial”, pois, ante a unificação da economia a partir do controle que terá sobre a superpotência da época, que é o império romano revivido, com governos próprios mas dependentes do Anticristo (ou seja, uma confederação, que outra não é senão a União Europeia), o Anticristo construirá uma forte aliança de nações que estarão sob sua liderança e influência. Fazendo uso de organismos internacionais, sobre os quais terá pleno controle, o anticristo fará com que cada pedaço deste planeta esteja sob seu domínio, direto ou indireto. Teremos, então, um controle total do mundo nas mãos do Anticristo, que terá o poder militar, o poder político, o poder econômico e o poder religioso em suas mãos.
Outra missão do Anticristo será a de realizar sinais e prodígios de mentira, com toda a eficácia de Satanás. Ao contrário dos outros líderes políticos que surgiram ao longo da história, o Anticristo se apresentará com poderes sobrenaturais. Entendem alguns que seu primeiro sinal será uma suposta ressurreição (no que o fará mais semelhante ainda a Jesus Cristo), assim interpretando a passagem de Ap.13:3. Ferida de morte, a besta, à vista de toda a humanidade (algo que era impensável durante boa parte de nossa dispensação, mas que o desenvolvimento tecnológico torna hoje plenamente possível), parecerá que o Anticristo terá ressuscitado, o que, sem dúvida, trará enorme temor a todos os povos. Como se não bastasse este sinal, a Bíblia diz que o Anticristo fará maravilhas, demonstrará poderes sobrenaturais, que confirmarão a sua alegação de deidade e que levarão milhões a adorá-lo. Este poder será, inclusive, exercido também pela outra besta, o Falso Profeta, que dirá o estar exercendo em nome do Anticristo e chegará, mesmo, a fazer fogo descer do céu em nome do Anticristo (cfr. Ap.13:13), o que nos leva a lembrar do episódio do monte Carmelo, quando o profeta Elias orou pedindo a Deus que fizesse cair fogo do céu, o que foi suficiente para que o povo, que até então seguia a Baal, mudasse de parecer e concordasse em entregar todos os 400 profetas de Asera e 450 profetas de Baal para que Elias os matasse (cfr. I Rs.18:36-40). De igual modo, o povo daqueles dias, ao ver o sinal do Falso Profeta, adorarão o Anticristo sem pestanejar, considerando-o como um deus.
O Anticristo, além de ser adorado, promoverá também a adoração ao diabo, que ocupará o lugar de Deus no seu sistema religioso. O Anticristo virá em seu próprio nome, mas, como é tributário de todo o poder, sinais e prodígios, que lhe serão entregues pelo próprio diabo (Ap.13:2). Assim, além de se fazer adorar como deus, contribuirá enormemente para que o diabo também seja adorado, fazendo mesmo com que o nome de Deus seja substituído pelo diabo. O diabo, então, executará, através do Anticristo, o que sempre quis, qual seja, o de levar toda a humanidade a adorá-lo em lugar do Senhor. O satanismo, pois, será uma prática estimulada e incentivada na falsa religião que será promovida pelo Anticristo. O “espírito do anticristo” tem trabalhado intensamente nos nossos dias, tanto que o satanismo tem sido, de longe, o culto que mais tem crescido, sob as mais diversas variantes, nas últimas décadas.
OBS: “…A geração da era chip e dos vídeos games têm se mostrado a geração mais violenta de todos os tempos. Porque, em cada aparentemente inofensiva fita de game, estão milhões e milhões de dólares de investimento satânico com o objetivo de apenas destruir as mentes de nossos filhos dentro de nossos próprios lares. Além de uma escola de violência explícita, está uma escola implícita de pornografia. Lesbianismo e homossexualidade, ainda que você não veja, o que é até natural: as mensagens satânicas são subliminares, só as crianças entenderão. Infelizmente, uma coisa é certa: o satanismo está controlando a mente de nossas crianças através das mensagens ocultas transmitidas pelos jogos de game e computador aparentemente inocentes. O diabo não está brincando, ele que sabe que seu tempo está chegando ao fim e precisa destruir as crianças o quanto mais rápido possível, porque sabe que eles serão os jovens dos últimos dias.(…) A Disneylândia é a maior indústria do satanismo do mundo, lá tudo é sacrificado a Lúcifer. Seus executivos trabalham 24 horas por dia com o intuito de satanizar o mundo. Esta é uma das formas que o filho da perdição tem para alistar o seu exército com milhões e milhões de fiéis.…” (CARVALHO, Ailton Muniz de. O Messias está voltando. 2.ed., p.172-3).
                               “…Mas o Satanismo não tem como objetivo primário destruir a Igreja, mas, sim, preparar o reino do Anticristo e criar as bases para a sua ação. Mas o grupo evangélico, constituído de cristãos verdadeiros, com discernimento e percepção do mundo espiritual, são aqueles que são um obstáculo em seu caminho. Eles farão de tudo para se desvencilhar dos verdadeiros cristãos, de forma a cumprir os seus objetivos, e isso através da técnica de neutralização, tornando-os inoperantes, sem expressão, sem autoridade e sem poder. Muitos são os líderes evangélicos que já sucumbiram diante das estratégias, da tentação da carne, do vil metal e do poder. O pecado mais comum que eles têm usado tem sido a prostituição, o adultério e a conduta sexual ilícita. Outros forma comprados por dinheiro oferecido por satanistas, que, ao mesmo tempo, são políticos inescrupulosos, tendo como objetivo final destruir ministérios evangélicos sérios e de grande alcance. Ainda outros líderes cristãos foram enfeitiçados pela fascinação e pela sedução do poder e trocaram a fidelidade, a transparência, a honestidade e a verdade por  um conjunto de mentiras.…” (ITIOKA, Neuza. A noiva restaurada, p.144-5).
A missão do Anticristo, por fim, será aumentar, multiplicar o pecado do mundo. Enquanto Jesus veio tirar o pecado do mundo (Jo.1:29), o Anticristo, o “homem do pecado”, “ o iníquo”, será o grande incentivador, estimulador e promotor do pecado em todo o mundo. Arrastará atrás de si multidões imensas para a prática de todas as transgressões que puderem ser imaginadas. Levará os homens para a idolatria, pois quererá e conseguirá ser adorado por eles. Levará o povo à avareza, porquanto incentivará a acumulação de riquezas e a total desconsideração dos seres humanos, que serão tratados como simples mercadorias, sem qualquer dignidade. Levará o povo à prostituição e a toda espécie de impureza e perversão sexuais, pois estabelecerá uma nova ética e moral, que entenderá como preconceituosa e totalmente errada a moral estabelecida pelas Escrituras. O aumento do pecado será tanto que, passados três anos e meio de seu governo, será atingida a medida da paciência de Deus e, a partir de então, serão mandados os juízos da ira de Deus sobre a Besta e seus seguidores (Ap.15:6-11;18:1-8).
VI – O FALSO PROFETA – O ORIENTADOR DA DOUTRINA DO ANTICRISTO
- Antes de falarmos algo mais sobre a doutrina do anticristo, de que já tratamos no item anterior, cumpre-nos aqui falar daquele que será o principal propagador desta doutrina no mundo naqueles dias, a saber, o falso profeta, também chamado de segunda besta.
- O falso profeta não é mencionado nas profecias de Daniel, pelo menos de forma explícita, mas sua atuação e descrição encontram-se minudenciadas no livro do Apocalipse. Como dissemos, o anticristo, dentro de uma missão de mentira e confusão, terá muitas semelhanças com Jesus Cristo, daí porque ser denominado de “anticristo”, que significa “em lugar de Cristo” entre outros significados possíveis. Jesus, diz-nos as Escrituras, teve um precursor, um profeta que preparou o Seu caminho, que foi João Batista (Mt.3:1-3). João Batista, que o próprio Jesus afirmou ter sido o maior homem que já habitou sobre a face da Terra (Lc.7:28). João Batista era profeta, ou seja, era um porta-voz de Deus, que, com eloquência e unção do Espírito de Deus, levou o povo ao arrependimento, preparando, assim, a missão salvífica de Jesus.
O diabo, também, levantará um falso profeta, de igual eloquência e com poder de atração das massas, como foi João Batista. Esta segunda besta é, como vimos, descrita no livro do Apocalipse, no mesmo capítulo 13 que traz o perfil do anticristo.
- Em Ap.13:11, João, que estava sobre a areia do mar, viu subiu da terra uma outra besta, que tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro e que falava como o dragão. De pronto, percebemos, claramente, que esta segunda besta é, também, um ser humano, não um sistema, pois, no texto original grego, a palavra “outra” se apresenta como sendo “allo”(άλλος), que significa “outra da mesma natureza”, ou seja, ao falar sobre esta besta, diz-nos o apóstolo, que se tratava de um ser da mesma natureza da primeira besta, que há pouco havia sido vista por ele, de forma que, se o anticristo é uma pessoa, assim também será o falso profeta.
- Esta segunda besta surgiu da terra e não do mar, ou seja, ao contrário do anticristo, que terá a origem de seu poder através de um concerto das nações, através de uma aliança política, o poder do falso profeta será resultado de um movimento diferente, terá outra origem que não o cenário político internacional. Virá da terra, que, aqui, simboliza a areia do mar, ou seja, a porção seca do mar, mas que com este mar tem contacto. João estava na praia, praia que existe como uma continuação do mar, como uma parte visível de um solo que estava antes submerso pelas águas do mar. Isto mostra, portanto, que o falso profeta tem seu poder fora do cenário político internacional, não será um líder político, mas, na verdade, os poderes ocultos que levaram ao poder o anticristo (a areia submersa no mar) serão os mesmos poderes que, de forma visível (a areia da praia, a terra), trarão proeminência ao falso profeta.
- Nos últimos anos, temos assistido a uma grande movimentação dos diversos movimentos religiosos de todo o mundo no sentido de promoção de uma aliança para que as religiões possam interferir nos assuntos políticos e obter, através desta aliança, a paz e a segurança que o mundo tanto precisa. Os conflitos armados surgidos após o final da Guerra Fria e o chamado “confronto de civilizações” entre o Ocidente secularizado e o Oriente místico (notadamente os países islâmicos e, até bem pouco tempo atrás, a Índia) tem gerado a convicção em muitas lideranças religiosas de que se faz necessário a intervenção dos grupos religiosos para a promoção da paz mundial. Em 2000, nas Nações Unidas, isto foi debatido e tem recebido grande apoio a ideia de criação de uma organização das religiões unidas, que seria um fórum onde as lideranças religiosas procurariam, dentro de sua área, promover os mesmos objetivos das Nações Unidas.
- Ao mesmo tempo em que isto ocorre, algumas lideranças religiosas tradicionais e de grande reconhecimento internacional, como o Papa (chefe da Igreja Católica Apostólica Romana), o Dalai-Lama (principal liderança religiosa budista do mundo), os Patriarcas de Constantinopla (chefe da Igreja Católica Ortodoxa Grega) e Moscou (chefe da Igreja Católica Ortodoxa Russa) têm tomado iniciativas frequentes de aproximação com outras religiões e credos, bem assim tentado influenciar círculos políticos e intelectuais com a ideia de que é preciso promover um diálogo interreligioso intenso e que neutralize as divergências religiosas que sempre são utilizadas como pretexto ou combustível para a maior parte dos conflitos armados hoje existentes. A própria Igreja Romana, desde o Concílio Vaticano II (1962-1965), adotou como um de seus princípios o chamado “ecumenismo”, que tem por finalidade voltar a congregar todas as igrejas cristãs sob uma única liderança.
OBS: “…O Dalai Lama Tensing Gyatso (…) se exilou em 1959, após uma derrotada revolta popular contra a dominação chinesa, e, desde então, vive na cidade de Dharamsala, no norte da Índia. O monge tibetano defendeu uma organização em favor da humanidade e da preservação do meio ambiente. Disse que propõe a criação de uma entidade internacional diferente da ONU, já que, em última instância, ‘é uma representação de nações, e cada nação está representando a si mesma’. ‘O que eu estou propondo é uma organização humana que responda aos homens, independentemente das nacionalidades às quais pertencem’, manifestou.(…). Quando chegou, disse que sua visita [a Porto Rico, observação nossa] pretende promover os valores humanos e a harmonia entre as religiões do mundo.…” (AGÊNCIA EFE. Dalai Lama garante que não deseja a independência do Tibete. http://noticiais.uol.com.br/ultnot/efe/2004/09/23/ult1766u5696.jhtm Acesso em 24 set.2004). Recentemente, aliás, o Dalai-Lama renunciou à sua condição de chefe de Estado do Tibete, tendo sido formado um governo civil do Tibete no exílio, exatamente para que não haja mais qualquer conotação sua com a política.
O falso profeta, portanto, não será uma liderança política, já que não subiu do mar, mas será o resultado de um movimento religioso paralelo, que já se tem sido organizado pelo “espírito do anticristo” nos nossos dias e que terá como função instituir a religião mundial, a religião única que adorará o anticristo.
- O falso profeta foi visto como tendo dois chifres semelhantes aos de um cordeiro. Ora, o fato de ter a aparência de um cordeiro é a indicação de que surgirá com uma aparência de pureza, de santidade, de grande religiosidade. O falso profeta aparecerá como um homem santo, um homem que se encaixará, perfeitamente, nas descrições religiosas de devoção, de espiritualidade elevada e de santidade. Uma das principais características das falsas religiões é se prender à aparência. Sabendo disto, o diabo promoverá o surgimento de um homem que “será semelhante ao cordeiro”, ou seja, terá a aparência, o perfil, o comportamento exterior de um santo homem. Entretanto, o texto bíblico que será semelhante, ou seja, não será como o cordeiro, apenas parecerá com ele. Seu interior, porém, será iníquo, extremamente mau, pois, diz-nos o texto sagrado, que este falso profeta falará como o dragão, ou seja, no seu interior, a exemplo do que ocorre com a outra besta, este falso profeta estará totalmente dominado e envolvido pelo diabo, que será quem falará por ele. Estamos diante de um profeta, ainda que falso. Sua missão será ser o porta-voz do próprio diabo. Quando o falso profeta abrir a boca, será o próprio diabo que estará falando.
- Isto nos mostra, de modo claro, que o falso profeta terá o mesmo grau de entrega a Satanás que o anticristo. Jesus diz-nos que a boca fala do que o coração está cheio (Mt.12:34;15:11,17-19). Se o falso profeta fala como o dragão, será porque estará cheio, impregnado do dragão, ou seja, será alguém que terá dedicado toda a sua vida a Satanás, motivo por que, assim como o anticristo, será igualmente lançado vivo no lago de fogo e enxofre ao término da Grande Tribulação (Ap.19:20).
O trabalho do falso profeta, que é o terceiro elemento da “trindade satânica” será o de promover a adoração do anticristo pela humanidade. À frente da liderança religiosa do mundo, o falso profeta promoverá o reencontro do poder político com o poder religioso, pois, uma vez no controle dos movimentos religiosos mundiais, fará com que todos reconheçam o poder do anticristo. Por isso, é dito em Ap.13:12 que exercerá todo o poder da primeira besta na sua presença, ou seja, levará todas as religiões do mundo a reconhecer o anticristo como sendo um verdadeiro deus, o salvador do mundo. Como já mostramos supra, em todos os principais movimentos religiosos do mundo há a esperança e crença na vinda de um salvador, de um representante divino e o papel do falso profeta será convencer os religiosos de seu tempo de que este homem aguardado é o anticristo. Para tanto, terá imensa habilidade, astúcia e eloquência, já que falará como o dragão, a antiga serpente (Ap.12:9; 20:2), que é a mais astuta de todas as alimárias do campo (Gn.3:1).
O falso profeta fará, também, sinais e maravilhas, a fim de levar o povo a adorar o anticristo. Entendem alguns que será o falso profeta quem explicará a suposta ressurreição do anticristo (cfr. Ap.13:12 “in fine”), mostrando aos homens que esta ressurreição será verdadeira e a prova de que o anticristo é um deus, um homem superior e que merece adoração. Diz-nos, porém, a Escritura Sagrada que o falso profeta fará cair fogo do céu, o que, certamente, provocará na população a mesma reação que tiveram os israelitas no monte Carmelo, bem como aparentemente dará vida a uma imagem do anticristo, que mandará que seja construída para que todos a adorem (o que nos faz lembrar a grande estátua mandada construir por Nabucodonosor – eis a herança da religiosidade rebelde de Babilônia neste reinado do anticristo…), sinais que, juntamente com outros que são mencionados mas não enumerados, darão suporte para o estabelecimento da religião mundial de adoração ao anticristo.
O falso profeta será uma espécie de mentor intelectual do anticristo, sendo aquele que concederá ao anticristo a orientação necessária para que ele cumpra a sua missão satânica. O texto sagrado faz-nos entender que a ideia do sinal como requisito para compra e venda será do falso profeta. Assim como Jesus era orientado e dirigido pelo Espírito Santo (Mt.4:1), o anticristo será orientado e dirigido pelo falso profeta, que, por isso, é chamado por alguns estudiosos de o anti-espírito santo.
O falso profeta será uma liderança religiosa, como vimos. Defendem alguns, entre estes os adventistas, que o falso profeta será o Papa, chefe da Igreja Católica Apostólica Romana. Apesar de o Papa não ter mais o poder político de outrora, é, sem dúvida, uma importante liderança religiosa, cuja sede, aliás, fica em Roma, onde nasceu a União Europeia. É inegável que, a partir de 1958, quando subiu ao trono papal João XXIII, os Papas têm aumentado sua influência ao redor do mundo, inclusive com as demais lideranças religiosas, sob os parâmetros traçados no Concílio Vaticano II, que estabeleceu o ecumenismo e o diálogo interreligioso como princípios a serem seguidos pelos católicos romanos. O Papa João Paulo II (1978-2005), inclusive, visitou quase todos os países do mundo e estreitou relações com diversos movimentos religiosos, linha que tem sido mantida pelo atual Papa, Bento XVI. Assim, não é desarrazoado um tal pensamento. Entretanto, não devemos nos esquecer que, como já dissemos supra, outras lideranças religiosas têm se sobressaído no mundo (como o Dalai Lama) e, de qualquer modo, o falso profeta se imporá pela sua aparência e, dentro de um sistema de organizações interreligiosas, qualquer um pode aparecer e surgir como sendo um homem santo e devoto pronto a trazer paz e harmonia a todas as religiões do mundo.
VII – A DOUTRINA DO ANTICRISTO
- Visto então quem será o principal orientador da doutrina do anticristo, podemos, agora, ainda que de forma sucinta, dizer do que consistirá esta doutrina. A exemplo do que ocorreu com Jesus que, no início de Seu ministério, apresentou Sua doutrina ao povo no sermão do monte, o anticristo apresentará os seus ensinamentos corriqueiramente, rotineiramente, pois, como já vimos, o poder de comunicação será uma das principais características suas (Dn.7:25; Ap.13:5).
- Enquanto Jesus apresentou, no limiar de seu discurso, Seu propósito de nada mudar da lei, mas sim cumpri-la (Mt.5:17), o anticristo trará como tônica de sua doutrina a mudança da lei (Dn.7:25). A lei aqui nada mais é que a Palavra de Deus (Sl.1:2; Sl.119:18; Is.8:20). O anticristo, portanto, terá como ponto doutrinário o abandono da Palavra de Deus, a mudança de tudo aquilo que é ensinado e prescrito na Bíblia Sagrada. O anticristo transformará em discurso oficial, em prática dominante tudo aquilo que contrariar o que ensina a Bíblia Sagrada. Será a prevalência de todas as condutas que já têm sido acatadas e toleradas nos nossos dias.
A doutrina do anticristo terá como tônica não o amor, mas a força, o poder. O anticristo mostrará a sua suposta deidade através de poder, sinais e prodígios de mentira. Assim, sua doutrina enfatizará a ideia de que o que é divino, é sobrenatural, que o que demonstra poder é o que está certo. Desta forma, a exemplo do que muitos já entendem, erroneamente, a correção e a santidade serão identificados pelos resultados, pela aparência. Enquanto Jesus ensina que devemos observar os frutos para descobrir o que há no interior das pessoas, o anticristo defenderá a ideia de que a espiritualidade é uma espiritualidade de resultados, ou seja, de que devemos julgar pela aparência, pelos sinais, pelos prodígios, pelas maravilhas. Assim agindo e ensinando, o anticristo, que, assim como o falso profeta, fará maravilhas e sinais diante de todos os homens, conquistará a esmagadora maioria dos homens, que passarão a adorar o anticristo em função dos sinais e maravilhas realizados.
A doutrina do anticristo promoverá a idolatria e a sensualidade. As práticas idolátricas dos pagãos serão restabelecidas. O anticristo será adorado, mas, a exemplo do que ocorria na Roma antiga, não será proibida a adoração a outros deuses e a outras divindades, nem muito menos cerceada qualquer prática ocultista, que, ao revés, será incentivada, pois, como sabemos, a missão do anticristo é substituir o Senhor pelo diabo como objeto de adoração. Nesta recuperação de práticas pagãs, certamente ressurgirá a prostituição cultual e todas as práticas sexuais que acompanhavam os rituais dos antigos deuses da fertilidade, o que será considerado natural, já que, naqueles dias, a doutrina do anticristo defenderá a libertinagem sexual e a promiscuidade, vez que a moral das Escrituras Sagradas será considerada ultrapassada e negadora da própria humanidade.
A doutrina do anticristo defenderá que o homem é o centro do universo, que todos os homens são pequenos deuses e têm condição de evoluir, a partir do instante em que seguem os exemplos dos “espíritos iluminados”, dos “espíritos mais adiantados”. Esta ideia, que hoje é propagandeada pela Nova Era, é o cerne, a essência da doutrina do anticristo. Este “humanismo” nada mais é que o desejo que o diabo já incutiu na mente do primeiro casal(Gn.3:4,5): a falsa proposta de o homem ser igual a Deus e, nesta busca, tornar-se escravo do diabo. O anticristo defenderá esta idéia, pois, diz-nos a Bíblia, levantar-se-á contra tudo o que se refere a Deus (II Ts.2:4). A ideia de que o homem é um pequeno deus, de que ele é quem deve determinar o que é certo ou errado, de que o Deus judaico-cristão não existe ou é mau e de que o diabo não é mau e está pronto a ajudar o homem a evoluir serão ensinamentos diabólicos que, já existentes nos nossos dias, alcançarão autoridade e capacidade de convencimento durante a Grande Tribulação. O anticristo apresentar-se-á aos homens como o exemplo vivo de que vale a pena crer nesta doutrina, de que isto realmente dá certo e os homens serão por ele enganados e levados por ele à perdição eterna.
A doutrina do anticristo, também, promoverá a ganância e o amor às coisas materiais. A prosperidade, o sucesso econômico-financeiro serão tidos como demonstração de evolução espiritual, como resultado de uma vida correta no caminho da evolução. Ademais, em virtude do absoluto controle exercido sobre os homens pelo anticristo, a adoração à besta será um pré-requisito para o sucesso, para o êxito na vida secular. Muitos buscarão o enriquecimento, até porque, num ambiente idólatra, a avareza, que nada mais é do que idolatria, prolifera naturalmente. O materialismo dos nossos dias (inclusive dentro das igrejas evangélicas, sob a capa de “teologia da prosperidade”) é uma preparação para o advento desta doutrina.
Outro aspecto da doutrina do anticristo será o antissemitismo. O anticristo, a princípio, apresentar-se-á aos judeus como o messias e, para tanto, tomará todo o cuidado, devidamente orientado pelo falso profeta, para que seu perfil, idéias e vida sejam compatíveis com os quadros e perfis que os judeus, em sua tradição, vêm moldando para o Messias ao longo dos séculos. Quando, porém, recusarem os judeus em adorá-lo, o anticristo convencerá todo o mundo de que Israel deve ser destruído. Para tanto, apresentará uma doutrina antissemita, que será a síntese melhorada de todas as ideias satânicas contra o povo escolhido de Deus que se têm levantado ao longo dos séculos. A idéia de que Israel representa o motivo do atraso do desenvolvimento do mundo e é o responsável pelas guerras e pelos sofrimentos vividos pela humanidade será a tônica pela qual o anticristo conseguirá congregar todas as nações contra Israel na batalha do Armagedom.
VIII – O ANTICRISTO NO TEMPLO DE DEUS
- Como já tivemos ocasião de dizer neste estudo, o anticristo conquistará o apoio de Israel no início de seu governo. Dois fatores serão decisivos para que seja assinado este tratado: a existência de um plano de paz que garantirá a existência de Israel como nação independente na Palestina e a permissão para a construção ou manutenção do templo de Jerusalém.
- Como se não bastasse isso, o anticristo, como também já falamos no item anterior, embora vindo em seu próprio nome, será aceito pelos judeus como sendo o Messias que eles tanto aguardam, porquanto terá características e um perfil que se compatibilizará com todas as tradições existentes entre os judeus e que se desenvolveram ao longo dos séculos. Lembramos que os judeus, como diz o apóstolo Paulo, têm um verdadeiro véu sobre os seus corações e estão cegos, não conseguindo enxergar que o Messias já veio e que é Jesus Cristo (II Co.3:15,16). Em virtude disto, serão facilmente enganados pelo diabo, uma vez que, por terem rejeitado Cristo, elaboraram para si doutrinas e ideias de como será o Messias, pensamentos e ideias que, por terem origem humana (quiçá até diabólica), serão facilmente fonte de engano.
- Entretanto, como sabemos, o objetivo do diabo outro não é senão destruir Israel, que, por ser propriedade peculiar de Deus, é alvo preferencial do ódio de Satanás, que, aliás, odeia sobretudo o ser humano. Assim, após ter enganado Israel, após três anos e meio, o anticristo quererá ser adorado como deus no templo de Jerusalém. Os judeus, zelosos monoteístas, não concordarão com esta prática e verão nesta pretensão do anticristo que foram enganados e que não é o anticristo o Messias. Apesar da oposição dos judeus, o fato é que o anticristo entrará no templo de Jerusalém e ali será adorado como um deus, sentando no local mais sagrado do templo (provavelmente o santo dos santos) para ser adorado, sendo, também colocada uma imagem do anticristo (talvez a imagem que supostamente recebeu vida por intermédio do falso profeta – Ap.13:15) para que passasse a ser ali adorada por todos que frequentassem o templo. A este episódio é que Jesus denomina de “a abominação da desolação” (Mt.24:15), que será a concretização da profecia de Daniel (Dn.11:31) que só parcialmente foi cumprida no reinado de Antíoco Epifânio, quando, efetivamente, o templo de Jerusalém foi profanado, sendo colocada uma imagem de Zeus Olímpico para ser adorada no lugar santo. Entretanto, naquela oportunidade, Antíoco Epifânio não se fez adorar, de modo que tudo não passou de um tipo, de uma figura do que ainda estava por vir, tanto que, mais de 100 anos depois, Jesus identificou esta profecia como algo ainda futuro. Também esta “abominação” não pode ser considerada como tendo sido a apresentação de estandartes com a figura de Tito por soldados romanos quando da destruição do templo de Jerusalém no ano 70, porquanto, na profecia das setenta semanas, é claro que a cessação do sacrifício se fará depois da destruição do templo, ou seja, em outro templo que não o que foi destruído (Dn.9:27).
O anticristo, como vemos, na verdade se apossará do templo de Jerusalém e o transformará em um local de culto à sua pessoa. Entrará no templo, será adorado como um deus, sentar-se-á num trono para ser adorado e, depois, ali deixará a sua imagem, que será continuamente adorada a partir de então. Jerusalém transformar-se-á num centro de adoração do anticristo e, com este gesto, o anticristo quererá ter destruído a religião judaica, assimilando-a à religião mundial por ele criada. Este gesto será, sem dúvida, uma demonstração de vitória desta religião mundial, porquanto Jerusalém é uma cidade considerada sagrada pelas três maiores religiões monoteístas do mundo (judaísmo, cristianismo e islamismo).
- Como consequência deste gesto, os sacrifícios que tinham sido retomados pelos judeus no templo serão interrompidos (Dn.9:27) e, uma vez mais, os judeus ficarão privados de sua vida religiosa completa. Será, então, o instante em que se iniciará a violenta perseguição do anticristo contra os judeus e o desejo de sua completa destruição da face da Terra. Mas será mesmo em Jerusalém, quando Israel estiver a ponto de ser totalmente dizimado, que o Senhor Jesus voltará triunfantemente, para libertar Israel e estabelecer o milênio. Mas isto já é assunto para outra lição.
- “…A fera do mal  vai chegar, em breve aderida será, mas nós aguardamos novo céu e uma nova terra, em breve com Jesus deixaremos a terra. A Igreja sobre o mal triunfará.” (SILVÉRIO, João Batista. O milênio. Faixa 1. Grupo Shalom Especial 15 anos. CD. GSCD 1.005)
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - CARAMURU AFONSO FRANCISCO
fonte http://www.portalebd.org.br

ESCOLA DOMINICAL CPAD ADULTOS - Lição 3

A chamada profética de Samuel 20 de outubro de 2019 TEXTO ÁUREO “Então, veio o SENHOR, e ali esteve, e chamou como ...