SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

16 novembro 2015

Lição 8 - O início do governo humano I



Na sequência do estudo do livro do Gênesis, analisaremos hoje o estudo da primeira parte do capítulo 9, quando se institui a dispensação do governo humano. No recomeço da humanidade, Deus entregou ao homem a administração da justiça.
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
ADULTOS – O COMEÇO DE TODAS AS COISAS – Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA : CLAUDIONOR CORREA DE ANDRADE
COMENTÁRIO: EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP


ESBOÇO Nº 8
LIÇÃO Nº 8 – O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO

No recomeço da humanidade, Deus entregou ao homem a administração da justiça.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo do livro do Gênesis, analisaremos hoje o estudo da primeira parte do capítulo 9, quando se institui a dispensação do governo humano.
- No recomeço da humanidade, Deus entregou ao homem a administração da justiça.

I – O PACTO NOAICO
- Deus havia destruído a humanidade com o dilúvio, mas havia poupado Noé e sua família, porque ele havia sido achado justo aos olhos do Senhor (Gn.7:1).
- Quando o Senhor autorizou Noé e sua família a sair da arca, mais de um ano depois do início do dilúvio, Noé tomou a iniciativa de adorar a Deus, sacrificando animais limpos em gratidão pelo livramento de que fora alvo (Gn.8:20). Por causa desta iniciativa, o Senhor tomou a deliberação de nunca mais destruir a Terra com um dilúvio, tendo, então, Noé se tornado uma bênção para toda a humanidade (Gn.8:21,22).
- Quando o Senhor avisou a Noé a respeito da destruição da Terra com o dilúvio, Ele já havia dito ao patriarca que se estabeleceria um pacto entre Deus e ele (Gn.6:18).
- Tal afirmação divina mostra-nos que Deus tem sempre interesse em estabelecer um relacionamento com o homem, visando sempre o bem da humanidade, tendo por objetivo a salvação, o restabelecimento da comunhão perdida com a entrada do pecado no mundo.
- Ao mesmo tempo em que anunciava a destruição da geração rebelde que vivia no período antediluviano, o Senhor, ao dizer a Noé que estabeleceria com ele um pacto, estava mantendo de pé a promessa da redenção feita ao primeiro casal, como também indicando que se mudaria a dispensação, ou seja, a partir do dilúvio, Deus, no Seu imutável propósito de redimir o homem, passaria a tratar com o homem de um outro modo, de uma outra forma, de uma outra maneira.
- Cyrus Scofield (1843-1921) conceitua dispensação como “um período de tempo durante o qual o homem é provado quanto à obediência a alguma revelação específica da vontade de Deus”. Diz ainda o grande divulgador do dispensacionalismo: “cada dispensação pode ser considerada uma nova prova do homem natural, e cada uma termina em juízo, evidenciando o completo fracasso do ser humano.”
- Segundo esta linha de pensamento, portanto, temos que Deus, no Seu plano para a salvação do homem, vai progressivamente Se revelando ao homem, apresentando ao homem, ao longo da história, o Seu amor e o Seu interesse em que haja o restabelecimento da comunhão perdida com o pecado.
- Esta revelação progressiva de Deus ao homem faz com que o homem, seguidamente, verifique o seu fracasso em se manter fiel a Deus, até que se encontra o ponto culminante deste processo, em que Deus Se faz homem e alcança para a humanidade a eterna redenção.
- A dispensação, portanto, é uma forma de Deus administrar o Seu plano de salvação para a humanidade, dentro da Sua revelação progressiva ao homem, que encontra sua culminância no instante em que Ele mesmo Se revela aos homens na pessoa de Cristo Jesus, na “plenitude dos tempos” (Gl.4:4).
- Depois de ter decidido não mais destruir o homem com um dilúvio, o Senhor abençoou a Noé e a seus filhos, reafirmando-lhes o propósito divino para o ser humano, dado ao primeiro casal, qual seja, o propósito de frutificação, multiplicação e enchimento da terra (Gn.9:1).
- Observamos, portanto, que, embora tenha havido a modificação da dispensação, Deus continuou sendo o mesmo, pois Ele não muda (Ml.3:6; Tg.1:17), tanto que tudo quanto fez ao primeiro casal, à primeira família no Éden, também voltava a fazer para Noé e sua família, trazendo a bênção e determinando que eles frutificassem, multiplicassem e enchessem a Terra.
- Por isso, não podemos, de modo algum, querer “contextualizar” a Palavra de Deus, no sentido de entender que devam as Escrituras Sagradas adquirir novos significados e novos parâmetros por causa da “mudança dos tempos”. A Palavra de Deus não se altera por causa da passagem do tempo, pois ela permanece para sempre (I Pe.1:25).
- Noé tinha o encargo de repovoar a terra, de recomeçar a humanidade, juntamente com a sua família, e, portanto, deveria atender a todos os propósitos divinos, que permaneciam os mesmos.
- No entanto, se Deus não muda, isto não ocorre com o homem. Noé agora estava numa terra diferente, que, por causa do dilúvio, havia sofrido importantes alterações. A primeira é de que, doravante, haveria diversidade de climas, como também as estações do ano, já que a camada de águas que havia na atmosfera não mais existia, derramada que havia sido perante a superfície da Terra.
- Por isso, o Senhor indica a Noé que, doravante, por parte da criação terrena pavor e temor em relação ao homem, uma vez que o homem permaneceria tendo o domínio sobre a criação terrena (Gn.9:2). Tem-se aqui, na verdade, mais um distanciamento entre o homem e a natureza, consequência da intensificação do pecado que levara ao juízo do dilúvio. Deus deixava de agir somente pela consciência do homem, mas se estabelecia um terror e pavor das criaturas terrenas em relação ao ser humano precisamente para se dar ao homem mais um sinal, agora objetivo, de que o pecado trazia uma profunda desintegração e que, por isso, se deveria buscar ao Senhor e se aguardar a promessa da vinda da “semente da mulher” que restabeleceria esta comunhão perdida.
- Além deste pavor e temor, Deus, também, passava a autorizar o consumo de carne. O homem e outros animais (e até alguns vegetais) deixavam de ser herbívoros, para serem carnívoros ou onívoros. A partir do dilúvio, diante das mudanças climáticas, foi alterada a dieta alimentar de algumas criaturas, passando o homem a poder ingerir carne (Gn.9:3,4).
- No entanto, nesta modificação de dieta, o Senhor proibiu o consumo de sangue, onde estava a “vida” dos animais. Com efeito, vemos aqui que o sangue era o elemento que permitia a manutenção da vida nos animais, o que se demonstrou posteriormente pela ciência, que mostra ser o sangue o elemento que leva o oxigênio a todas as células do corpo, possibilitando a mantença da vida.
- Esta proibição de ingestão de sangue nada tem que ver com a consideração do sangue como “alma” do corpo, como ensinam equivocadamente as Testemunhas de Jeová. A alma do homem é imaterial e, portanto, não se confunde com o sangue. A vedação diz respeito à alimentação, não havendo, também, nesta determinação divina, qualquer proibição para a transfusão de sangue, até porque tudo quanto represente a manutenção da vida é algo que deva ser prestigiado e defendido pelos servos do Senhor.
- Além disto, a proibição do consumo do sangue era um indicador de como se daria a redenção da humanidade, pelo derramamento do sangue inocente da “semente da mulher”, que daria a sua vida pelo homem. Desde o Éden, quando o Senhor havia derramado sangue de um animal para dar túnicas de peles ao primeiro casal (Gn.3:21), havia uma sacralidade no derramamento do sangue, o que era de pleno conhecimento de Noé, que havia sacrificado animais em gratidão ao Senhor (Gn.8:20). Era, pois, uma ação de reverência a Deus, o reconhecimento de que Deus era o dono da vida e que, portanto, não se poderia profanar este elemento representativo da vida.
- E, por falar em vida, o Senhor reafirmou o Seu senhorio sobre a vida dizendo a Noé que requereria o sangue de cada ser humano da mão de todo o animal como também da mão de todo de homem e da mão do irmão de cada um (Gn.9:5).
- O Senhor retomava aqui o gérmen que havia levado toda a humanidade à destruição, que tinha sido o homicídio praticado por Caim, oportunidade em que ele disse que não se sentia “guardador do seu irmão” (Gn.4:9), atitude que havia permitido que, ao longo dos anos, toda a terra se enchesse de violência (Gn.6:11).
- O Senhor apresenta-Se como o dono da vida, dizendo que o ser humano jamais poderia derramar o sangue de outro ser humano. Se o fizesse, o Senhor requereria este sangue da mão do homem, pois todo ser humano deveria verificar que todo homem é irmão do seu próximo.
- O Senhor ainda disse que quem derramasse o sangue do homem, pelo homem o seu sangue seria derramado, porque o homem era imagem de Deus e, portanto, não poderia qualquer ser humano ceifar a vida de outro (Gn.9:6).
- Esta passagem deste pacto que Deus estava estabelecendo com Noé, pacto que é chamado pelos estudiosos das Escrituras de “pacto noaico”, é fonte de grandes discussões, pois alguns veem aqui o estabelecimento da pena de morte, enquanto que outros veem aqui precisamente a proibição da pena de morte.
- Entendem alguns que quando o Senhor disse que quem derramasse o sangue do homem pelo homem o seu sangue seria derramado estava a permitir que o homem aplicasse a pena de morte ao homicida. Teria havido aqui a delegação ao homem da aplicação da justiça, inclusive com a morte daquele que matasse alguém.
- Outros, no entanto, veem aqui que o Senhor toma para Si a aplicação desta “pena de morte”. Ao dizer que o sangue do homicida seria derramado pelo homem, o Senhor não estaria a delegar aos homens a possibilidade de matar o homicida, mas, sim, uma vez que o homem é “imagem de Deus”, estaria dizendo que Ele próprio, dentro da lei da semeadura, Se incumbiria de aplicar a morte ao homicida, usando o ser humano para isso, mas não delegando aos homens a aplicação da pena de morte.
- Parece-nos que esta última posição é a correta, pois o Senhor diz que requereria Ele próprio o sangue do homem, ou seja, não daria ao ser humano o poder de ceifar a vida do homicida, pois o homem é “imagem de Deus”, a vida é algo dado pelo próprio Senhor (I Sm.2:6) e, deste modo, não é algo que possa ser impunemente retirado pelo homem de seu próximo. O texto é bem claro ao dizer que o homem foi feito por Deus e, portanto, só Ele pode retirar a vida de um ser humano.
- O texto mostra, ademais, que Deus, ao excluir a vida do domínio humano, estava pondo os limites daquilo que viria a ser o “governo humano”, ou seja, a delegação ao homem da administração da justiça, que será o grande diferencial desta nova dispensação.
- O homem não poderia ceifar a vida do seu próximo, não lhe era isto delegado, pois o único dono da vida é o Senhor, mas deveria cumprir o propósito divino estabelecido ao ser humano, frutificando, multiplicando e povoando abundantemente a terra, multiplicando-se nela (Gn.9:7).
- A frutificação tem a ver com o estabelecimento de uma comunhão com Deus, com a construção de uma vida agradável a Deus. Trata-se de produção do fruto do Espírito (Gl.5:22), de frutos de justiça (Fp.1:11).
- A multiplicação tem a ver com a reprodução. A terra estava desabitada, depois da destruição de toda carne sobre a face da Terra com o dilúvio, e havia, então, a necessidade de se repovoar a Terra, terra que deveria ser abundantemente povoada. O Senhor reafirma que a humanidade deveria se dispersar por todo o planeta, algo que não tinha sido feito, ao menos em grande escala, pela geração anterior e que, apesar da ordem reafirmada, somente se daria após o término da dispensação do governo humano.
- Vemos aqui, mais uma vez, a necessidade que Deus dá a que as famílias tenham filhos, o dever da procriação, algo que tem sido profundamente negligenciado em nossos dias, onde a mentalidade de controle da natalidade, que tem raízes no “espírito do anticristo”, tem dominado inclusive a mente de muitos que cristãos se dizem ser.
- O “pacto noaico” é chamado pelos doutores da lei judeus de “os sete preceitos dos descendentes de Noé”, onde estariam as bases e os parâmetros estabelecidos por Deus a toda a humanidade, as bases da ética e da moralidade. Tanto assim é que, quando do concílio de Jerusalém, tais preceitos foram reafirmados e ditos que deveriam ser seguidos por todos os cristãos gentios (At.15:28,29).
- Este pacto, segundo estes doutores da lei, continham as mesmas disposições que Deus havia dado ao primeiro casal no Éden, com a inclusão da proibição do consumo de carne, a nos mostrar, uma vez mais, a imutabilidade da Palavra de Deus.
OBS: “…Rabi Johanan respondeu: O escrito diz: ‘E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás, porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás’ [Gn.2:16,17] E [Ele] ordenou refere-se às leis sociais e, por isso, está escrito: ‘Porque Eu o tenho conhecido, que ele há de ordenar a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para obrarem com justiça e juízo [Gn.18:19](…) Deus é [uma injunção] contra a idolatria, pois está escrito: ‘Não terás outros deuses diante de Mim’ [Ex.20:3] (…) Quando veio o Rabi Isaac, ele trouxe uma interpretação contrária. E ele ordenou – refere-se à idolatria. Deus [Elohim] para as leis sociais. Agora ‘Deus’ pode corretamente se referir às leis sociais, como está escrito: ‘…o dono da casa será levado diante dos juízes… (elohim) [Ex.22:8]…” (TALMUDE da Babilônia. Tratado Sanhedrin 56b. Disponível em: http://www.come-and-hear.com/sanhedrin/sanhedrin_56.html Acesso em 19 nov. 2014) (tradução nossa de texto em inglês) (destaques originais)
- Os rabinos viram em Gn.2:16,17 os preceitos morais, os elementos do mundo moral, chamados de “sete preceitos dos descendentes de Noé”, já que tudo foi repetido e reafirmado para Noé após o dilúvio.
OBS: ““…Nossos mestres ensinam: sete preceitos foram ordenados aos filhos de Noé: leis sociais, para refrear da blasfêmia, idolatria, adultério, derramamento de sangue, roubo e de comer carne de um animal vivo…" (TALMUDE DA BABILÔNIA. Sanhedrin, 56a. Disponível em: http://www.come-and-hear.com/sanhedrin/sanhedrin_56.html Acesso em 04 nov. 2014) (tradução nossa de texto em inglês).
- Primeiro preceito (Avodah zarah) – Proibição da idolatria – “ordenou” ou “Deus” – Se Deus ordena, é porque Ele é o Senhor, não havendo pois outros deuses, sendo impossível se submeter a outrem que não o próprio Deus. Se Ele é “Deus”, não há outro. – Dt.6:4; Is.43:10,11. A idolatria é proibida a todas as nações, a todos os homens – Rm.1:18-23. Outras nações que não Israel foram punidas por causa de sua idolatria – Gn.11:7-9; 15:16.
- Segundo preceito (Birkat Hashem) – Proibição de blasfêmia – ‘Senhor” – Se Deus é Senhor, deve ser obedecido, não pode ser contrariado, não pode ser ofendido, não pode ser menosprezado, desprezado, considerado algo vil – Lv.24:16; II Cr.32:17; Sl.14:1-3; I Pe.3:16; Ap.2:9.
- Terceiro preceito (Shefichat damim) – Proibição do assassinato – “homem” – Só Deus é o dono da vida (I Sm.2:6) e todo homem é imagem e semelhança de Deus e, portanto, só Deus pode retirar-lhe a vida (Gn.9:5,6).
- Quarto preceito (Gilul arayot) – Proibição da imoralidade sexual – “dizendo” – Somente se pode comunicar e estabelecer comunhão com o cônjuge, com quem se faz um só diante de Deus (Gn.2:24). – ‘Dizendo” leva-nos a Jr.3:1,2.
- Quinto preceito (Gezel) – Proibição do roubo – “toda árvore”. Se temos de ter autorização de Deus para comer das árvores do jardim do Éden, isto é sinal de que não podemos usar das coisas sem autorização do seu dono.
- Sexto preceito (Ever min ha-chai) – Proibição de comer com sangue – “comerás livremente”. Somente podemos comer daquilo que já está pronto para comer, ou seja, daquilo que já está devidamente morto, sem sangue, que representa a “vida” (Gn.9:4)
- Sétimo preceito (Dinim) – Estabelecimento de leis de honestidade e justiça – “ordenou”, “Deus” – Deus quer que o homem viva de acordo com a Sua vontade e, portanto, é preciso estabelecer regras de convivência que estejam em conformidade com a vontade do Senhor e um sistema judicial que aplique a vontade do Senhor na sociedade – Ex.18:21-23; Rm.13:1-7.
- Este último preceito dá ideia propriamente do que se denomina “governo humano”. O Senhor não iria mais aplicar diretamente a justiça sobre a humanidade, pois não iria mais destruir a Terra com água, não iria mais fazer um novo dilúvio (Gn.9:9-11). Com exceção da vida, tudo o mais deveria ser tratado pelo homem, que deveria administrar a justiça, criando um sistema de leis pelos quais se disciplinaria a convivência entre os homens e o próprio relacionamento do homem com a natureza.
- Ao determinar que o homem administrasse a justiça, estava mandando que o ser humano tomasse as devidas providências para que, na sociedade, fossem observados os parâmetros estabelecidos por Deus para a convivência humana. É por isso que esta dispensação é chamada de “governo humano”, pois o Senhor mandou que o homem “governasse” as relações entre si, logicamente sob os princípios estatuídos por Deus.
- Por que o Senhor determinou que o homem passasse a administrar a justiça sobre a face da Terra? Precisamente porque não haveria mais de lançar um dilúvio sobre a Terra. Quando o Senhor viu que o homem era continuamente mau, determinou a destruição do homem pelo dilúvio. Para que isto não mais ocorresse, reconhecendo a falibilidade ínsita ao homem concebido no pecado (Sl.51:5), cuja imaginação do coração é má desde a meninice (Gn.8:21), mandou que o homem mesmo cuidasse da administração da justiça, algo que seria falível e que não traria a destruição total.
- Ao delegar a administração da justiça ao homem, o Senhor mostra toda a Sua misericórdia e graça, abstendo-se de destruir toda a carne sobre a face da Terra, abrindo um tempo para que o homem tivesse a oportunidade de servir a Deus. A partir deste pacto, Deus somente atuaria pontualmente, quando a Sua longanimidade chega ao limite, como, por exemplo, ocorreu nas cidades da planície (Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim).
- Por isso, não devemos nos surpreender com a insuficiência da chamada “justiça dos homens”, insuficiência que é cada vez maior em virtude da multiplicação do pecado (Mt.24:12). O estabelecimento do governo humano foi um ato de misericórdia e graça divinas para impedir a imediata aplicação da justiça a todos os homens, como se fez no dilúvio, para dar tempo ao homem para se arrepender, para garantir a existência da humanidade até a vinda da redenção por intermédio de Cristo Jesus.
- Neste pacto noaico, vemos o devido lugar do poder político e seu relacionamento com Deus. Ao determinar o Senhor que se deveria criar um sistema de administração da justiça pelos próprios homens, Deus estava a criar o governo, que é, assim, constituído por Deus (Cf. Rm.13:1), mas com propósitos bem determinados.
- As autoridades são constituídas por Deus com o propósito primeiro de administrar a justiça, de castigar os maus (Rm.13:3,4). É este o primeiro papel de um governo, impedir a impunidade, não permitir que as pessoas que vivam em desacordo com os princípios divinos estabelecidos para a convivência entre os homens fiquem impunes e tenham vantagem.
- Por isso, o “espírito do anticristo” tem instituído em todas as nações do mundo, neste período imediatamente anterior ao arrebatamento da Igreja, uma cultura da impunidade, uma permissividade cada vez mais crescente, fazendo com que se tenha um ambiente de grande injustiça e de vazio governamental, preparando, assim, uma sede pelo estabelecimento de um poder, que será suprida pelo Anticristo, em que, entretanto, em vez de se ter um governo consoante os parâmetros divinos, haverá a deificação do homem e a indevida assunção do lugar de Deus pelo homem.
- A correta posição do governo é a de ser “ministro de Deus”, ou seja, “servo do Senhor”, ou seja, deve tão somente implementar leis que estejam de acordo com os princípios estabelecidos por Deus, pois Deus é o Senhor, Deus é o soberano.
- O poder político foi criado para servir aos propósitos divinos, não para dominar sobre os homens como se Deus não existisse, como acontece no sistema gentílico que seria estabelecido precisamente na dispensação do governo humano, um sistema de rebeldia contra Deus e que poria fim a esta dispensação.
- Por isso, devemos, sim, obedecer às autoridades, pois quem não o faz estará a resistir ao próprio Deus (Rm.13:2), mas jamais devemos, nesta obediência, consentir com o “abuso de autoridade”, ou seja, o momento em que a autoridade deixa de servir aos propósitos divinos para querer colocar-se no lugar do próprio Deus, como, aliás, os apóstolos deixaram claro ao dizer aos membros do Sinédrio, o órgão máximo do poder político-religioso judeu nos tempos da dominação romana, que mais importava obedecer a Deus que aos homens (At.5:29).
- Deste modo, como servos de Deus, devemos, sim, obedecer às autoridades, interceder diante de Deus por elas (Cf. I Tm.2:1-3), mas, jamais poderemos compactuar com medidas delas provenientes que afrontem a Palavra de Deus, que contrariem os princípios bíblicos, devendo, neste caso, manter nossa obediência ao Senhor, nem que isto signifique uma desobediência civil, que deverá sempre se fazer mediante a resistência pacífica e a denúncia dos desmandos e desvios proferidos pelos governantes que se rebelarem contra a sã doutrina.

II – O SINAL DO PACTO NOAICO
- Como demonstração de que, doravante, Deus não iria falar com o homem apenas através da consciência, mas que se incluíam agora elementos objetivos, situados fora do ser humano, como a própria administração da justiça, foi dado um sinal cósmico para este pacto, a saber, o arco-íris, “o arco do Senhor posto na nuvem” (Gn.9:13).
- Esta afirmação bíblica mostra toda a confluência e harmonia que há entre a revelação divina e a ciência. Por primeiro, fala-se em “nuvem”, uma realidade que somente exsurgiu na Terra depois do dilúvio, com o fim daquela uniformidade climática, ante a extinção daquela camada de águas que antes havia na atmosfera, pois a nuvem nada mais é que “um conjunto visível de partículas diminutas de gelo ou água em seu estado líquido ou ainda de ambos ao mesmo tempo (mistas), que se encontram em suspensão na atmosfera, após terem se condensado ou liquefeito em virtude de fenômenos atmosféricos. A nuvem pode também conter partículas de água líquida ou de gelo em maiores dimensões e partículas procedentes, por exemplo, de vapores industriais, de fumaças ou de poeiras…” (Nuvem. In: WIKIPÉDIA. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nuvem Acesso em 08 set. 2015).
- Bem se vê, portanto, que, após o dilúvio, passou a existir um diferente ciclo da água no planeta, com o estabelecimento das estações do ano e de um sistema de chuvas, até então inexistente sobre a face da Terra. As nuvens passaram, assim, a ser uma nova paisagem na atmosfera e, nestas nuvens, que eram decorrência do juízo divino, o Senhor estabelece um sinal para lembrar ao homem que jamais iria novamente destruir a Terra com água.
- Este sinal era o arco-íris. Mas o que é o arco-íris? “Um arco-íris (também chamado arco-celeste, arco-da-aliança, arco-da-chuva, arco-da-velha) é um fenômeno óptico e meteorológico que separa a luz do sol em seu espectro (aproximadamente) contínuo quando o sol brilha sobre gotas de chuva. É um arco multicolorido com o vermelho no seu exterior e o violeta em seu interior; a ordem completa é vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil (ou índigo) e violeta” (Arco-íris. In: WIKIPÉDIA. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arco-%C3%ADris Acesso em 08 set. 2015).
- Vemos, pela própria definição científica do arco-íris, que ele somente foi possível depois do dilúvio, vez que se trata de um fenômeno óptico e meteorológico que separa a luz do sol das gotas de chuva, ou seja, algo somente possível depois da modificação relativa ao ciclo da água ocasionado pelo dilúvio, com a extinção da camada de águas que havia na parte superior da atmosfera e que mantinha a Terra sob uma uniformidade climática.
- Isto serve para mostrar, uma vez mais, que não qualquer divergência entre as Escrituras Sagradas e a ciência, pois enquanto a Bíblia revela a verdade, sendo ela própria a verdade (Jo.17:17), a ciência é um esforço humano para se descobrir a verdade através do uso da razão, dentro daquilo que Deus deu a cada ser humano (Ec.1:13) e, como a verdade é uma só, evidentemente a ciência tende a chegar à mesma conclusão da revelação.
- Por isso, não tem sentido algum o chamado “anti-intelectualismo”, que é a postura, infelizmente seguida por muitos que cristãos se dizem ser, de que o servo de Jesus Cristo não deve estudar nem se enfronhar na ciência, pois isto conduziria a um “desvio da fé”, como se a ciência se opusesse à verdade bíblica, mentira que tem sido contada ao longo dos últimos dois séculos.
- O que existe é uma “falsa ciência”, cujo objetivo não é trazer conhecimentos nem tampouco encontrar a verdade, mas, sim e tão somente, opor-se à Bíblia Sagrada, como já nos dava conta o apóstolo Paulo em I Tm.6:20, Paulo, aliás, um erudito no seu tempo.
- Como já dizia o saudoso irmão Sérgio Paulo Gomes de Abreu, fundador do Portal Escola Dominical, não nos impressionemos quando Bíblia e ciência divergem, pois, um dia, a ciência chegará à verdade e concluirá no mesmo sentido da revelação divina.
- Quando o homem visse o arco-íris, deveria se lembrar de que Deus havia prometido de que nunca mais destruiria a terra com água, de que havia um compromisso firmado com o homem de que, doravante, nunca mais ocorreria um dilúvio, prova de que, como já dissemos na lição anterior, o dilúvio foi universal, visto que ainda ocorrem grandes inundações sobre a face da Terra, como foi o caso do “tsunami” que abrangeu diversos países da Ásia em 2005, com mais de 200 mil mortes, mas que não abrangeram toda a Terra como ocorreu com o dilúvio presenciado por Noé e sua família.
- O arco-íris é um eloquente sinal, situado fora da consciência do homem, fora do seu interior, que está a demonstrar toda a graça e misericórdia divina. Toda vez que vemos o arco-íris, devemos nos lembrar da solene promessa de que Deus não iria destruir a humanidade com o dilúvio, apesar de o homem continuar tendo uma natureza pecaminosa, da imaginação do seu coração ser má continuamente (Gn.8:20).
- O homem não havia mudado, era incapaz de, por si só, modificar a sua maneira de ser, mas o Senhor, fiel à Sua promessa de que, da semente da mulher, viria alguém que restabeleceria esta comunhão com Ele, suportaria toda a maldade humana, toleraria a presença do pecado até a “plenitude dos tempos”, para mostrar que amava o homem e queria o seu bem.
- Deus não estaria a consentir com o pecado, mas estaria a dar uma real oportunidade de salvação ao pecador. Tanto não toleraria o pecado que determinou ao homem que elaborasse um sistema de administração da justiça, criando leis que levassem os homens, na sua convivência com o próximo, a obedecer aos preceitos estabelecidos pelo próprio Deus e constantes do “pacto noaico”, como também que respeitasse a vida do próximo, intervindo o próprio Senhor diretamente quando o postulado da defesa da vida não fosse observado.
- No entanto, mesmo diante desta maldade ínsita ao homem, o Senhor, por graça e misericórdia, Se absteria de tornar a mandar um novo dilúvio sobre a face da Terra, deixando a marca nas nuvens, o arco-íris, para que o homem, diante desta dupla face de Deus, a justiça e a misericórdia, se esforçasse para fazer a vontade divina, para cumprir os preceitos por Ele estabelecidos, confiando e esperança o cumprimento da promessa da redenção por meio da “semente da mulher”.
- O arco-íris representava a longanimidade divina, a paciência de Deus para com o homem, pois Noé não deveria se esquecer do que havia profetizado Enoque, o sétimo depois de Adão, de que todos os ímpios haveriam de ser devidamente punidos pelo Senhor no tempo oportuno (Jd.14,15), profecia, aliás, na qual o patriarca havia crido e, por isso, sido um varão reto e justo em suas gerações, o que fez com que fosse agraciado pelo Senhor com o seu livramento do dilúvio (Gn.6:8,9; 7:1).
- Deus disse que toda vez que houvesse nuvens no céu, prenunciando uma grande chuva, Ele Se lembraria do Seu concerto com a humanidade e o arco-íris apareceria como lembrança da promessa divina, como sinal de Sua fidelidade, sinal que diria que nunca mais haveria um dilúvio sobre a face da Terra.
- “…O efeito do arco-íris pode ser observado sempre que existirem gotas de água suspensas no ar e a luz do sol estiver brilhando acima do observador em uma baixa altitude ou ângulo. O mais espetacular arco-íris aparece quando metade do céu ainda está escuro com nuvens de chuva e o observador está em um local com céu claro. Outro local propício à apreciação do arco-íris é perto de cachoeiras.…” (Arco-íris. In: WIKIPÉDIA. end.cit.). Nesta descrição, vemos como o arco-íris exsurge com maior vigor quando metade do céu ainda está escuro, ou seja, quando há um quadro veemente de chuva, uma aparência de destruição pela água.
- Após o estabelecimento do pacto, é dito que Noé e sua família, cumprindo o propósito divino, fez o recomeço da vida sobre a face da Terra, buscando frutificar, multiplicar e encher a Terra como determinado, pois todas as nações existentes sobre a face da Terra descendem dos filhos de Noé, a saber: Sem, Cão e Jafé, pois, como diz Gn.9:19, “…destes se povoou toda a terra”.
- No entanto, como sói ocorrer com relação ao homem em todos os pactos firmados por Deus, não duraria muito e o homem haveria novamente de fracassar, a começar no seio da família do próprio Noé, como haveremos de ver na próxima lição.

Caramuru Afonso Francisco

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
TEMA – O COMEÇO DE TODAS AS COISAS – Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA : CLAUDIONOR DE ANDRADE
PLANO DE AULA Nº 8
LIÇÃO Nº 8 – O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO
1º SLIDE INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo do livro do Gênesis, analisaremos hoje o estudo da primeira parte do capítulo 9, quando se institui a dispensação do governo humano.
- No recomeço da humanidade, Deus entregou ao homem a administração da justiça.
2º SLIDE I – O PACTO NOAICO
- Quando o Senhor avisou a Noé a respeito da destruição da Terra com o dilúvio, Ele já havia dito ao patriarca que se estabeleceria um pacto entre Deus e ele (Gn.6:18).
- Tal afirmação divina mostra-nos que Deus tem sempre interesse em estabelecer um relacionamento com o homem, visando sempre o bem da humanidade, tendo por objetivo a salvação, o restabelecimento da comunhão perdida com a entrada do pecado no mundo.
3º SLIDE
- Neste novo pacto que firmaria com Noé, teria início uma nova dispensação – a dispensação do governo humano.
- Dispensação é “um período de tempo durante o qual o homem é provado quanto à obediência a alguma revelação específica da vontade de Deus”. “Cada dispensação pode ser considerada uma nova prova do homem natural, e cada uma termina em juízo, evidenciando o completo fracasso do ser humano.”
4º SLIDE
- Depois de ter decidido não mais destruir o homem com um dilúvio, o Senhor abençoou a Noé e a seus filhos, reafirmando-lhes o propósito divino para o ser humano, dado ao primeiro casal, qual seja, o propósito de frutificação, multiplicação e enchimento da terra (Gn.9:1).
- Embora tenha havido a modificação da dispensação, Deus continuou sendo o mesmo, pois Ele não muda (Ml.3:6; Tg.1:17), tanto que tudo quanto fez ao primeiro casal, à primeira família no Éden, também voltava a fazer para Noé e sua família, trazendo a bênção e determinando que eles frutificassem, multiplicassem e enchessem a Terra.
5º SLIDE
- Noé tinha o encargo de repovoar a terra, de recomeçar a humanidade, juntamente com a sua família, e, portanto, deveria atender a todos os propósitos divinos, que permaneciam os mesmos.
- No entanto, se Deus não muda, isto não ocorre com o homem. Noé agora estava numa terra diferente, que, por causa do dilúvio, havia sofrido importantes alterações. A primeira é de que, doravante, haveria diversidade de climas, como também as estações do ano, já que a camada de águas que havia na atmosfera não mais existia, derramada que havia sido perante a superfície da Terra.
6º SLIDE
- O Senhor indica a Noé que, doravante, por parte da criação terrena pavor e temor em relação ao homem, uma vez que o homem permaneceria tendo o domínio sobre a criação terrena (Gn.9:2). 
- Além deste pavor e temor, Deus, também, passava a autorizar o consumo de carne. O homem e outros animais (e até alguns vegetais) deixavam de ser herbívoros, para serem carnívoros ou onívoros. A partir do dilúvio, diante das mudanças climáticas, foi alterada a dieta alimentar de algumas criaturas, passando o homem a poder ingerir carne (Gn.9:3,4).
7º SLIDE
- Nesta modificação de dieta, o Senhor proibiu o consumo de sangue, onde estava a “vida” dos animais. 
- O sangue era o elemento que permitia a manutenção da vida nos animais, nada tendo que ver com a “alma”. Por isso, o consumo de sangue não significa a proibição de transfusão, que é um meio de se mostrar amor ao próximo e de propiciar a prevalência da vida.
8º SLIDE
- A proibição do consumo do sangue era um indicador de como se daria a redenção da humanidade, pelo derramamento do sangue inocente da “semente da mulher”, que daria a sua vida pelo homem. 
- O Senhor reafirmou o Seu senhorio sobre a vida dizendo a Noé que requereria o sangue de cada ser humano da mão de todo o animal como também da mão de todo de homem e da mão do irmão de cada um (Gn.9:5).
9º SLIDE
- O Senhor ainda disse que quem derramasse o sangue do homem, pelo homem o seu sangue seria derramado, porque o homem era imagem de Deus e, portanto, não poderia qualquer ser humano ceifar a vida de outro (Gn.9:6).
- Nesta determinação, o Senhor estabeleceu a pena de morte ao homicida, mas se discute se teria havido a delegação da aplicação desta pena aos governantes.
10º SLIDE
- Respeitando a opinião contrária, ao dizer que o homem é imagem de Deus e que Deus requereria o sangue que fosse derramado, o Senhor deixou para Si a aplicação da pena de morte ao homicida, o que se daria pela lei da semeadura, através do homem, mas numa aplicação única e exclusiva de Deus.
- Em sua determinação, o Senhor mostra todo Seu desagrado com a violência que caracteriza a geração antediluviana e que tinha tido origem em Caim.
11º SLIDE
- Deus, ao excluir a vida do domínio humano, estava pondo os limites daquilo que viria a ser o “governo humano”, ou seja, a delegação ao homem da administração da justiça, que será o grande diferencial desta nova dispensação.
- O homem não poderia ceifar a vida do seu próximo, não lhe era isto delegado, pois o único dono da vida é o Senhor, mas deveria cumprir o propósito divino estabelecido ao ser humano, frutificando, multiplicando e povoando abundantemente a terra, multiplicando-se nela (Gn.9:7).
12º SLIDE
- O “pacto noaico” é chamado pelos doutores da lei judeus de “os sete preceitos dos descendentes de Noé”, onde estariam as bases e os parâmetros estabelecidos por Deus a toda a humanidade, as bases da ética e da moralidade. 
- Este pacto, segundo estes doutores da lei, continham as mesmas disposições que Deus havia dado ao primeiro casal no Éden, com a inclusão da proibição do consumo de carne, a nos mostrar, uma vez mais, a imutabilidade da Palavra de Deus.
13º SLIDE
Sete preceitos do pacto noaico (I):
a) Proibição da idolatria 
b) Proibição de blasfêmia
c) Proibição do assassinato
d)Proibição da imoralidade sexual
14º SLIDE
Sete preceitos do pacto noaico (II):
e) Proibição do roubo
f) Proibição de comer com sangue 
g) Estabelecimento de leis de honestidade e justiça
15º SLIDE
- O último preceito dá ideia propriamente do que se denomina “governo humano”. O Senhor não iria mais aplicar diretamente a justiça sobre a humanidade, pois não iria mais destruir a Terra com água, não iria mais fazer um novo dilúvio (Gn.9:9-11). 
- Com exceção da vida, tudo o mais deveria ser tratado pelo homem, que deveria administrar a justiça, criando um sistema de leis pelos quais se disciplinaria a convivência entre os homens e o próprio relacionamento do homem com a natureza.
16º SLIDE
- Por que o Senhor determinou que o homem passasse a administrar a justiça sobre a face da Terra? Precisamente porque não haveria mais de lançar um dilúvio sobre a Terra. 
- Quando o Senhor viu que o homem era continuamente mau, determinou a destruição do homem pelo dilúvio. Para que isto não mais ocorresse, reconhecendo a falibilidade ínsita ao homem concebido no pecado (Sl.51:5), cuja imaginação do coração é má desde a meninice (Gn.8:21), mandou que o homem mesmo cuidasse da administração da justiça, algo que seria falível e que não traria a destruição total.
17º SLIDE
- Ao delegar a administração da justiça ao homem, o Senhor mostra toda a Sua misericórdia e graça, abstendo-se de destruir toda a carne sobre a face da Terra, abrindo um tempo para que o homem tivesse a oportunidade de servir a Deus. 
- A partir deste pacto, Deus somente atuaria pontualmente, quando a Sua longanimidade chega ao limite, como, por exemplo, ocorreu nas cidades da planície (Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim).
18º SLIDE
- Neste pacto noaico, vemos o devido lugar do poder político e seu relacionamento com Deus. Ao determinar o Senhor que se deveria criar um sistema de administração da justiça pelos próprios homens, Deus estava a criar o governo, que é, assim, constituído por Deus (Cf. Rm.13:1), mas com propósitos bem determinados.
- As autoridades são constituídas por Deus com o propósito primeiro de administrar a justiça, de castigar os maus (Rm.13:3,4). 
19º SLIDE
- A correta posição do governo é a de ser “ministro de Deus”, ou seja, “servo do Senhor”, ou seja, deve tão somente implementar leis que estejam de acordo com os princípios estabelecidos por Deus, pois Deus é o Senhor, Deus é o soberano. 
- O poder político foi criado para servir aos propósitos divinos, não para dominar sobre os homens como se Deus não existisse.
20º SLIDE II – O SINAL DO PACTO NOAICO
- Como demonstração de que, doravante, Deus não iria falar com o homem apenas através da consciência, mas que se incluíam agora elementos objetivos, situados fora do ser humano, como a própria administração da justiça, foi dado um sinal cósmico para este pacto, a saber, o arco-íris, “o arco do Senhor posto na nuvem” (Gn.9:13).
- As nuvens e o arco-íris mostram a alteração do ciclo da água após o dilúvio e serviriam de sinal de que, embora tivesse destruído o mundo com água, o Senhor nunca mais o faria.
21º SLIDE
- O arco-íris é um eloquente sinal, situado fora da consciência do homem, fora do seu interior, que está a demonstrar toda a graça e misericórdia divina. 
- Deus não estaria a consentir com o pecado, mas estaria a dar uma real oportunidade de salvação ao pecador. 
22º SLIDE
- O arco-íris representava a longanimidade divina, a paciência de Deus para com o homem, pois Noé não deveria se esquecer do que havia profetizado Enoque, o sétimo depois de Adão, de que todos os ímpios haveriam de ser devidamente punidos pelo Senhor no tempo oportuno (Jd.14,15).
- Após o estabelecimento do pacto, é dito que Noé e sua família, cumprindo o propósito divino, fez o recomeço da vida sobre a face da Terra, buscando frutificar, multiplicar e encher a Terra como determinado, pois todas as nações existentes sobre a face da Terra descendem dos filhos de Noé, a saber: Sem, Cão e Jafé, pois, como diz Gn.9:19, “…destes se povoou toda a terra”.
Para fazer download dos slides em PDF CLIQUE AQUI
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
http://www.portalebd.org.br/index.php/adultos/14-adultos-liccoes/599-licao-8-o-inicio-do-governo-humano-i

ESCOLA DOMINICAL BETEL ESBOÇO - Subsídio da Lição 8

AULA EM 20 DE AGOSTO DE 2017 – LIÇÃO 8 (Revista: Editora Betel) Tema:  Jesus o missionário excelente Texto Áureo:   Jo 12.4...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AS 10 MAIS VISITADAS