SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

18 novembro 2015

Lição 8 - O início do governo humano V



Estudaremos nesta lição sobre o concerto de Deus com a geração pós diluviana. Depois que o patriarca Noé saiu da arca com a sua família, Deus os abençoou, deu-lhes domínio sobre os animais e também instruções sobre questões
alimentares
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
ADULTOS - O COMEÇO DE TODAS AS COISAS - Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA: CLAUDIONOR CORREA DE ANDRADE
COMENTÁRIO: SUPERINTENDÊNCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM RECIFE/PE


LIÇÃO 08 – O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO
(Gn 9.1-13)

INTRODUÇÃO
Estudaremos nesta lição sobre o concerto de Deus com a geração pós diluviana. Depois que o patriarca Noé saiu da arca com a sua família, Deus os abençoou, deu-lhes domínio sobre os animais e também instruções sobre questões
alimentares. Além disso, Deus delegou aos homens o governo humano e fez um novo pacto com Noé, onde ele prometeu que não mais destruiria a terra com o dilúvio e deixou um sinal no céu como um memorial.

I – UMA NOVA CIVILIZAÇÃO
Após a corrupção da geração antediluviana, que resultou na execução do juízo divino por intermédio das águas do dilúvio, o patriarca Noé e sua família saem da arca com a missão de dar início a uma nova civilização. O Senhor, então, apareceu, mais uma vez a Noé. Vejamos:
1.1 A bênção de Deus. Como ocorreu com os nossos primeiros pais, no Éden (Gn 1.28), Deus abençoou a Noé e a seus filhos, e lhes deu a ordem de frutificar e encher a terra (Gn 9.1). Sendo que, dessa vez, não havia apenas um casal, e sim, quatro casais (Gn 7.13) para dar continuidade ao repovoamento da terra. Noé, tornou-se, então, o segundo pai da humanidade. O desejo de Deus era que aquela nova geração não se corrompesse, como ocorreu com a anterior, mas, que os homens vivessem em paz e em harmonia com os seus semelhantes.
1.2 O domínio sobre os animais. Assim como Adão havia recebido a ordem de dominar sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre os animais da terra (Gn 1.28), O Senhor deu a Noé o domínio sobre a criação (Gn 9.2). Isto nos ensina que, mesmo após a Queda e a depravação da geração antediluviana, os propósitos de Deus permanecem. O homem foi criado capaz de dominar a criação, e, como resultado desse domínio, o ser humano é capaz de domar animais ferozes e utilizar animais para o trabalho, transporte e lazer.
1.3 A nova dieta. Ao sair da arca, Deus instruiu a Noé sobre questões alimentares (Gn 9.2-5). O homem que outrora alimentava-se apenas de frutas, verduras e cereais, a partir de então, passou a alimentar-se também de animais (Gn 9.3).
No entanto, Deus proibiu que o homem se alimentasse do sangue. “A proibição acerca do uso do sangue na alimentação tem sido uma constante na história dos hebreus. Presume-se que ela tenha começado quando foi permitido que a carne animal viesse a fazer parte da alimentação humana. Ver (Lv 7.27; 17.10,14; 19.26; Dt 12.16,23; 15.23; Ez 33.25). Essa dieta foi imposta aos gentios, por fazerem eles parte do pacto com Noé, e não meramente por parte da lei mosaica (At 15.20; 21.25) (CHAMPLIN, 2002. vol. 1. p. 99).

II – A ALIANÇA DE DEUS COM NOÉ
Após a saída da arca, Noé se aproximou de Deus levantando o altar, com sacrifício de sangue (Gn 8.20). Deus recebeu aquela oferta e fez uma aliança com Noé (Gn 9.9-13). Vejamos como se deu esta aliança:
2.1 Deus prometeu não mais destruir a terra com um dilúvio. Por causa da maldade e da corrupção da raça humana, o juízo divino por intermédio do dilúvio foi necessário (Gn 6.5-7), e, inevitavelmente, trouxe consequências drásticas para os homens, animais e também para a natureza. Mas Deus prometeu que não haveria outro dilúvio na terra (Gn 8.21; 9.11).
A partir de então, os homens deveriam ver a chuva como uma bênção de Deus (Lv 26.4; Dt 11.13,14; 28.12; Sl 68.9; Mt 5.45), e não como a execução de um juízo divino.
2.2 Deus prometeu a perpetuação dos processos regulares da natureza. Quando Deus criou a terra, estabeleceu leis que regulariam a natureza, tais como: dia e noite; inverno e verão (Gn 1.14; Sl 74.17; Zc 14.8; Lc 21.30). Mas, com o dilúvio, as leis da natureza foram afetadas. No entanto, Deus prometeu a Noé que “Enquanto a terra durar, sementeira e sega, frio e calor, verão e inverno, e dia e noite não cessarão” (Gn 8.22). O que significa dizer que enquanto houver homens na terra, haverá continuamente plantação e colheita, dia e noite, inverno e verão.
2.3 Deus deixou um sinal no céu. Ele disse: “O meu arco tenho posto na nuvem; este será por sinal do concerto entre mim e a terra” (Gn 9.13). Desde então, o arco não representa apenas um fenômeno da natureza, e sim, um sinal que nos lembra a promessa de Deus, bem como a sua misericórdia para com a humanidade. O arco-íris, quando eleva-se no céu, nos faz lembrar o pacto de Deus com o patriarca Noé, e, consequentemente, com todos os homens. É o sinal e a garantia que o mundo nunca será destruído por outro dilúvio.

III - A INSTITUIÇÃO DO GOVERNO HUMANO
“Antes do dilúvio não havia nenhum governo humano. Todo homem tinha liberdade para seguir ou rejeitar qualquer caminho [...] Mas, após a saída da arca, Deus instituiu um governo terrestre que serviria de freio sobre os delitos
dos homens. A ordem divina foi esta: “Se alguém derramar o sangue do homem, pelo homem se derramará o seu” (Gn 9.6). A pena capital é a função de maior seriedade do governo humano, e uma vez que Deus concedeu ao homem essa responsabilidade judicial, automaticamente todas as demais funções de governo foram também conferidas. O governo humano, assim constituído, exercendo a prerrogativa da pena capital, foi e é sancionado pelo próprio Deus como um meio de deter os desobedientes (Rm 13.1-7; I Tm 1.8-10). A investidura dessa autoridade e responsabilidade no homem foi uma novidade do novo pacto de Deus com os homens após o Dilúvio” (OLSON, 2004, p. 69). Vejamos os aspectos humanos e divinos neste governo:
3.1 O governo humano. É Deus quem dá ao homem o fôlego de vida e somente Ele tem o direito legal de pôr fim à vida.
A vida é um dom de Deus e ninguém tem o direito de tirá-la (Gn 9.6). Somente Deus, que criou o homem à sua imagem, tem o direito de pôr fim à vida humana (Gn 1.26,27; Dt 32.39), e como dádiva de Deus, só ele tem autoridade para tomá-la. Porém, mesmo antes de dar um código de leis a Israel (Êx 20.1-17; Dt 5.1-21), Deus ordenou a pena capital (Gn 9.6), visando a preservação da vida. Como os antediluvianos tinham enchido o mundo com violência e derramamento de sangue (Gn 6.5-7, 11,12), Deus instituiu a pena de morte para garantir à humanidade a preservação da vida.
3.2 A intervenção divina. Embora Deus haja delegado o governo do mundo ao homem, continua Ele a comandar todas as coisas. A Bíblia registra diversos exemplos de intervenções divinas na história das nações, como interveio em Sodoma e Gomorra (Gn 19.24-30); no Egito (Êx 7.19 a 14-31); na Babilônia (Dn 4.32-34; 5.21); na Assíria (II Rs 19.35); e, principalmente, na história de Israel.

IV – A DISPENSAÇÃO DO GOVERNO HUMANO
4.1 Definição de Dispensação. “Período de tempo durante o qual a humanidade é moralmente responsável diante de Deus em relação à consideração, respeito e obediência demonstrada para com a sua palavra. Trata-se de um período moral ou período probatório da história humana ou angelical. Cada dispensação tem o seu próprio começo e fim. Em cada dispensação Deus tem um propósito específico e definido. Porém, o grande projeto e propósito de Deus através das várias dispensações, é libertar a humanidade e o universo de todas as rebeliões, de tal forma que os agentes dotados de livre arbítrio, estejam voluntária e permanentemente sujeitos a Deus, a Cristo, e ao Espírito Santo” (OLSON, 2004, p. 35).
4.2 A Dispensação do Governo Humano. Esta dispensação é assim chamada por causa das leis humanas, e governos que foram instituídos, para regular a vida dos homens após a longa era de liberdade de consciência. Deus deu a Noé determinadas leis para que tanto Noé quanto sua família e todos os seus descendentes fossem governados por elas. O homem passou a ser responsável pelo seu próprio governo (Gn 9.1-19).
4.3 O início e a duração da Dispensação. Esta dispensação teve uma duração de 427 anos. Iniciou-se logo após o dilúvio e estendeu-se até o chamado de Abraão (Gn 8.15-19; 9.18-19; 11.10-32; 12.1-3). Após o dilúvio a nova vida da raça humana sobre a terra, começa com um ato de adoração (Gn 8.20). Esta é a primeira referência a um altar nas páginas das Escrituras. Após o dilúvio as bênçãos de Deus são dirigidas ou impetradas sob Noé e seus filhos, que surge agora como segundo cabeça da raça humana (Gn 9.1). Novas leis foram dadas, nova aliança, promessas de bênçãos, domínio da terra e responsabilidade sobre si mesmo para sempre (Gn 8.15,22; 9.3, 8-12).
4.4 A necessidade. Os governos humanos fazem parte de um governo moral de Deus e são necessários para a preservação da sociedade humana na terra (Rm 13.1-7; I Pe 2.13-14). Na dispensação do governo humano, várias leis foram dadas e o governo foi estabelecido por Deus, com o homem agora sendo responsável por reinar ou administrar para o bem de todos.
Sem a existência, execução de leis e punição, nenhum governo pode durar muito tempo. Elas são necessárias para punir criminosos sejam indivíduos ou nação (Rm 13.3-4).

CONCLUSÃO
Após o dilúvio, Deus deu início a uma nova geração por intermédio da família do patriarca Noé. Deus prometeu que nunca mais destruiria a terra com um dilúvio e deixou um sinal no céu, como memorial do seu pacto com a humanidade. Deus também estabeleceu o governo humano, visando a preservação da vida e a não proliferação do pecado.

REFERÊNCIAS
 ANDRADE, Claudionor de. O Começo de Todas as Coisas. CPAD.
 CHAMPLIN, R. N. O AT Interpretado Versículo por Versículo. HAGNOS.
 HOFF Paul. O Pentateuco. VIDA.
 OLSON, Laurence. O Plano Divino Através dos Séculos. CPAD.
Para fazer download do texto em PDF CLIQUE AQUI
Fonte: http://portal.rbc1.com.br/licoes-biblicas/index/cod/407 Acesso em 17 nov. 2015.http://www.portalebd.org.br/index.php/adultos/14-adultos-liccoes/613-licao-8-o-inicio-do-governo-humano-v