SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

18 novembro 2015

Na lição de hoje estudaremos a parábola dos trabalhadores na vinha (plantação de uvas).Esta lição apresenta uma das mais extraordinárias lições sobre o caráter de Deus. Nesta analogia o Senhor é comparado a um pai de família que sai de madrugada a fim de recrutar trabalhadores para sua vinha.

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
JUNIORES – Tema: As histórias de Jesus
Comentarista: Patricia Almeida
Comentário: Prof. Jair César S. Oliveira
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO IPIRANGA - SEDE - SÃO PAULO/SP


LIÇÃO 8 - PLANTAÇÃO DE UVAS

 Texto Bíblico   Mt 20.1-16
"Pois o Reino dos céus é como um proprietário que saiu de manhã cedo para contratar trabalhadores para a sua vinha.
Ele combinou pagar-lhes um denário pelo dia e mandou-os para a sua vinha.
"Por volta das noves hora da manhã, ele saiu e viu outros que estavam desocupados na praça,
e lhes disse: ‘Vão também trabalhar na vinha, e eu lhes pagarei o que for justo’.
E eles foram. "Saindo outra vez, por volta do meio dia e das três horas da tarde e nona, fez a mesma coisa.
Saindo por volta da cinco horas da tarde, encontrou ainda outros que estavam desocupados e lhes perguntou: ‘Por que vocês estiveram aqui desocupados o dia todo? ’
‘Porque ninguém nos contratou’, responderam eles. "Ele lhes disse: ‘Vão vocês também trabalhar na vinha’.
"Ao cair da tarde, o dono da vinha disse a seu administrador: ‘Chame os trabalhadores e pague-lhes o salário, começando com os últimos contratados e terminando nos primeiros’.
"Vieram os trabalhadores contratados por volta das cinco horas da tarde, e cada um recebeu um denário.
Quando vieram os que tinham sido contratados primeiro, esperavam receber mais. Mas cada um deles também recebeu um denário.
Quando o receberam, começaram a se queixar do proprietário da vinha,
dizendo-lhe: ‘Estes homens contratados por último trabalharam apenas uma hora, e o senhor os igualou a nós, que suportamos o peso do trabalho e o calor do dia’.
"Mas ele respondeu a um deles: ‘Amigo, não estou sendo injusto com você. Você não concordou em trabalhar por um denário?
Receba o que é seu e vá. Eu quero dar ao que foi contratado por último o mesmo que lhe dei.
Não tenho o direito de fazer o que quero com o meu dinheiro? Ou você está com inveja porque sou generoso? ’
"Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos".

Objetivos 
Após a aula seus alunos devem compreender que a graça de Deus é dada a todos igualmente, pois Deus é Justo.

Introdução
Na lição de hoje estudaremos a parábola dos trabalhadores na vinha (plantação de uvas).Esta lição apresenta uma das mais extraordinárias lições sobre o caráter de Deus.
Nesta analogia o Senhor é comparado a um pai de família que sai de madrugada a fim de recrutar trabalhadores para sua vinha.
Na parábola é demonstrada toda a justiça e misericórdia de Deus, observamos isto não apenas na chamada a todos que estavam ociosos na praça, mas também ao final do dia, o pagamento é dado igualmente a todos, mesmo os últimos. Esta é uma parábola de ensino, concernente ao trabalho e obediência na obra do Senhor.
                                                                   
I - Ensinando uma lição
As parábolas do Senhor Jesus tinham como propósito ensinar verdades espirituais aos discípulos, a parábola dos trabalhadores não e diferente.
A parábola foi proferida pelo Senhor logo após um triste episódio, certo jovem rico procura Jesus para pergunta toque deveria fazer para alcançar a vida eterna.
E eis que se aproximou dele um jovem, e lhe disse: Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?
Respondeu-lhe ele: Por que me perguntas sobre o que é bom? Um só é bom; mas se é que queres entrar na vida, guarda os mandamentos.
Perguntou-lhe ele: Quais? Respondeu Jesus: Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho;
honra a teu pai e a tua mãe; e amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado; que me falta ainda?
Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me.
Mas o jovem, ouvindo essa palavra, retirou-se triste; porque possuía muitos bens.(Mt 19.16-22)
Admirados com essa palavra de Jesus, Pedro tomando a  palavra,  pergunta  sobre o que  eles receberiam, visto que tinham abandonados tudo e seguido a Jesus. Foi a partir daí que o Senhor passar a conta a parábola.
No texto bíblico acima, fica evidente que o Senhor, não impôs ao jovem a condição e deixar todos os seus pertences, isto seria afirmar que somente os pobres herdariam o reino de Deus, o Senhor revelou os segredo do coração do jovem, pois ele dava muito mais importância ao bens que possuía do que a sua salvação pois o  seu coração estava em sua riquezas.
De uma forma egoísta Pedro logo pergunta, pois ele mesmo como os demais discípulos tinham largando tudo para seguir ao Senhor, que recompensa receberiam?
A resposta do Senhor demonstrou todo o caráter de Deus, nos seus atributos de justiça e misericórdia.

II- Dono de uma plantação de uvas
A parábola apresenta um pai de família que cultiva uma vinha para sustento  de sua casa, figuradamente representa Deus que para manter a sua obra contrata os trabalhadores.

A parábola mostra a autoridade do dono da vinha, pois o destacando como o “pai de família”  revela a sua autoridade de liderar a sua casa contratando  trabalhadores, assim é Deus , pois Ele é  o pai da grande  família chamada Igreja.

Ele tem o poder de chamar trabalhadores  para sua obra, por sua justiça  dar o justo pagamento a cada um , independentemente da quantia de serviço, por essa razão, os últimos trabalhadores recebem o mesmo valor daqueles  primeiros.

Na parábola  as palavras Reino e vinha tem um destaque especial, ela se inicia dizendo o ‘reino de Deus “, isto significa o domínio de Deus sobre todas as coisas, assim vemos que Deus plantou uma “vinha” neste mundo e conta conosco  parta cultivá-la afim de que produza abundantes frutos.
No Antigo Testamento, Israel é apresentado com o povo eleito de Deus, sendo comparado a uma vinha:

Pois a vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta das suas delícias; e esperou que exercessem juízo, mas eis aqui derramamento de sangue; justiça, e eis aqui clamor. (Is 5.7)
Muitos pastores destruíram a minha vinha, pisaram o meu quinhão; tornaram em desolado deserto o meu quinhão aprazível. (Jr 12.10
Já no Novo Testamento  a palavra vinha é usada para ilustrar a Igreja de Cristo
Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor.
Toda vara em mim que não dá fruto, ele a corta; e toda vara que dá fruto, ele a limpa, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado. Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Quem não permanece em mim é lançado fora, como a vara, e seca; tais varas são recolhidas, lançadas no fogo e queimadas. Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. (Jo 15.1-8).

III- Hora do pagamento
A justiça divina não é baseada em critérios humanos, os trabalhadores da ultima hora são tratados com igualdade em relação aos que começaram nas primeiras horas do dia.
Se levarmos em conta a justiça dos homens, que é falha, poderiam concluir que a reclamação dos primeiros trabalhadores estava certa, pois eles tinham trabalhado muito mais do que aqueles que trabalharam apenas um  pouco.
 Porem a justiça divina é perfeita, no demais, ao vermos o acertando entre as partes, o dono de família pagou aos primeiros trabalhadores aquilo que haviam combinado, ele tinha todo o direito que recompensar de igual modo aqueles que  trabalharam somente um pouco, isto demonstra a sua grande generosidade.
Todavia a parábola revela uma verdade, que cada trabalhador receberá aquilo que fizer jus, a obra, ou trabalhão feito não será medido pelo tempo de execução, mas sim pela qualidade do trabalho. Por isso o Senhor disse:
“os derradeiros serão os  primeiros, e os primeiros serão os derradeiros” (MT 20.16)
O apostolo Paulo na sua carta aos Corintios explanou sobre as qualidade se trabalho na obra do Senhor, assim definiu também a recompensa de cada obra; E, se alguém sobre este fundamento levanta um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha,
a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará, porque será revelada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um.
Se permanecer a obra que alguém sobre ele edificou, esse receberá galardão.
Se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele prejuízo; mas o tal será salvo todavia como que pelo fogo. (1 Co 3.12-15)

Conclusão
No reino de Deus não discriminação, nem favoritismo, os trabalhadores da  ultima hora são tão importantes quanto os da primeira, pois o mérito do Serviço aos olhos de deus não depende da quantidade, depende do espírito com que é feito o trabalho.
 Fonte consultada:  Revista CPAD – Jovens e adultos – 2º trimestre de 2005

Colaboração para o Portal Escola Dominical - Prof Jair Cesar S. Oliveira
http://www.portalebd.org.br/index.php/juniores/16-juniores-licoes/615-licao-8-plantacao-de-uvas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AS 10 MAIS VISITADAS