SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

10 dezembro 2015

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio da Lição 11 - Revista da CPAD - ADULTOS


AULA EM 13 DE DEZEMBRO DE 2015 – LIÇÃO 11
(Revista: CPAD)

Tema: MELQUISEDEQUE ABENÇOA ABRAÃO

Texto Áureo: Gênesis 14.19
  
INTRODUÇÃO
- Querido(a) professor(a), nesta lição faça a comparação entre a fé de Abraão e a nossa, ressalte as semelhanças. Foi uma fé em um Deus invisível, que creu numa promessa e se moveu de seu lugar em direção a uma terra prometida que seria mostrada por Deus.
“nem biografia possui”, quer dizer que não tem nada escrito sobre ele ou sobre sua vida e obra.
“sacerdote do Deus Altíssimo”, de cara, chame a atenção dos alunos para o fato de existir um sacerdócio fora do povo judeu que naquela época não existia ainda como nação.
“Se a história é pequena, a teologia é grande”, quer dizer que o conhecimento teológico acerca de Melquisedeque é maior do que se narra da vida dele. A teologia fala sobre uma ordem sacerdotal diferente da mais conhecida que é a de Arão.
“na antiga Jerusalém”, vemos que Jerusalém já existia, ainda que não fosse de posse dos judeus, notamos também que Deus já tinha uma obra com essa cidade.
__________________________________________
I - MELQUISEDEQUE, REI DE SALÉM

1. Rei de Jerusalém.
- “rei de justiça”, interessante, um rei de justiça num reino de paz, é o que Deus quer para o Seu povo. Deus quer que cada pessoa tenha em Sua presença, a paz e a justiça.
“difundir o conhecimento divino”, um sacerdócio divino no mundo serve para que a humanidade tenha o conhecimento do seu Criador. Por isso dizemos hoje que somos sacerdotes do Senhor, para levar o conhecimento de Deus ao mundo e de Sua obra em favor do ser humano.

2. Sacerdote do Deus Altíssimo.
“a receber o título de sacerdote”, o sacerdócio de Arão somente seria instituído séculos mais tarde. Sacerdote é aquele que intercede pelo povo junto a Deus.
“cuja continuidade era assegurada hereditariamente”, quer dizer que o sacerdócio passava de pai para filho. No caso de Arão ele era o sumo sacerdote, que é um cargo de liderança sacerdotal, geralmente era passado pela primogenitura.
“o de Melquisedeque é eterno”, semelhante à Jesus que tem um sacerdócio eterno.
“Com um único sacrifício”, mais uma semelhança com Jesus. Por isso dizemos que Melquisedeque é uma figura de Cristo, ou tipo de Cristo.

3. Figura de Jesus.
- “Jesus tem uma genealogia que, em Mateus”, Jesus vem de uma genealogia, pois ela termina nele, já que ele não teve filhos. A genealogia narrada por Mateus vai até Jesus, pois foi escrito para os judeus e era preciso passar o conhecimento de um Jesus filho de Abraão e o Messias prometido.
“em Lucas, vai até ao próprio Deus”, Lucas era mais pesquisador que Mateus e sua obra foi escrita para os gregos, por isso havia a ideia de apresentar Jesus como o homem perfeito descendente do próprio Deus.
“Moisés foi inspirado a não registrar-lhe”, sabemos que Moisés recebeu as histórias do Antigo Testamento para poder narrar no livro de Gênesis, mas foi o Espírito Santo quem deu a inspiração do que deveria ou não ser registrado.
__________________________________
II - ABRAÃO, O GENTIO
“tão gentio quanto eu e você”, gentio significa estrangeiro, o termo foi usado para designar aquele que não pertencia ao povo judeu. Aqui Abraão é chamado de gentio porque ele fazia parte de um povo que não conhecia a Deus.

1. O pai da nação hebraica.
- “através da qual pudesse redimir a humanidade”, uma nação através da qual Ele traria a Lei que seria uma preparação para a vinda do Salvador do mundo.
- “Abraão era semita”, ou seja, descendente de Sem.
“era testemunhar ao mundo acerca do amor, da justiça e da Palavra”, Jesus veio com a missão de transmiti ao mundo essa mensagem chamada de Evangelho, para que todos os povos da Terra saibam que existe um Deus no céu trabalhando em salvar a humanidade.

2. O pai dos crentes.
- “o gentio Abraão creu”, creu em um Deus invisível do qual não há nenhuma imagem de escultura ou representação física. Abraão creu numa promessa e seguiu um caminho.
“um homem justo e perfeito”, se refere a um nível de perfeição aceitável, não aquele que imaginamos de alguém sem pecado como era Jesus. Abraão era um homem imperfeito que tinha uma fé perfeita.
“creem em Deus, à semelhança de Abraão”, quer dizer que acreditam num Deus invisível e seguem uma promessa, e não o abandonam nos momentos em que não ouvem a Sua voz.
___________________________________________
III - A OCASIÃO DA BÊNÇÃO
“formar um exército para libertar o sobrinho”, note que o referido exército era minúsculo, dando a entender que Deus deu o livramento.

1. Objetivo da visita.
- “com os dízimos de seus bens pessoais”, Abraão demonstra uma honra a Deus, ele não deu daquilo que teria conseguido com facilidade, mas deu do que ele considerava o melhor.
“Verdadeira adoração e serviço”, adoração por ele estar honrando um homem de Deus como representante do Senhor, isso é honrar ao Senhor. O serviço é por ele estar cooperando para a obra de Deus naquela cidade.

2. A autoridade de Melquisedeque.
- “não podia ser interrompido pela morte, pois é eterno”, ainda que Melquisedeque viesse a morrer o seu sacerdócio permaneceria, pois é eterno.
“que haveria de ser exercido por Cristo”, Jesus não recebeu o cargo de Melquisedeque, como acontecia com o sacerdócio da ordem de Arão. Jesus apenas recebeu o sacerdócio daquela mesma ordem.

3. A simbologia da visita. 
“simbologia da morte de Jesus Cristo”, simbolizando os elementos da Santa Ceia, simbolizando Jesus trazendo ao Seu povo (Igreja) o pão (Seu corpo) e o vinho (Seu sangue).
_____________________________________
CONCLUSÃO
“fomos alcançados com a bênção de Melquisedeque”, a benção do sacerdote eterno.
“temos um Advogado para com o Pai”, não somos perfeitos no sentido literal da palavra, por isso precisamos de um advogado, o nosso Senhor. Mas é importante ficarmos atentos, pois em breve Ele será promovido a juiz. Jo 5.22, Ap 20.11-15.
Elabore o resumo e apresente aos seus alunos.
Marcos André – professor

Boa Aula!