SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

03 dezembro 2015

Lição 10 - A origem da diversidade cultural da humanidade I



Ao firmar o pacto com Noé, o Senhor mandou que Noé e seus filhos frutificassem, multiplicassem e enchessem a terra (Gn.9:1), reproduzindo, assim, o mesmo propósito que havia feito com o primeiro casal (Gn.1:28), tendo, ainda, como vimos na lição 8, aumentado o domínio do homem sobre a criação terrena (Gn.9:2-4).
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
ADULTOS – O COMEÇO DE TODAS AS COISAS – Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA : CLAUDIONOR CORREA DE ANDRADE
COMENTÁRIO: EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP


ESBOÇO Nº 10
LIÇÃO Nº 10 – A ORIGEM DA DIVERSIDADE CULTURAL DA HUMANIDADE

Em Babel, as nações se rebelaram contra Deus.

INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo do livro de Gênesis, estudaremos hoje os capítulos 10 e 11.
- A dispensação do governo humano terminou com a rebelião das nações contra Deus.

I – A DESCENDÊNCIA DE NOÉ
- Ao firmar o pacto com Noé, o Senhor mandou que Noé e seus filhos frutificassem, multiplicassem e enchessem a terra (Gn.9:1), reproduzindo, assim, o mesmo propósito que havia feito com o primeiro casal (Gn.1:28), tendo, ainda, como vimos na lição 8, aumentado o domínio do homem sobre a criação terrena (Gn.9:2-4).
- Este gesto divino traz-nos duas importantes lições. A primeira é a de que Deus não muda (Ml.2:6). O mesmo propósito apresentado ao primeiro casal é renovado a Noé e sua família, a mostrar que Deus é o mesmo.
- A segunda lição é a de que Deus é benigno, sempre quer bem ao homem e demonstra amá-lo intensamente. Depois de toda a tragédia da rejeição de Deus pela humanidade antediluviana, Deus demonstra Sua boa vontade, ampliando o domínio do homem sobre a criação terrena, a ponto de impor pavor e terror dos demais seres em relação ao ser humano, determinar-lhe a administração da justiça entre os seus semelhantes e, além disso, alterar a própria dieta do homem, incluindo a carne, algo necessário ante a nova configuração climática do planeta.
- O Senhor mostra, assim, Seu amor para com os seres humanos, Sua boa vontade, Seu interesse em ter comunhão com o ser humano e Seu convite para que o homem Lhe servisse.
- No entanto, como vimos na lição anterior, cedo, já na família de Noé, esses compromissos assumidos pelo homem já começaram a ser quebrados, com o desprezo das coisas espirituais em detrimento das materiais, como ficou evidenciado no episódio da embriaguez de Noé e da desonra de Cão.
- Temos aqui já uma falha nos compromissos humanos nesta terceira dispensação no tocante à frutificação, pois, como já tivemos ocasião de verificar neste trimestre, a frutificação tem a ver com a vida espiritual do ser humano. Noé, que deveria abençoar, acabou por amaldiçoar Canaã, o quarto filho de Cão, consumando, deste modo, uma circunstância de desunião e conflito no seio de sua família, algo que não é obra do Espírito, mas, sim, obra da carne (Gl.5:19-21). Não se estava, pois, a produzir frutos de justiça.
- Com relação à ordem de multiplicação, esta foi devidamente cumprida pelos filhos de Noé, consoante se verifica do teor do capítulo 10 do livro de Gênesis, quando se tem a chamada “tabela das nações”, quando o Senhor mostra a origem de todas as nações existentes na Terra. Os filhos de Noé geraram filhos e, assim, cumpriram o propósito da multiplicação.
- No entanto, vemos que os filhos de Noé, ao contrário do determinado por Deus, que os havia mandado encher a Terra (Gn.9:1), mantiveram-se na Mesopotâmia, região onde hoje é o Iraque, entre os rios Tigre e Eufrates, tendo sido construída uma cidade, Babel, onde todos habitavam conjuntamente.
- Ante a prevalência dos bens materiais em detrimento dos bens espirituais, atitude que já se percebia na própria família de Noé, temos que os homens resolveram não se distanciar uns dos outros, mas, pelo contrário, diante das excelentes condições climáticas existentes na Mesopotâmia, muito propícias tanto para a agricultura quanto para a pecuária, simplesmente desconsideraram as determinações divinas, resolvendo se manter unidos, não se preocupando com a ordem de enchimento da terra.
- Os homens, tendo recebido maior domínio sobre a criação terrena, em vez de utilizá-lo para obedecer ao Senhor, aproveitaram desta nova situação para fazer a sua própria vontade, para ter uma vida independente de Deus, repetindo, deste modo, o mesmo erro praticado pelo primeiro casal e pelo mundo antediluviano.
- Temos aqui, uma vez mais, a manifestação da natureza pecaminosa do ser humano, da herança adâmica (Cf. Gn.5:3), pois o pecado permanecia no interior do homem, ainda havia a inimizade entre Deus e a humanidade. Deus mostra Seu cuidado para com o homem, mas ainda não havia chegado a “semente da mulher”, o único que haveria de dissipar esta inimizade, esta divisão que havia entre Deus e o homem por causa do pecado (Is.59:2).
- Com a multiplicação promovida pelos filhos de Noé, temos a formação de uma comunidade única, de uma sociedade que, até para cumprir o propósito divino, foi organizada inclusive com uma administração da justiça, com normas e regras que estabelecessem os valores éticos definidos por Deus quando da criação do ser humano, para reger os relacionamentos entre os homens.
- Como resultado deste aumento do domínio do homem sobre a criação terrena e a própria criação da administração da justiça, tivemos propriamente o surgimento do poder político e não é por acaso que, nesta nova comunidade, temos a notícia do surgimento de tal poder de uma forma mais institucionalizada, pois o texto sagrado nos diz que Ninrode, filho de Cusi que, por sua vez, era filho primogênito de Cão, “começou a ser poderoso na terra” (Gn.10:8), “foi poderoso caçador diante da face do Senhor” (Gn.10:9).
- Para que houvesse a administração da justiça, para que se tivesse a organização da convivência entre os homens, necessário se fazia criar-se o governo na sociedade e, com o governo, que houvesse os governantes, aqueles que presidissem, ou seja, estivessem à frente dos demais integrantes da comunidade. Ninrode, bisneto de Noé, parece ter sido o primeiro governante, aquele que assumiu o poder, que se fez “poderoso na Terra”.
- As autoridades são constituídas por Deus e têm em vista, em primeiro lugar, precisamente a administração da justiça, o castigo dos maus (Rm.13:1-7). Foi este o propósito da criação de tais autoridades na dispensação do governo humano. No entanto, na descrição que vemos no capítulo 10 do Gênesis, é que esta autoridade se transformou em “poder”.
- A autoridade é um poder delegado, ou seja, é um “poder autorizado”. Deus, que é a fonte de todo o poder (Sl.62:11), autorizou os homens a administrar a justiça, quando firmou o pacto com Noé. Deus delegou esta função aos seres humanos, que deveriam, então, construir sistemas em que os valores éticos estabelecidos por Deus ao homem fossem cumpridos na convivência entre os homens, cumprindo-se, deste modo, a vontade de Deus na sociedade.
- No entanto, esta autoridade logo se desvirtuou. Ao se dizer que Ninrode “começou a ser poderoso na Terra”, temos a nítida afirmação de que o homem passou a usar esta autoridade para o seu benefício próprio, para que se estabelecesse um relacionamento entre os homens em que o que se buscasse não seria mais a realização da vontade de Deus nos relacionamentos e na convivência, mas, sim, a vontade daquele que governasse, que se tivesse a supremacia da vontade dos governantes sobre os governados, o estabelecimento de um domínio de uns sobre outros.
- É interessante notar que, pelo que se infere do texto bíblico, Ninrode se notabilizou entre os seus semelhantes como um poderoso caçador. Fora uma novidade da dispensação do governo humano a mudança de dieta alimentar do homem, que passou a consumir carne e, assim, se deu inicio à atividade da caça, que era a captura de animais selvagens para consumo, além da pecuária, que era a criação de gado, atividade já existente desde os primórdios da história da humanidade.
- Ninrode apresentou-se como exímio caçador, demonstrou grande habilidade nesta atividade, o que, por certo, foi enaltecido pelos seus semelhantes, que viram nesta sua habilidade uma capacidade de força e de domínio. Não demorou muito para que Ninrode se aproveitasse desta circunstância para ter uma ascendência sobre os seus semelhantes e se tornasse o governante de todos.
- O significado da palavra “Ninrode” é “rebelde”, como nos ensina o pastor Evandro de Souza Lopes, e, como sabemos, o nome, entre os orientais, indica o caráter da pessoa. Ninrode alcançou o governo daquela comunidade única pós-diluviana em virtude de sua própria rebeldia, pois rebeldes estavam todos os homens de sua época.
- A palavra “caçador”, em Gn.10:8,9, também pode ser traduzida por “guerreiro”, dando a entender, portanto, que Ninrode, além de demonstrar força com relação aos animais, também se mostrou hábil na luta e no exercício da guerra, o que explica, também, a sua assunção ao poder.
- Ninrode estabeleceu-se, deste modo, pela sua própria força e habilidade, a revelar uma comunidade que já dava valor ao que aparece, aos elementos humanos e não aos valores divinos e aos compromissos assumidos no pacto firmado entre Deus e Noé. Tratava-se de uma comunidade que seguia o mesmo erro do primeiro casal, procurando ter uma vida independente de Deus.

II – A REBELDIA DA COMUNIDADE ÚNICA PÓS-DILUVIANA
- Com Ninrode, temos o estabelecimento do poder político independente de Deus, ou seja, o exercício do domínio sobre os demais homens sem atendimento da necessidade de cumprimento dos valores éticos estabelecidos por Deus ao homem. O governante usa o domínio que tem para o seu próprio bem-estar, para a realização de sua própria vontade, como ser o poder fosse um fim em si mesmo, como se não fosse uma delegação de Deus aos homens.
- Ninrode começou a “ser poderoso na terra”, porque fora “um poderoso caçador diante da face do Senhor”. Tais expressões mostram, claramente, que, num primeiro instante, Ninrode apresentou-se como um “poderoso caçador diante da face do Senhor”, mas que, posteriormente, deixou Deus de lado, não mais levou em conta a figura divina, passando a ser “poderoso na Terra”.
- O princípio de seu reino foi Babel (Gn.10:10), palavra cujo nome significa “Porta de Deus”. O nome dado a esta cidade, que seria, doravante, o símbolo de todo este poder político rebelde contra Deus (daí porque este sistema de poder é chamado de “Babilônia” no último livro da Bíblia – Ap.17 e 18), bem revela tal rebeldia. Ao denominar a sua cidade de “Porta de Deus”, Ninrode estava se divinizando e dando início à idolatria, que é o primeiro passo para a corrupção geral da humanidade, como se verifica de Rm.1:18-23.
OBS: “…Chamada na Bíblia de ‘ornamento e glória dos caldeus’ e ‘cidade dourada’ (1) Babilônia foi edificada no vale de Sinar, junto ao rio Eufrates. Ninrode, filho de Cus, estabeleceu nela o seu reinado depois de libertá-la do poder dos elamitas. ‘Este começou a ser poderoso na terra. E este foi poderoso caçador diante da face do Senhor, pelo que diz: como Ninrode, poderoso caçador diante do Senhor. E o princípio do seu reino foi Babel...’(2). Babel é a forma grega de Babilônia e significa Porta de Deus, título que se apropria por haver influenciado poderosamente o desenvolvimento da religião pagã no mundo antigo durante dezessete séculos…” (ALMEIDA, Abraão de. Babilônia ontem e hoje, p. 14).
- Ao começar a “ser poderoso na Terra”, Ninrode pôs-se no lugar de Deus, passando a ser adorado pelos seus súditos, passando a se apresentar como “fonte do poder”, motivo pelo qual se diz, com razão, que Ninrode foi o “primeiro anticristo”, ou seja, o primeiro homem a querer utilizar-se do poder político para se colocar no lugar de Deus, para usurpar o poder divino. Como diz o pastor Abraão de Almeida: “…Foi em Babilônia, após o dilúvio, que a mesma atitude de negação de Deus se manifestou, particularmente através de Ninrode e Semíramis. Era o mistério da injustiça, referido pelo apóstolo Paulo, mais uma vez operando desde a expulsão de Adão e Eva do Éden. O objetivo era a organização de uma igreja falsa, estruturada dentro de um sistema religioso no qual fosse adorada uma falsa trindade. Dentro dessa organização o próprio Satanás estava (e está) preparando o mundo para a sua manifestação futura, quando reinará por um pouco de tempo sob a forma do Anticristo. O princípio é a glorificação do ser humano, divinizador de reis e imperadores, o culto à personalidade. Somente dentro de tal sistema compreende-se a deificação dos césares e dos grandes homens, aos quais se erigiam templos e em sua honra se ofereciam sacrifícios e libações.…” (op.cit., p.16).
- Segundo o pastor Abraão de Almeida, Ninrode é o deus babilônico Marduque que, segundo a mitologia babilônica, havia sido o deus que teria prevalecido sobre as demais divindades e estabelecido a ordem cósmica. “…esse falso deus recebeu um culto especial em todo o mundo antigo, na qualidade de dono e senhor, como aliás é o significado do seu nome mais popular: Baal. (…).Marduque, Melkart, Kemosh (deus de Moabe) seriam apenas algumas das várias representações pagãs de Ninrode. Afirma-se que o centauro, deus grego - um cavalo com uma cabeça de homem e com uma arca na mão - era adorado em memória de Ninrode, que foi o primeiro caçador e o primeiro homem a usar o cavalo para a caça e a guerra. O famoso rei de Babilônia, segundo a religião desta ímpia cidade, casou-se com Semíramis, a mesma Astarte, Astorete, Ísis, Isthar, Afrodite, Vênus, Diana etc.(1) A imagem desta última, em Éfeso, com sua coroa de torres na cabeça, representava a mesma mulher e era adorada como a deusa da fortificação, por ter sido ela a primeira a fortificar Babilônia com muros e torres. ‘Astarte é a Isthar de Babilônia, a deusa da estrela matutina, a Vênus da guerra e do amor. Deusa do amor, Astarte patrocinava a volúpia e a fecundidade. Foi dotada de uma personalidade tão rica que muitas outras deusas acabaram fundindo-se nela, de tal modo que pode a Bíblia falar de Astartes no plural para designar todas as divindades femininas locais. Contudo, a Escritura não desconhece que Astarte foi a deusa-tipo, a rainha do céu, exercendo em todos os tempos seu poder sedutor sobre o temperamento feminino.’…” (op.cit., p.21).
- Ninrode era neto de Cão, precisamente aquele que havia intensificado o desvirtuamento na família de Noé, como já tivemos ocasião de verificar na lição anterior. Vemos, assim como o comportamento dos pais influencia a conduta de seus filhos. Cão havia tomado uma atitude de desonra com relação a seu pai, de desprendimento dos valores éticos estabelecidos por Deus ao homem e o resultado disto foi a formação de filhos e netos indiferentes às coisas espirituais, uma vida voltada única e exclusivamente para as coisas desta vida, que redundou na desconsideração do Senhor, que resultou na recusa à glorificação de Deus, o que levou ao obscurecimento de seus corações, mudando a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível (Cf. Rm.1:21-23).
- Parecia, à primeira vista, portanto, que a maldição de Noé se mostrara ultrapassada, já que, embora se tinha dito que Sem e Jafé seriam senhores de Cão, na verdade eram os camitas, através de Ninrode, que estavam no comando da comunidade única pós-diluviana, que detinham o poder, subjugando os demais.
- Isto nos traz uma profunda lição, qual seja, a de que não devemos nos guiar pela aparência, que não devemos nos impressionar com as coisas que nos apresentam e que, por vezes, parecem ser estar em desacordo com as promessas de Deus, com a Sua Palavra.
- Se é certo que Noé não deveria ter amaldiçoado seu filho, que tal gesto não tinha qualquer origem em Deus, não é menos certo que o gesto de Cão violava a lei divina e, como tal, haveria de produzir efeitos nefastos à linhagem camita, uma vez que Deus é justiça e vela pela Sua Palavra para a cumprir.
- No entanto, esta servidão camita não veio de imediato, mas, bem ao contrário, se mostraria, num primeiro instante, como seu extremo oposto, como o domínio sobre os seus irmãos Sem e Jafé, através do reinado de Ninrode, um reinado “rebelde”, precisamente porque oriundo de uma educação feita por quem passou a desonrar e a desrespeitar os próprios pais.
- Ninrode era um hábil político e estendeu os seus domínios de Babel até Nínive, situada na região norte da Mesopotâmia, cidade que também fundou, assim como Reobote-Ir e Calá, que foi chamada de grande cidade (Gnm.10:11).
- Num primeiro momento, pareceria que Ninrode estava querendo cumprir o propósito divino de encher a terra, mas isto não passava de atitudes voltadas única e exclusivamente à realização de sua própria vontade e não da vontade divina. O objetivo de Ninrode era tão somente povoar a planície mesopotâmica, a região entre os rios Tigre e Eufrates, região fértil e excelente para a sobrevivência daquela comunidade única pós-diluviana. Com o aumento populacional, Ninrode cria quatro cidades, com o nítido objetivo de melhor distribuir seus súditos, mas sem qualquer intenção de encher a Terra, mas tão somente de consolidar o seu domínio sobre os seus semelhantes.
- O exercício do poder político à revelia dos valores éticos divinos determinados ao homem gera tão somente isto: tirania e prevalência da vontade dos governantes, a tomada de ações que visem única e exclusivamente a consolidação do poder na mão daqueles que dominam, na busca incessante de um bem-estar terreno, de um desfrute das coisas desta vida, desfrute este que encontra nos governantes o seu máximo esplendor.
- Em sua rebeldia, Ninrode pôs-se no lugar de Deus, introduziu a idolatria, passou a se divinizar e a não querer atender, em absoluto, aos princípios e diretrizes estabelecidos pelo Senhor no pacto estabelecido com Noé.
- Os homens, após o dilúvio, haviam se estabelecido em Sinar, onde se edificou Babel (Gn.11:2). Tal disposição de habitar num só local mostra a contrariedade com a ordem divina para que enchessem a Terra. Esta comunidade não dava valor à ordem divina, querendo apenas gozar das benesses existentes no local onde habitavam, região fértil e propícia para a agropecuária.
OBS: “…Logo que chegaram a essa terra fértil e agradável, surgiu a ideia da formação de um grande centro, com meios de escapamento, no caso de outra catástrofe como a do Dilúvio: fundar uma cidade e erigir uma torre que tocasse os céus. Não é preciso supor que o fim desta torre fosse insultar e desafiar a Deus, mas sim prover os meios de segurança a refúgio. A falta maior estava em que a ordem de Deus era povoar a terra por meio de dispersão, e eles queriam ficar juntos. E disseram uns aos outros: "Eia, façamos tijolos e queimemo-los bem. E tijolos serviram-lhes de pedra, e betume de cal. E disseram: Eia, edifiquemos uma cidade e uma torre cujo topo toque nos céus e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra." Justamente o contrário do que Deus tinha ordenado. Havia um motivo: "façamo-nos um nome". Havia um receio: ser espalhados pela face de toda a terra. A empresa era digna da ambição mundana de Ninrode.…” (MESQUITA, Antonio Neves de. Estudo no livro de Gênesis. 4. ed., p.173).
- Esta disposição em ficar neste local, em total indiferença à ordem divina, também se demonstra na edificação de cidades ao longo da planície, como foi feito por Ninrode. Tratava-se de uma civilização que, a exemplo da civilização de Caim, também tinha um desenvolvimento tecnológico, tanto que eram capazes de produzir tijolos por pedra e betume, por cal (Gn.11:3).
- Mais uma vez vemos o homem usando dos atributos que lhe haviam sido dados por Deus, mas num sentido contrário à vontade do Senhor. Os homens tinham capacidade de ter fartas produções, de dominar a arte da caça, de edificar cidades, de fazer belas e sólidas construções, mas não queriam ter qualquer relacionamento com o seu Criador.
- Esta desconsideração da figura divina, entretanto, não se limitou a não obedecer a Deus, mas, numa atitude de rebeldia intensa, resolveram também desafiar a Deus, de modo que Ninrode decidiu construir uma cidade e uma torre cujo cume tocasse nos céus e se fizesse um nome para que não fossem espalhados sobre a face de toda a Terra (Gn.11:4).
- Neste singelo texto bíblico vemos a que ponto havia se desenvolvido a deificação do ser humano e como havia sido a humanidade desta comunidade única pós-diluviana contaminada pelo pecado e pela rebeldia.
- O texto diz-nos que houve um consenso, uma unanimidade em edificar uma cidade e uma torre para eles. Esta decisão mostra como a humanidade estava alheia completamente a Deus. Queria edificar uma cidade e uma torre “para eles”. Temos aqui uma evidente demonstração de que o objetivo do homem era ele próprio, ele se colocava como centro do universo, como centro de suas preocupações. Não havia qualquer noção de que o homem devia se relacionar com Deus, buscar agradá-l’O, fazer-Lhe a vontade. A comunidade única pós-diluviana pensava só em si, não via nada além do que era visível, do material, punha o homem como o próprio centro de todas as coisas, tinha uma visão “antropocêntrica”, o que não seria de se surpreender numa civilização que passou a divinizar o homem, o seu governante.
- É precisamente por isso que temos, em Ninrode, uma figura do Anticristo, pois a mentalidade reinante é a da colocação do home como centro do universo, do “antropocentrismo”, que é, precisamente, o traço que se apresenta no chamado “espírito do anticristo”, cuja intensidade é cada vez maior em nossos dias, dias finais da dispensação da graça, dias que antecedem ao arrebatamento da Igreja.
- No sistema de poder político rebelde contra Deus, o homem sempre ocupa o lugar principal. Os governantes, não raro, dizem-se “deuses”, e isto não ocorreu apenas entre os governantes da Antiguidade, mas tem se revelado até mesmo em nossos dias, como, por exemplo, nos regimes comunistas, onde, apesar de defenderem o “ateísmo sistemático”, vemos verdadeiros cultos à personalidade dos governantes, como comprovam os corpos embalsamados de Lênin e Mao Tsé Tung e a verdadeira idolatria existente na Coreia do Norte com relação aos três governantes comunistas daquele país (Kim Il Sung, Kim Jong-Il e Kim Jong-Um).
- O último ditador mundial, a exemplo de Ninrode, o primeiro ditador pós-diluviano, também se colocará no lugar de Deus, querendo parecer Deus no templo de Deus (Cf. II Ts.2:4), o que é denominado de “o mistério da injustiça” pelo apóstolo Paulo (II Ts.2:7), algo que de origem nitidamente maligna, pois o primeiro que assim se comportou foi o querubim ungido (Cf. Is.14:13). Como afirma Mac Dominik, tinha-se aqui a ideia de que “…a humanidade unida, motivada e esotericamente capacitada poderia realizar qualquer coisa — até mesmo se essa realização estivesse diametralmente oposta ao plano de Deus…” (Reconstruindo a Torre de Babel: o lado obscuro da Igreja com propósitos. Disponível em: http://www.espada.eti.br/rtb-intro.asp Acesso em 07 out. 2015).
- Esta soberba humana, este antropocentrismo, tem contaminado inclusive os que cristãos se dizem ser em nossos dias. Vivemos dias difíceis em que o homem passou a ser o centro mesmo entre os que dizem servir ao Senhor. Basta uma simples vista d’olhos no conteúdo das pregações e das músicas supostamente sacras que têm sido entoadas em reuniões ditas “evangélicas” para percebermos como o homem passou a ser o centro das preocupações, passou a ser o alvo de tudo quanto se faz supostamente para adorar a Deus. Tomemos cuidado, amados irmãos!
- Um segundo ponto que verificamos neste texto é o fato de que houve um “consenso”, um acordo de todos os habitantes para a edificação da cidade e da torre. Isto nos prova, claramente, que nem sempre a voz do povo é a voz de Deus. O povo todo estava imbuído de espírito de rebeldia, todos estavam em colisão contra a vontade divina.
- Um terceiro ponto que nos mostra Gn.11:4 é que esta torre, que se decidiu construir, tinha como objetivo ter “um cume que tocasse os céus”. Esta civilização instituía a falsa religião, uma tentativa de ligação do homem com Deus a partir do homem, de baixo para cima, da terra para o céu. A soberba chegava ao seu limite, mostrando uma mentalidade de que se poderia chegar ao céu independentemente do Criador, independentemente do Senhor.
- Temos, em Babel, no reino de Ninrode, o surgimento do paganismo, da religião que parte do homem e que tem como centro o homem. Os deuses, no paganismo, nada mais são que reflexos dos próprios homens. Com efeito, quando observamos as mitologias existentes, vemos que os deuses têm características humanas, sendo dotados de invejas, ciúmes, raiva, ódio, sensualidade e coisas quetais, a revelar serem meras projeções da imaginação humana.
- Temos, assim, deuses feitos conforme o homem, a mostrar que “o homem é a medida de todas as coisas”, para repetirmos aqui a famosa frase do filósofo sofista grego Protágoras (490-415 a.C.), pensamento que podemos dizer ser uma síntese da mentalidade vigente em nossos dias, mentalidade que se construiu nesta comunidade única pós-diluviana.
- Ao homem é impossível salvar-se a si mesmo, envidar esforços para conseguir a bem-aventurança e o sucesso na vida espiritual. Crer-se que se pode obter a felicidade através de esforços única e exclusivamente humanos é um grande erro e foi nisto que creram os homens sob o domínio de Ninrode.
- É com tristeza que vemos uma tal mentalidade vicejar mesmo entre os que cristãos se dizem ser. Teologias como a teologia da prosperidade, a teologia da confissão positiva e a teologia da libertação (que tem influenciado alguns segmentos da teologia da missão integral) reafirmam esta soberba humana, ao crerem que Deus está à disposição do homem, que o homem pode “obrigar” Deus ou, ainda, que, por esforços puramente humanos, se possa delinear a instalação do reino de Deus na Terra. Ainda hoje se estão querendo que construções humanas, que atitudes humanas tenham o condão de “atingir os céus”…
- Um quarto ponto que extraímos deste texto de Gn.11:4 é que o objetivo daqueles homens era o de “fazer um nome”. Ora, a expressão “o nome” é uma expressão muito cara aos israelitas e designa o próprio Deus. Com efeito, “Ha Shem” (“o Nome”) é um modo de se dirigir ao Senhor, já que os israelitas não mencionam o nome de Deus.
- Assim, diante desta peculiaridade da cultura israelita, vemos que quando o texto bíblico diz que os homens queriam “fazer-se um nome”, estamos precisamente indicando uma mentalidade de independência em relação a Deus, uma atitude de desafio ao senhorio de Deus, um gesto de estabelecimento de uma vida construída dentro de uma total indiferença em relação ao Senhor, viver como se Deus não existisse.
- Aquela torre nada representava senão uma “declaração de independência” em relação a Deus, um “atestado” de que se poderia viver sem se recorrer a Deus, sem que Ele fosse levado em consideração. É esta mentalidade que reina em todos os sistemas políticos oriundos deste sistema instaurado pela comunidade única pós-diluviana, que tem animado todo o sistema das nações desde aquele momento histórico.
- Um quinto ponto que verificamos neste texto diz respeito ao objetivo da construção daquela torre: “para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra” (Gn.11:4).
- Notamos aqui que se tratava de uma rebeldia deliberada contra o Senhor. Não tinha havido qualquer esquecimento a respeito das ordens divinas. Noé viveu ainda trezentos e noventa anos depois do dilúvio e é factível que Ninrode, que era seu bisneto, o tenha conhecido, embora não tenhamos estes dados na Bíblia Sagrada. No entanto, ainda que não tenha conhecido pessoalmente seu bisavô, é evidente que Ninrode tivesse tido conhecimento do pacto que Deus havia estabelecido com Noé e seus filhos.
- Contudo, o “homem que começou a ser poderoso na Terra”, embora tivesse conhecimento da ordem divina, havia entendido que era possível desafiar a ordem divina. A torre e a cidade foram edificados com o propósito de anular a ordem divina, de impedir que aquela comunidade se espalhasse sobre a face da Terra. Com a construção de cidades na Mesopotâmia e desta torre, Ninrode cria ser possível “driblar” a ordem divina e impedir que o Senhor fizesse valer a Sua vontade.
- Porventura, não é o que o homem tem sistematicamente feito ao longo da história da humanidade? Tentar, pela sua ciência, pela sua inteligência, criar alternativas ao que Deus tem dito e falado durante todo este tempo? Quantos não criam para si ideologias, filosofias e religiões que modificam o dito por Deus e que pretendem substituir o que Deus disse? São os “falsos discursos” que somente revelam a insensatez e loucura do ser humano, como diz o apóstolo Paulo em Rm.1:21,22.
- A Palavra de Deus é a verdade (Jo.17:17), devemos tê-la como nossa única regra de fé e prática, crendo nela e agindo conforme as suas orientações, pois só assim agradaremos a Deus e poderemos viver com Ele eternamente. Não tentemos, a exemplo da comunidade única pós-diluviana, criar subterfúgios para escaparmos do juízo divino, pois Deus é soberano e, de modo algum, poderemos escapar se não atentarmos para tão grande salvação na pessoa de Cristo Jesus (Hb.2:3).
- Entretanto, Ninrode e os seus estavam convictos de que poderiam impedir que Deus os espalharia sobre a face da Terra, que o propósito divino se cumpriria querendo, ou não, os homens. Entendiam que, construindo esta torre, não se teria como haver o espalhamento dos homens sobre a face da Terra.
- Teria Deus alertado por Noé ou algum de seus filhos que se deveria cumprir o propósito divino de encher a Terra para que se tomasse esta iniciativa de construção da torre?
- A Bíblia é silente a respeito, mas Flávio Josefo nos traz uma tradição que teria sido precisamente por este alerta divino que houve a deliberação de construção da cidade e da torre. Diz o historiador judeu: “…Deram o nome de Senaar à primeira terra em que habitaram. Deus ordenou que mandassem colônias a outros lugares, a fim de que, multiplicando-se e estendendo-se, pudessem cultivar mais terras, colher frutos em maior abundância e evitar as desinteligências que de outro modo poderiam ser suscitadas entre eles. Mas esses homens rudes e indóceis não obedeceram e foram castigados pelo seu pecado, com os males que lhes sucederam. Deus, vendo que seu número crescia sempre, ordenou-lhes segunda vez que formassem outras colônias. Mas esses ingratos que se haviam esquecidos de que eram devedores de todos os seus bens a Ele, e os atribuíam a si mesmos, continuaram a desobedecer-Lhe e acrescentaram à sua desobediência a impiedade de imaginar que era cilada que se lhes armava, a fim de que, estando divididos, pudesse Deus mais facilmente perdê-los.…” (Antiguidades Judaicas I,4. In: História dos hebreus. Trad. de Vicente Pedroso, v.1, pp.28-9).
- É interessante observar que a arqueologia bem demonstra que, na Mesopotâmia, eram abundantes as construções dos chamados “zigurates”, ou seja, “… uma forma de templo, criada pelos sumérios e comum para os babilônios e assírios, pertinente à época do antigo vale da Mesopotâmia e construído na forma de pirâmides terraplanadas. O formato era o de vários andares construídos um sobre o outro, com o diferencial de cada andar possuir área menor que a plataforma inferior sobre a qual foi construído — as plataformas poderiam ser retangulares, ovais ou quadradas, e seu número variava de dois a sete.…” (Zigurate. In: WIKIPÉDIA. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Zigurate Acesso em 07 out. 2015), construções que, sem sombra de dúvida, tiveram sua origem histórica na “torre de Babel”.
- Nesta construção, também, havia uma outra ideia que se pode inferir. Ao construir uma torre e uma cidade que os impedisse de se espalhar sobre a face da Terra, torre cujo cume chegasse aos céus, os homens daquele tempo estavam querendo, com isto, impedir que alguém se extraviasse. Seria esta torres uma referência, torre que poderia ser vista de qualquer lugar, a fim de evitar que alguém se “perdesse” e fosse habitar em outro lugar. Era a ideia de que uma atitude humana, uma obra humana tinha o condão de impedir o cumprimento do propósito divino.
- Mas, além desta ideia de se ter um referencial que impedisse que alguém se extraviasse, vemos, também, a tentativa de construção de uma torre que pudesse servir de abrigo para os homens na eventualidade de uma ação divina com o fim de punição dos homens.
- Uma grande torre cujo cume atingisse os céus era uma evidente tentativa de demonstração de que os homens, caso Deus resolvesse puni-los com um dilúvio, seria “driblado”, não conseguiria impedir que os homens fossem novamente destruídos. É o que diz a tradição judaica, recolhida aqui, ainda esta vez, por Josefo: “…Ninrode, neto de Cão, um dos filhos de Noé, foi quem os levou a desprezar a Deus, desta maneira. Ao mesmo tempo valente e corajoso, ele os persuadiu de que deviam unicamente ao seu valor, e não a Deus, toda a sua boa fortuna. E como ele aspirava ao governo e queria levá-los a escolhê-lo para seu chefe e deixar a Deus, ofereceu-se para protege-los contra Ele (se Ele ameaçasse a terra com outro dilúvio), construindo uma torre para sse fim, tão alta que não somente as águas não poderiam chegar-lhe ao cimo, mas que ainda vingaria a morte de seus antepassados…” (op.cit., p.29).
- Por primeiro, esta atitude de construir a torre para abrigo contra eventual inundação revelava uma profunda descrença na promessa divina de que não haveria mais dilúvio sobre a face da Terra. Era, portanto, uma manifestação de incredulidade em Deus.
- Por segundo, essa atitude mostrava toda a soberba humana, que achava ser possível impedir a ação divina, como se Deus não fosse soberano, não tivesse o controle sobre todas as coisas. Infelizmente, há muitos que acham que podem manipular Deus ainda hoje…
- No entanto, esta manifestação de rebeldia, que tinha chegado à unanimidade, não ficou desconhecida do Senhor. A Bíblia diz que o Senhor desceu para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam e disse que o povo era um e todos tinham uma mesma língua e era o que começavam a fazer e, deste modo, não haveria qualquer restrição ao que eles intentassem fazer dali para frente (Gn.11:5,6).
- É evidente que a expressão bíblica aqui é “antropomórfica”, ou seja, atribui a Deus uma qualidade nitidamente humana, a fim de que se possa entender, dentro da mente humana, o que sucedeu. É o que nos ensina Antonio Neves de Mesquita, “in verbis”: “…Os versos 5-7 descrevem a descida de Jeová para ver a torre. A linguagem com que Moisés descreve Jeová é antropomórfica, isto é, põe Deus em condições humanas, descendo para ver a torre, como se a Deus houvesse qualquer coisa invisível. É grande maravilha como o Todo-poderoso se adapta às condições humanas, para fins redentores. Jeová desceu, viu a torre, viu também que todo o povo tinha uma mesma língua, e determinou fazer-lhes justamente o que eles temiam: espalhá-los pela face da terra.…” (op.cit., p. 175).
- Deus não precisa “descer a um lugar” para saber o que se passa, pois é onisciente e onipresente. A expressão de Gn.11:5 tem o sentido de que, diante da determinação da construção daquela cidade e torre, da unanimidade apresentada, do desafio deliberado contra o Senhor, havia chegado o limite da paciência divina, da Sua longanimidade, havia chegado, uma vez mais, o momento da aplicação do juízo.
- Todos haviam se rebelado contra Deus e O desafiado de forma deliberada e acintosa. Não havia sequer um justo naquela comunidade e, unidos nesta atitude, certamente haveriam de tomar outras medidas de afronta ao Senhor. Era, pois, chegado o momento de agir, não só para punir e castigar os rebeldes, mas também para impedir que sua insensatez tornasse inviável o arrependimento, a conversão da humanidade.
- Apesar de estarem unidos contra Deus, o fato é que a união daquele povo nesta empreitada da construção da cidade e da torre mostra o grande valor que tem a união e a comunhão na vida sobre a face da Terra. Quando há união, disse o Senhor, não há restrição, não há o que se possa impedir, do ponto-de-vista humano, que se atinja o objetivo visado pelas pessoas que compõem o grupo.
- Não é por outro motivo, aliás, que Deus sempre formou um povo para servi-l’O e que o salmista diga que, na união, o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre (Sl.133). A união é uma força que permite a superação dos obstáculos, não há restrição para que se consiga obter o que se pretende quando as pessoas estão unidas.
- O Senhor, então, decide destruir aquela comunidade única pós-diluviana, para que ela não levasse à necessidade do extermínio de toda a humanidade. Embora houvesse chegado o momento do juízo divino, da manifestação da Sua ira, tal ação de Deus não deixou de ter a Sua graça e misericórdia. Deus agiu naquele instante para evitar que a maldade e rebeldia prosseguissem e se tivesse uma situação irreversível para o gênero humano. No pleno controle da situação, o Senhor faz com que aquela comunidade fosse destruída, mas que se mantivesse viva a promessa da redenção da humanidade por meio da “semente da mulher”.
OBS: “…Deus, irado com essa loucura, não quis no entanto exterminá-los, como havia feito aos seus predecessores, cujo exemplo, porém, lhes havia sido de todo inútil, mas pôs divisão entre eles, fazendo com que a única língua que falavam se multiplicasse num instante, de tal modo que não mais se entendiam…” (JOSEFO. Flávio. op.cit., p.29).
- O Senhor, então, decide confundir as línguas daquele povo e, com esta confusão (e este é outro sentido da palavra “Babel”), tornou impossível a convivência daqueles homens em uma só comunidade e, por isso, tiveram as pessoas que falavam a mesma língua, se espalharem sobre a face da Terra, dando origem, então, a todas as nações que hoje existem e que, como dissemos, foram elencadas pelo escritor sagrado em Gn.10.
- Aqui, mais uma vez, o escritor sagrado faz-nos inferir a “realidade plural” de Deus, pois a decisão tomada pelo Senhor é dada no plural: “Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua para que não entenda um a língua do outro” (Gn.11:7). Evidencia-se aqui a pluralidade das Pessoas Divinas neste único Senhor e Deus.
- Também aprendemos, neste episódio, que a língua é um fator preponderante na definição de uma civilização, de uma comunidade, de um determinado povo. Ao confundir as línguas, o Senhor impediu que a convivência permanecesse e desta comunidade única surgiram as diversas nações hoje existentes. A língua é a própria expressão da racionalidade (tanto que Deus mostrou que Adão era superior aos demais seres no instante mesmo em que manda que ele desse nome aos animais, ou seja, utilizasse da sua capacidade de elaborar uma linguagem, de construir uma língua) e, como tal, é a base para a construção da cultura, que nada mais é que o conjunto de todas as criações humanas na sua vida sobre a face da Terra.
- Desta comunidade única pós-diluviana surgiram todas as nações que existem na face da Terra, nações que apareceram por causa da confusão das línguas, que gerou a dispersão por toda a face da Terra, tendo os povos que saíram de Babel ocupado diversas regiões do planeta, sendo obrigados a se adaptar às condições climáticas e geográficas diversas de cada região do globo. Por isso, as nações exsurgidas deste episódio passaram a ter costumes e tradições diversos, tais como, culinária, língua, vestimentas e religiões diferentes.
- Apesar de todas estas diferenças, que se acentuaram e se intensificaram ao longo dos anos, com novas subdivisões e dispersões, todas estas nações, todas estas gentes têm a mesma origem naquela comunidade única pós-diluviana e formam eles os “gentios” mencionados na Bíblia, este povo que, vivendo inicialmente unidos, por terem consensualmente se rebelado contra o Senhor, foram dispersos por todas as regiões da Terra.
- Os “gentios”, portanto, eram rebeldes contra o Senhor, portadores de uma mentalidade contrária à vontade de Deus, que queriam viver como se Deus não existisse, circunstância que não foi alterada, visto que o juízo divino apenas impediu que esta rebeldia se mantivesse num estado de união que poderia levar à destruição de toda a humanidade.
- É importante observar, ademais, que isto explica porque não se consegue, apesar de todos os esforços da filologia, que é o “o estudo da linguagem em fontes históricas escritas, incluindo literatura, história e linguística”, não ter até hoje conseguido descobrir uma “língua comum”, que fosse a fonte das demais línguas, chegando, quando muito, a um grupo de línguas que têm afinidades comuns. E não conseguem chegar nem vão fazê-lo, precisamente porque as línguas existentes tiveram origem na confusão ocorrida em Babel, têm origem sobrenatural, de modo que não há uma língua única que tenha dado origem às demais.
OBS: “…O Dr. Conant, citado por Carroll, em seu livro sobre Gênesis, diz: "A diversidade de línguas da terra apresenta um problema que a filologia tem em vão procurado resolver. A filologia comparativa tem, entretanto, mostrado que as muitas línguas diferentes são agrupadas por afinidades comuns, como ramos da mesma família, tendo todos a mesma língua original, como mãe comum. Não obstante o grande número de línguas diversas, todas elas podem ser ligadas a umas poucas línguas maternas originais. A dificuldade jaz na diversidade essencial destas poucas primitivas línguas, sem que exista a mais remota afinidade que denuncie uma origem comum ou uma relação histórica, problema este, para o qual a filologia comparativa não pode encontrar solução. Os críticos não podem achar explicação natural para o problema e se recusam a admitir o sobrenatural. O problema resolve-se facilmente, aceitando-se a intervenção divina no curso da história humana. Havia uma língua original. Deus aparece e multiplica esta língua em diversas outras, digamos, três ou oito. Destas, outras surgiram no curso da História, as quais, por um processo dedutivo, podem ser investigadas até à sua origem, em que se encontrarão estas três ou oito: mas, destas, até a única original, não há jeito de chegar, porque, quando Deus a dividiu, não deixou vestígio de seu estado original…” (MESQUITA, Antonio Neves de. op.cit., p. 176).
- Deus havia sido rejeitado pela humanidade, mas não tinha rejeitado os homens. Continuava a amar o ser humano, a ponto de, mesmo no castigo, ter impedido uma situação irreversível de rebeldia. A rebeldia persistiu, mas não mais de forma unida. Terminava mais uma dispensação e Deus, para falar com o homem, deveria formar uma nação, uma nação que se distinguisse das demais, a partir da qual poderia surgir a “semente da mulher” que tiraria o pecado do mundo.
- O plano de Deus agora teria de se desenvolver na construção de uma nova nação, diferente de todas as que haviam se formado por causa da confusão das línguas. É disto que passa a tratar o livro de Gênesis, mostrando como Deus dá início a este novo povo, que haveria de ser a “propriedade peculiar dentre todos os povos”, tudo começando com a chamada de Abrão, em Ur dos caldeus, uma das grandes cidades construídas na Mesopotâmia, dentre aqueles que haviam permanecido nesta região fértil que havia sido o centro do reino de Ninrode. Era o início da dispensação patriarcal, como haveremos de verificar nas nossas próximas lições.

Caramuru Afonso Francisco

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2015
TEMA – O COMEÇO DE TODAS AS COISAS – Estudos sobre o livro de Gênesis
COMENTARISTA : CLAUDIONOR CORREA DE ANDRADE
PLANO DE AULA Nº 10
LIÇÃO Nº 10 – A ORIGEM DA DIVERSIDADE CULTURAL DA HUMANIDADE
1º SLIDE INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo do livro de Gênesis, estudaremos hoje os capítulos 10 e 11.
- A dispensação do governo humano terminou com a rebelião das nações contra Deus.
2º SLIDE I – A DESCENDÊNCIA DE NOÉ
- Ao firmar o pacto com Noé, o Senhor mandou que Noé e seus filhos frutificassem, multiplicassem e enchessem a terra (Gn.9:1), reproduzindo, assim, o mesmo propósito que havia feito com o primeiro casal (Gn.1:28), 
- Deus, ainda, aumentou o domínio do homem sobre a criação terrena (Gn.9:2-4).
3º SLIDE
- Este gesto divino traz-nos duas importantes lições:
a) Deus não muda (Ml.2:6);
b) Deus é benigno, sempre quer bem ao homem e demonstra amá-lo intensamente.
4º SLIDE
- Cedo, já na família de Noé, esses compromissos assumidos pelo homem já começaram a ser quebrados, com o desprezo das coisas espirituais em detrimento das materiais, como ficou evidenciado no episódio da embriaguez de Noé e da desonra de Cão.
- Temos aqui já uma falha nos compromissos humanos nesta terceira dispensação no tocante à frutificação.
5º SLIDE
- Com relação à ordem de multiplicação, esta foi devidamente cumprida pelos filhos de Noé, consoante se verifica do teor do capítulo 10 do livro de Gênesis, quando se tem a chamada “tabela das nações”.
- Os filhos de Noé, ao contrário do determinado por Deus, que os havia mandado encher a Terra (Gn.9:1), mantiveram-se na Mesopotâmia, região onde hoje é o Iraque, entre os rios Tigre e Eufrates, tendo sido construída uma cidade, Babel, onde todos habitavam conjuntamente.
6º SLIDE
- Como resultado deste aumento do domínio do homem sobre a criação terrena e a própria criação da administração da justiça, tivemos propriamente o surgimento do poder político. 
- As autoridades são constituídas por Deus e têm em vista, em primeiro lugar, precisamente a administração da justiça, o castigo dos maus (Rm.13:1-7). Foi este o propósito da criação de tais autoridades na dispensação do governo humano. 
7º SLIDE
- A autoridade é um poder delegado, ou seja, é um “poder autorizado”. No entanto, esta autoridade logo se desvirtuou. 
- Ao se dizer que Ninrode “começou a ser poderoso na Terra”, temos a nítida afirmação de que o homem passou a usar esta autoridade para o seu benefício próprio, para que se estabelecesse um relacionamento entre os homens em que o que se buscasse não seria mais a realização da vontade de Deus nos relacionamentos e na convivência, mas, sim, a vontade daquele que governasse, que se tivesse a supremacia da vontade dos governantes sobre os governados, o estabelecimento de um domínio de uns sobre outros.
8º SLIDE
- Ninrode apresentou-se como exímio caçador, demonstrou grande habilidade nesta atividade, o que, por certo, foi enaltecido pelos seus semelhantes, que viram nesta sua habilidade uma capacidade de força e de domínio. Não demorou muito para que Ninrode se aproveitasse desta circunstância para ter uma ascendência sobre os seus semelhantes e se tornasse o governante de todos.
- O significado da palavra “Ninrode” é “rebelde”. A palavra “caçador”, em Gn.10:8,9, também pode ser traduzida por “guerreiro”, dando a entender, portanto, que Ninrode, além de demonstrar força com relação aos animais, também se mostrou hábil na luta e no exercício da guerra, o que explica, também, a sua assunção ao poder.
9º SLIDE II – A REBELDIA DA COMUNIDADE ÚNICA PÓS-DILUVIANA
- Com Ninrode, temos o estabelecimento do poder político independente de Deus, ou seja, o exercício do domínio sobre os demais homens sem atendimento da necessidade de cumprimento dos valores éticos estabelecidos por Deus ao homem. 
- Ao começar a “ser poderoso na Terra”, Ninrode pôs-se no lugar de Deus, passando a ser adorado pelos seus súditos, passando a se apresentar como “fonte do poder”, motivo pelo qual se diz, com razão, que Ninrode foi o “primeiro anticristo”, ou seja, o primeiro homem a querer utilizar-se do poder político para se colocar no lugar de Deus, para usurpar o poder divino. 
10º SLIDE
- Ninrode era neto de Cão, precisamente aquele que havia intensificado o desvirtuamento na família de Noé, prova de que o comportamento dos pais influencia a conduta de seus filhos. 
- A servidão camita não veio de imediato, mas, bem ao contrário, se mostraria, num primeiro instante, como seu extremo oposto, como o domínio sobre os seus irmãos Sem e Jafé, através do reinado de Ninrode, um reinado “rebelde”, precisamente porque oriundo de uma educação feita por quem passou a desonrar e a desrespeitar os próprios pais.
11º SLIDE
- Ninrode era um hábil político e estendeu os seus domínios de Babel até Nínive, situada na região norte da Mesopotâmia, cidade que também fundou, assim como Reobote-Ir e Calá, que foi chamada de grande cidade (Gnm.10:11).
- O objetivo de Ninrode era tão somente povoar a planície mesopotâmica, a região entre os rios Tigre e Eufrates, região fértil e excelente para a sobrevivência daquela comunidade única pós-diluviana. 
12º SLIDE
- Esta desconsideração da figura divina, entretanto, não se limitou a não obedecer a Deus, mas, numa atitude de rebeldia intensa, resolveu-se também desafiar a Deus, de modo que Ninrode decidiu construir uma cidade e uma torre cujo cume tocasse nos céus e se fizesse um nome para que não fossem espalhados sobre a face de toda a Terra (Gn.11:4).
- Neste singelo texto bíblico vemos a que ponto havia se desenvolvido a deificação do ser humano e como havia sido a humanidade desta comunidade única pós-diluviana contaminada pelo pecado e pela rebeldia.
13º SLIDE
Lições de Gn.11:4 (I):
a) antropocentrismo – “edificar para eles”;
b) unanimidade na rebeldia;
c) o caminho da falsa religião – da terra para o céu;
14º SLIDE
Lições de Gn.11:4 (II):
d) desconsideração de Deus – “façamo-nos um nome”;
e) crença no impedimento das ações divinas
f) incredulidade.
15º SLIDE
- Esta manifestação de rebeldia, que tinha chegado à unanimidade, não ficou desconhecida do Senhor. A Bíblia diz que o Senhor desceu para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam e disse que o povo era um e todos tinham uma mesma língua e era o que começavam a fazer e, deste modo, não haveria qualquer restrição ao que eles intentassem fazer dali para frente (Gn.11:5,6).
- Era, pois, chegado o momento de agir, não só para punir e castigar os rebeldes, mas também para impedir que sua insensatez tornasse inviável o arrependimento, a conversão da humanidade.
16º SLIDE
- O Senhor, decide destruir aquela comunidade única pós-diluviana, para que ela não levasse à necessidade do extermínio de toda a humanidade. 
- Embora houvesse chegado o momento do juízo divino, da manifestação da Sua ira, tal ação de Deus não deixou de ter a Sua graça e misericórdia. Deus agiu naquele instante para evitar que a maldade e rebeldia prosseguissem e se tivesse uma situação irreversível para o gênero humano. No pleno controle da situação, o Senhor faz com que aquela comunidade fosse destruída, mas que se mantivesse viva a promessa da redenção da humanidade por meio da “semente da mulher”.
17º SLIDE
- O Senhor, então, decide confundir as línguas daquele povo e, com esta confusão (e este é outro sentido da palavra “Babel”), tornou impossível a convivência daqueles homens em uma só comunidade e, por isso, tiveram as pessoas que falavam a mesma língua, se espalharem sobre a face da Terra, dando origem, então, a todas as nações que hoje existem e que, como dissemos, foram elencadas pelo escritor sagrado em Gn.10.
- O escritor sagrado faz-nos inferir a “realidade plural” de Deus, pois a decisão tomada pelo Senhor é dada no plural: “Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua para que não entenda um a língua do outro” (Gn.11:7). Evidencia-se aqui a pluralidade das Pessoas Divinas neste único Senhor e Deus.
18º SLIDE
- Desta comunidade única pós-diluviana surgiram todas as nações que existem na face da Terra – os “gentios” ou as “gentes”.
- Os “gentios” são rebeldes contra o Senhor, portadores de uma mentalidade contrária à vontade de Deus, que querem viver como se Deus não existisse.
19º SLIDE
- Deus havia sido rejeitado pela humanidade, mas não tinha rejeitado os homens. Continuava a amar o ser humano, a ponto de, mesmo no castigo, ter impedido uma situação irreversível de rebeldia. 
- A rebeldia persistiu, mas não mais de forma unida. Terminava mais uma dispensação e Deus, para falar com o homem, deveria formar uma nação, uma nação que se distinguisse das demais, a partir da qual poderia surgir a “semente da mulher” que tiraria o pecado do mundo.
Para fazer download do texto em PDF CLIQUE AQUI
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
http://www.portalebd.org.br/