SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

24 fevereiro 2016

VAI QUEBRAR: GOVERNO DILMA ESTÁ PRESTES A DAR CALOTE


Muitos já leram o paper ou viram o novo vídeo da Empiricus chamado “Calote”. Há um tom apocalíptico de Felipe Miranda que se tornou a marca registrada da empresa. Mas o primeiro alerta pessimista se mostrou acertado, vale notar, quando falaram em “destruição do Brasil”.


Na verdade, costumo dizer que o Pessimildo, aquele personagem criado por João Santana, o marqueteiro de Dilma, para ridicularizar os que faziam alertas sombrios, mostrou-se no fundo um Poliana ou um Pangloss. Era o “Otimildo”, afinal, pois ninguém imaginava uma deterioração tão rápida (nem eu, e quem me acompanha sabe como estou pessimista com o Brasil há tempo).

O PT sempre é capaz de nos surpreender (negativamente). Mas eis que agora os alertas não se limitam às rodas de economistas do mercado financeiro ou a blogueiros antipetistas “radicais”. A jornalista Malu Gaspar, da VEJA, escreveu um texto na Piauí em que traz à tona o assunto “moratória”:

Quem acompanha o debate econômico no Brasil começou a perceber uma inflexão no discurso dos analistas mais críticos ao governo de Dilma Rousseff. Desastre fiscal, dívida explosiva, destruição de valor e até um alçapão que nos espera debaixo do fundo do poço passaram a compor o repertório da crise. A expressão ainda oculta nesse caldeirão de jargões econômicos é… moratória. Em última análise, é esse o temor dos economistas que falam em dívida insustentável. A questão é que, no Brasil, falar em moratória ainda é mais ou menos como evocar o Voldemort de Harry Potter – aquele-que-não-deve-ser-nomeado, para que não apareça por aí assombrando todo mundo. Não custa lembrar que as palavras ainda não adquiriram o condão de alterar a realidade.

Segundo os dicionários econômicos, a moratória se dá quando um devedor posterga o pagamento de uma dívida ou obrigação, de forma negociada ou unilateral. O Brasil já fez duas no passado recente – uma em 1987, sobre a dívida externa, e outra em 1990, sobre a dívida interna, quando Collor confiscou a poupança. E já está acontecendo em pelo menos dez estados, alguns dos quais importantes, como Rio de Janeiro, Minas Gerais ou Rio Grande do Sul, que deixaram de pagar o funcionalismo e/ou confiscaram depósitos judiciais – e agora tentam conseguir mais dinheiro com a União.

No caso do governo federal, quem olha os indicadores sente calafrios. A dívida, que hoje corresponde a 66% do PIB, não pára de crescer e, segundo as estimativas mais confiáveis, chegará a mais de 80% do PIB até 2018. Não haveria grande problema no fato de o Brasil ter uma dívida tão alta se não fossem os juros. Os Estados Unidos devem perto de 100% do PIB e o Japão, 245%, e ninguém está muito preocupado. Acontece que esses países tem juros próximos de zero ou negativos, e os juros brasileiros são de 14,25% ao ano (ou 7%, descontada a inflação), o que faz a brincadeira ficar muito cara.

E a mensagem foi endossada por Mansueto Almeida, especialista em Contas Públicas com perfil político-ideológico bem moderado, ligado aos tucanos da social-democracia esquerdista:

Se você falasse sobre a possibilidade de calote da dívida publica, ou restruturação forçada, há cerca de dois anos você seria considerado doido. Mas isso foi há dois anos. Hoje, se você falar sobre o mesmo assunto já não será considerado louco.

O assunto é chato e ninguém gosta de falar de “calote”. Alguns chamam de encurtamento da divida, monetização da dívida, reestruturação da divida, etc. Mas todos estão falando da mesma coisa: se a dívida continuar crescendo nessa velocidade e não fizermos nada, ……..Lorde Voldemort pode voltar.

Dívida Pública Bruta do Governo Geral – % do PIB – 2012-2015


Fonte: Mansueto Almeida

Não é brincadeira! O PT quebrou o Brasil mesmo. Estamos falando novamente em moratória, em calote da dívida, ainda que disfarçado. Foram anos de irresponsabilidade, incompetência e corrupção. E eis o resultado do “governo dos pobres”: ferrou com a vida dos mais pobres! Sim, você não achou que o calote afetaria apenas os ricos, achou? Basta ver a Argentina para entender o que isso significa para o povo. É muito triste. É revoltante!

E mais revoltante ainda é ver que os causadores dessa bagunça ainda estão no poder ou dando entrevistas como “especialistas” para apontar o que deve ser feito para sairmos da crise que eles nos meteram. Quem pode ter vontade de escutar uma só palavra de Belluzzo? Ou de Bresser-Pereira? Ou de Conceição Tavares? Ou de qualquer um da Unicamp? São cúmplices dessa lambança. São os pais do monstro, com seu “desenvolvimentismo nacionalista”, com sua “nova matriz macroeconômica”.

Eles acabaram com o futuro de milhões de brasileiros, e posam de “experts” em economia. São umas antas! São uns idiotas! É o que a ideologia pode fazer com uma pessoa: corroer o cérebro até restar apenas o vácuo. Se estamos nessa confusão toda, isso é culpa exclusiva desse governo petista e de seus assessores econômicos. Vamos pedir a receita do remédio para quem nos deu o veneno e causou a doença ou para quem estava alertando desde os tempos da euforia artificial que ia “dar ruim”?




Por Rodrigo Constantinohttp://www.libertar.in/2016/02/vai-quebrar-governo-dilma-esta-prestes.html