SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

04 março 2016

Zika e aborto: a história está se repetindo?

John Stonestreet
Mais de cinquenta anos atrás, médicos nos EUA e Europa Ocidental prescreviam a droga talidomida para suas pacientes para tratar, entre outros males, náusea e enjoo matinal em mulheres grávidas.
A droga teve resultados trágicos cujos efeitos ainda são sentidos hoje.
No final da década de 1950, começaram a aparecer registros de anormalidades em crianças cujas mães haviam usado essa droga durante a gravidez. As anormalidades mais conhecidas e dolorosas envolviam bebês que nasciam sem braços e pernas.
O que não é surpresa alguma é que em poucos anos, a droga foi removida do mercado, mas o caso trágico da talidomida não terminou aí. Como o historiador Daniel K. Williams nos diz em seu recente livro “Defenders of the Unborn” (Defensores dos Bebês em Gestação), a tragédia da talidomida abriu a porta para o aborto legalizado nos Estados Unidos.
Os apoiadores de leis de aborto liberalizado aproveitaram a tragédia para justificar a expansão da disponibilidade do aborto, que na época era em grande parte limitado aos casos em que a vida da mãe estava em perigo. Eles argumentaram que as mulheres que haviam tomado a talidomida deveriam ter o direito de abortar seus bebês em gestação, ainda que não houvesse nenhum jeito de saber se seus bebês haviam sido afetados pela droga.
O argumento deles, como documenta Williams, era que o medo de dar à luz uma criança deficiente era suficiente para justificar a expansão da disponibilidade do aborto.
A fotos trágicas de crianças sem pernas e braços, junto com alguns casos famosos, influenciaram as assembleias legislativas americanas, inclusive a Califórnia, em 1966. Em 1972, vinte estados dos EUA haviam legalizado o aborto em casos em que a vida e a saúde física da mãe não estavam sob ameaça.
Cinquenta anos mais tarde, numa parte diferente dos EUA, a história, se não está se repetindo, está pelo menos parecendo rimar, como Mark Twain poderia ter dito.
Eric Metaxas recentemente disse no programa BreakPoint sobre como a epidemia do Zika na América Latina está sendo usada por promotores do aborto como arma contra a proteção à vida dos bebês em gestação. A parte mais afiada dessa arma é o elo presumido entre o Zika e a microcefalia, “uma ‘desordem neurodesenvolvimental’ caracterizada por tamanho da cabeça consideravelmente menor.”
Digo “presumido” porque, como um recente artigo do jornal New York Times diz aos leitores, “o elo entre a microcefalia em bebês e o Zika não foi comprovado.” Tudo o que sabemos com certeza é que autoridades internacionais de saúde “suspeitam fortemente” que haja um elo.
Um exemplo dessa incerteza é a Colômbia. Embora se saiba que milhares de mulheres colombianas grávidas contraíram o Zika, não existe caso confirmado de nenhuma delas dando à luz filhos com microcefalia.
Conforme disse o vice-ministro da Saúde da Colômbia ao New York Times, “Há muita coisa que não sabemos sobre o [Zika]. O que sabemos é que há uma disparidade crescente entre o que estamos vendo na Colômbia e a experiência no Brasil”
Apesar dessa “disparidade crescente,” o New York Times e outros têm certeza de que liberalizar as leis de aborto agora é o caminho certo. Isso ignora não só fatos reais da epidemia do Zika, mas ignora também o fato mais importante de todos: a humanidade dos bebês no útero.
Como foi o caso cinquenta anos atrás, a ansiedade sobre a possibilidade de dar à luz uma criança com deficiência é considerada como razão suficiente para matar o bebê em gestação. A mensagem é clara: Qualquer coisa que seja menos que uma “criança perfeita” é descartável. Na era dos testes genéticos pré-natal, as implicações dessa mensagem são de dar calafrio.
E conforme a história mostra, não vai parar aí. O Zika, como a talidomida, é parte de uma arma cuja meta é o aborto por qualquer motivo. Cinquenta anos atrás, uma tragédia levou a uma tragédia maior cujos efeitos ainda estão nos EUA. Vamos orar para que a mesma coisa não aconteça de novo.
Talvez seja o povo da América Latina que deveria construir uma muralha em sua fronteira [para se proteger das más influências dos EUA].
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do ChristianHeadlines: Zika and Abortion Part II: is History Repeating Itself?