SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

13 junho 2016

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 12 - Revista da Editora Betel



Mansidão: uma Nova Postura de Vida Modesta e Submissa
19 de junho de 2016


Texto Áureo
“Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”.
Mateus 5.5


Verdade Aplicada
A mansidão nos capacita a ter uma postura simples e gentil em nossos relacionamentos interpessoais.

Textos de Referência.
2 Timóteo 2.22-26
22 Foge, também, dos desejos da mocidade; e segue a justiça, a fé, a caridade e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor.
23 E rejeita as questões loucas e sem instrução, sabendo que produzem contendas.
24 E ao servo do Senhor não convém contender, mas, sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor;
25 Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se, porventura, Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade
26 E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos.

Introdução
Nesta lição, estaremos estudando sobre a mansidão. Esta característica do fruto do Espírito Santo exige que tenhamos um comportamento modesto para com os homens e de submissão a Deus e à Sua Palavra.

1. A mansidão e a paciência.
A mansidão capacita o indivíduo a agir com equidade, não tomando atitudes desordenadamente, sabendo distinguir a hora em que deve se submeter. Esta característica do fruto do Espírito Santo transforma o mais irritado dos homens em alguém pacífico e sereno, com atitudes brandas diante de situações desagradáveis (Ef 4.2).

1.1. A mansidão ensina o indivíduo a desviar-se da ira.
Em muitas situações enfrentadas pelo homem, as quais poderiam produzir irritabilidade e perturbações, o indivíduo que desenvolve a mansidão consegue contornar, pois esta característica o ensina a desviar-se da ira (Rm 12.19). Em seus ensinamentos à igreja em Roma, o apóstolo Paulo apresenta qual deve ser a postura ideal do cristão diante de condições adversas: nunca partiu para o confronto. O homem manso tem sempre uma saída para não se deixar tentar pelo inimigo. Uma vida devocional ativa promove um amadurecimento gradativo do fruto do Espírito, levando o indivíduo a atingir uma condição ideal aos olhos do Senhor.

1.2. Sendo humilde e manso.
Quando o homem começa a experimentar viver em uma postura de mansidão, ele aprende o verdadeiro sentido de dar lugar à ira. Não permitir que a ira tome posse dos nossos sentimentos é demonstrar que aprendemos com Jesus a sermos humildes e mansos (Mt 11.29). Ao agir assim, o homem está tomando posse da essência da personalidade de Cristo. Durante o Seu Ministério terreno, Jesus sofreu diversas afrontas por parte dos fariseus. Entretanto, em nenhum momento Ele se desviou do propósito que lhe fora proposto pelo Pai. Jesus manteve-se calado até quando foi confrontado por Pôncio Pilatos, não requerendo para si o trono de Israel (Jo 18.33-37), antes deixando claro que o Seu Reino não era deste mundo.

1.3. Jesus, nosso melhor exemplo.
O exemplo que nos foi deixado por Jesus não deixa dúvidas de que, se nos propusermos a termos o nosso caráter controlado pelo Espírito Santo, conseguiremos ser mediadores em tempo de crise. Em um dos momentos mais terríveis de Sua vida, Jesus nos dá um exemplo magistral a ser seguido. Mesmo diante daqueles que O vieram prender, não tomou atitude agressiva e aproveitou o momento para provar a todos a sua postura de homem manso e amável curando a orelha do servo de Caifás, que havia sido cortada por um de Seus discípulos (Jo 18.10).

2. A mansidão e a submissão a Deus.
A mansidão nos ensina a sermos submissos a Deus em todos os sentidos, nos tornando amáveis em nossos relacionamentos interpessoais (Tt 3.2). Quando somos apresentados pela mídia a um posicionamento agressivo, devemos sempre lembrar que somos servos de Deus e isso impede que tenhamos atitudes violenta.

2.1. O cristão deve ser sempre moderado.
Não é difícil vermos hoje através da mídia a atitude de pseudo-religiosos agindo de forma agressiva em relação à liberdade de expressão religiosa. O testemunho do cristão deve ser sempre moderado. Muitos têm hoje pregado um Evangelho de confronto, tentando impor suas opiniões pessoais em detrimento ao Evangelho verdadeiro, que tem o amor excelente por essência (Jo 13.34). A pregação do Evangelho genuíno nos fará conhecidos como discípulos de Jesus (Jo 13.35), provando que aprendemos com o Mestre a ser humildes e mansos (Mt 11.29). Sempre que estivermos em situação de conflito devemos demonstrar que não somos contenciosos (1Co 11.16), pois procuramos seguir o ensinamento do apóstolo Paulo: imitar a Cristo (1Co 11.1).

2.2. Sejamos sóbrios e mansos.
Alguns grupos chegam à loucura de atentar contra a vida e imagem das pessoas que não se curvam diante de seus ensinamentos. Muitos destes grupos pregam uma palavra que não é verdadeira Palavra de Deus. É preciso entender que servimos a um Deus que tem por objetivos claros e que sabe como fazer para atingi-los. Nunca poderemos tomar uma posição de violência em nome dEle, sugerindo vingança contra os que de alguma maneira nos atacaram. A vingança pertence a Ele e não a nós (Rm 12.19b). Sejamos sóbrios como exige a Palavra de Deus, demonstrando sempre a mansidão produzida pelo amadurecimento do fruto do Espírito Santo (Tt 1.8; 1Pe 1.13).

2.3. A mansidão não compactua com a violência.
O servo de Deus nunca irá compactuar com comportamentos violentos, mesmo que lhe sejam apresentados pela mídia como algo natural. A Bíblia nos orienta que temos que ter autoridade na Palavra para encorajar os outros com a sã doutrina e refutar os que se opõem a ela (Tt 1.9). Deus capacitou a Sua Igreja para apresentar uma mensagem que leve o homem ao arrependimento, fazendo com que este passe pelo sofrimento do reconhecimento do seu pecado. A vingança do Senhor é por amor e não por ódio, como é a do homem. Por esse motivo, devemos nos comportar sempre com mansidão, deixando Deus tratar com o pecador (Sl 11.5).

3. Lições práticas.
A cada dia que passa está cada vez mais difícil ter uma atitude de mansidão (Mt 10.16). Vários são os acontecimentos que vivenciamos e isto tem levado muitos a não crerem na possibilidade de restauração da humanidade, esquecendo-se do poder do Cristo.

3.1. O fruto é cultivado no coração.
Quando Jesus falou que deveríamos ser humildes e mansos, Ele falou de onde deveria vir a mansidão. Ela deveria vir do coração, pois é dele que procedem os maus desígnios do homem (Mt 15.19). Sendo assim, também é nele que deve ser cultivado o fruto do Espírito Santo em busca do caráter divino.

3.2. Só o fruto do Espírito pode tornar o homem manso.
Somente o fruto do Espírito Santo pode promover a mansidão no indivíduo. O Pecado plantou na humanidade um sentimento de crueldade perversidade (Gn 4.8; 6.5). Logo, nenhum homem pode promover o desenvolvimento desta característica em outro homem. Uma boa educação, uma boa escola, nada será capaz de tornar o ser humano manso. Moisés foi muito bem-criado e educado, mas em um momento de raiva matou um egípcio. Entretanto, após se encontrar com Deus tornou-se o homem mais manso entre os homens sobre toda a terra (Nm 12.3). A Igreja de Cristo tem sido educada nos moldes divinos pelo Espírito Santo, que tem poder para tratar e modificar o homem, aproximando-o do caráter de Deus (Ef 4.13).

3.3. O fruto amadurece por inteiro.
No capítulo 4 de Efésios, o apóstolo Paulo nos mostra que as características do fruto do Espírito Santo são interligadas. Não dá para ser manso sem ser longânime ou amoroso. O fruto deve amadurecer por inteiro e igualmente (Gl 5.22). Cristão que falta ter alguma característica do fruto é porque ainda não amadureceu.

Conclusão
Os apelos midiáticos e tecnológicos tentam de todas as maneiras nos tornar iracundos. Todavia, o servo fiel conhece as artimanhas do inimigo e não se deixa enganar, antes se aproxima do caráter divino, amadurecendo em si a mansidão do fruto do Espírito Santo.

Questionário.

1. Qual a característica ensina o indivíduo a desviar-se da ira?

2. De acordo com a lição, o que o servo de Deus nunca pode compactuar?

3. A quem pertence a vingança?

4. De onde deve vir a mansidão?

5. O que o pecado plantou na humanidade. 
http://marcosandreclubdateologia.blogspot.com.br/2016/06/escola-dominical-betel-conteudo-da_12.html