SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

08 setembro 2016

ESCOLA DOMINICAL CPAD - Conteúdo da Lição 11 - Revista da CPAD - JOVENS


A Família Segundo o Coração de Deus
11 de setembro de 2016


Texto do dia.

"Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça." 2 Pe 3.13





Síntese

Deus sempre esteve no controle de tudo. O fim da história será a prova disso.


Texto bíblico


Isaías 24.4-6
4 A terra pranteia e se murcha; o mundo enfraquece e se murcha; enfraquecem os mais altos do povo da terra.
5 Na verdade, a terra está contaminada por causa dos seus moradores, porquanto transgridem as leis, mudam os estatutos e quebram a aliança eterna.
6 Por isso, a maldição consome a terra, e os que habitam nela serão desolados; por isso, serão queimados os moradores da terra, e poucos homens restarão.


INTRODUÇÃO

Os capítulos 24 a 27 do livro de Isaías apresentam profecias que apontam para o final da história. São textos complexos e de difícil interpretação. Profecias de castigo aos israelitas e promessa final de livramento e salvação. Reúnem profecias, cânticos (26.1-6; 27.2-5) e orações (25.1-5; 26.7-19). Estão divididos entre julgamentos dos maus e salvação e promessas de livramento para o povo de Deus. Nenhum desses textos (Is 24.1-27.13) fala do Messias, todavia precisam ser interpretados sob a perspectiva de que somente será possível a redenção do povo de Deus na consumação da história, mediante a obra do Messias consumada na cruz. Aqueles que rejeitarem o Messias, que não aceitarem a redenção gratuitamente proposta e oferecida por Deus, sofrerão a condenação eterna. A condenação será a eterna separação de Deus, o autor da vida, e estes padecerão com Satanás, no lago de fogo e enxofre.


I - O JULGAMENTO E A SALVAÇÃO



1. Como será o julgamento.
A palavra julgamento no grego (krinein) quer dizer separar (Mt 13.24-30), ou seja, será a separação do bem e do mal, daquilo que é verdadeiro do que é falso, o ato final de Deus onde se preservará apenas aquilo que não foi contaminado pela maldade e pelo pecado. Na teologia dispensacionalista, presente na maioria das igrejas pentecostais, esse período de julgamento se refere ao Juízo Final, na consumação de todas as coisas, quando todos os povos e nações comparecerão diante do trono de Deus para serem julgados por seus atos (Mt 25.31-33). No Antigo Testamento, além do profeta Isaías, quem mais profetizou sobre o Juízo Final foi Daniel (Dn 12.1-3). No Novo Testamento, o assunto foi tratado por Jesus no Sermão Profético (Mt 24,25), bem como por Paulo, Pedro e João.


2. O destino dos maus.
Para o Juízo Final acontecerá a ressurreição dos maus de todos os tempos; os salvos já terão ressuscitado para estarem no milênio com Cristo (Is 26.19; Ap 20.4). Ninguém escapará da desolação e julgamento que sobrevirá: ricos, pobres, sacerdotes, leigos (Is 24.2) e reis (Is 24.21). A terra, outrora abençoada, agora é maldita por causa da injustiça (Is 24.5) e será abalada, provavelmente num grande terremoto (Is 24.18-20), e o sol e a lua deixarão de brilhar (Is 24.23). Deus destruirá todo o mal bem como todos os grandes poderes e impérios mundiais, representados pelo leviatã, pela serpente sinuosa e pelo dragão (Is 27.1). Aqueles que forem julgados como maus serão separados definitivamente de Deus, a fonte da vida.


3. O destino dos bons.
Aqueles que forem julgados como bons e forem justificados pelo sacrifício de Cristo serão levados para o Reino eterno, conforme Jesus mesmo afirmou em Mateus 25.34. O Reino de Deus será um eterno desfrutar de alegrias, delícias e bem-estar, na presença de todos os salvos de todos os tempos, mas o importante é que para sempre estaremos com nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, cuja presença encherá a terra com sua glória e majestade, conforme a visão de João (Ap 21.23).


Pense

O julgamento será uma realidade concreta para a humanidade.


Ponto Importante

Esse período de julgamento se refere ao Juízo Final, na consumação de todas as coisas.


II - CRISTO, O CENTRO DA HISTÓRIA



1. O início da história humana. 
A história da humanidade pode ser revelada na criação, Queda, redenção em Cristo e final dos tempos com Cristo. Isso porque Ele é o que permeia a história humana com sua presença. Israel não foi fiel à aliança feita com Deus; com isso, um remanescente (a semente, o troncorestante), que se concentra em Cristo na sua morte, tornou-se precursor de um grande povo composto por todas as tribos e nações que confessam a Cristo como Salvador.


2. A redenção da história humana. 
Toda a história da salvação está contida num único evento: a intervenção de Cristo na história por meio da cruz. Dela brota todo o presente e representa a garantia de todo o futuro. Entre a cruz de Cristo e a consumação final da história dá-se a tensão e hostilidade entre a instalação de seu Reino na terra "já agora" e no "ainda não" do Reino que está por vir. A batalha decisiva e vitoriosa já foi travada na cruz do Calvário. Neste momento, vive-se em hostilidade com o adversário, Satanás, que quer tentar destruir a obra redentora em nós, embora já tenha sido vencido.


3. Ele é para todo sempre.
Ele é antes do início, foi crucificado ontem, reina agora de forma invisível e voltará no fim dos séculos para estabelecer seu Reino eterno, onde a justiça e a paz reinarão perpetuamente. Algumas vezes, o fim dos tempos é entendido como um tempo caótico e terrível. Para alguns poderá ser mesmo, mas para os que forem do Senhor será um tempo em que as qualidades humanas serão potencializadas e nossa fidelidade ao Senhor não sofrerá mais os percalços que temos hoje, pois Ele mesmo vai destruir toda infidelidade (Is 5.1-6).


Pense

Se Cristo é o centro da história, Ele precisa ser o centro de nossas histórias pessoais.


Ponto Importante

Para a fé cristã, Jesus Cristo é o verbo que origina a história, se encarna na história para redimir a história e no final Ele há de encerrar a história. Cristo é o centro e o fim da história.


III - O FIM DA HISTÓRIA



1. A consumação.
Quando se fala em consumação da história, fala-se do seu fim. E fim significa término e também alvo, ou seja, os filhos de Deus se esforçam para estabelecer seu Reino na terra (alvo), mas esse esforço terá fim quando os céus e a terra passarem (2Pe 3.10). Entretanto, o seu Reino se concretizará em plenitude somente no fim dos tempos, no término da história humana.


2. A história humana terá fim, mas a de Deus não. 
Deus está acima da história. Ele é a-histórico, pois é eterno. Seu Reino se estabelece na história humana, por isso tem início, mas nunca terá fim.


3. A Nova Jerusalém é o início da nova história humana.
O Reino de Deus é sinônimo da Nova Jerusalém, o lugar que Deus preparou para os salvos em Cristo, para passarem com Ele por toda a eternidade, na casa do Pai (Jo 14.1-4), desfrutando eternamente de seu amor.


Pense

A melhor coisa na restauração final da história não será o Novo Céu e a Nova Terra, mas sim a presença eterna e sublime de Deus.


Ponto Importante

Deus está acima da história, Ele é um ser a-histórico, pois é eterno.
O seu Reino se concretizará em plenitude somente no fim dos tempos, no término
da história humana.


CONCLUSÃO

O fim da história será a prova de que Ele sempre esteve no controle de todas as coisas e aqueles que confiaram nEle entrarão para o descanso eterno, preparado desde a fundação do mundo (Mt 25.34).


Hora da revisão.



Transcreva a oração que Isaías faz em 25.1 de seu livro.

Ó Senhor, tu és o meu Deus; exaltar-te-ei e louvarei o teu nome, porque fizeste maravilhas; os teus conselhos antigos são verdade e firmeza.


Que período escatológico acontecerá logo antes do Juízo Final?

O milênio.http://marcosandreclubdateologia.blogspot.com.br/


Qual a característica principal do milênio?

Serão mil anos de paz do governo mundial em que Cristo será o rei.


Por que Cristo é o centro da história?

Toda a história da humanidade tem Cristo como seu precursor (Jo 1.1), seu executor (Mt 28.18; Cl 1.17) e o seu fim (Fp 3.21).


Qual a essência que poderá ser vivida na vida eterna?

O perfeito amor de Deus.