SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

02 setembro 2016

Lição 10: O Poder da Evangelização na Família (Adulto)



Introdução

Na noite de um domingo comum, um menininho adormece no sofá ao som da televisão. Aos poucos, deixa a mamadeira escorregar e sucumbe ao cansaço do fim de semana. Sua família acabou de voltar da igreja. Todos estão cansados e famintos. Tudo o que querem é fazer uma refeição rápida, tomar banho e dormir. A filha adolescente encosta a Bíblia a uma pilha de outras coisas em seu quarto e vem juntar-se aos pais, diante da televisão, enquanto comem. Eles não se reúnem à mesa. Não agradecem a Deus pelo alimento. Não conversam. Pouco depois, o pequenino é posto no berço, já adormecido. A garota dá um beijo nos pais, antes de se recolher, mas não lhes pede a bênção.
Na segunda-feira de manhã, como de costume, o pai sai de casa apressado. Lê, sozinho, uma passagem bíblica aleatória, faz uma oração curta e despede-se do filho e da esposa. Como a filha está pronta, ele a leva à escola. Talvez conversem no trajeto, porém é mais certo que ela mantenha os olhos na tela do celular, e que ele empreste os ouvidos ao programa de rádio, que fala do clima e do trânsito.
Em casa, a mãe corre com uma série de afazeres. Ela tem poucas horas para arrumar a bagunça, e não terá tempo para o bebê, que lhe exigirá toda a atenção. Ela não conseguirá cantar para ele, ou contar-lhe uma historinha. O dia terminará da mesma forma. E assim será na terça-feira, e na quarta...

I. A FAMÍLIA É UMA IGREJA
A família acima retratada é como muitas que frequentam nossas igrejas. Uma família normal, dentro dos padrões: pai, mãe e filhos. Todos se acham plenamente familiarizados ao linguajar dos crentes, comportam-se de forma apropriada, amam-se mutuamente, não escandalizam a vizinhança com gritos e brigas, mas são apenas isto: uma família. Todo o seu cristianismo está contido nas paredes físicas do templo onde congregam, quando deveria acompanhá-los aonde quer que fossem, a ponto de fazer-lhes da casa uma igreja — um local onde Deus é adorado, onde a Bíblia é consultada, onde existe graça e perdão, e para onde correm os vizinhos incrédulos quando precisam de ajuda.
Para que a família cristã funcione como uma congregação doméstica, deve seguir a mesma dinâmica de uma igreja. A igreja tem um líder, que é o pastor. Dele as ovelhas recebem instrução e cuidados. Os membros da igreja, reunindo-se regularmente para cultuar a Deus, promovem ações evangelísticas, visando integrar outras vidas ao corpo de Cristo. Nos tópicos a seguir, veremos como a família cristã atuará para ser, também em casa, uma igreja evangelizadora.
1. O marido ensina a esposa. Ao contrário do que muitos pensam, a submissão da esposa ao marido não é um conceito ultrapassado; é mandamento bíblico. Deus fez o homem e a mulher com distinções que vão além das que podemos ver na anatomia masculina e feminina. Quanto aos sentimentos e às estruturas psicológicas, o homem e a mulher também diferem. Em 1 Pedro 3.7, vemos a mulher ser descrita como “vaso mais fraco”. Deus criou o homem e a mulher, macho e fêmea (Gn 1.27), para que formassem a família. E, dentro dessa organização, todos desempenham um papel muito importante.
Em Efésios 5.23, o apóstolo Paulo afirmou que a liderança da família compete ao pai: “porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja”. Isso não significa que o líder da família esteja numa posição privilegiada, ou que possa esbravejar ordens à esposa e aos filhos, suscitando-lhes a ira. Contudo, ser o líder, ou a cabeça, implica responder por todos os membros da família.
O chefe da casa tem o dever de ensinar a Palavra de Deus à esposa: “As mulheres estejam caladas nas igrejas, porque lhes não é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é indecente que as mulheres falem na igreja” (1 Co 14.34,35).
Esse versículo de Coríntios não foi deixado à igreja para evitar que as mulheres cooperem ensinando, mas para acentuar que a responsabilidade de seu discipulado cabe antes ao marido que ao pastor. Em troca, a mulher deve obedecer a Cristo, sujeitando-se à orientação do esposo.
Na função de chefe do lar, o marido ensinará também os filhos a trilhar os caminhos do Senhor e será, ele próprio, um exemplo. Os filhos devem obedecer a Jesus submetendo-se à autoridade paterna.
O maior serviço que um homem pode ofertar ao Senhor é o bom governo de sua casa. Ao discorrer sobre os deveres dos bispos e dos diáconos, Paulo advertiu: “Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?)” (1 Tm 3.4,5). Nessa mesma carta, disse o apóstolo: “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus e principalmente dos da sua família, negou a fé e é pior do que o infiel” (1 Tm 5.8).
2. Os pais ensinam os filhos. O cuidado primordial de todo pai e mãe para com os filhos deve ser o de ensiná-los no caminho em que devem andar (Pv 22.6).
a) Nas atividades cotidianas. Nesta conhecida passagem de Deuteronômio, temos instruções bem claras aos pais:
Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder. E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas. (Dt 6.4-9)
Sabemos que os ensinamentos básicos da fé são transmitidos pelas igrejas. Entretanto, conforme acabamos de ler, devem ser intimados, ouinculcados, aos filhos, pelos pais. Amar a Deus de todo coração tem de ser uma prática indissociável da rotina do lar cristão. Os princípios bíblicos devem habitar no coração dos pais de tal forma que fluam naturalmente de sua boca aos ouvidos dos filhos.
b) No culto doméstico. Em um dia normal, a família dispõe de inúmeras oportunidades de falar com Deus, ou de conversar sobre Ele. A família pode orar: ao acordar, antes de cada refeição, antes de sair de casa, antes de dormir, ou ao trazer alimentos do mercado. Essas pequenas preces podem ser facilmente ensinadas às criancinhas, que crescerão confiando em Deus e dependendo dEle.
Além das preces vinculadas aos afazeres, a família reservará momentos especiais para fazer orações específicas de súplica ou de ações de graças. Esses pedidos, ou agradecimentos, poderão ser feitos nos cultos diários da família, conhecidos como “cultos domésticos”.
O culto doméstico deve abranger toda a família e adequar-se à rotina de cada lar. Algumas famílias preferem realizá-lo logo pela manhã; outras, ao final do dia, ou nos minutos que antecedem a hora de dormir. O importante é que esse momento de comunhão seja agradável e envolva a todos. Para tanto, os pais levarão em conta a idade dos filhos e o seu desenvolvimento escolar. Crianças de até seis anos apreciam ouvir pequenas narrativas bíblicas e entoar cânticos infantis. As que já sabem ler gostam de participar da leitura alternada de um capítulo da Bíblia. O culto doméstico pode, ainda, ser enriquecido com a leitura em voz alta de livros devocionais, biografias de pessoas piedosas, ou relatos missionários.
Além de agradar a Deus, a devoção em família permite aos pais acompanharem a caminhada espiritual dos filhos, ajudando-os a aprofundar o relacionamento com o Senhor. A responsabilidade de falar de Jesus às crianças cabe primeiramente aos pais e, depois, à igreja. Mesmo as que nasceram em lares evangélicos devem ter a oportunidade de confessar a sua fé em Cristo como o único Salvador. O que o salmista disse sobre si aplica-se a todos, incluindo filhos salvos: “Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe” (Sl 51.5).
A preocupação que o apóstolo Paulo tinha pelos seus filhos espirituais serve de inspiração para que, da mesma forma, ansiemos por vê-los frutificar: “Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós” (Gl 4.19).
c) Pela decoração do lar. Já não seguimos, como os israelitas, o mandamento de escrever a lei nos umbrais e portas da casa. Mas podemos ter versículos escritos em quadros, espelhos, porcelanas decorativas e mesmo utilizáveis. Eles estarão lá, ao alcance dos olhos e da mente, como um lembrete do bem e da santidade do Senhor. A família acabará por memorizá-los, e o Espírito Santo os aplicará ao coração de cada um, no momento oportuno.
d) Pelo lazer. Bons filmes evangélicos e música de adoração a Deus devem fazer parte do repertório de lazer da família. Por meio deles, a mensagem de salvação é anunciada e a edificação cristã é solidificada.

II. A FAMÍLIA EVANGELISTA
Sinto-me feliz em minha igreja. Os irmãos e irmãs com quem congrego são realmente povo de Deus. Tenho a alegria de ir com minha família a uma igreja onde as pessoas são capazes de rir e chorar juntas. E sabe o que seria perfeito? Tê-los como vizinhos. Imagine um bairro cheio de crentes! As crianças brincariam livres, só haveria rostos alegres pelas ruas e cumprimentaríamos o porteiro do condomínio com a paz do Senhor! Mas as coisas não são assim. Pelo contrário! Veja como Paulo descreveu, em 2 Timóteo 3.1-5, as pessoas dos últimos dias:
Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
Como seguir o conselho do apóstolo, se a nossa rotina em casa e no trabalho leva-nos à convivência com pessoas que não servem a Deus? O queafastar-se quer realmente dizer? A resposta está no Salmo 1: “Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores” (Sl 1.1).
A família cristã deve estar convicta de sua missão na vizinhança: 1) dar bom testemunho de Cristo; 2) aproveitar as oportunidades para falar de Jesus; e 3) demonstrar o amor de Deus socorrendo os vizinhos em suas necessidades. Quando os membros da família cristã compreendem que o seu papel na vizinhança não é ser íntimo dos vizinhos, mas evangelizá-los, torna-se mais fácil manter uma postura íntegra e contrastante ao estilo de vida mundano.
1. A família evangelista é cortês e cumpre as regras. Ser cortês, ou afável, é seguir as normas básicas da boa educação. É importante saber o nome dos vizinhos e, se você mora em um condomínio, conhecer os funcionários e cumprimentá-los diariamente. De que adianta a vizinhança toda ver que a família vai e volta dos cultos com a mesma cara emburrada, e com os mesmos maus hábitos?
Quanto ao cumprimento das normas, a família cristã deve: manter sua calçada limpa, não colocar o lixo à frente do portão dos vizinhos, não sujar o condomínio, guardar o silêncio nos horários estabelecidos, não piratear sinal de televisão ou de internet, pagar as contas em dia e evitar gritos. E, por que não, ser misericordiosa e fazer o bem aos que nos aborrecem, oferecer a outra face, emprestar ovos ou açúcar, sem esperar em troca um pedaço de bolo (Lc 27.36)?
2. A família evangelista é seletiva e consistente. Ninguém pode escolher os vizinhos que tem. Mas pode, sim, escolher o relacionamento que terá com eles. A família evangelizadora será educada, amistosa e receptiva. Mas haverá momentos em que terá de provar a consistência de seu relacionamento com Deus dizendo não a determinados convites. O fato de gostarmos dos nossos vizinhos não é desculpa para participarmos de bailinhos de carnaval, de festas juninas ou de halloween. Ao sermos convidados a esses eventos, respondamos gentilmente, em nome de toda a família, e não inventemos desculpas para a nossa ausência: “Estamos felizes em receber o convite. Entretanto, a nossa família serve a Jesus e não participa dessa festa”. Ao recusar um convite desses, não devemos ser agressivos, nem atacar a religião dos vizinhos.
A postura seletiva e consistente da família cristã evitará a assimilação dos maus costumes e dos valores corrompidos de seus vizinhos. Em Êxodo 23.24,25, vemos que esta era uma preocupação de Deus. Ele conhecia o risco que os israelitas corriam de adotar as práticas idólatras dos povos adjacentes. Além disso, a nossa firme decisão de não nos contaminarmos é exatamente o que os vizinhos esperam de uma família proclamadora do evangelho.
3. A família evangelista socorre os vizinhos e leva-os a Jesus. Admita: Os seus vizinhos parecem tão felizes e realizados, que você já chegou a pensar que eles não precisam de Jesus? Que engano terrível! Todos precisam ouvir as Boas-Novas da salvação, pois todos pecaram e estão separados de Deus (Rm 3.23). Embora não exista família perfeita, nem entre os crentes, existe uma diferença entre o lar que serve a Cristo e aquele que não o conhece como Salvador: a presença redentora de Jesus.
Em Marcos 2.1,2, lemos: “E, alguns dias depois, entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa. E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à porta eles cabiam; e anunciava-lhes a palavra”. Observe: a vizinhança soube que Jesus estava em casa, e por isso ajuntou-se. Dentre aqueles que encheram os cômodos e até o quintal, certamente havia pessoas deprimidas, injustiçadas, com vícios, enfermas e infelizes. Em nossa vizinhança também é assim. E além dos problemas mencionados, também há, entre os nossos vizinhos, gente que pensa estar no caminho certo e que se sente razoavelmente satisfeita com as respostas obtidas na religião que professa. Seja qual for o problema que enfrentam, ou a religião que seguem, todos precisam de Jesus e correrão em busca dEle, tão logo saibam que Ele está em nossa casa. Além do bom testemunho cristão, a família salva pode evangelizar de forma intencional.
Considere as sugestões a seguir e pense em outras maneiras de falar de Jesus aos vizinhos:
a) Convide os amiguinhos de seus filhos para o culto doméstico. Prepare uma história bíblica atraente e adequada à idade das crianças. Apresente-lhes, de forma simples, o plano da salvação e pergunte se desejam aceitar Jesus. Ore com a criança que se decidir. Encerre a reunião com brincadeiras e um lanche simples.
b) Dê presentes que falem de Cristo. Aproveite aniversários e outras datas comemorativas para dar cartões, livros e CDs que comuniquem a mensagem da salvação. Ao oferecer à família ao lado um pedaço de bolo, entregue junto um folheto evangelístico.
c) Pergunte “Como vai?”. Ao cumprimentar os vizinhos, indague: “Como vai?” A resposta a essa pergunta corriqueira pode surpreender você e abrir-lhe uma grande oportunidade evangelística. Escute o problema de seu vizinho e mostre-lhe que achará descanso ao entregar a vida a Cristo.
d) Convide-os a ir à igreja. A maioria não aceitará esse convite, e por isso você precisará repeti-lo diversas vezes. Uma boa tática é aproveitar os cultos de Páscoa, ou natalinos. Em vez de chamar os vizinhos para o culto, convide-os para “assistir a uma apresentação do coral”, ou “uma peça teatral”.

III. A IGREJA VAZIA
Você já entrou em uma igreja vazia? Já teve a oportunidade de percorrer a nave e a galeria fora do horário dos cultos? Tudo fica diferente. Qualquer palavra que você diz, por mais que tente cochichar, propaga-se pelo templo e ganha volume graças ao eco. Os passos também podem ser ouvidos enquanto você caminha em direção ao altar. Os bancos reservados aos pastores estão vazios. Não há ninguém para ministrar a Palavra. A Bíblia está no púlpito, e você pode abri-la se quiser.
Se olhar à direita, verá os bancos do coral. Todos vazios. A acústica da igreja é boa. Você pode arriscar um solo, mas sabe que ninguém se unirá a você para criar uma harmonia. À esquerda estão os instrumentos. Sem os músicos, eles não oferecem acompanhamento. Você tenta um acorde ou outro ao piano, bate de leve nas caixas da bateria, e sai pela porta lateral. O pátio da igreja está deserto. Não há crianças correndo, e a cantina está fechada. Subindo as escadas, você chega a um corredor com muitas portas. São as salas de Escola Dominical. Você não avança porque sabe que as classes estão trancadas e as luzes, apagadas. De volta à nave da igreja, você sente a presença de Deus. Mas você está sozinho, sem amigos para cumprimentá-lo, sem um professor para ensiná-lo, sem um conselheiro, sem um pastor. Você está sozinho na igreja.
Abrimos este capítulo defendendo o conceito do lar como igreja — o lar como um lugar de adoração, comunhão, cura e salvação. Mas é possível fazer do lar uma congregação quando você é o único em sua casa que serve ao Senhor? Você pode ser um chefe de família crente, mas sua esposa e filhos não o acompanham em sua jornada cristã. Ou você é a esposa salva de um homem iníquo, ou o filho convertido de pais incrédulos. Seja como for, a sua igreja, não a que você frequenta, mas o seu lar, está vazia. Os bancos estão lá, esperando que os seus familiares os ocupem. Mas enquanto isso não acontecer, você terá de assumir todas as funções: evangelista, recepcionista, professor, pastor, conselheiro, intercessor, cantor e, dependendo do estado em que se encontre a família, ainda fará a limpeza do templo.
Parece que alguns dos novos convertidos de Corinto enfrentavam uma situação semelhante. Em 1 Coríntios 7.12-15, lemos:
Mas, aos outros, digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher descrente, e ela consente em habitar com ele, não a deixe. E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe. Porque o marido descrente é santificado pela mulher, e a mulher descrente é santificada pelo marido. Doutra sorte, os vossos filhos seriam imundos; mas, agora, são santos. Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz.
A sensação de estar sozinho, ou o desejo de servir melhor a Cristo, pode levar o único convertido de uma casa a pensar que deve afastar-se da família. O apóstolo Paulo, porém, deixa claro que essa não é a decisão sábia a tomar. O conselho de Paulo a esses crentes concorda com Gênesis 2.24 e com Marcos 10.2-12, onde Jesus afirma que “qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra adultera contra ela. E, se a mulher deixar a seu marido e casar com outro, adultera” (Mc 10.12).
1. Instruções ao esposo salvo. O marido convertido, ou a esposa crente, não deve repudiar os laços matrimonias que estabeleceu antes de aceitar Cristo. Contudo, pode se alegrar em saber que a sua presença santifica o cônjuge e coloca os filhos sob a bênção de Deus.
O marido crente deve amar a esposa conforme instrui a Bíblia:
Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja; porque somos membros do seu corpo. Por isso, deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e serão dois numa carne. Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja. Assim também vós, cada um em particular ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido. (Ef 5.25-33)
2. Instruções à esposa salva. A esposa crente deve respeitar o marido e edificar o lar:
Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido. (Ef 5.22-24)
Toda mulher sábia edifica a sua casa, mas a tola derriba-a com as suas mãos. (Pv 14.1)
Além disso, deve zelar por sua conduta, ciente de que o bom comportamento faz-se mais eloquente que as palavras:
Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas ao vosso próprio marido, para que também, se algum não obedece à palavra, pelo procedimento de sua mulher seja ganho sem palavra, considerando a vossa vida casta, em temor. (1 Pe 3.1,2)
3. Instruções ao filho salvo. O filho convertido pode ganhar os pais para Cristo honrando-os e portando-se com sabedoria. O fato de não haverem aceitado Jesus não dá ao filho o direito de desobedecer-lhes. A autoridade que os pais exercem sobre os filhos foi estabelecida por Deus. A quebra desse princípio é pecado e descumpre um dos mandamentos: “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá” (Êx 20.12).
4. Exemplos bíblicos da eficácia da evangelização doméstica. Diante da salvação de nossos familiares e vizinhos, não podemos agir com displicência. Se nos aplicarmos à evangelização doméstica, colheremos excelentes frutos, como mostram os seguintes exemplos bíblicos:
a) O endemoninhado de Gadara. Jesus Cristo, o missionário por excelência, não restringiu o seu ministério às multidões. Em Gadara, preferiu investir na salvação de um homem, pois sabia que os habitantes daquela região, majoritariamente pagãos, não formariam um grande número para ouvi-lo ensinar, nem se disporiam a segui-lo na esperança de ver milagres. A estratégia de Jesus para ganhar Gadara foi salvar “um homem com espírito imundo, o qual tinha a sua morada nos sepulcros, e nem ainda com cadeias o podia alguém prender” (Mc 5.2,3).
Ao experimentar a salvação e ao ver-se liberto daqueles demônios, o homem, revigorado e exultante, quis acompanhar Jesus, segui-lo por onde fosse. Tenho certeza de que, se Cristo lho pedisse, ele percorreria as terras já descobertas para partilhar a transformação operada pelo evangelho. “Jesus, porém, não lho permitiu, mas disse-lhe: Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez e como teve misericórdia de ti” (v. 19).
b) A serva de Naamã. A salvação que alcança toda a casa graças a um crente também é observável no Antigo Testamento. Naamã, general do exército do rei da Síria, era um homem valente, mas leproso (2 Rs 5.1). Em sua casa, vivia uma menina cujo nome não sabemos. Ela fora levada do território de Israel pelo exército sírio, e fora feita serva da esposa de Naamã.
Conforme o tempo passou, a menina pôde observar a rotina da família, os modos de sua ama e a forma pela qual cultuava tantos deuses. Que contraste entre a família de Naamã e essa pequena serva! Como deveria ser chocante, para ela, presenciar a idolatria dentro das paredes que a abrigavam. Mas a menina era serva, e era obediente também.
Um dia, a jovem ousou falar. Ela não foi insolente, não quebrou os ídolos de sua ama, nem lhe insultou a fé. Sabendo que Naamã era leproso, “disse esta à sua senhora: Tomara que o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra” (2 Rs 5.3).
Sendo o único membro da igreja em seu lar, talvez você seja obrigado a ver os seus queridos adorando outros deuses, ou até tenha de suportar comentários e escárnios. Contudo, a história da serva de Naamã ensina que a postura honrosa e obediente é que produzirá cura e salvação. Na hora certa, a menina soube apresentar à ama a solução que, embora parecesse simples demais, por fim levou Naamã a reconhecer: “Eis que tenho conhecido que em toda a terra não há Deus, senão em Israel” (v. 15).

Conclusão
A evangelização doméstica, ou a pregação do evangelho no lar, ocorre quando a rotina familiar é impregnada pela mensagem da salvação, fazendo com que o lar espelhe o que é ser salvo pela fé em Jesus. Em uma casa onde Cristo é o centro, existe alegria, cura, perdão, salvação e comunhão. O bom testemunho também caracteriza a família que serve a Deus.
O evangelismo doméstico ocorre mesmo quando apenas um familiar é salvo. Através de seu viver controlado pelo Espírito, os demais moradores da casa têm a oportunidade de ver o que é servir a Jesus e de conhecer o caminho da salvação.

Autor: Claudionor de Andrade