SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

26 novembro 2016

O MILAGRE ESTÁ EM SUA CASA - Lições Bíblicas EBD/ CPAD - Subsídio Teológico



Um dos homens de Deus a quem muito espaço é dado na Palavra é Eliseu. Eliseu era um seguidor de Elias, cujo ministério ele sucedeu (ver 2 Reis 2). Ele caminhou poderosamente com o Senhor e dos muitos milagres que Deus fez através dele. O foco estará na habilidade de Deus em libertar aqueles que procuram por Ele por qualquer problema que eles possam ter.

História da viúva

A sociedade de Israel era sobremodo injusta em relação às mulheres e crianças, vetando-lhes até mesmo os direitos e privilégios garantidos por Deus ao seu povo.
Elas eram vistas como seres inferiores, impedidas de participar dos cultos, das assembleias e das festividades religiosas. Imaginem, então, numa época de apostasia, em que o temor de Deus havia desaparecido; numa época em que cada um fazia o que queria, ignorando por completo as leis de Deus!

Foi naquele difícil contexto que a esposa de um profeta ficou viúva. Como herança, o aprendiz de profeta deixou-lhe dois filhos para criar e uma dívida para saldar. Não havia pensão, não havia seguro de vida e não havia ninguém por ela. 
A escravidão em troca de dividas era aceita com relutância, seus filhos foram penhora-dos. Por isso, não tardou surgirem os “abutres do lucro fácil”, ávidos por confiscar-lhe os filhos. Assim como os contemporâneos de Eliseu abusavam das crianças necessitadas, tirando-lhes o direito, o respeito e a dignidade.

Não tendo a quem mais recorrer, a pobre viúva apelou ao profeta Eliseu, apesar de saber que este também não possuía recursos financeiros. Confiava que ele encontraria em Deus uma saída para a crise.

Eliseu era compromissado com Deus, não com as tradições, por isso não se calou frente à injustiça, nem se deixou moldar pela teologia deturpada daqueles dias. Em seu ministério, mais do que no de qualquer outro profeta, a mulher foi valorizada e seus direitos respeita-dos. “A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo”(Tg 1:27).

"Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;Romanos 12:13

2 Reis 4:1: “E uma mulher, das mulheres dos filhos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao Sesnhor; e veio o credor, para levar os meus dois filhos para serem servos.

Profundo o testemunho que esta mulher dá a respeito do seu falecido marido. Ela vem a Eliseu demonstrando muito respeito e humildade. Com seu coração quebrantado, chama-o de Senhor, pois sabia que o seu pedido se dirigia a Deus, através do seu profeta.
A viúva em suas palavras, estava dizendo apenas uma verdade para Eliseu e não uma reclamação. Ela fala do fato inegável de que Eliseu conhecia a lealdade com que seu fale-cido marido servia a Deus e ao próprio Eliseu. Ela o relembra da vida piedosa que seu marido teve.

E na sua extrema necessidade, apenas apresenta a sua justa causa ao homem de Deus e ao próprio Deus. A causa dela era justa, não pedia por riqueza ou status, ou que Eliseu descumprisse a Lei, mas queria apenas um livramento, pela vida de seus filhos.
A forma como fala, demonstra a sua grande fé. Perceba que ela não pede nada a Eliseu, mas apenas o deixa ciente da sua miséria, ou seja, ela confiava que Deus sabia o que era melhor para a sua família. E se colocou totalmente debaixo da providência divina.

De acordo com a passagem, esta mulher era esposa de um homem que temia e reverencia-va profundamente, o Senhor. Infelizmente, seu marido morreu deixando a sua família uma dívida que eles não podiam pagar. Como resultado, o credor estava vindo para levar seus dois filhos para serem escravos. Disto nós podemos facilmente entender, a emergência da situação: a mulher por causa de uma dívida não paga estava perto de perder seus dois filhos. Para encarar este problema ela clamou a Eliseu, o homem de Deus. Com certeza, sua escolha em recorrer, neste tempo crucial ao homem de Deus não foi acidental. Realmente, quando o tempo é tão limitado (“o credor estava vindo” imperfeito, ou seja, ele estava a caminho) você não vai exceto para aqueles que você sabe que podem te ajudar. Obviamente, o homem que essa mulher acreditava que poderia ajudá-la era Eliseu, o homem de Deus1. Evidentemente, ela determinou LUTAR contra essa dificuldade e lutar com Deus.

Quando todos os meios terrestre de ajuda estavam fechados para esta mulher aflita, ela foi procurar o profeta Eliseu, sem fazer quaisquer tipo de reclamações. Apenas derramou seus sentimentos de aflição nos ouvidos dele, contou-lhe que seu marido, um homem que fez parte do grupo de jovens profetas na escola criada por Eliseu, havia morrido recentemente e deixado uma dívida cujo valor ela não tinha condições de pagar.

Naquela sociedade e época, não havia perspectiva de um futuro feliz para uma mulher nas condições daquela mulher. Se ficasse sozinha, não teria nenhuma segurança na velhice, pois os filhos é que cuidavam de seus pais idosos, não existia o sistema do Estado efetuan-do ajuda financeira, como uma aposentadoria ou pensão às mulheres que perderam seus maridos. Consequentemente, restava a ela enfrentar a solidão, o luto, a miséria, o desses-pero, e até mesmo uma morte prematura por causa da opressão de um credor.

Escravidão

A Lei de Moisés permitia que dívidas poderiam ser pagas com a mão-de-obra escrava. Entretanto, era proibido a um credor israelita, a quem outro israelita foi vendido, "obrigá-lo a servir como escravo", e a agir sobre a vida dele rigorosamente. Apesar disso, em alguns casos o quadro era dramático ao extremo, pois os credores eram inescrupulosos e davam pouca atenção às regras impostas por Deus (Levítico 25.39-43).

A visão do profeta diante da viúva

Também é fato que se Eliseu havia atendido a pessoas importantes como os reis de israel e os capitães dos seus exércitos, ele da mesma forma não deixou de ouvir o clamor de uma pobre viúva.
Deus não abandona aqueles que lhe são fiéis. Deus é fiel na vida e na morte, e promete proteger até os filhos dos filhos de milhares daqueles que o amam e o obedecem.

OBEDIÊNCIA
A viúva demonstrou ser uma serva fiel e obediente ao Senhor, por adotar duas condutas principais: 1ª. Num momento de grande aflição e dor, ela foi se consultar com um homem de Deus (Profeta Elí). 2ª. Demonstrou confiar em Deus e em pessoas ungidas por Ele, pela forma como obedeceu a tudo que foi dito pelo profeta para que ela o fizesse.
2º Reis 4.2-4: Que te hei de eu fazer? Declara-me que é o que tem em casa [...]. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite. Então disse ele: Vai pede para ti vasos emprestados a todos os teus vizinhos. [...]. Então, entra e fecha a porte sobre ti e sobre teus filhos, e deita o azeite em todos aqueles vasos, e põe à parte o que estiver cheio.
Será que nos momentos de turbulências em nossas vidas, temos adotado a mesma conduta desta mulher? Ou será que estamos procurando pessoas erradas e lugares inadequados, para despejar nossas lamúrias e reclamações?
Que hei de te fazer? E ela disse: “Tua serva não tem nada em casa... (2Rs 4.2). Quando a visão do nosso entendimento é aberta por uma verdade espiritual, aquilo que antes reputávamos como nada, pode se tornar a coisa mais valiosa que temos na vida. O profeta sabia que em sua casa havia o produto do milagre, então a despertou dizendo: “Dize-me que é o que tens em casa”. Para a mulher aquela botija de azeite não representava muita coisa, para o profeta era a fonte do milagre. Ela via apenas o azeite. Mas o profeta, viu além, viu o futuro. Enquanto ela viu uma pequena botija, ele estava vendo dezenas de vasilhas cheias a partir daquele azeite, ou seja, em situações de aperto a receita do sucesso é apresentar o pouco que temos Aquele que tudo pode! 

2 Reis 4:2: E Eliseu lhe disse: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa.

Veja a disponibilidade de Eliseu. Eliseu estava lá pronto para ajudar a viúva. Ele não a condenou por sua dívida. Em minha opinião, deve ter havido muito tempo antes da viúva ou seu marido ter chegado ao estágio de insolvência. Você certamente não chega a este ponto de um dia para o outro sem, entretanto, tratar muitas coisas de forma errada. Entretanto, o ponto não era o que aconteceu. O que aconteceu, aconteceu. O que conta agora não era o passado, mas que no recente momento ela precisava imediatamente de suporte e para encontrar isso ela procurou o Senhor. Vemos que Eliseu não tentou livra-se dela porque o problema era “muito difícil”. Ele certamente não tem uma solução para o problema dela. Porém, isto não significa que ele não estava disponível para ajudá-la. Ao contrário, sua resposta mostrou que ele estava pronto para ajudar na maneira que ele podia. O verso 2 nos dá a resposta da mulher para a pergunta de Eliseu:

2 Reis 4:2: “E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.”
A viúva estava realmente em grande pobreza. Não havia nada em sua casa além de uma botija de azeite. Obviamente, no seu esforço de livrar-se do débito ela vendeu tudo. Não havia mesa, camas, utensílios de cozinha. A única coisa que tinha sobrado era essa botija de azeite. Contudo, essa botija de azeite era suficiente para Deus trazer libertação para ela. Os versos 3-4 nos dizem: “Então disse ele: Vai, pede emprestadas, de todos os teus vizinhos, vasilhas vazias, não poucas. Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos, e deita o azeite em todas aquelas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia.”

Milagres extraídos daquilo que não é aparente

Uma atitude de fé sempre estará alicerçada na espiritualidade e na sensibilidade (Gl 5.16; Tg 2.18). Essa mulher estava desesperada, com medo de perder seus filhos, por isso, não pôde ver que o pouco azeite daquela botija era a fonte para sanar suas dívidas.

Eliseu pede que aquela mulher corra até seus vizinhos, e lhes peça muitas vasilhas emprestadas para que o azeite daquela pequena botija venha enchê-las. Ela deveria confiar na palavra do profeta e agir por intermédio da fé no que ele disse. A fé também exige uma atitude, uma ação (Hebreus 11:1-6).  A vida cristã pode apresentar muitos contrastes. No caso dessa viúva, ela começa pedindo emprestado algo a alguém, e pedir nunca é fácil (Atos 20:35). Pelo empréstimo conseguido, observa-se que tinha relacionamento e boa convivência com seus vizinhos. Pois, sendo de má índole e sem relacionamentos seu milagre seria embargado. O profeta não fala a quantidade de vasos que ela deveria pedir, esse ato revela a qualidade e o nível daquilo que ela acreditava. Se ela pedisse mil, todos seriam cheios, se pedisse dez, aconteceria o mesmo. O que nos revela esse tipo de ação? Que podemos tanto limitar o milagre quanto ampliá-lo. Nossa fé pode determinar o tamanho do milagre que desejamos ver acontecer em nossas vidas (João 4:50-53 / II Coríntios 5:7). 

A matéria prima necessária para que Deus realize um milagre é o “NADA”. No texto original de Gênesis 1:1, o vocábulo usado para descrever a criação é “Bârâ”, que significa “criar do nada”. Basta apenas um pensamento do Criador para trazer à existência aquilo que jamais antes existiu, mas este método criativo não é utilizado por Deus quando se trata de sua mais preciosa criação: o homem. Deus literalmente colocou a mão na massa na concepção do corpo humano, moldando no barro suas formas e feições. Depois, soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou alma vivente.

O AZEITE DERRAMADO – A HORA DO MILAGRE
"Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos, e deita o azeite em todas aquelas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia. Partiu, pois, dele, e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos; e eles lhe traziam as vasilhas, e ela as enchia.” 2 REIS 4:4-5
Recebida a Palavra da Revelação, devemos agir com fé. A viúva deveria encher as vasilhas a partir da botija de azeite que tinha. Era um milagre, pois o azeite de uma vasilha, indo contra todas as possibilidades, encheu várias outras. Uma botija só poderia encher uma botija. O milagre de Deus é a invasão do sobrenatural no material. A lógica de Deus é outra.
A necessidade do profético em nossos dias

Nós somos uma igreja carente de profetas (não nos referimos ao dom de profecia, que muitos estão manipulando e usando insensatamente). Os profetas veem o futuro, eles têm sensibilidade para penetrar no mundo espiritual e mostrar a realidade do amanhã. Assim é o ministério profético (Ef 4.16). No episódio aqui relatado devemos destacar duas coisas importantes: a visão da mulher e a visão do profeta. “Ela vê a botija de azeite como nada, ele vê como a fonte de tudo o que ela precisa”. Os profetas existem para nos ensinar a usar a ferramenta que temos para seguir adiante. Uma palavra profética pode mudar a nossa vida (Mt 8.8; Lc 7.7). 

Feche a porta para a dúvida

Um fator muito importante na história deste milagre é o que aconteceu após a viúva ter tomado emprestadas as vasilhas vazias de seus vizinhos curiosos. Eliseu lhe disse: 'Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos...' Sempre haverá muitas pessoas para dizer ao contrário. Há os que replicam: 'Os antecedentes são contra isso. Tentamos antes e falhamos'. Há também os que se queixam: 'Não podemos suportar isso'. Eliseu simplesmente insistiu para que ela deixasse de fora os incrédulos, e fechasse os ouvidos para a dúvida.

Os vizinhos que estavam cientes de sua situação talvez fossem levados a pensar que as atitudes eram excêntricas e, com certeza, a  ridicularizariam. Tachariam-na de tola por acreditar em algo tão impossível como que lhe propusera o profeta.
Jesus advertiu: 'Atentai no que ouvis' (Mc 4.24). Ele sabia que agimos e reagimos de acordo com aquilo que ouvimos daqueles que estão à nossa volta. Eliseu também sabia quão rapidamente as sementes de dúvida crescem no solo do desespero e da perversidade humana. Dessa maneira, recomendou à viúva que entrasse em sua casa e fechasse a porta da dúvida.

“O milagre ficava então limitado a tanto quanto fosse a fé dela, pois quanto mais vasos conseguisse, mais puro azeite receberia. Ela seguiu a palavra profética de Deus, através de Eliseu, e o óleo não parou enquanto ainda havia vasos vazios.”

A mulher deitou azeite nos vasos até que os vasos ficaram vazios, mas não a botija de azeite. Precisamos aprender a nos esvaziar de nós mesmos para que o milagre aconteça.
O milagre ilimitado ficou limitado pela quantidade de vasilhas que ela conseguiu. O milagre nunca tem fim, pois a porta que Deus abre ninguém fecha.
PAGUE SUAS DIVIDAS E VIVA DO RESTO – O DIZIMO

Então veio ela, e o fez saber ao homem de Deus; e disse ele: Vai, vende o azeite, e paga a tua dívida; e tu e teus filhos vivei do resto. (verso 7)
Quando falamos da bênção, principalmente da bênção financeira, muitos esquecem-se que tem dividas e querem logo gastar o que conseguiu. Os Shoppings são um grande atrativo quando entra um valor inesperado na conta, mas nós nunca deveremos esquecer que essa mulher só recebeu o milagre porque ela tinha dívidas. Essa viúva precisava saldar as suas contas, de qualquer jeito, senão levariam seus filhos como escravos. Pague primeiro suas contas, quando o milagre financeiro chegar, viva com as contas em ordem e viva do resto. Depois de pagas as contas, o restante use com sabedoria. O milagre era tão grande, que daria para a mulher viver o resto de sua vida sem contas, sem dever a ninguém.

SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ

Deus espera que ajamos com sabedoria em todos os momentos  de nossa existência, sobretudo nas adversidades. O pouco que aquela mulher tinha em casa foi feito  em muito, mas ela precisava ser sábia no tocante ao que fazer com aquele muito que o Senhor lhe dera. Ter recursos em abundância não é suficiente para que solucionemos problemas de escassez. É preciso que saibamos utilizar o que Deus nos deu.///

Pr. Adaylton de Almeida Conceição
Assembleia de Deus Ministério do Belém em Santos
Facebook: adayl manancial

BIBLIOGRAFIA
  • Anastasios Kioulachoglou – Eliseu e a viúva e a sunamita.
  • Eliseu Antonio Gomes - Eliseu aumenta o azeite da viúva.
  • Barnett, Tommy. Há um milagre em sua casa: A solução de Deus começa com o que você tem. 9. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
  • Miquéias Daniel Gomes – Eliseu e o milagre da multiplicação do azeite.
  • Paulo Sergio Larios –Segredos de prosperidade e o azeite da viúva.
http://www.pointrhema.com.br/