SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

10 dezembro 2016

Lição 12 – Salomão: Sabedoria Divina para tomada de decisões






O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; bom entendimento têm todos os que lhe obedecem; o seu louvor permanece para sempre.
Salmos 111.10

A história de Salomão começa com uma crise de sucessão no trono de Israel. Davi, obteve grandes sucessos como guerreiro de grandes batalhas e de ter expandido as fronteiras da nação israelita. Ao longo do seu reinado, Davi acumulou muitas riquezas, visando ao sonho maior de sua vida que era a construção do Templo em Jerusalém, mas não soube administrar bem sua família. Ao chegar à velhice, o reino estava sem o governo pessoal, motivando a luta pelo trono. Já havia perdido alguns filhos, e entre os que restaram estava Adonias, que era o quarto mais velho dos filhos vivos (2 Sm 3.2,3). Ao inteirar-se de que Salomão era o preferido de Davi para assumir o trono, Adonias não acatou a decisão do pai sobre Salomão.
A diferença entre Adonias e Salomão era o fato de que Adonias era vaidoso, ambicioso e gostava de ostentar pompa, sempre acompanhado de uma escolta de soldados do exército israelita montados em cavalos pomposos. Não tinha sensibilidade espiritual, por isso, resolveu aproveitar-se da enfermidade do seu pai para apoderar-se do trono. Pior ainda foi a atitude de um dos mais fiéis aliados de Davi, o comandante Joabe, que juntamente com Abiatar, que era um dos principais sacerdotes no reino, com medo de perder sua posição de comando, apoiou Adonias na sua intenção. Os dois, Joabe e Abiatar, que tiveram uma vida de lealdade para com o rei Davi, deixaram-se persuadir de que Adonias assumiria o trono e eles estariam bem. Traíram a confiança do velho rei. Davi, então, tomou uma atitude e empossou Salomão no seu trono na presença de todo o povo e dos homens leais da corte do reino. Davi reinou sobre Israel por quarenta anos (1025-985 a.C.). O sonho maior da sua vida desde que assumiu o trono de Israel era de estabelecer um lugar fixo para adorar a Deus e construir uma casa de adoração, um grande Templo. Ao chegar aos 70 anos de idade, Davi ficou enfermo. Essa situação criou algumas dificuldades no seu reino, com familiares e com homens da corte. Em meio ao estado de saúde frágil, Davi foi informado de acontecimentos desagradáveis que estavam produzindo um estado de insegurança no trono de Israel. Então ele entendeu que estava chegando a hora da sucessão, e resolveu indicar o seu sucessor. Contrariando a prática comum da sucessão pelos mais velhos nos reinos do mundo, nenhuma lei impedia que Davi fizesse diferente. Desde Absalão, por não ter a atenção do pai, e depois Adonias, ambos tiveram problemas de relacionamento com o pai e criaram situações de conflito achando-se aptos para assumir o trono, mas Deus mostrou a Davi que ele tinha que tomar uma atitude firme para preservar o seu trono até a sucessão daquele que Deus o havia declarado para sucedê-lo. O profeta Natã, que foi orientador espiritual do reino de Davi, procurou a Bate-Seba orientando-a para que lembrasse a Davi, seu marido, que o homem para sucedê-lo era o seu filho Salomão, e assim o fez (1 Rs 1.11-18).
SALOMÃO É EMPOSSADO REI EM MEIO A CRISES
O personagem dessa história é Salomão. Por isso, é ele que destacamos neste capítulo. A atitude de Salomão, nessa primeira fase de sua vida, agradava ao Senhor, porque parecia ser a pessoa certa para administrar a crise do reino de modo temente a Deus. Era uma crise que atingia não só a corte do reino, mas todo o povo estava afetado pela insegurança daquele momento. Em quem confiar? Como fazer para administrar aquela situação para promover a paz no coração do rei e do povo? No caso de Adonias, sua mente estava voltada para si mesmo e como tirar proveito daquela situação para promover-se com traição e egoísmo. Mas Deus, o Senhor de Israel, estava com o cetro de governo na mão. Davi, seu servo, apesar dos erros cometidos, era alguém segundo o seu coração; por isso, Deus não permitiria que houvesse divisão no reino. Davi sabia que seu sucessor seria alguém capaz de manter o reino e glorificar o nome de Jeová.
0 Declínio do Reinado de Davi
A primeira grande crise enfrentada por Salomão foi o declínio da saúde de Davi e tornar-se incapaz de resolver os problemas internos do reino naqueles dias. Davi parecia ter perdido o vigor para continuar a reinar sobre Israel. Um pouco antes de Salomão assumir o trono de Israel, o reino parecia dividido quanto ao sucessor para o trono porque o rei Davi estava fragilizado por lutas internas no reino. O velho rei ficou fragilizado pela enfermidade e pela vulnerabilidade do seu reino, caindo em situação insustentável na corte e com seus próprios filhos.
A Trama de Adonias, Joabe e Abiatar contra Davi e Salomão
Adonias era, naquele contexto, o filho mais velho da casa de Davi e, aproveitando-se da enfermidade do pai, começou a tramar a sucessão sem consultar o pai, atraindo pessoas da corte para apoiá-lo. Se trouxermos essa experiência do reino de Israel e a situação do rei Davi, enfermo e enfraquecido no seu reino, para o contexto da igreja de Cristo hoje, ficaremos assustados com o que acontece. Líderes que envelhecem e perdem a força de governo na igreja acabam criando situações de conflito para a sucessão pastoral. Nossos líderes, às vezes, perdem a noção do seu papel na igreja, e pessoas com intenção egoísticas formam grupos que traem a confiança pastoral gerando mal-estar no seio da igreja. Que o Senhor nos guarde dessas atitudes e que nossos líderes saibam o tempo de passar o bastão para outro pastor.
No declínio momentâneo da realeza, o rei se tornou alvo de traição, mentira e ambição. Adonias sentia-se com direito ao trono e entendeu que o mesmo pertencia a ele por direito. Uma vez que seu pai, o rei Davi, estava enfermo e sem condições de tomar decisões sobre o reino, Adonias achava que deveria assumir de imediato. O problema não era, apenas, a sucessão, mas o oportunismo de um momento frágil do governo do seu pai, em que Adonias imaginava que o grande guerreiro não estivesse lúcido o suficiente para decidir a sucessão. Ele, então, tomaria a iniciativa, independentemente do conhecimento do pai, e assumiria o trono. Era, na verdade, a tentativa de um golpe político que ele armou, procurando conquistar a confiança de líderes do povo, para assumir o trono. Na mente de Deus, o seu desígnio estava estabelecido, e nada mudaria o plano para o futuro de Israel. Mesmo que não entendamos, às vezes, a lógica divina nessas situações, devemos saber e reconhecer que Deus é perfeito em seus pensamentos e o que pensa está acima dos nossos pensamentos e julgamentos.
Davi Entendeu a Vontade de Deus para a Sucessão do seu Trono
Ao ser alertado sobre a trama que estava sendo feita por Adonias, o rei Davi levantou-se do leito de enfermidade e começou a agir. Bom é quando um servo de Deus na liderança se conscientiza do tempo do seu trabalho. Lamentavelmente, muitos líderes se assenhoram do poder e perdem a noção do tempo de Deus em suas vidas e ministérios. De pé e disposto a fazer o que não poderia deixar para depois, Davi chegou à compreensão de que o seu tempo havia chegado ao fim e que era o momento de outro líder assumir o trono. Davi, certamente, teve tempo para refletir sobre tudo o que estava acontecendo e, por isso, tão logo teve conhecimento dos problemas que estavam acontecendo, tomou a iniciativa para entronizar seu filho Salomão no trono de Israel. Davi estava consciente de que não construiria o Templo, mas o seu filho haveria de construí-lo. Durante anos Davi fez tudo quanto pôde para realizar o sonho maior do seu reino, e juntou muito material de construção para a realização do sonho (1 Cr 22.1-5). Davi sabia que Deus não permitiu que Ele realizasse a obra da construção do Templo em Jerusalém porque durante toda a sua vida ele fora um homem de guerra (1 Cr 22.8), mas Deus lhe garantiu que o seu filho Salomão haveria de construir o grande Templo.
Salomão tinha uma índole diferente e não seria homem de guerra, mas seria um homem pacífico, inteligente e conciliador, sendo fiel aos conselhos do pai e com a consciência de ser o homem designado por Deus para construir o grande Templo (1 Cr 22.9,10).
Salomão Foi Conduzido ao Trono de Israel
O rei Davi, confiante na direção de Deus, não titubeou na ação de conduzir Salomão a assentar-se no trono de Israel e proclamá-lo rei de Israel. Diz o relato histórico dessa posse que “Salomão se assentou no trono de Davi, seu pai, e o seu reino se fortificou sobremaneira” (1 Rs 2.12). Davi ainda estava vivo quando deu posse ao trono para Salomão, mas Adonias, ainda insatisfeito, esqueceu-se da salvação que recebera um pouco antes, e tramou algumas situações para tomar o trono de Salomão, porque se achava com direito ao trono e sentia-se traído por seu pai. Então ele aliciou pessoas em todo o reino para o seguirem e fazerem frente a Davi e Salomão. Adonias tramou algumas situações para ganhar o coração e o apoio do povo, aproveitando-se da fragilidade do pai doente. Com astúcia, Adonias conseguiu o apoio de Joabe, o grande general dos exércitos de Israel, e de Abiatar, que era o sumo sacerdote, bem como de Simei, os quais se uniram em apoio à conspiração de Adonias. Em sua cruzada contra Davi e Salomão, Adonias organizou uma grande festa, típica para uma coroação, e fez um grande banquete fora dos muros da cidade para não chamar a atenção. Mas a tentativa de golpe de Adonias foi fracassada e os seus seguidores espalharam-se. Adonias teve que reconhecer que Salomão era o rei e ele deveria submeter-se ao seu reinado. Com medo de ser morto, Adonias, para salvar-se, segurou-se nas pontas do altar da Arca do Concerto (1 Rs 1.49-53). Salomão, que não era sanguinário, ordenou que tirassem a Adonias do lugar onde estava o altar e ordenou que não tocassem em nenhum fim de cabelo de seu irmão.
Adonias Agarrou-se às Pontas do Altar para não Ser Morto
Quando Salomão assumiu o trono, seu pai ainda estava vivo. Adonias, sentindo-se rejeitado e sem entender a direção de Deus, continuou a conspirar contra Salomão. Por causa da sua traição, ele poderia ser morto. Mas, apavorado com a possibilidade de morrer, correu para o Santuário e, chegando lá, “agarrou-se às pontas do altar”, lugar dos sacrifícios a Deus. Era um lugar em que ninguém ousaria cometer uma violência. Por isso, Adonias “pegou das pontas do altar”.
Mas que altar era esse? No Tabernáculo de Israel, havia dois altares apenas. O primeiro ficava no pátio do Tabernáculo, entre a porta de entrada e a porta do Tabernáculo. O primeiro era o altar de sacrifícios e o segundo era o altar de incenso, que ficava no Lugar Santo, espaço para o candelabro (candeeiro, castiçal) e a mesa dos pães da proposição. O altar, que tinha quatro pontas (ou chifres) e era feito com madeira de cetim e coberto com cobre, ficava no pátio onde eram feitos os sacrifícios. Foi nas pontas desse altar que Adonias, no desespero para não morrer, agarrou-se. A simbologia desse altar é a misericórdia e a justiça de Deus. O texto da Bíblia na versão Almeida Revista e Corrigida diz que Adonias foi “e pegou das pontas do altar” (1 Rs 1.50) e assim sua vida foi salva da morte. Adonias tornou-se reincidente na sua ambição pelo trono, mesmo tendo sido liberto da morte ao “agarrar-se nas pontas do altar”. Logo em seguida, continuou conspirando contra Salomão e acabou sendo morto (1 Rs 2.25) e não escapou da traição que fizera Joabe (1 Rs 2.31).
SALOMÃO SUBMETE-SE A DEUS PARA REINAR
Dos quatro filhos que Davi teve em Jerusalém, Salomão foi o quarto filho. Do primeiro filho de Bate-Seba, o rei pagou um preço caríssimo pelo seu pecado, mas Deus o perdoou, mesmo que aquele filho não tenha sobrevivido. Quando nasceu esse segundo filho de Bate-Seba, Davi o chamou Salomão, e diz o texto que “O Senhor o amou” (2 Sm 5.14). Porém, Natã, o profeta, o chamou Jedidias, cujo significado era “amado do Senhor”. Prevaleceu o nome que Davi lhe dera: Salomão (2 Sm 12.24,25).
Nos desígnios divinos, Salomão se tornou o homem que Deus elegeu para ser o futuro rei no lugar de Davi, seu pai. Quando Salomão foi empossado no trono, o reino era grande e forte, porque Davi fez prosperar o reino, ainda que o estilo de governo tenha sido um tanto doméstico, porque ele manteve o modelo patriarcal da vida do povo. Porém, quando Salomão assumiu o reino, estabeleceu um modelo de estado, que passou a ser respeitado pelas nações ao seu redor. 
Ao assumir o reino, Salomão teve a humildade de respeitar a liderança de Davi, ouvindo-lhe sobre o modo de administrar a nação e manter-se fiel ao Senhor de Israel.
Salomão Recebe Conselhos de seu Pai
Antes de sua morte, o velho rei Davi convocou seu filho Salomão para aconselhá-lo e orientá-lo sobre o reino. Não queria que seu filho cometesse os mesmos erros cometidos durante seu reinado. Apesar de algumas fraquezas, Davi não deixou de ser “o homem segundo o coração de Deus”. Ele estava seguro da vontade soberana de Deus naquela transição e sucessão para seu filho Salomão. Por isso, seus últimos conselhos foram fortes, quando instou com Salomão para que fosse fiel e obediente a Deus para dirigir os destinos do seu reinado com prudência e sabedoria. Logo a seguir, Davi morre depois de 40 anos de um reinado de grandes conquistas para Israel, e Salomão dá continuidade a um reinado de prosperidade e bênçãos de Deus.
Salomão Aprendeu a Amar a Deus e Depender dEle
Depois do sepultamento do pai, Salomão buscou ao Senhor para reinar em Israel. O texto bíblico diz que Salomão amava a Deus e, por isso, consciente de sua inexperiência, foi a um dos montes altos chamado Gibeão, onde ficava, também, a Arca da Aliança, para oferecer holocaustos a Deus e receber dEle a sabedoria de que precisava (1 Rs 3.4). Foi no monte Gibeão, numa das noites de preocupação com o reino e como administrá-lo, que Deus falou com Salomão em sonhos. Foi um verdadeiro encontro com Deus. Nesse sonho, Salomão ouviu tudo o que precisava saber, porque o sonho foi um modo especial de Deus falar ele e o novo rei abriu o coração para Deus em oração. Em sua oração, Salomão pediu a Deus sabedoria para poder reinar sobre o povo de Israel. Essa atitude humilde de Salomão agradou a Deus, que se dispôs a fazer muito mais do que o rei estava pedindo. Deus lhe disse: “Pede o que quiseres que te dê” (1 Rs 3.5). O jovem rei, obediente aos conselhos do pai, entendeu que não conseguiria reinar com segurança sem obter sabedoria para saber reinar. 
Salomão Teve o Cuidado Inicial de Honrar o Desejo do Rei Davi
O seu pedido por sabedoria para saber reinar sobre o povo de Israel agradou a Deus, e Salomão partiu não somente para administrar os assuntos da corte, mas para realizar o sonho de seu pai. Uma das primeiras ações de Salomão foi a de absorver o sonho de Davi, seu pai, que era a construção do grande Templo em Jerusalém (1 Rs 3.2-4).
O desejo de Davi era juntar o povo de Israel num só lugar para adorar a Deus. Davi não somente juntou os materiais de construção do grande Templo de Deus, mas visualizou o futuro planejando toda a liturgia que seria realizada no grande Templo. Essa liturgia envolvia o trabalho sacerdotal, o serviço diário dos levitas, as bandas e corais de música e cada coisa própria do Tabernáculo. Portanto, toda a liturgia da vida religiosa de Israel foi organizada e os planos foram entregues a Salomão. A necessidade de congregar o povo num só lugar e a dificuldade do povo e do próprio rei para subir para os montes, especialmente em Gibeão, para sacrificar ao Senhor (1 Rs 3.3,4) fez com que Salomão partisse para a ação. Essa dificuldade vinha desde os tempos anárquicos dos juízes. Por isso, construir uma casa para Deus em lugar fixo era uma necessidade de todo o povo, além de manter a união das famílias e fortalecer o reino de Israel. Esse sonho planejado por Davi foi confiado a Salomão para a sua realização.
Salomão Foi Humilde ao Pedir a Deus Sabedoria para Saber Governar
Todo e qualquer líder da obra de Deus precisa sempre reconhecer que os assuntos cotidianos da vida do povo de Deus precisam ser tratados com graça e sabedoria. Ao assumir o trono de Davi, o jovem rei Salomão sentiu o peso da responsabilidade e, por isso, ao orar a Deus, não pediu riquezas materiais, ou qualquer outra coisa que lhe trouxesse apenas vantagens pessoais. Ele foi humilde diante de Deus e “se considerou menino” para tão grande responsabilidade. Ele pediu sabedoria para saber discernir as várias situações sociais, políticas e espirituais que estariam presentes no seu reino. Ele tinha um espírito reto e, por isso, queria agir com justiça em todas as causas. Em vez da espada, o diálogo e o bom senso. Essa atitude sincera agradou a Deus, confirmada pelo texto bíblico que diz: “E esta palavra pareceu boa aos olhos do Senhor, que Salomão pedisse esta coisa” (1 Rs 3.10). Aprendemos que é bom obter sabedoria e ciência, mas todo conhecimento que pudermos obter no mundo dos homens não é superior à “sabedoria do alto”, porque a sabedoria do alto implica um fluir do Espírito na mente daquele que a usa para glória de Deus.
SALOMÃO DEMONSTRA SUA SABEDORIA PARA EDIFICAR 0 TEMPLO
Israel era, até então, uma nação isolada que pouco se comunicava com as nações próximas. A ideia de ser um povo exclusivo de Deus também desenvolveu uma cultura de exclusivismo, para não correr o risco de influências pagãs no seio do povo de Deus. Mas Salomão, diferentemente do seu pai, entendeu que Israel poderia ser uma nação líder no Médio Oriente, mantendo uma relação amistosa de política e comércio com as mesmas. Naturalmente, ele, com inteligência, fortaleceu seus exércitos e fez das cidades de Israel verdadeiras fortalezas. Todas as rotas de comércio eram bem protegidas e as fronteiras muito bem guarnecidas pelos seus exércitos.
Salomão Usa sua Sabedoria no Trato com as Nações Adjacentes
Em vez de fazer guerras com as nações adjacentes a Israel para conquistar espaço e riqueza como fazia seu pai Davi, Salomão usou de sua sabedoria para abrir o espaço ao diálogo com as nações vizinhas. Como ele precisava de materiais para construir o grande Templo de Jeová, fez acordos políticos de comércio com vários reis das nações adjacentes a Israel. Fez isso com o rei Flirão, na Fenícia, para obter deles a cooperação de matéria-prima, como cedro e pedra especial. A proposta de cooperação entre Salomão e Hirão teria a reciprocidade comercial. O cedro do Líbano era madeira cobiçada pelos reis de todas as nações, e Salomão conseguiu convencer essas nações e seus reis a manter uma relação de paz entre os reinos. Salomão negociou com Hirão uma forma de pagamento justo. As madeiras desejadas eram cedro e faia, ou seja, provavelmente significa cipreste (1 Rs 5.6,8)- Os dois reis, Salomão e Hirão, puseram trabalhadores profissionais em corte de madeira e de pedras para os trabalhos artísticos. Essa relação foi positiva para ambos e demonstra o dedo de Deus orientando a preparação para a grande construção. Precisamos, em nossos tempos modernos, de homens tementes a Deus que saibam defender os interesses do Senhor na vida política, na igreja.
0 Legado Material de Davi para a Construção do Templo
Durante muitos anos, o rei Davi teve o cuidado de acumular muitas riquezas com o objetivo de construir o grande Templo. Nas suas guerras, Davi, pelos direitos internacionais, tomava os despojos das guerras em ouro, prata, cobre, bronze e pedras preciosas e os trazia para Jerusalém (1 Cr 22.14). Essa riqueza acumulada por Davi chegou a totalizar 3.400 toneladas de ouro, 34.000 toneladas de prata e uma grande quantidade de bronze, ferro, madeira e pedras. Juntou muitas pedras preciosas.
Antes de morrer, ao passar o trono para Salomão, Davi entregou toda essa riqueza acumulada de forma pública a Salomão. Davi fez mais, acrescentou seu tesouro pessoal aos materiais acumulados e estimulou os líderes de Israel a contribuírem para o mesmo propósito (1 Cr 29.1-10).
Salomão Construiu o Templo de Deus em Jerusalém
Com as plantas arquitetônicas do Templo entregues por Davi a Salomão, do modo como o Senhor lhe dera (1 Cr 28), Salomão partiu para a ação. Fez a requisição de trabalhadores para a obra da construção e todo o Israel se dispôs a fazer o melhor, porque estava feliz com o reino de Salomão. O que é mais importante acerca de um Templo para servir a Deus é o encontro do povo num lugar fixo para adorá-lo e ter a certeza de que Ele estará presente. Salomão escolheu um lugar que ficava localizado no monte Moriá, que era um lugar onde Davi havia erigido um altar ao Senhor para que cessassem as pragas sobre a terra (2 Sm 24.16-25; 1 Cr 21.15-25). Esse lugar no monte Moriá é, possivelmente, o mesmo lugar onde Abraão tinha oferecido seu filho Isaque em sacrifício (2 Cr 3.1; Gn 22.2). Durante sete anos, com os materiais existentes, Salomão construiu o Templo. O projeto arquitetônico do santuário obedeceu ao princípio e modelo que Deus dera a Moisés para o Tabernáculo. A partir da existência do Templo, o centro da adoração ao Senhor seria fixado em Jerusalém e todas as 12 tribos de Israel viriam a Jerusalém para adorar ao Senhor e oferecer seus sacrifícios.
O Poder da Presença da Arca do Concerto na Vida de Israel
Salomão sabia, por experiência, que a coisa mais importante no Templo seria a presença da Arca da Aliança, aquela Arca feita no tempo de Moisés, que estava no monte Gibão e deveria ser trazida para Jerusalém e ser colocada no Santuário construído, o Lugar Santíssimo. Salomão sabia que a presença da Arca produzia grande gozo no coração do povo. Era o símbolo seguro da presença de Deus. A ausência da Arca significaria derrota espiritual e a não presença de Deus no meio do povo. Em experiência ruim no passado, os filisteus levaram a Arca do Senhor para o templo de Dagon (1 Sm 4.17). A mulher de Finéias, sacerdote em Israel e filho de Eli, estava grávida de um filho e ao ter noticias da morte de seu marido e de terem os filisteus levado a Arca para Asdode, cidade dos filisteus, a mulher de Finéias encurvou-se e deu a luz o filho, o qual chamou-lhe: ICABO, que significa em hebraico: “Foi-se a glória de Deus” (1 Sm 4.19-22). Isto aconteceu, aproximadamente, em 1094 a.C. Entretanto, em 982 a.C., mais de cem anos depois, a situação é outra. A Arca da Aliança havia voltado para o povo de Israel e, com o lugar fixo em Jerusalém, não ficaria mais em lugares provisórios, como em Tabernáculos, mas ficaria no templo construído ao Senhor em Jerusalém, trazendo muita alegria para todos. Na igreja não precisamos de uma Arca, nem de qualquer objeto material para sinalizar a presença de Deus. O Espirito Santo preenche plenamente com sua presença na igreja.
0 Grande Templo É Inaugurado com a Presença da Glória de Deus
Salomão convocou todos os chefes das tribos de Israel e todos os homens e mulheres da corte para o ato inaugural do grande Templo. Todos os utensílios da Casa do Senhor foram trazidos para os devidos locais no Templo, inclusive a Arca da Aliança. Depois de colocada no Lugar Santíssimo, os sacerdotes ofereciam no altar de sacrifícios no pátio do Templo cordeiros e bezerros como oferta de holocausto a Deus em gratidão à grande bênção do Templo.
O Templo não seria apenas um grande edifício, mas seria a Casa de Deus, onde a sua presença seria marcada pela simbologia da Arca da Aliança. Ao ministrarem diante da Arca da Aliança, a glória de Deus desceu sobre aquele lugar na forma de uma nuvem especial que fez todos tremerem mediante a presença inequívoca de Deus. Antes, um pouco, da manifestação gloriosa de Jeová sobre aquele lugar, Salomão trouxe à lembrança toda a história do sonho de seu pai, o rei Davi. O Senhor confirmou sua presença com a glória da nuvem que encheu toda a Casa do Senhor (1 Rs 8.10) e os sacerdotes não podiam manter-se em pé para ministrar por causa da glória de Deus naquele lugar (1 Rs 8.20). Salomão orou a Deus diante do altar do Senhor e intercedeu pelo povo e pela paz e justiça. Depois abençoou o povo, que ofereceu sacrifícios perante a face do Senhor (1 Rs 8.62-64).
SALOMÃO, VENCIDO PELA ARROGÂNCIA
Salomão começou com humildade e dependência de Deus, mas o sucesso de seu reino e a admiração dos reinos adjacentes o fez perder a visão de Deus e a auto depender de sua inteligência. O cuidado que deveria ter em não fazer alianças que trouxessem maus costumes e idolatria para o meio do povo foi abandonado por Salomão. Para obter lucro com as outras nações, ele começou a fazer alianças e trazer para o seu harém muitas mulheres estrangeiras. No capítulo 9 (1 Reis), Deus fez várias advertências quanto à obediência à sua Palavra, tanto para o povo quanto para o rei. Salomão se deixou influenciar por pessoas nas alianças políticas que fez com várias nações. Para tanto, fez do casamento com mulheres desses reinos a ferramenta diplomática para obter concessões. Naquele tempo, os povos de cidades-estado, tribos ou nações faziam alianças e selavam essas alianças políticas dando em casamento uma filha, ou um filho para efetivarem alguma aliança. Salomão perdeu o senso de servo de Deus para os interesses do seu povo e teve muitos casamentos (1 Rs 11.2). Esses casamentos mistos trouxeram para dentro do palácio de Salomão muitos costumes estranhos aos princípios morais e éticos do povo de Israel, além de induzirem Salomão à idolatria e à libertinagem.
Dominado pelo espírito sensual, as muitas esposas e concubinas em seu harém perverteram o seu coração, e Salomão passou a fazer tudo o que elas desejavam. Porém, o pior de tudo isso foi a perversão do seu coração para outros deuses, que o levaram a oferecer sacrifícios e cultos a deuses como Moloque, Milcom e Astarote, permitindo que se fizessem altares a esses deuses (1 Rs 11.5-7). Quando o homem perde o domínio do Espírito na sua vida, torna-se presa fácil do pecado. A apostasia de Salomão o fez se esquecer da fidelidade de seu pai ao Deus de Israel. Mesmo tendo conhecido a misericórdia divina para com a sua vida e ter sido abençoado em seu reino, Salomão perdeu-se ao final de sua vida. Ele não soube se manter fiel ao Senhor. Mas a ira de Deus contra Salomão foi o seu esquecimento das vezes que em que se revelara a ele de modo especial. Por causa do seu pecado de abandono ao Senhor, seu reino, depois de 40 anos, começaria a ruir. Seus filhos o sucederam e não foram melhores que ele. Os adversários perceberam o enfraquecimento do reino de Salomão, e não demorou muito tempo para que invadissem a terra de Deus e fizessem de Israel escravo de outros reis. Logo depois da morte de Salomão, o reino foi invadido e saqueado de suas riquezas. Em 1 Reis 11.41-43 temos o relato da morte de Salomão, que acabou vencido por sua displicência espiritual.
CONCLUSÃO
A lição maior que aprendemos com Salomão é o fato de que não basta começarmos bem, mas precisamos terminar bem. Salomão ignorou as advertências de Deus e não soube guardar a palavra de Deus em seu coração, antes se deixou perverter por uma vida libertina. As consequências seriam inevitáveis. Salomão não soube, ao final de sua vida, manter sua fidelidade aos ditames de Deus. Por isso, para que a glória de Deus seja mantida na nossa vida, devemos corresponder à expectativa divina, sendo fiéis ao Senhor. A superação de crises morais e espirituais é efetivada quando mantemos nossa adoração e fidelidade ao Senhor.
O sábio não é aquele que sabe mais do que os outros; é aquele que descobre em Deus a fonte da sabedoria. 


Read more: http://euvoupraebd.blogspot.com/2016/11/licao-12-salomao-sabedoria-divina-para.html#ixzz4SSyLNXkr
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AS 10 MAIS VISITADAS