SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

04 março 2017

ESCOLA DOMINICAL CPAD - Conteúdo da Lição 10 - Revista CPAD - JOVENS


A missão social da Igreja

5 de Março de 2017


TEXTO DO DIA
“E repartia-se a cada um, segundo a necessidade que cada um tinha” (At 4.35).

SÍNTESE
Por meio de ações sociais, a igreja local pode estender o Reino de Deus socorrendo pessoas e demonstrando o amor de Deus na prática.

TEXTO BÍBLICO

Atos 2.42-46; 4.32-35.

Atos 2
42 — E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.
43 — Em cada alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
44 — Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum.
45 — Vendiam suas propriedades e fazendas e repartiam com todos, segundo cada um tinha necessidade.
46 — E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração.

Atos 4
32 — E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns.
33 — E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça.
34 — Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido e o depositavam aos pés dos apóstolos.
35 — E repartia-se a cada um, segundo a necessidade que cada um tinha.

INTRODUÇÃO
Por missão social da Igreja entendemos a ingerência do Corpo de Cristo nas causas relacionadas ao serviço social, ajudando os necessitados.
A igreja, entre tantos desafios, tem o dever de pregar o Evangelho aos perdidos, e socorrer aqueles que precisam de ajuda, dentro, é claro, de suas possibilidades. Essa é a missão social da Igreja, a de agir em favor dos mais necessitados. Não podemos apenas apresentar o Evangelho aos carentes, mas igualmente colaborar socorrendo-os em suas necessidades.

I. O CUIDADO DE DEUS PARA COM OS POBRES

1. Orientações em relação aos mais necessitados.
Os pobres sempre foram contemplados pelo olhar divino. Tiago comenta: “Ouvi, meus amados irmãos. Porventura, não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?” (Tg 2.5). Isso nos mostra que Deus está atento ao clamor dos necessitados, e espera que nós o representemos diante dessas pessoas, não apenas com uma pregação eloquente, mas com atitudes compatíveis com a nossa fé.

2. A provisão de Deus.
Houve ocasiões em que Deus se utilizou de milagres para socorrer as pessoas. Elias foi sustentado milagrosamente por uma viúva pobre, em Sarepta. Eliseu foi procurado por uma viúva que perderia seus filhos para um credor, e Deus fez um milagre multiplicando o azeite que ela possuía em casa. Boaz, bisavô de Davi, era um homem de recursos em Israel, e orientou Rute a que apanhasse espigas no seu campo. Havia uma ordem de Deus, na lei, sobre o trato para com os pobres na terra prometida: “E, quando segardes a sega da vossa terra, não acabarás de segar os cantos do teu campo, nem colherás as espigas caídas da tua sega; para o pobre e para o estrangeiro as deixarás. Eu sou o SENHOR, vosso Deus” (Lv 23.22). Sendo respeitada, essa ordem equilibraria muitas mazelas sociais e redistribuiria recursos de tal forma que os mais carentes teriam suas necessidades supridas.

3. “Os pobres sempre tereis convosco”.
A presença de pessoas que tem menos recursos que outras sempre foi constante em todas as culturas e em todos os tempos. Mesmo nos países mais desenvolvidos há diferenças nos estratos sociais.
Jesus reconheceu, em certa ocasião, que havia pobreza em seus dias. Ele estava em um jantar em Betânia, e Maria ungiu Jesus com nardo puro, um tipo de perfume bem caro naqueles dias. Naquela ocasião, Judas reclamou que aquele perfume poderia ser vendido e os valores repassados para os pobres, mas não disse isso por ter cuidado com os pobres,“mas porque era ladrão, e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava” (Jo 12.6). A isso Jesus respondeu: “Porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes” (Jo 12.8). Ele não disse isso desrespeitando os pobres, mas valorizando seus últimos momentos antes de ir para a cruz.

Pense!
Deus, em sua Palavra, nos mostra que socorreu pessoas por meio de outras pessoas, e deseja nos usar para fazer o mesmo.

Ponto Importante
Deus sempre está atento ao clamor dos nescessitados.

II. EXEMPLOS DA IGREJA PRIMITIVA

1. A igreja em Jerusalém.
É um exemplo de como o Corpo de Cristo pode auxiliar seus membros. As pessoas necessitadas eram socorridas pela própria igreja, de tal forma que “não havia, pois, entre eles necessitado algum” (At 4.34). Em uma ocasião específica, houve questionamentos entre a partilha de auxílios entre as viúvas. As viúvas gregas reclamaram por serem preteridas em relação às viúvas de procedência judaica na distribuição de ajuda na igreja. Então, Deus orientou os apóstolos a que separassem homens confiáveis e cheios do Espírito Santo para que se dedicassem a esse ministério, surgindo daí os diáconos.

2. Socorrendo os domésticos da fé.
“Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé” (Gl 6.10). Essa orientação de Paulo precisa ser seguida sempre em nossas igrejas. Nossos irmãos, os domésticos da fé, devem ter a prioridade no atendimento em questões sociais na igreja. Evidentemente, a igreja local não deixará de auxiliar pessoas da comunidade e que não pertencem à igreja, e essa é uma forma de evangelismo e demonstração de boas obras. Mas jamais podemos esquecer-nos de nossos irmãos.

Pense!
A Igreja em Jerusalém foi o primeiro exemplo de como Deus se utiliza da generosidade dos servos de Deus para auxiliar outros servos de Deus.

Ponto Importante
Devemos socorrer a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.

III. A FÉ SEM AS OBRAS É MORTA

1. O chamado à prática da misericórdia.
Uma das características das chamadas “Cartas Gerais” são a sua aplicabilidade. Os escritores judeus desta seção do Novo Testamento aparentemente produziam textos menores — se comparados aos textos paulinos — mas textos diretos e contundentes, como os de Tiago, que tratou a respeito do socorro aos necessitados. Para Tiago, e para Deus, “a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma” (Tg 2.17). Se pudermos fazer algo por nossos irmãos e não o fazemos, nossa fé não tem vida, pois o amor que recebemos de Deus deve ser manifesto em obras, e isso inclui cuidar dos irmãos.

2. Agindo de acordo com a nossa fé.
Em uma época como a nossa, em que o país tenta sair de uma forte crise econômica, vemos nas igrejas pessoas que perderam seus empregos, e junto com eles, sua renda e possibilidade de manter suas famílias. Por isso, mais vivo se torna o nosso desafio de, em nome de Deus, representá-lo nessas horas de crise, e tornar seu nome conhecido por atos de misericórdia, que devem ser acompanhados pela pregação da Palavra.

3. Necessidades de nossos dias.
Ações diferenciadas podem ser tomadas em nossas igrejas. Podemos promover cursos de alfabetização para pessoas que não sabem ler. Promover um dia de cidadania, com pequenos serviços gratuitos como medir pressão arterial, cortes de cabelo, atendimento médico e jurídico e atividades infantis, entre outros.
Outras atividades, como visitas a enfermos e a presos podem ser promovidas pela igreja. Estes grupos não foram esquecidos. Jesus disse certa vez que quando visitamos os enfermos e os encarcerados, estamos fazendo essas visitas como se estivéssemos visitando o próprio Senhor.

CONCLUSÃO
Deus nos dá a oportunidade de fazer a diferença na vida de pessoas necessitadas, e socorrê-las em seu nome. Por isso, devemos estar atentos e dispostos, para que a nossa pregação não seja apenas de palavras, mas de atitudes que espelhem o amor de Deus através de nossas mãos.

HORA DA REVISÃO

1. O que é a missão social da igreja?
Por missão social da Igreja entendemos a ingerência do Corpo de Cristo nas causas relacionadas ao serviço social, ajudando os necessitados.

2. No Antigo Testamento Deus se utilizou de que método para socorrer os aflitos?
Houve ocasiões em que Deus se utilizou de milagres para socorrer as pessoas.

3. Sempre teremos necessitados na igreja e no mundo?
Sim. Certa vez, Ele declarou: “Porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes” (Jo 12.8).

4. O que significa socorrer os domésticos da fé?
Significa ajudar nossos irmãos, membros de nossas igrejas, em suas necessidades.

5. Por que a fé sem obras é morta?
Porque nossa fé precisa ser evidenciada mediante nossas obras. Se pudermos fazer algo por nossos irmãos e não o fazemos, nossa fé não tem vida, pois o amor que recebemos de Deus deve ser manifesto em obras, e isso inclui cuidar dos irmãos.
http://marcosandreclubdateologia.blogspot.com.br/