SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Google+ Followers

Marcadores

Aborto ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL Adolecentes Cristão ADOLESCENTES ADPB ADULTÉRIO ADULTOS Agradecimento Aniversario Apologética Cristã Arqueologia As Inquisições Assembleia de Deus Barack Obama Batismos Bíblia Brasil Casamento CGADB Ciência Círculo de Oração CLASSE BERÇARIO CLASSE BERÇÁRIO CLASSE DOS DISCIPULADOS CLASSE DOS DISCIPULANDO CLASSE DOS DISCIPULANDOS CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL CLASSE MATERNAL Congresso CPAD Cruzada Curiosidades Cursos Departamento Infantil Depressão Desaparecido DESENHOS BIBLICOS Desfiles Dia do Pastor Discipulado Divórcio EBD EBO Escatologia Estudantes Estudos Eventos FALECIMENTO Família Filmes Galeria de Fotos Gospel Gratidão a Deus Hinos Antigos História Homenagens Homilética Homoxesualismo Ideologia de Gênero Idolatria Inquisição Islamismo Israel LIção de Vida Louvor Luto Maçonaria Mães Mensagens Ministério Missões MODISMOS Mundo Mundo Cristão MUSICAS EVANGÉLICAS Namoro Cristão Noivados Notícias Obreiros ONU Oração Pneumatologia política PRIMARIOS Psicopedagogia Pureza sexual Realidade Social Reforma Protestante RELIGIÕES Retiro Revista Central Gospel REVISTA CLASSE PRIMARIOS REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA REVISTA CLASSE JUNIORES REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. REVISTA DA CLASSE JOVENS. REVISTA DA CLASSE ADULTOS REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS REVISTA DA CLASSE JUVENIS Revista Maternal Santa Ceia Saúde Seminário Sexualidade Subsídios Subsídios EBD Subsídios EBD Videos Templos Teologia Testemunho TRANSGÊNEROS Utilidade publica UTILIDADE PÚBLICA Vida de Adolecente videos Virgilha

04 março 2017

LIÇÃO 10 - MANSIDÃO: TORNA O CRENTE APTO PARA EVITAR PELEJAS / SUBSÍDIO / REVISTA DA CLASSE ADULTOS



O que é mansidão na linguagem de hoje? O pensamento predominante é que “mansidão” NÃO se traduz como uma qualidade admirável, pois logo se pensa numa pessoa com falta de dinamismo ou de ânimo, falta de força e virilidade. A melhor tradução do original para o português seria “SUAVIDADE”, mas, ainda não expressaria a ideia central dessa virtude. A língua portuguesa não traduz do original (grego) a palavra “PRAUTÊS” com adequada expressão.



O substantivo “PRAUTÊS” é composta do adjetivo “PRAUS” e do verbo “PRAUEIN”, essas palavras formam uma qualidade muito específica. Carrega em si a atmosfera e qualidade de uma pessoa que tem a natureza suavizante, ou seja, palavras que acalmam a pessoa que está em estado de ira, amargura e ressentimento contra a vida. Essa qualidade é usada como unguento que pode aliviar a dor de uma ferida. Também se refere à suavidade no tom da voz daquele que ama, por isso o amor é a base do fruto do Espírito. Resumindo, é o poder de abrandar, acalmar e tranquilizar.


Diz respeito à delicadeza na conduta, especialmente por parte das pessoas que teriam condições de agir de outra maneira. Diz-se também de um cavaleiro que de modo simpático treina e disciplina um cavalo irrequieto. Para Platão essa palavra representa a fineza e cortesia que são a base da sociedade.


“PRAUS”, essa palavra é usada regularmente referindo-se aos animais mansos, que aprenderam a aceitar a disciplina e o controle. Um cavalo que aprendeu a obedecer o freio ou um cachorro treinado para atender à voz de comando. A melhor descrição dessa palavra é o caráter de uma pessoa em que a FORÇA e a DELICADEZA caminham juntas.


A verdade, a mansidão e a justiça capacitam um soberano a prosperar e reinar (Salmos 45.5). As palavras quase chegam a significar que é a cortesia perfeita para com os homens de todas as categorias e posições, é a base de todos os relacionamentos humanos de forma correta.


Em Platão, a melhor ilustração de “PRAUTÊS” é a do cão de guarda que revela hostilidade e valentia aos estranhos e amizade gentil para com os familiares da casa os quais conhece e os ama. O melhor e mais sublime caráter do homem que é verdadeiramente manso é; “aquele que tem ao mesmo tempo impetuosidade e delicadeza nos mais altos graus. Assim, na guerra espiritual devemos ser valentes contra as trevas, mas na comunhão com os nossos irmãos devemos ser amáveis.


Repetidas vezes no AT o manso é o homem que goza do favor especial de Deus. A tal homem Deus revelará os seus segredos. Os mistérios são revelados aos mansos (Eclesiastes 3.19) “Guia os humildes na justiça, e ensina aos mansos o seu caminho” (Salmos 25.9).


Muito comumente no AT fala-se da exaltação dos mansos. Os mansos herdarão a terra (Salmos 37.11). Deus levanta-se em juízo para salvar todos os mansos de coração (Salmos 76.9). O Senhor deleita-se no seu povo, e exaltará os mansos com salvação (Salmos 149.4).


No AT Moisés é o exemplo supremo de mansidão. “Era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra” (Números 12.3). E o Sábio repete esta verdade, dizendo que Deus santificou Moisés em toda a sua fidelidade e mansidão, e escolheu-o dentre todos os homens (Eclesiastes 45.4). Portanto, Moisés é o grande exemplo de mansidão no AT, dessa forma, analisando sua vida saberemos como a mansidão se revela na vida do homem, também revela que a mansidão é indispensável na vida de um líder.


Em o NT o apóstolo Paulo pergunta aos coríntios se querem que ele vá com a vara de castigo ou com amor e espírito de mansidão (1 Coríntios 4.21). O amor Ágape significa a benevolência invencível e a boa vontade inflexível que nunca se transformará em amargura, mas sempre procurará o sumo bem do homem, sem importar-se com o que este fizer. Portanto, há uma conexão entre o amor e a mansidão.


Aplicando essa definição de amor ágape e mansidão, veremos que há ocasião em que as decisões precisam ser tomadas, não conforme o que diz as regras e os regulamentos, mas num espírito que transcende a lei. Há circunstâncias que tornam injusta a aplicação rigorosa da lei, nesse momento a mansidão faz a lei ser esquecida, passando a lidar com os outros não segundo a lei, mas pela misericórdia e amor. Ou seja, a mansidão baseada no amor corrige as falhas da lei e se torna melhor que a lei. Assim foi com a mulher que apresentaram a Jesus por causa do adultério, queriam apedrejá-la conforme a lei, mas a mansidão de Cristo superou a lei.


A mansidão está associada também à modéstia e a humildade. A humildade e a mansidão são características da vocação cristã (Efésios 4.2) “Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,”.


Em contraste com a mansidão temos o castigo severo, o apóstolo Paulo coloca os dois opostos diante dos irmãos de Coríntios, quando pergunta se desejam que ele vá com a severidade da vara do castigo ou com a mansidão e amor (1 Coríntios 4.21). Mansidão é o antônimo da disciplina severa que aplica o castigo exigido pela justiça rigorosa.


A mansidão contrasta-se com o espírito de briga. Nas Epístolas Pastorais o dever do ministro cristão é conclamar todos os homens a não serem alterados, mas a darem provas de cortesia para com todos os homens (Tito 3.2) “Que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda a mansidão para com todos os homens.” Portanto, mansidão é o antônimo de um espírito agressivo que vive em guerra com os homens.


Por isso, mansidão é um dos elementos essenciais da vida cristã. Mansidão é o espírito em que se deve aprender. Os homens devem receber com mansidão a palavra que pode salvar sua alma (Tiago 1.21). Mansidão é o espírito em que o homem conhece a sua própria ignorância e com a qual é suficientemente humilde para saber que não sabe; é o espírito que pode abrir a mente à verdade de Deus e o coração ao amor dELE.


Mansidão é o espírito em que a disciplina deve ser exercitada, e em que as falhas dos outros devem ser corrigidas. O conselho de Paulo é de que se alguém for surpreendido em alguma falta, certamente deve ser corrigido, mas a correção deve ser dada e aplicada em espírito de mansidão (Gálatas 6.1) “Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado.” Quando vemos alguém corrigindo outra pessoa com severidade, sem amor, sem misericórdia, logo percebemos que lhe falta a mansidão que as vezes ela demonstra apenas quando vai corrigir um parente ou amigo chegado.


A correção pode ser administrada de maneira a desencorajar e levar o homem ao desespero; mas se houver mansidão, essa correção pode ser aplicada de maneira a só erguer o homem, tornando-o resoluto no sentido de agir melhor e tentado à esperança de que se comportará melhor. Mansidão é o espírito que faz da correção um estímulo e não um desencorajamento; um meio para chegar à esperança e não uma causa do desespero.


Mansidão é o espírito em que se deve enfrentar a oposição. Nas Epístolas Pastorais o ministro cristão é conclamado a instruir com mansidão os que se opõe a ele (2 Timóteo 2. 25) “Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade,”. Frequentemente encontramo-nos com aqueles que não concordam conosco e que têm diferenças de opinião, naturalmente apresentamos um espírito em que procuramos agredi-los verbalmente até que mudem de opinião.


Mansidão é o espírito que deve permear toda a vida cristã, ela sempre estará presente na vida e conduta do homem sábio (Tiago 3.13) “Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria.” O verdadeiro adorno da vida, precioso aos olhos de Deus e amável aos olhos dos homens é o espírito manso e quieto (1 Pedro 3.4) “Mas o homem encoberto no coração; no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus.”


Mansidão é mais do que alguma coisa delicada e graciosa. É o segredo da conquista e do poder, porque os mansos são bem-aventurados e herdarão a terra (Mateus 5.5). A mansidão faz de um homem rei entre os demais.


Vejamos essa qualidade em Jesus, ELE próprio disse que era manso e humilde de coração (Mateus 11.29). Percebe-se isso quando Jesus entrou triunfante em Jerusalém, nesse momento cumpria-se a profecia: “Eis aí te vem o teu Rei, humilde, montado em jumento” (Zacarias 9.9 e Mateus 21.5). A humildade e mansidão são da própria essência do caráter de Jesus.


Mansidão é a capacidade de suportar repreensões e ofensas com moderação, sem partir rapidamente para a vingança e sem ser facilmente provocado à ira, mas está livre de amargura e contenda, tendo tranquilidade e estabilidade de espírito. Jesus sofreu com os açoites, cuspiram no mestre, crucificaram-o numa cruz, mas ele não mostrou vingança nem rancor, mas disse, PAI perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.


O contrário da mansidão é a ira, por isso, explodir em ira é errado, mas, ser submisso com espírito de escravidão também é errado. Visto, portanto, estes dois extremos de caráter errados, fica claro que o meio termo entre eles é certo, porque não é um gênio precipitado nem lento demais, não fica irado contra pessoas com quem não deve ficar, nem deixa de expressar sua ira contra quem deve. O homem manso é o meio termo entre aquele que é servil e aquele que é severo.


Por isso, vemos Jesus tratar com muito amor os pecadores, mas com severidade os cambista no templo. Para Aristóteles, cada virtude é o meio entre dois extremos. Por um lado está o extremo do excesso e por outro está o extremo da deficiência; porém, entre eles está meio. Para Aristóteles a mansidão é o meio termo entre a ira excessiva e a falta excessiva de ira. O homem manso é aquele que se ira “por motivos justos, contra as pessoas certas, da maneira certa, no momento certo e pelo prazo certo”. Até par irar-se tem o momento certo. No templo Jesus irou-se, porém ficou restrito a pessoas certas, momento certo, tempo certo, não vemos Jesus irando-se contra seus discípulos, nem mesmo contra aquele que o traía, menos ainda contra aqueles que o foram prender. Pedro irou-se na hora errada ao cortar a orelha do soldado, Jesus o corrige com amor e devolveu a orelha ao seu lugar.


Ser manso não é ser uma criatura sem caráter, pois assim como Moisés era um homem que possuía uma combinação de força e suavidade, assim vemos em Jesus e assim devemos ser. O significado radical de manso é o autocontrole, ou seja, é o controle completo da parte impetuosa da nossa natureza. Quando temos mansidão, tratamos todos os homens com cortesia perfeita, podemos repreender sem rancor, podemos debater sem intolerância, podemos enfrentar a verdade sem ressentimento, podemos irar-nos sem pecar e podemos ser mansos sem ser fracos. Mansidão é a virtude na qual nos relacionamos com a nossa própria natureza humana e com o próximo de uma forma perfeita e completa.


Sabendo o que significa essa grande virtude, pergunta-se, “quem poderá atingir esse autocontrole para si e por si mesmo? As explosões de ira rompem-se nas correrias do dia-a-dia e são fortes demais para que a vontade e a razão possam refreá-las. Exatamente por esse motivo que o Espírito de Deus produz esse fruto na vida do cristão. Portanto, mansidão é o poder que mediante o Espírito Santo, faz a força poderosa e explosiva da ira ser aproveitada de forma correta no relacionamento com o próximo e com Deus. Aleluia!


JESUS CRISTO é apresentado na Bíblia como o LEÃO da tribo de Judá, manifesta então sua valentia contra os seus inimigos. Mas também é apresentado como o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, manifesta seu amor para com a humanidade. Jesus é o exemplo perfeito de mansidão. Por isso ELE nos deu o Espírito Santo para nos ensinar a sermos mansos.

Bons estudos e boa aula!

Pr. Ismael Oliveira.
Fonte de consulta, livro “As Obras da Carne e o Fruto do Espírito” de William Barclay.
fonte http://www.escola-dominical.com/