SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (153) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (189) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (401) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (597) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

07 outubro 2017

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 2



Pecado: uma realidade humana
8 de outubro de 2017



Texto Áureo
“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” Rm 3.23


Verdade Aplicada
A realidade do pecado na vida humana e a providência de Deus devem sempre estar presentes em nossa mente.

Textos de Referência.

Romanos 1.28-31
28 E, como eles se não importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convém;
29 Estando cheios de toda iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;
30 Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes ao pai e às mães;
31 Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;

Hinos sugeridos.
139, 291, 467

Introdução
O homem foi criado para relacionar-se com Deus. Porém o pecado ocasionou a separação do homem da comunhão com Deus, trazendo condenação eterna, Apenas Jesus é quem pode livrar o homem desse mal (Lc 19.10).

1. O pecado é mais do que um problema.
Ao afastar-se de Deus, o homem contraiu sobre si mais do que um problema para resolver, pois esse mal tornou insolúvel do ponto de vista humano. Tal foi consequência do pecado na experiência humana que o retorno a Deus dependeria, inicialmente, de uma atitude de graça da parte de Deus (Jo 3.16; Rm 5.8), e de uma resposta humana ao chamado divino. Mas o que é o pecado em si? Vejamos um pouco a respeito.

1.1. Falha para com o propósito divino.
Deus é um Ser com propósitos para Sua criação, e de maneira resumida podemos afirmar que o homem foi criado para o louvor da Sua glória (Ef 1.5-6). Porém, o pecado na vida do homem desviou-lhe dos propósitos divinos, deixando-o totalmente aquém do projeto original (Dn 9.5). Por isso, a Septuaginta (a mais antiga tradução em grego do texto hebreu do Antigo Testamento) e o Novo Testamento grego se utilizam da palavra “harmatia”, que significa: “errar o alvo”. Que quer dizer, falhar para com o propósito original. Isso significa que o homem está errado para com Deus. O grande obstáculo é como encontrar esse caminho de retorno a Deus, pois o pecado passou a afetar o homem na sua inteligência e percepção (Jo 14.6).

1.2. Insensatez.
O homem foi criado para viver segundo a vontade e as leis de Deus; isso é acertar o alvo. Entretanto, o ser humano em seu egoísmo se recusa a viver assim. O pecado, pois consiste numa insensatez, visto que alterou a forma de pensar, de sentir, e de agir do homem. Há muitas palavras que definem o pecado, tanto no grego, pois, embora o pecado se manifeste de várias maneiras, ele não passa de uma inconformidade do homem quanto à vontade de Deus e às Suas leis morais (Pv 10.23). O pecado é, portanto, uma insensatez, uma tolice, uma loucura (Ec 7.25).

1.3. Dívida para com Deus.
Não raro ouvimos que o pecado é algo que desagrada a Deus, e desagradá-Lo significa estar fora tanto de Seus projetos, quanto de Suas bênçãos. O pecado é uma dívida, uma ofensa, por isso, é mais que um desagrado, é uma ofensa direta ao padrão moral e santo de Deus (Rm 5.16, 20). Os nossos relacionamentos comuns são baseados em créditos e débitos, logo, quando ofendemos alguém contraímos uma dívida para com aquela pessoa e com quem a criou, Deus. Encontramos várias demonstrações nas Escrituras sobre o pecado como dívida: na oração dominical, nas parábolas de Jesus e nos termos paulinos, como redenção e remissão (Mt 6.12; 18.23-34; Ef 1.7).

2. As consequências do pecado.
O pecado é nocivo, e traz dores e consequências destrutivas para toda a humanidade . É como um vírus letal que contagia internamente e se expande por onde passa. Dentre as mais diversas consequências, destacaremos três:

2.1. A perda da comunhão.
Segundo John Piper, o pecado afugenta a glória de Deus das nossas vidas. Ele afirma que todo o pecado é um desprezo a Deus, antes mesmo de ser um dano ao homem. O pecado é a preferência pelos prazeres passageiros do mundo ao invés da alegria perpétua do companheirismo de Deus (Rm 3.23). O que significa ter perdido a comunhão com Deus? Categoricamente, se o pecado gerou a morte para o homem desconectado de Deus, podemos afirmar que a comunhão é a vida da alma (Cl 2.13). Enquanto o pecado tende a nos afastar a cada instante de uma vida plena, de paz e de progressivas conquistas, a comunhão com Deus nos encaminhará a uma experiência diária, motivadora e contagiante.

2.2. O vazio existencial.
Jesus disse: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” (Mt 11.28). Esse é o perfil da humanidade sem Deus: “cansados e oprimidos”. Mesmo com todo o sucesso e conquista que o ser humano possa alcançar, haverá sempre um vazio na alma daquele que ainda não está em comunhão com Deus. Como disse Agostinho: “Fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração, enquanto não repousa em ti”. Jesus Cristo é o único que pode preencher esse vazio, trazer descanso para a alma e fazer o homem retornar a Deus (Mt 11.28-29).

2.3. A morte.
A morte é consequência irrefutável do pecado. O apóstolo Paulo diz que ela é o prêmio, a recompensa de uma vida de pecado (Rm 6.23). A morte traz consigo uma ideia de separação. Como disse Platão: “A morte é a separação da alma do corpo”. Enganado pela serpente, o homem desconsiderou a seriedade da advertência divina e assim desobedeceu. Evidentemente, o homem não caiu fulminado quando desobedeceu, mas o pecado desencadeou o processo de separação espiritual de Deus. Uma consequência inevitável do pecado é a perda da comunhão com Deus. O salário do qual Paulo nos alerta será acrescido no dia da prestação de contas, quando os pecadores irão se deparar com o lago de fogo, e, finalmente, a morte eterna (Ap 20.14-15).

3. Como libertar-se do pecado.
Fomos criados para louvor e glória de Deus. Porém, após a queda, o ser humano tornou-se escravo do pecado. Notar a advertência de deus para Caim: “o pecado quer te dominar” (Gn 4.7); e a observação quanto à situação da humanidade (Gn 6.5). Por isso, a mensagem de libertação anunciada por Jesus Cristo (Jo 8.32-36).

3.1. A necessidade de um libertador.
O pecado vai além da dívida e ofensa ao Criador. O pecado tornou-se um mau senhor do homem, escravizando-o e maltratando-o. O próprio corpo do homem tornou-se um instrumento para o seu serviço, por isso, Paulo o chama de; “corpo do pecado” (Rm 6.6). O homem necessita de um libertador que venha destruir o domínio do pecado e apagar todas as ofensas. Este libertador é Jesus Cristo, aquele que morreu e ressuscitou (Rm 5.15). Uma vez crendo de todo o coração que Jesus Cristo morreu e ressuscitou dentre os mortos, e isso confessando sinceramente com a boca, o pecador alcança a salvação (Rm 10.9).

3.2. A necessidade de arrependimento.
Simultaneamente, ao reconhecer a Jesus Cristo, o pecador deve arrepender-se de seus pecados (At 19.18; Rm 10.10). A salvação é impossível sem o arrependimento das obras mortas. O próprio Senhor Jesus pregou acerca do arrependimento em Seus ministério. Arrependimento significa mudança de pensamento, sentimento e atitudes. O verdadeiro arrependimento ocorre como resposta humana ao anuncio da Palavra de Deus e da ação do Espírito Santo (At 2.37-38; Jo 16.9).

3.3. A necessidade de andar em Espírito.
Enquanto estivermos neste mundo, teremos que lidar com a inclinação da natureza humana, ainda presente em nosso dia a dia. Fomos libertos do poder do pecado. Com o novo nascimento, não somos mais escravos do pecado. Porém, ainda existe a possibilidade de pecar. Por isso, as recomendações bíblicas em Gálatas 5.16 e Colossenses 3.5. Ainda estamos sujeitos às tentações. É necessário constante vigilância e oração.

Conclusão.
Quanto maior for a compreensão da doutrina do pecado, maior será a nossa compreensão da obra redentora de Jesus Cristo. Mais conscientes estaremos da nossa completa dependência da graça de Deus para a nossa reconciliação com o Senhor. Seja o nosso sincero desejo: “não nos induza a tentação” (Mt 6.13).

Questionário.

1. Qual é o perfil da humanidade sem Deus?

2. Qual é o único que pode trazer descanso para a alma e fazer o homem retornar a Deus?

3. O que apóstolo Paulo diz sobre a morte?

4. O que Jesus anunciou?

5. Como ocorre o verdadeiro arrependimento?
fonte marcosandreclubdateologia.blogspot.com.br

LIÇÃO 05 - A INSTITUIÇÃO DA MONARQUIA EM ISRAEL / SUBSÍDIOS / CLASSE ADULTOS

Apresentado pelo Comentarista das Revistas Lições Bíblicas Adultos da CPAD, pastor Osiel Gomes