SEJÁ VOCÊ TAMBÉM UM SEGUIDOR

Marcadores

Aborto (11) ACONSELHAMENTO PRÉ-MATRIMÓNIAL (5) Adolecentes Cristão (2) ADPB (1) ADULTÉRIO (2) Agradecimento (1) Aniversario (10) Apologética Cristã (10) Arqueologia (1) As Inquisições (1) Assembleia de Deus (5) Barack Obama (2) Batismos (29) Bíblia (3) Brasil (48) Casamento (25) CGADB (19) Ciência (6) Círculo de Oração (5) CLASSE BERÇÁRIO (26) CLASSE DOS DISCIPULANDOS (55) CLASSE JOVENS E ADULTOS CENTRAL GOSPEL (73) CLASSE JOVENS E ADULTOS BETEL (153) CLASSE MATERNAL (104) Congresso (49) CPAD (6) Cruzada (3) Curiosidades (3) Cursos (3) Departamento Infantil (5) Depressão (2) Desaparecido (4) DESENHOS BIBLICOS (1) Desfiles (3) Dia do Pastor (4) Discipulado (64) Divórcio (4) EBD (20) EBO (21) Escatologia (2) Estudantes (2) Estudos (506) Eventos (118) FALECIMENTO (5) Família (16) Filmes (18) Galeria de Fotos (12) Gospel (285) Gratidão a Deus (1) Hinos Antigos (3) História (4) Homenagens (3) Homilética (4) Homoxesualismo (3) Ideologia de Gênero (12) Idolatria (3) Inquisição (2) Islamismo (10) Israel (18) JARDIM DA INFANCIA (7) LIção de Vida (2) Louvor (1) Luto (42) Maçonaria (3) Mães (3) Mensagens (56) Ministério (34) Missões (148) MODISMOS (2) Mundo (610) Mundo Cristão (178) MUSICAS EVANGÉLICAS (3) Namoro Cristão (8) Noivados (1) Notícias (3155) Obreiros (9) ONU (4) Oração (1) Pneumatologia (1) política (121) Psicopedagogia (3) Pureza sexual (8) Realidade Social (17) Reforma Protestante (4) RELIGIÕES (3) Retiro (4) REVISTA BETEL JOVENS (1) Revista Central Gospel (1) REVISTA CLASSE PRIMARIOS (230) REVISTA CLASSE DOS PRE-ADOLESCENTES (267) REVISTA CLASSE DOS ADOLESCENTES (280) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFANCIA (111) REVISTA CLASSE JARDIM DA INFÂNCIA (111) REVISTA CLASSE JUNIORES (243) REVISTA DA CLASSE JOVENS CPAD. (189) REVISTA DA CLASSE JOVENS. (319) REVISTA DA CLASSE ADULTOS (872) REVISTA DA CLASSE JOVENS E ADULTOS (401) REVISTA DA CLASSE JUVENIS (262) Revista Maternal (63) Santa Ceia (3) Saúde (45) Seminário (4) Sexualidade (7) Subsídios (1507) Subsídios EBD (1900) Subsídios EBD Videos (597) Templos (3) Teologia (5) Testemunho (1) TRANSGÊNEROS (2) Utilidade publica (1) UTILIDADE PÚBLICA (2) Vida de Adolecente (5) videos (106) Virgilha (1)

27 julho 2011

LIÇÃO 5 – O REINO DE DEUS ATRAVÉS DA IGREJA

3º Trim. 2011 - A Missão integral da Igreja: LIÇÃO 5 – O REINO DE DEUS ATRAVÉS DA IGREJA


                                               A Igreja é a agência do reino de Deus sobre a face da Terra.
INTRODUÇÃO
- A Igreja é o povo escolhido por Deus para, nesta dispensação, levar o reino de Deus à humanidade.
A Igreja é, portanto, a principal forma de o reino de Deus se manifestar entre os homens na atualidade.

I – O REINO DE DEUS REJEITADO POR GENTIOS E POR JUDEUS
- Já dissemos que “o reino de Deus” é, num determinado sentido, o próprio domínio de Deus sobre toda a Sua criação. Quando da criação do homem, como também já tivemos oportunidade de estudar, o Senhor deu ao homem a administração de toda a criação terrena, o que se denominou de “comissão cultural” (Gn.1:26,28).
- O homem, criado à imagem e semelhança de Deus, portanto, assumiu uma posição relevante no “reino de Deus”, a de “mordomo”, mas tal posição era condicional à obediência ao Senhor, tanto que não deveria comer do fruto da árvore da ciência do bem e do mal (Gn.2:16,17).
- Tendo desobedecido ao Senhor, o primeiro casal foi expulso do jardim do Éden e teve seu acesso à árvore da vida, símbolo da comunhão com o Senhor, vedado (Gn.3:22-24).
- Fora da comunhão com o Senhor, Deus não abandonou o homem, tanto que atentou para as ofertas que Lhe foram trazidas tanto por Abel quanto por Caim, tendo aceito a oferta de Abel, o primeiro justo (Hb.11:4) e recusado a de Caim, a quem, inclusive, advertiu para que não se deixasse dominar pelo pecado (Gn.4:7).
- No entanto, Caim saiu da presença de Deus (Gn.4:16,17), construindo uma civilização que não temia a Deus, que se fez independentemente do Senhor e que chegou, inclusive, a conquistar os corações e mentes dos descendentes de Sete (Gn.6:1-8), levando o Senhor a destruir o mundo com o dilúvio, com a exceção da família de Noé.
- Após o dilúvio, Deus fez um pacto com Noé, querendo, uma vez mais, estabelecer o Seu reino sobre a humanidade (Gn.9:1-17), mas os descendentes de Noé cedo se distanciaram do plano divino, construindo para si um outro governo, liderado por Ninrode (Gn.10:8-10). Diante desta recusa de se submeterem ao Senhor, recusa esta cristalizada pela construção da torre em Babel, Deus espalhou aquela comunidade pela terra, dando origem a todas as nações, aos gentios, que, como se vê, rejeitaram o reino de Deus (Gn.11:1-9).
Diante da rejeição dos gentios ao “reino de Deus”, o Senhor, então, passou a formar um novo povo, que teria a missão, a tarefa de trazer o Seu reino para a humanidade. Assim, chama Abrão, a fim de que dele se formasse uma grande nação, na qual seriam benditas todas as famílias da Terra (Gn.12:1-3).
Esta nação foi a nação de Israel, a quem o Senhor, no monte Sinai, propôs uma aliança, mediante a qual Israel seria um reino sacerdotal, uma propriedade peculiar de Deus entre os povos, com a missão precípua de trazer o “reino de Deus” para toda a humanidade (Ex.19:1-8).
- No entanto, apesar de terem aceito a proposta divina e terem recebido a lei, inclusive com derramamento de sangue de animais (Ex.24:3-8), cedo os israelitas também rejeitaram “o reino de Deus”, adorando o bezerro de ouro, início de uma série de episódios que levou Israel, por fim, a rejeitar o Messias, o próprio rei que estabeleceria “o reino de Deus” (Ex.32:34; Lc.19:41,42; Jo.1:11; 5:43).
Os israelitas, portanto, a exemplo dos gentios, também rejeitaram “o reino de Deus”, que havia sido pregado explicitamente tanto por João Batista (Mt.3:1,2) como pelo próprio Senhor Jesus (Mc.1:15).
Recusada a oferta do “reino de Deus” tanto por gentios, quanto por judeus, era preciso que se formasse um novo povo que fosse a agência do reino de Deus sobre a face da Terra. “Agência”, como ensinam os lexicógrafos (ou seja, os autores de dicionários), é “capacidade de agir, de se desincumbir de uma tarefa”, “estabelecimento que, mediante retribuição, se destina a prestar serviços”, “organismo”, “sucursal de repartição”.
- A fim de trazer as bênçãos, alianças e promessas que Deus quer dar aos homens, era preciso constituir um novo povo, já que gentios e judeus haviam se recusado a prestar serviços ao Senhor, a serem servos do Senhor, a levar “o reino de Deus” aos homens.
Este novo povo foi fundado por Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que o revelou logo após a famosa “declaração de Cesareia” em que Pedro, revelado pelo Pai, disse ao Senhor que Ele era o Cristo, o Filho do Deus vivo (Mt.16:16-19), tendo o Senhor dito que sobre Ele próprio, o Cristo, edificaria a Sua igreja e as portas do inferno não prevaleceriam contra ela.
- Este “reino de Deus”, no entanto, não se apresentaria, como esperavam os judeus, com aparência exterior, com domínio político, mas, como disse Jesus logo em seguida à revelação da Igreja, mediante o sofrimento, morte e ressurreição do Senhor (Mt.16:21). Tal se daria, também, com relação aos discípulos do Senhor (Jo.15:18-21).
- A Igreja é a nova nação, formada tanto por judeus quanto por gentios (Ef.2:11-22), nação a quem foi dado “o reino de Deus” (Mt.21:42,43). Por isso, o Senhor Jesus disse aos fariseus que “o reino de Deus estaria entre eles” (Lc.17:20,21).
II – A IGREJA MANIFESTA O REINO DE DEUS PELA PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
A Igreja, como temos visto, é a “agência do reino de Deus” sobre a face da Terra, ou seja, é ela que é incumbida de levar “o reino de Deus” para a humanidade, de mostrá-lo aos homens.

- Jesus, ao pregar o Evangelho do reino de Deus, disse que “o reino de Deus estava próximo” e que, por isso, era preciso arrepender-se dos pecados e crer no Evangelho (Mc.1:15).
- Como “corpo de Cristo” (I Co.12:27), ou seja, como continuadora da obra de Cristo em Seu ministério terreno, a Igreja tem de prosseguir a pregação do Evangelho do reino de Deus. Assim, em primeiro lugar, a Igreja manifesta “o reino de Deus”, mostra “o reino de Deus” através da proclamação do Evangelho, ou seja, utilizando-se da palavra grega constante do Novo Testamento, do “kerygma” (κήρυγμα) (cfr., v.g., Rm.16:25).
- A Igreja é chamada de “coluna e firmeza da verdade” (I Tm.2:15), porque deve sustentar e ser a legítima anunciadora da Palavra de Deus sobre a face da Terra. Num mundo onde a iniquidade aumenta a cada dia (Mt.24:12), num mundo onde há corrupção geral e cada vez maior do gênero humano (Rm.1:18-32), cabe à Igreja a difícil tarefa de anunciar a Verdade, de mostrar ao mundo a Palavra de Deus, resplandecendo como astro no meio de uma geração corrompida e perversa (Fp.2:15).
- A Igreja é dita formada de “ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus” (I Co.4:1) e a própria Igreja é chamada de “mistério de Cristo, o qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos Seus santos apóstolos e profetas” (Ef.3:4,5). Aliás, nem mesmo os homens de Deus do passado tiveram condições de perceber, em toda a plenitude, a revelação que se deu à Igreja (Hb.11:39,40; I Pe.1:10-12).
- A Bíblia On-line da Sociedade Bíblica do Brasil traz três definições de “mistério” que, por sua oportunidade e adequação, merecem ser analisadas aqui. A primeira é “segredo desconhecido até que seja manifestado por Deus por algum meio”. Sem dúvida alguma, somente a Igreja pode apresentar ao mundo os segredos divinos, todos eles, aliás, que se fizeram conhecidos através de Jesus Cristo (Jo.15:15). Deus só revela os Seus segredos aos Seus servos, os profetas (Am.3:7), motivo por que somente quem tem o Espírito de Deus, somente o povo adquirido pelo Senhor é quem pode anunciar a Verdade, revelar o que esteve oculto noutros séculos.
- A segunda definição de “mistério” é “o plano de Deus revelado no evangelho para a salvação de toda a humanidade”. O Evangelho é apresentado como um “mistério” que incumbe tão somente à Igreja pregar. O Evangelho é chamado de “mistério” (Rm.16:25; Ef.6:19; Cl.1:25-29; I Tm.3:9). A pregação do Evangelho, portanto, é um dos aspectos da revelação deste mistério.
- A terceira definição de “mistério”, na Bíblia On-line é “o conhecimento secreto que só Deus pode tornar conhecido”, algo que diz respeito ao exercício dos dons ministerial e espiritual da profecia e que é peculiar e particular a um determinado indivíduo ou a um grupo de indivíduos, que tem como finalidade a orientação e a demonstração cotidiana da onisciência divina ao Seu povo (cfr. Ap.1:20).
- Quando temos a noção de que a Palavra de Deus que devemos anunciar é um mistério, ou seja, algo que não é capaz de ser percebido pela mente humana sem a revelação divina, sem a operação do Espírito Santo, passamos a perceber que a Igreja é apenas o instrumento desta revelação, que é feita pelo próprio Deus, através da Pessoa do Espírito Santo, que dirige a Igreja e a faz se lembrar de tudo quanto foi anunciado pelo Senhor Jesus (Jo.14:26). O dever da Igreja é proclamar a Palavra, mas ela não o faz de “per se”, ou seja, ela não proclama a Palavra porque seja  “a dona da verdade” nem tampouco por sua própria sabedoria ou capacidade, mas sob a direção do Espírito Santo, segundo as Escrituras, conforme a revelação divina, que atingiu em Cristo o seu ponto máximo e insuperável (Hb.1:1-3).
- A Igreja, portanto, enquanto corpo de Cristo, não é senão o “depósito”, a “despensa” da Verdade, que é o próprio Cristo. Por isso, nenhuma “Tradição” ou “Magistério” da Igreja pode se sobrepor ou se equiparar às Escrituras. A Igreja deve tão somente transmitir a Palavra, explicá-la, expô-la, pois são os “mistérios de Deus”, que foram trazidos ao nosso conhecimento pela graça e misericórdia divinas.
- É, pois, com profunda tristeza quando vemos que, em muitas igrejas locais, em vez de anunciar a Palavra, de nela se aprofundar e nela meditar de dia e de noite, vemos que muitos crentes têm preferido contender, discutir, debater e, não raras vezes, lutar contra a Palavra. Não é para isto que existe a Igreja. A Igreja deve fugir dos debates intermináveis, das dificuldades bíblicas infindáveis, das porfias e querelas escriturísticas, para não falar das intermináveis polêmicas a respeito de usos e costumes, pois tal comportamento é um desvio de conduta, uma subversão do objetivo estabelecido pelo Senhor para a Sua Igreja, até porque, segundo nos ensina o apóstolo Paulo, a entrega a vãs contendas é fruto de uma vida espiritual enferma e reprovável (I Tm.1:3-7).
- A primeira tarefa da Igreja como agência do reino de Deus sobre a face da Terraestá, precisamente, na pregação do Evangelho ao mundo, na tarefa da evangelização. A evangelização é a missão fundamental da Igreja. A pregação do Evangelho é uma responsabilidade que a Igreja tem diante de seu Senhor, que não só a determinou, em caráter imperativo (Mc.16:15), como também a efetuou em Seu ministério terreno (Mc.1:15).
OBS: O Código Canônico da Igreja Romana, em seu cânon 225,§ 1º traz uma afirmação que deveria ruborizar a genuína e autêntica Igreja. Ali se diz que “…todos os fiéis(…) têm obrigação geral e gozam do direito de trabalhar para que o anúncio divino da salvação seja conhecido e aceito por todos os homens, em todo o mundo: esta obrigação é tanto mais premente naquelas circunstâncias em que somente através deles os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo.”
- Para que não houvesse qualquer dúvida a respeito de qual seria o papel da Igreja, ainda mesmo de seu estabelecimento na Terra, Jesus bem mostrou aos Seus discípulos qual era o papel destinado aos Seus seguidores. Ainda cumprindo o desiderato divino de anunciar a salvação ao povo judeu (Jo.1:11a), Jesus, a fim de atingir a todas as aldeias e povoados da nação israelita na Palestina, destacou setenta discípulos, de dois em dois, para pregar o evangelho (Lc.10:1-24), mostrando, assim, que a tarefa primordial daqueles que O serviam era o de levar a mensagem das boas-novas de salvação, que era o que denominou de “a obra do Senhor” (Lc.10:1,2).
- Depois de ter consumado a obra da redenção do homem no Calvário (Jo.19:30), sacrifício aceito pelo Pai como nos prova a ressurreição(At.3:25,26; 13:29,20), Jesus, após ter passado quarenta dias dando prova da Sua ressurreição aos discípulos e falado a respeito do reino de Deus (At.1:3), explicitamente determinou qual seria a tarefa principal da Igreja. Mandou que o evangelho fosse pregado por todo o mundo a toda a criatura (Mc.16:15), uma ordem que estabeleceu um verdadeiro dever a todo cristão, a ponto de o apóstolo Paulo ter exclamado: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho!”(II Co.9:16).
- Esta ordem de Jesus, registrada por Marcos, foi proferida quando Jesus apareceu aos onze, depois de ter lançado a incredulidade de Tomé, oito dias depois da ressurreição (Mc.16:15 c.c. Jo.20:26-29), sendo, portanto, um dos assuntos referentes ao “reino de Deus” (cfr. At.1:3).

- A ordem do Senhor é para que se pregue o Evangelho. Mas o que é pregar? A palavra grega é “ekeryxthen” (έκηρυχθην), cujo significado é “anunciar”, “proclamar”, “publicar”, “tornar público”. É interessante verificar que a própria palavra portuguesa “pregar” vem de “praedico”, em latim, que significa “dizer antes, antecipadamente, em primeira mão” e é por isso que a própria palavra “anunciar” tem também esta conotação de “dar a notícia antes”. A palavra “arauto”, que também tem este significado de “anunciador solene”, era o “comandante das forças armadas”, ou seja, aquele que trazia a “boa nova” da vitória do exército no campo de batalha ao povo que havia ficado em seus lares.
- “Pregar o evangelho”, portanto, não é apenas fazer um sermão, uma exposição da Palavra de Deus a um grupo de ouvintes, com eloquência, com unção do Espírito Santo. Isto também é pregar, mas não é esta a única forma que se tem para pregar o Evangelho, nem a só a isto que Jesus Se refere na “Grande Comissão”. Como sabemos, a tarefa do “ministério da Palavra” era, na igreja primitiva, dos apóstolos (At.6:4), mas, como vimos também, não foi só a eles que o Senhor determinou que se pregasse o Evangelho.
- “Pregar o evangelho” é, antes de mais nada, mostrar antecipadamente o Cristo, de forma adiantada, antes que se exponham os meandros da doutrina bíblica, antes que se mostre quem é Jesus nas Escrituras, que d’Ele testificam (Jo.5:39). Mas como podemos mostrar Jesus antes que O mostremos na Bíblia Sagrada? Através de nossas próprias vidas! O povo de Antioquia, ao ouvir a mensagem do Evangelho, começou a chamar os discípulos de cristãos, porque, ao compararem o modo de vida de cada crente com o que era mostrado nas Escrituras, descobriram que os crentes daquela igreja eram “parecidos com Cristo”, ou seja, eram “cristãos”.
- O que é “evangelho”? São as boas-novas, é a boa notícia, é a boa mensagem. Que mensagem? A mesma mensagem que Jesus pregou, ou seja, de que o tempo está cumprido e que o reino de Deus chegou, ou seja, que Jesus salva o homem e o liberta do pecado, pondo-o, novamente, em comunhão com Deus e lhe assegurando a vida eterna. Evangelização é o anúncio do Evangelho, é o anúncio de que Jesus salva, cura, batiza com o Espírito Santo e leva para o céu. Era esta a mensagem que era pregada pelos apóstolos, aqueles que receberam diretamente a “Grande Comissão” (At.2:22-36; 3:13-26; 5:40-42; 6:14; 8:5,35; 9:20; 10:37,38; 11:20; 13:26-41).
- A Igreja deve pregar o Evangelho, deve pregar a Cristo. O seu assunto é a salvação do homem na pessoa de Jesus Cristo. É para isto que existe a Igreja, isto é que é evangelização. Não devemos nos perder em discussões inúteis e que não trazem proveito algum (I Tm.1:4-7; 6:3,5), mas não perdermos o foco, o alvo da Igreja que é o de pregar a Cristo Jesus. O Senhor nos mandou pregar o Evangelho e não ficar discutindo filigranas doutrinário-teológicas ou nos perdendo em interpretações de aspectos absolutamente secundários das Escrituras, quando não de questões relacionadas com a cultura. “Pregai o Evangelho”, diz o Senhor, é esta a função da Igreja, nada mais, nada menos que isto.

A proclamação do Evangelho envolve a pregação, mas não se esgota nela. Como afirma o teólogo peruano Samuel Escobar Aguirre (1934- ), um dos grandes nomes da chamada “teologia da missão integral”: “…seguindo a teologia evangélica, devemos afirmar que a evangelização é uma das tarefas da Igreja, que não é única tarefa da Igreja, e que não termina com a proclamação.A compreensão da evangelização como tarefa central não nos deve levar a fechar os olhos às outras tarefas urgentes: o ensino de ‘todo o desígnio de Deus’, visando a que os crentes progridam na direção da ‘maturidade em Cristo’; o culto corporativo como expressão da comunhão em Cristo; o serviço mútuo; e o cultivo daquele tipo de relação que faz a comunidade cristã uma expressão visível da ação do espírito nas vidas dos homens. Quer dizer: Marturia, Koinonia e Diaconia. A Igreja é mais que uma proclamadora esperta na comunicação de conteúdos mentais: é a expressão visível da verdade que proclama.…” (A responsabilidade social da Igreja. Disponível em: http://www.projetoverdade.com.br/estudos/aprioridadedaevangelizacao.htmAcesso em 14 jun. 2011).
III – A IGREJA MANIFESTA O REINO DE DEUS PELA FRUTIFICAÇÃO
- Quando o Senhor Jesus anunciou que a uma nova nação seria dado “o reino de Deus”, imediatamente afirmou que esta “nova nação” “daria os seus frutos” (Mt.21:43), tendo, nas últimas instruções aos discípulos, reiterado esta realidade, ao mostrar-lhes que haviam sido nomeados para ir e dar fruto, e fruto permanente (Jo.15:16). O apóstolo Paulo, também, coloca a frutificação como finalidade de pertencermos ao corpo de Cristo (Rm.7:4).


- Esta frutificação, como já vimos na lição 4, é a restauração da “comissão cultural” dada por Deus à humanidade, pois o homem foi feito para produzir o fruto do Espírito Santo (Gl.5:22). Não é por outro motivo que o Senhor Jesus disse que reconheceríamos os verdadeiros servos Seus dos falsos mediante os frutos produzidos (Mt.7:15-20).
- A característica da Igreja é a de produzir o fruto do Espírito Santo, que nada mais são que boas obras, pois as boas obras foram criadas para que a Igreja andasse nelas (Ef.2:10). Por isso, Tiago, o irmão do Senhor, foi claro ao afirmar que a fé sem obras é morta, ou seja, provamos ter fé em Cristo Jesus quando produzimos boas obras (Tg.2:14-26).
A melhor e mais impressionante forma de pregarmos o Evangelho é vivermos de acordo com o Evangelho, é termos uma vida sincera e irrepreensível diante de Deus e dos homens. Paulo dizia que confessava ser cristão, mas podia fazê-lo porque procurava ter uma consciência sem ofensa diante de Deus e dos homens (At.24:16), repetindo, assim, a mesma conduta de seu Senhor (Lc.2:52; Jo.8:46a). Por isso, não é exato dizer que todo cristão foi dotado da eloquência para pregar em um púlpito para uma multidão ou, mesmo, para tomar a iniciativa de pregar a uma pessoa a ser por ele abordada na sua casa, no local de trabalho ou na escola. Mas todo cristão precisa, em sua vida, antecipadamente dizer a toda criatura quem é Jesus e qual é a transformação que Ele faz em todos quantos O aceitam como único Senhor e Salvador. É necessário que cada um de nós, com nossas vidas, “pregue o Evangelho”, que cada um de nós seja “…uma carta de Cristo e escrita não com tinta, mas com o Espírito de Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração, conhecida e lida de todos os homens” (cf. II Co.3:2,3).
- É a esta faceta da evangelização que Samuel Escobar Aguirre denomina de “marturia” (μαρτυρία), que nada mais é que “testemunho”, aspecto que será objeto da próxima lição.
III – A IGREJA MANIFESTA O REINO DE DEUS PELA COMUNHÃO
- A Igreja, como afirma o apóstolo Paulo, estava longe de Deus mas, pelo sangue de Cristo, passou a estar perto do Senhor (Ef.2:13). Em virtude do sacrifício vicário do Senhor Jesus na cruz do Calvário, temos pleno acesso ao trono da graça (Hb.4:16; 10:19-23).
- Perdoados os nossos pecados pela nossa fé em Cristo Jesus, não temos mais nenhum impedimento para nos chegarmos a Deus, pois o Cordeiro de Deus tirou o nosso pecado (Jo.1:29), pecado que nos separava do Senhor (Is.59:2).
- Entramos, então, em comunhão com Deus, comunhão esta que é sustentada e desenvolvida pelo Espírito Santo que em nós habita (II Co.13:13). Esta comunhão é retratada pelo apóstolo João como “andar na luz” e, por andarmos na luz, como Ele na luz está, esta comunhão com o Senhor se torna, também, uma comunhão com os demais irmãos, com aqueles que também foram salvos por Jesus Cristo (I Jo.1:7).
- Assim, a comunhão, a “koinonia” (κοινωνία) mencionada por Samuel Escobar Aguirre, é outra característica que manifesta, entre os homens, “o reino de Deus” por intermédio da Igreja, uma comunhão tanto com Deus como com os demais integrantes da Igreja (At.2:42,44,46), comunhão esta que é solenemente declarada na celebração da ceia do Senhor.
- A palavra “comunhão” é uma expressão típica da Igreja, tanto que sé é encontrada nas Escrituras Sagradas em o Novo Testamento e, mais especificamente, após a “inauguração” da Igreja a partir do dia de Pentecostes do ano 30. Seu primeiro aparecimento na Bíblia é em At.2:42, na primeira descrição deste novo povo de Deus, quando se diz que os crentes perseveravam na doutrina dos apóstolos e na “comunhão”. É a tradução da palavra grega “koinonia” (κοινωνία). A Bíblia de Estudo Plenitude aponta o significado desta palavra como sendo “compartilhamento, uniformidade, associação próxima, parceria, participação, uma sociedade, um companheirismo, ajuda contribuinte, fraternidade”, dizendo tratar-se de “uma uniformidade realizada pelo Espírito Santo. Em koinonia, o indivíduo compartilha o vínculo comum e íntimo do companheirismo com o resto da sociedade cristã. Koinonia une os crentes ao Senhor Jesus e uns aos outros.” (BÍBLIA DE ESTUDO PLENITUDE. Palavra-chave: comunhão, p.1109) (destaques originais). A Bíblia On-line da Sociedade Bíblica do Brasil, por sua vez, afirma que a comunhão é “associação com uma pessoa, envolvendo amizade com ela e incluindo participação nos seus sentimentos, nas suas experiências e na sua vivência”, “relacionamento que envolve propósitos e atividades comuns”.
- O surgimento da palavra “comunhão” nas Escrituras Sagradas só depois do início da evangelização feita pelos apóstolos é uma demonstração de que se trata de um fenômeno que exige, previamente, a salvação das pessoas. Não há que se falar em “comunhão” se, antes, não se tiver o novo nascimento, ou seja, a visão e a entrada no reino de Deus (Jo.3:3,5). Em Seu diálogo com Nicodemos, o Senhor Jesus deixou bem claro que somente através do novo nascimento se pode ver e entrar no reino de Deus e que quem vê e entra está na luz (Jo.3:21) e para que tenhamos comunhão uns com os outros e com Deus é necessário que andemos na luz (I Jo.1:7).
A “comunhão” é, portanto, um efeito da salvação, uma consequência de termos nos arrependido dos nossos pecados, crido em Jesus como nosso único e suficiente Salvador e, em virtude disso, passado a ter um novo modo de viver, uma nova direção em nossas vidas (conversão), o que é possível porque somos perdoados dos nossos pecados, tornados justos por Deus (a justificação) e separados do pecado e de seu domínio (a santificação posicional). Antes estávamos longe de Deus mas, pelo sangue de Cristo, chegamos perto (Ef.2:13) e, por isso, passamos a integrar este novo povo, a Igreja, o grupo daqueles “reunidos para fora”. Destarte, passamos a viver separados do mundo mas unidos a Cristo e a Seus irmãos, união esta que é a “comunhão”.
- Esta “comunhão” é “tornar comum”, ou seja, “tornar de todos”, aquilo que somente Jesus Cristo tinha, que era a qualidade de não ter pecado e, portanto, ser um com o Pai (Jo.10:30;17:22). Como Jesus nunca pecou, mantinha, enquanto homem, uma estrita comunhão com o Pai, pois o que faz divisão entre o homem e Deus é o pecado (Is.59:2). Como não havia pecado da parte de Cristo, nada impedia que Ele e o Pai estivessem em plena unidade, fossem um, tivessem comunhão e é por isso que nós, na medida em que cremos em Jesus e temos removidos os nossos pecados, também podemos ter esta mesma comunhão e se realize, assim, o anseio e desejo do Senhor manifestado na Sua oração sacerdotal, de sermos “perfeitos em unidade” (Jo.17:23).
“Comunhão”, portanto, é passar a compartilhar dos sentimentos, propósitos e desígnios de Deus, é ser “participante da natureza divina” (II Pe.1:4), é ser “vara da videira verdadeira” (Jo.15:4,5). O salvo, ao alcançar a salvação, passa a ter em comum a natureza divina, ou seja, passa a ser santo, a se separar do pecado, a abominá-lo, assim como Deus e a ter os mesmos desejos, pensamentos e sentimentos divinos em suas atitudes, sendo, portanto, um instrumento, consciente e livre, para a manifestação do amor divino para os demais seres humanos.
- Não é coincidência, pois, que Lucas, ao descrever a igreja nos seus primeiros dias, tenha afirmado que se tratava de um povo que perseverava na doutrina dos apóstolos e na comunhão, ou seja, a igreja é um povo que, por permanecer nos ensinos dos apóstolos, que são os ensinos de Cristo Jesus, a Palavra de Deus, é um grupo de pessoas que permanece na comunhão, persiste sendo um conjunto de pessoas que compartilha dos mesmos desejos, dos sentimentos e desígnios.


- A comunhão apresenta-se, pois, como a principal característica da Igreja, a sua marca perante a humanidade, a característica indispensável para que o Senhor possa realizar a Sua obra através do Seu povo. Pela comunhão, a Igreja mostra-se como um povo perante os demais seres humanos e, graças a ela, pode cumprir todas as tarefas determinadas a ela. Tanto assim é que o relato de Lucas a respeito da igreja primitiva termina com o cumprimento da principal missão da Igreja: “E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar” (At.2:47 “in fine”).
- Para que haja comunhão, portanto, é preciso que haja ausência de pecado, não só em virtude da chamada “santificação posicional”, ou seja, a nossa colocação por Deus entre os santos, pelo perdão dos nossos pecados (cfr. Sl.40:2,3), como também em virtude da nossa “santificação progressiva”, ou seja, a nossa contínua separação do pecado no dia-a-dia de nossa vida espiritual (cfr. Ap.22:11). A multiplicação do pecado em nossos dias (Mt.24:14) produz inevitavelmente a diminuição da comunhão e o consequente crescimento das divisões, porfias, dissensões e todas as obras pecaminosas similares a estas no meio daqueles que servem a Deus (Gl.5:20; Jd.20).
- A comunhão é o compartilhamento, participação, ou seja, a ação de tomar parte em algo, de se tornar parte de alguma coisa. Quando aceitamos a Cristo como único e suficiente Senhor e Salvador, nós nascemos de novo e, ao nascermos novamente, esta nova criatura que surge é um ser que decide ser parte de um corpo, que é a Igreja, que deseja, de livre e espontânea vontade, passar a ser apenas uma parcela, uma parte de um organismo que tem propósitos, sentimentos e vontade determinados pelo Senhor Jesus, que é a sua cabeça.
- Desejar ser parte da Igreja é desejar ser submisso a Cristo, fazer o que Ele manda, tomar a posição e exercer a função que Ele determinar neste corpo. O crente que está em comunhão com Deus é um crente que não escolhe lugar, trabalho, tarefa, mas que se põe onde o Senhor manda, que ocupa o espaço que lhe é reservado no corpo de Cristo, pois tem consciência de que é parte do corpo, que é um “membro em particular” (I Co.12:27), ou, como diz a Nova Tradução na Linguagem de Hoje, “cada um é uma parte desse corpo”.
A comunhão é a consciência que o crente tem de que é uma “parte desse corpo”, é uma “peça da engrenagem” e que, portanto, deve se relacionar bem com os demais integrantes do corpo, sabendo que todos são necessários, que ninguém é melhor do que ninguém, de que precisamos uns dos outros e que a obra de Deus somente se fará pela união de esforços, de objetivos, propósitos e sentimentos, o que nos será transmitido pelo Espírito Santo, a Quem incumbe nos anunciar tudo o que tiver ouvido e glorificar a Cristo (Jo.16:13,14).
- Comunhão é compartilhamento, é participação e, por isso, é muito mais que uma conjugação de esforços, que uma mistura, que uma adição de pessoas. Muitos têm confundido a comunhão com uma simples mistura, esquecidos de que, na mistura, como nos ensina a química, há “associação de substâncias, distribuídas uniformemente, em processo que deixa intactas as moléculas, resultando num todo homogêneo”, ou seja, apesar de, a olho nu, na mistura, muitas vezes, vermos uma confusão na reunião de pessoas, na associação de elementos, na verdade, cada elemento continua intacto, ainda que isto nos seja invisível. Há um todo homogêneo, mas cada elemento continua diferente, muitas vezes até oposto (aliás, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa considera que um dos significados de “mistura” é, precisamente, “reunião de coisas diversas e/ou opostas”).

Mistura não é comunhão, pois, na mistura, os elementos permanecem sendo o que eram antes de ser reunidos, antes de ser confundidos, antes de ser dissolvidos, mas, na comunhão, ao contrário, o que se tem é a transformação do elemento em parte de um todo que é uniforme, não apenas a olho nu, mas em essência, em natureza. Por isso, o apóstolo Paulo podia dizer que não mais vivia, mas Cristo vivia nele (Gl.2:20), porque agora era parte do corpo de Cristo, um elemento que participava da natureza divina, não um ser independente e que se mantinha intacto, intocado por Deus.

- Exemplo de mistura era o “vulgo” que saiu com Israel do Egito (Ex.12:38; Nm.11:4). A palavra hebraica para se referir a esta “mistura de gente” é “`ereb” (עדב), cujo significado é de “material entrelaçado, combinado”, como se fossem as linhas juntadas pelo tricô ou crochê, ou seja, pessoas que haviam estabelecido relacionamentos, que haviam se juntado com o povo de Israel, que pareciam ligados a eles mas que se mantinham intocados por Deus, que não faziam parte do povo de Deus, que não constituíam aquela nação que havia se comprometido a servir ao Senhor. Por isso, mantinham-se alheios aos propósitos divinos, não eram “parte do povo”, mas, sim, uma “mistura”, elementos que se mantinham independentes de Deus, sem qualquer compromisso com Ele. Foram estes que levaram a geração do Êxodo à incredulidade e à morte (Hb.3:19).
OBS: Em Nm.11:4, a palavra hebraica utilizada para designar o “vulgo” é “’aspesuf” (אספסף), que significa “ralé”, “conjunto de pessoas à parte”, a indicar que se tratava de um grupo que não estava unido ao povo, à propriedade peculiar de Deus entre os povos, mas pessoas que se mantinham apartadas da presença de Deus.
- Esta “mistura de gente” não se limitou a Israel, mas também está presente “no reino dos céus”. As parábolas contadas pelo Senhor Jesus sempre nos advertem de que “no reino dos céus”, haveria uma “mistura de gente”, seja o joio no meio do trigo (Mt.13:25,26,38,39), sejam as aves que vêm se aninhar no pé de mostarda (Mt.13:32), seja o fermento no meio da massa (Mt.13:33).. Estes não têm comunhão com a Igreja, embora estejam no meio dela, transtornando a vida espiritual daqueles que servem verdadeiramente ao Senhor e, assim como o “vulgo”, serão os responsáveis por induzirem muitos a perder a salvação, pois, por ouvirem o “vulgo”, a geração do êxodo não entrou na Terra Prometida (Nm.11:4; I Co.10:5,6).
A Igreja é um povo que tem comunhão com Deus e, por ter comunhão com o Senhor, sabe que é apenas uma parte e, por isso, acaba tendo comunhão uns com os outros, pois como temos consciência de que somos “partes”, sabemos que os outros irmãos também são “partes” e, por isso, nos unimos, sabendo que somente com a nossa união, o corpo poderá produzir o que a cabeça exige e determina, pois sabemos que somos “membros uns dos outros” (I Co.12:27 APF). Para que produzamos fruto e o nosso fruto permaneça (Jo.15:16), é fundamental que nos comportemos como “varas da videira verdadeira”, que assumamos a nossa condição de “partes” do corpo de Cristo.
- É importante vermos que o fato de assumirmos a condição de “partes” do corpo de Cristo não significa a anulação de nossa individualidade. Somos “membros em particular” do corpo de Cristo, ou, na expressão trazida pela Nova Versão Internacional, “cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo” (I Co.12:27) ou, na Tradução Brasileira, “individualmente um de seus membros”, o que nos mostra, claramente, que mantemos a nossa individualidade, mas a nossa vida passa a ser vivida em função do Senhor Jesus e de nossa posição no Seu corpo. Não viramos “massa” nem “robôs”, mas, por livre e espontânea vontade, passamos a renunciar a nós mesmos e a fazer a vontade do Senhor (Mt.16:24).
A comunhão é, portanto, um estado espiritual que deve ser mantido pela nossa submissão ao Senhor Jesus, de Quem nos tornamos participantes (Hb.3:14), participação esta que exige, de nós, a retenção firme do princípio da nossa confiança até o fim, ou seja, que mantenhamos a nossa fé em Cristo Jesus até o instante de nossa morte física ou do arrebatamento da Igreja, se estivermos vivos até lá. Comunhão se faz, portanto, mediante a submissão nossa a Cristo, através da manutenção da nossa fé.
- Vemos, pois, que a associação que se fez entre a comunhão e a participação na ceia do Senhor é apenas uma figura da comunhão e não ela mesma, como, infelizmente, alguns consideram, ainda sob o influxo dos ensinos sacramentalistas surgidos no seio do romanismo. Não há dúvida de que a ceia do Senhor é uma declaração de que estamos em comunhão com Deus (o que é representado pelo vinho, símbolo do sangue que nos fez chegar perto de Deus) e com os nossos irmãos (o que é representado pelo pão, símbolo do corpo de Cristo, ou seja, da Igreja) (I Co.10:16). No entanto, o simples ato de participar da celebração da ceia não é prova da comunhão nem nos traz comunhão, mas é uma declaração de que estamos em comunhão. A comunhão vem de nossa vida espiritual de submissão a Deus, de conscientização de que somos “parte do corpo de Cristo” e que estamos “separados do pecado” desde o dia em que aceitamos a Cristo e fomos purificados pelo Seu sangue, que continua a nos purificar, dia após dia, se nos mantivermos em santidade.
- Tanto assim é que os que participam da ceia do Senhor sem ter esta vida de comunhão com Deus estão selando a sua própria condenação, porque estão a mentir, a faltar com a verdade, a não discernir o corpo do Senhor, a não compreender o que é a Igreja, o que é ser salvo, o que é ter comunhão com Deus e com o Seu povo (I Co.11:29,30). E, sabemos, que nenhum mentiroso herdará o reino de Deus (Ap.21:27; 22:15).
A ausência de comunhão na Igreja é um escândalo (I Jo.2:10), ou seja, é um fator que faz com que os homens, em vez de receberem a Cristo como seu Senhor e Salvador, deixem de crer no Evangelho e o Senhor Jesus passa a ser, para eles, uma “pedra de tropeço”, um motivo de queda espiritual ( I Pe.2:8).
- Quem não está em comunhão com os irmãos e se faz instrumento de escândalo, encontra-se em situação espiritual extremamente difícil e danosa, pois, como diz o Senhor Jesus, melhor lhe fora que atasse uma pedra em seu pescoço e se atirasse no mar (Mt.18:6,7). Tomemos muito cuidado, amados irmãos!
IV – A IGREJA MANIFESTA O REINO DE DEUS PELA PUREZA
- Mas não é apenas pela proclamação do Evangelho, pela frutificação e pela comunhão que a Igreja manifesta “o reino de Deus”. Também o faz pelo que o nosso ilustre comentarista denominou de “humildade, simplicidade e receptividade” e que preferimos chamar de “pureza”.
- Em Mt.18:1, os discípulos interrogaram Jesus sobre quem seria “o maior no reino dos céus”. E o Senhor Jesus, em resposta a esta pergunta, chamou um menino, pôs no meio deles e lhes disse que se eles não se convertessem e não se fizessem como meninos, de modo algum entrariam no reino dos céus. Disse, ainda, que aquele que se tornasse como menino, esse seria o maior no reino dos céus e quem recebesse em Seu nome um menino como aquele que havia posto no meio dos discípulos, estaria recebendo ao próprio Jesus (Mt.18:2-5).
- Ao comparar “o maior no reino dos céus” a um menino, a uma criança, o Senhor está a revelar que os integrantes do reino de Deus têm de ter as mesmas características da criança.
A primeira característica da criança é a sua inocência. A criança é inocente, não tem maldade, crendo em tudo quanto lhe falam e lhe ensinam. Não é uma mente vazia, mas, sim, uma mente vazia de maldade e de malícia. A criança é inocente, ou seja, alguém que é “incapaz de praticar o mal”, que é ignorante a respeito do mal, que “não faz mal”, que é “brando e manso”.


- O “maior no reino dos céus” é alguém que não é capaz de praticar o mal, que não tem como fazer o mal, que é brando e manso, que não mais conhece o mal. Para ser assim, é necessário que tenha aprendido de Jesus, que é manso e humilde de coração (Mt.11:29).
- O “maior no reino dos céus” tem de se fazer “pequeno”, ou seja, precisa ser humilde, estar aos pés do Senhor, humilhar-se diante da potente mão de Deus (I Pe.5:6). “Humildade vem do Latim humus que significa ‘filhos da terra’. Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas. A Humildade é a virtude que dá o sentimento exato da nossa modéstia, cordialidade, respeito, simplicidade, honestidade e passividade…” (Humildade. In:  WIKIPÉDIA. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/HumildadeAcesso em 14 jun. 2011).
- A humildade é a primeira bem-aventurança mencionada pelo Senhor Jesus no sermão do monte (Mt.5:3), dizendo que dos humildes é o reino dos céus, precisamente porque precisamos nos pôr como “pó da terra”, como um “menos do que nada” diante de Deus, reconhecendo que, não fosse a misericórdia do Senhor, estaríamos irremediavelmente perdidos.
- Quando nos conscientizamos de que somos “pequenos”, teremos condição de pertencer ao “reino de Deus”. Somente aos que se mostram “pobres e necessitados”, espiritualmente falando (Sl.40:17), o Senhor revela “o reino de Deus” (Mt.11:25).
A segunda característica da criança é a sua credulidade. A criança crê em tudo que lhe falam, não suspeita mal de pessoa alguma. É, portanto, uma pessoa aberta a crer. Os integrantes do reino de Deus também devem ser pessoas de fé, que creem em tudo quanto Deus lhes falar (Hb.11:6; I Co.13:7) e que, também, não suspeitam mal do próximo, visto que são portadoras do amor de Deus (I Co.13:5).
A terceira característica da criança é a sua disposição para aprender mediante o exemplo dos outros. A criança é uma grande aprendiz, sempre está disposta a aprender, não se acha conhecedora nem dona da verdade, mas, observando atentamente os que a cercam, busca aprender com os outros, principalmente com seus pais. De igual modo, o integrante do “reino de Deus” é alguém que está sempre pronta a aprender e aprender de Jesus, para quem olha atentamente (Hb.12:1,2).
- Lamentavelmente, muitos, na atualidade, comportam-se como um professor de filosofia que se encontrou com o mestre budista japonês Nan-in que, no encontro, passou a servir uma xícara de chá ao seu visitante, deixando, propositadamente, que o chá começasse a transbordar, visto que a xícara estava cheia. Quando o visitante disse para que ele parasse, pois já estava sendo derramado chá na mesa, o mestre disse que o referido professor era como aquela xícara, nada podendo aprender, vez que estava cheio de opiniões e ideias. Quando rejeitamos aprender do Senhor, não podemos ser “vasos de barro” que contenham “o tesouro excelente” (II Co.4:7).
- Não é por outra razão que os seguidores de Jesus são chamados de Seus “discípulos”, ou seja, Seus “alunos”, Seus “aprendizes”. Que sempre tenhamos consciência da verdade que disse Bildade, o amigo do patriarca Jó: “Porque nós somos de ontem e nada sabemos; porquanto nossos dias sobre a terra são como a sombra” (Jó 8:9), Quando não nos fazemos “pobres de espírito”, quando nos arrogamos como “ricos”, somos lançados fora do “corpo de Cristo” (Ap.3:16,17). Sejamos humildes, amados irmãos!
A quarta característica da criança é a simplicidade.O que é simplicidade? Simplicidade é ausência de maldade. Como diz o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, é “qualidade, caráter daquele que é sincero; franqueza, pureza, candura”. No texto original grego, a palavra é “aplótes” (άπλότης), cujo significado é, precisamente, o de “singeleza, sinceridade, franqueza, devoção sincera”, tanto que, na Nova Versão Internacional, a palavra é traduzida por “sincera e pura devoção a Cristo” em II Co.11:3 e por “sinceridade de coração” em Cl.3:22. Também não é diferente o significado da palavra hebraica correspondente a “simplicidade” no Antigo Testamento, “tom” (םמ) , que também quer dizer “integridade, inocência, sinceridade”.
- Quando vivemos com simplicidade, pregamos o Evangelho, pois uma vida simples nada mais é que ter uma vida piedosa e sincera diante de Deus, como acima já exposto, o que Paulo denomina de “testemunho da nossa consciência” (II Co.1:12). Esta simplicidade tem se perdido em muitas igrejas locais e, como consequência disto, parte-se para o formalismo, para o ritualismo, para o excesso de liturgia, para as inovações e para o misticismo, tudo para tentar esconder a falta da graça de Deus, graça esta que está apenas onde há simplicidade, como diz o próprio Paulo no texto há pouco referenciado.
V – A IGREJA MANIFESTA O REINO DE DEUS PELO SERVIÇO
- Por fim, como diz Samuel Escobar Aguirre, a Igreja também manifesta o “reino de Deus” pelo “serviço”, que o teólogo peruano denominou de “diakonia” (διακονία), palavra utilizada pelo Novo Testamento (v.g., II Co.11:8), cujo significado é “servir à mesa”, “servir”, “cuidar”, “ajudar, apoiar”.
- Jesus disse aos discípulos que, no “reino de Deus”, os maiores devem servir aos menores, ou seja, o serviço é a dimensão da grandeza, ao contrário do que ocorre entre os gentios (Mc.10:43,44). Jesus, a cabeça da Igreja, veio para servir e não para ser servido (Mc.10:45) e todos nós devemos ser Seus imitadores (I Co.11:1; Ef.5:1) e seguir-Lhe o exemplo (I Pe.2:21).
- Também não nos deteremos neste tema, pois é ele o objeto da lição 7 deste trimestre.
- Será que temos manifestado “o reino de Deus” em nossas vidas, com “kerygma”, “koinonia”, “marturia” e “diakonia”? Pensemos nisto!
Colaboração para o Portal Escola Dominical – Dr. Prof. Caramuru Afonso Francisco

LIÇÃO 5 – HONESTIDADE A TODA PROVA

3º Trim. 2011 - ADOLESCENTES – CPAD - LIÇÃO 5 – HONESTIDADE A TODA PROVA


Ao Mestre
Amado (a) a Escola Bíblica Dominical (EBD) é a escola do Ensino Bíblico da Igreja.
A EBD evangeliza enquanto ensina, conjugando assim os dois lados da grande comissão de Jesus à Igreja:
“Portanto, ide, ensinai {ou fazei discípulos} todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!”(Mt 28.19,20).
A EBD tem objetivos definidos para atingir. Não se trata apenas de uma reunião domingueira comum, ou um culto a mais. Esses objetivos são três, à saber:

1. Ganhar almas para Jesus
O primeiro dever do professor da Escola Dominical é agir e orar diante de Deus no sentido de que todos os seus alunos aceitem ao SENHOR JESUS COMO SALVADOR e  O SIGAM como seu SENHOR e MESTRE. Há professores de EBD que, ensinam durante anos sem nunca ver um aluno convertido, talvez porque nunca os levaram a aceitar a Cristo na própria sala de aula.
O meio certo de lavar almas a Cristo é usar a PALAVRA DE DEUS e confiar na operação do Espírito Santo (Jo 3.5; 16.8; 1 Pe 1.23). O professor não pode salvar os alunos, mas pode leva-los ao SENHOR, assim como fez André (Jo 1.42).
A Bíblia não diz “Ensina a criança no caminha ‘em que vai andar’  ou ‘quer andar’, mas no caminho em que deve andar” (Pv 22.6).
2. Desenvolver a espiritualidade e o caráter cristão
O ensino da Palavra de Deus é uma obra espiritual e por essa razão é muito significativa para à cultura da alma, ganhar o aluno para Cristo é apenas o inicio desta obra, é necessário cuidar em seguida da formação doa hábitos cristãos, os quais resultarão num caráter ideal.
São os hábitos que formam o caráter, afirma a filosofia:
“O pensamento conduz ao ato, o ato conduz ao hábito, o hábito conduz ao caráter, o caráter conduz ao destino da pessoa”, é claro que isso humanamente falando.
A palavra caráter procede do grego charassein ou  charasso significando “coisa gravada”, ou “eu gravo”. Caráter é o conjunto de qualidades fundamentais da personalidade.
Como podemos ver, o caráter pode ser gravado, é imprescindível que o professor (a) de EBD, tenha maturidade espiritual e consciência da importância desse trabalho.
Segundo o filósofo e psicólogo francês René Le Senne, o caráter é formado por traços com sentido moral e ético. Assim sendo, características como honestidade, desonestidade, afabilidade, indelicadeza, perseverança, inconstância e disposição para o trabalho revelam traços que são socialmente aceitas ou reputadas, e são tidas como certas ou erradas.
E estes “traços” são graváveis, a personalidade Cristã possui traços de caráter cujo modelo é  Cristo.
O professor (a) de EBD, não trata somente dos aspectos humanos da personalidade. Seu trabalho está também ligado a redenção da alma da pessoa e ao seu progresso à semelhança de Cristo. Desse modo o trabalho de quem ensina na EBD se torna uma missão de significado eterno.
Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma que possa conduzir o aluno a:
  1. Definiro termo honestidade e optarpor aplicar a lição aprendida em seu cotidiano, entendendo que agindo assim agradarão à Deus.
Para refletir
“Será que interessa ao Todo-Poderoso que você seja honesto? Que lucro tem ele se você é correto em todas as coisas?”( Jó 22.3 - NTLH)
Deus que tudo conhece e nos ama, se preocupa conosco. Por essa razão Ele quer que andemos honestamente, pois a desonestidade sempre trará conseqüências danosas à nossa vida.
Também, como Igreja, somos representantes de Cristo na terra – já pensou nisso? – representar Deus diante dos homens!
Deus é puro, é Santo, e a Verdade.
Texto Bíblico em estudo: Fp 4.8; 1 Pe 2.12.
Introdução
Os cristãos devem fixar sua mente nas coisas verdadeiras, puras, justas e honestas.
Seu viver deve refletir a imagem de Deus, com santidade e temor.
Essa é a condição prévia para experimentarmos a paz de Deus (Fp 4.9).
O resultado de fixar nossas mentes nas coisas que do mundo será a perda da alegria, d a presença intima e da paz de Deus.
Devemos viver de forma que os que ainda não conhecem a Deus, dêem gloria a Deus por nossa vida ser justa e honesta.
Honestidade
Definição:
Segundo o dicionário Aurélio século XXI:
[De honesto + -(i)dade.]
S.f.
 1. Qualidade ou caráter de honesto; honradez, dignidade.
 2. Probidade, decoro, decência.
 3. Castidade; pureza; virtude. 
O dicionário Houaiss, nos traz mais esclarecimentos:
Honestidade- {verbete}
 
Acepções
■ substantivo feminino
1. Qualidade ou caráter de honesto, atributo do que apresenta probidade, honradez, segundo certos preceitos morais socialmente válidos
2. Característica do que é decente, do que tem pureza e é moralmente irrepreensível; castidade
Etimologia
- honesto + -i- + -dade; ver honest-; f.hist. sXIV onestidade
Sinônimos
- ver sinonímia de castidade; ver antonímia de ardil indecência
Antônimos
- desonestidade; ver tb. sinonímia de ardilestroiniceindecência e lubricidade
Como podemos ver, honestidadeé o ato, a qualidade, ou condição de ser honesto. Isto pode incluir ser a pessoa ou uma instituição (empresa etc.),  verdadeira em seus atos e declarações, não propensa a enganar, mentir ou fraudar; é se mostrar sem malícia, é demostrar ter um bom caráter.
A verdade
As práticas desonestas denotam alguma verdade?
“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.”( Jo 14.6 - ARC).
Notemos a declaração do Senhor Jesus: “... Eu sou... a verdade...”
Será que podemos ser chamados de “pequenos cristos” (significado de cristão), se andamos de forma desonesta, enganando nosso próximo?
E o Senhor Jesus foi mais além nesta declaração: “... ninguém vem ao Pai senão por mim.”
Isso quer dizer que se não andarmos em verdade, de forma honesta, descente, pura, sem mentiras, não seremos salvo, pois ser salvo é estar em Cristo, e guardados em Deus.
Em sua oração sacerdotal o Senhor Jesus rogou ao Pai por nós, dizendo:
“Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.”(Jo 17.17 - ARC).
Vemos neste versículo que há uma perfeita identificação entre Jesus, a Verdade e a Palavra de Deus, por essa razão todos os que são de Cristo conhecem a verdade (2 Jo v.1) andam na verdade (2 Jo v.4) e recebem o testemunho da própria verdade (3 Jo v. 12).
A verdade é o padrão dos cristãos, e um emblema para todos que desejam servir a Deus.
O mundo
Vivemos dias de grande permissividade moral, onde a mídia secular exalta e promove os valores que levam a decadência moral e à troca de valores. Nossos olhos e ouvidos são bombardeados com mensagens, slogans e sugestões repulsivas e pecaminosas, e muitas delas são adotadas como modelo da atual geração.
A mídia usa pessoas “formadoras de opinião” em cujas vidas a libertinagem prevalece, que influenciam de forma negativa nossas crianças, adolescentes e jovens, motivando-os a denegrir seu comportamento com decisões absurdamente for a dos padrões estabelecidos na Palavra de Deus. Estes são mestres em enganar, assim têm feito à muitos que procura m neles espelhar-se.
 Os princípios bíblicos são a fonte dos hábitos que mantém a pureza de coração. Cuidemos daqueles que nos foram confiados para ensinarmos, para que não haja um enfraquecimento de seus valores morais e éticos.
Vencendo a tentação
O termo tentação está sempre presente na vida do cristão. Satanás utiliza-se de meios e táticas, cada vez mais sutis, para tentar o povo de Deus. Como a serpente enrola-se e espreita par a dar o bote, assim tem feito dia após dia.
Os recursos divinos disponíveis para vencermos as tentações são: a vigilância, a oração, a fé, a Palavra de Deus e o Poder do Espírito Santo.
A tentação é um convite e uma instigação para o pecado e possui basicamente três origens: a carne, o mundo, e o diabo. Mas cabe a nós resistir, não aceitando desobedecer a Deus.
A Bíblia nos afirma:
“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”(1 Co 10.13 – ARA).
Isto quer dizer que a tentação que nos sobrevém pode ser resistida, Deus não deixa sermos tentados acima de nossas forças. Então quando pecamos é porque cedemos, sem usar  da reseva que Deus nos dá.
Não importa quão propicio ou lucrativo possa nos parecer um ato desonesto, devemos resistir, sabendo que conseqüências desastrosas virão sobre nossas vidas.
Uma das conseqüências é a perda da imagem de pessoa honesta, à partir da primeira desonestidade descoberta, os que nos conhecem perderão a confiança em nós, e será muito difícil reconquista-la novamente.

Decida seguir o caminho certo
A busca por um padrão de vida honesto e ético deve, portanto constituir-se no alvo de cada crente, sabendo que ele (a) tem responsabilidade para com Deus, e a Igreja.
A vida do cristão tem muito a ver com as suas relações com o mundo.
Deve haver uma relação harmônica entre o que cremos e o que praticamos
O cristão é um ser social como os demais seres humanos, logo temos uma vida ligada aos nossos semelhantes sob vários aspectos. Devemos agir com sabedoria, buscando agir com compreensão, bom relacionamento, cooperativismo, etc. Porém, de forma que sempre procuremos mostrar Jesus aos homens, vivendo como Ele viveria se estivesse em nosso lugar.
O Evangelho de Cristo é a base legitima de toda a ética e moral, isso em todos os sentidos.
Podemos através de nosso viver cotidiano impor aos que nos cercam, a mor al, os bons costumes, a honestidade, a solidariedade, o perdão, e ao amor – influenciando e trazendo benefícios aos nossos familiares, amigos, vizinhos e colegas de escola e trabalho.
Através de nosso viver vidas prenderão o que ser digno, honesto e confiável. Desejarão ser como nós, se assim agirmos verdadeiramente seremos “Sal da terra e Luz do mundo” (Mt 5.13,14).
Conclusão
Os hábitos contraídos por alguém trazem como conseqüências marcas no seu caráter.
A desonestidade resulta em grandes marcas na vida de quem a toma para pautar seus passos.
Honestidade é algo que devemos a nós mesmos, mais do que aos outros. Ser honesto é ser fiel consigo mesmo, com Deus e com o teu próximo.
A prática de hábitos saudáveis e honestos, irão formar naqueles que os praticam um caráter equilibrado, e um modelo de personalidade, aprimorando a vida moral do praticante, salientando-lhe também as virtudes espirituais.
Toda a glória do Evangelho está relacionada com a vida exemplar do cristão.
Vivamos, pois de forma que nossa vida venha a glorificar à Deus.
DINÂMICA – LIÇÃO 5 – HONESTIDADE A TODA PROVA
Eu sou meu próximo
Tema: Conscientização.
Material: Folhas de papel e lápis.
Objetivo: saber que Deus espera que façamos aos outros o que queremos que eles nos façam.
Desenvolvimento:
1 - Em círculo, sentados.
2 - Distribuir uma folha para cada um, pedindo que respondam as seguintes questões  Dar tempo.
  1. Você esquece seu celular na escola, o que espera que quem encontre faça?
  2. Você trabalha no caixa de um supermercado, na pressa... dá troco à mais para um cliente, o que você gostaria que ele fizesse?
  3. Você precisa de uma informação quanto à uma rua, depois descobre que te enganaram, fazendo-te andar muito na direção errada, como você se sente?
3 - Partilhar com o grupo, experiências que tiveram, com perdas, troco, e outras.
4 - Em plenário: - O que descobriu sobre você mesmo, realizando a atividade?
Aplicação:
“E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira fazei-lhes vós também.”(Lc 6.31 – ARC)
A consciência de si mesmo constitui-se no ponto inicial para cada um se conscientizar do que lhe é próprio, conscientizando-se que devem mostrar-se sensível às necessidades do próximo, pois isso é sermos filhos de Deus, mostrando-nos honestos e justo para com os outros, conforme queremos que eles sejam conosco.
Com este trabalho é possível ajudar aos participantes a se perceberem, permitindo-lhes a reflexão.
Colaboração para o Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva

LIÇÃO 05 - A INSTITUIÇÃO DA MONARQUIA EM ISRAEL / SUBSÍDIOS / CLASSE ADULTOS

Apresentado pelo Comentarista das Revistas Lições Bíblicas Adultos da CPAD, pastor Osiel Gomes